# #

Um lugar chamado Paraíso, 16

5289 palavras | 3 |4.25
Por

Não tinha planos de me envolver com as meninas, Marta era o objetivo traçado pela maluca de minha irmã, mas aconteceu como foi com minhas meninas…

16. Armações das coleguinhas e as recordações

🌵 🍁 🌳 🌴 ☘️ 🌳 🌴 ⭐ 🌾 ⭐ 🌳 🎋 🌴 ☘️ 🌳 🌴 🍁 🌵

📃 O Tempo passa tão rápido, pessoas entram e saem da nossa vida e a gente nunca deve perder a oportunidade de dizer a essas pessoas o quanto eles significam para você.
O melhor dia da nossa vida é sempre aquele que estamos vivendo, pois só no presente temos a possibilidade de consertar erros do passado e a oportunidade de preparar um futuro melhor. Mas onde achar os erros? Será que essa avalanche de sentimentos, de emoções e de prazer compartilhado foram erros?

📅 14 de novembro de 2001, sexta-feira – Santa Mônica (Menina que sabe chupar)
✔ (Priscila sentiu o corpo leve como se estivesse flutuando, Roberto lhe faz carinho e fica surpreendido quando a menina chupa seu pau… Marta volta com Angélica, Sandra se fecha e Roberto nota e conversa com ela e recorda uma certa noite dentro de uma barraca… Marta está preocupada com a filha e conversa, a menina lhe parece mais madura e solta…)

Priscila ficou deitada, Roberto ainda entre suas pernas lhe acariciava o corpinho de menina.
— Ei garota? – bolinou o biquinho do peito – Vai dormir?
— Elas, meu? – sorriu e sentou – Tô de xiri ardendo…, tu quase me mata, tio… – puxou a cabeça e beijou a boca melada com os sucos de sua vagina – Tu gostou de me beber? – sorriu engolindo a saliva misturada com seu próprio gozo.
— Te beber? – olhou na carinha de moleca.
— Tu bebeu meu gozo, não bebeu…
— Bebi…, bebi no cálice dos deuses…
— Cálice dos deuses nada, foi na minha xoxota mesmo… – riu e novamente beijou e chupou a língua sentindo passear no sonho fantasioso de menina que começa caminhar, com passos incertos, em um mundo de gente grande – Tu gostou?
— Adorei molequinha… – lembrou das meninas – Tuas coleguinhas devem estar matutando do que estamos fazendo…, vocês armaram… – caiu a ficha, aquele demorado buscar de água foi armação.
— Tu não queria ficar sozinho comigo? – levantou e mergulhou na cacimba, Roberto olhava para o corpinho pequeno, a bundinha saliente e a vagina, agora mais vermelha, que tinha chupado e dado prazer para a garota – Sandrinha já deu…
— Já deu o que? – se fez de desentendido.
— Já deu o priquito… – Roberto estava sentado no batente da cacimba, o pau duro – E a Gorete deu a bunda…
— Vocês são três danadinhas… – acariciou o rosto da menina sentada de pernas cruzadas em sua frente – E você? Já deu o que?
— Dei nada não… – aproximou mais e tocou no pau duro – Eu só beijo na boca…
— Só beija? – acariciou a cabeça, os cabelos molhados desalinhados – Cadê o elástico?
— Deve de ter saído… – sorriu e ajeitou o cabelo em coque no cocuruto da cabeça – Vê se tu acha… – olhou moleca e o bichinho de diabinha tomou conta da vontade – Mas agora eu dei meu xiri pra ti… – riu o riso de menina safada.
Roberto olhou para ela, que olhava para ele com aquele sorriso de anjo capeta. Balançou a cabeça e voltou tatear o chão coberto de folhas secas, não encontrou, girou o corpo e continuou procurando ate ver a liga vermelha debaixo de uma folha maior e sentiu o corpo estrebuchar.
— Não faça isso! – voltou à posição inicial, Priscila olhou com olhar safado sem tirar o pau da boca e ele sentiu a ponta da língua fustigar a glande – Ei!…
Puxou o queixo e ela deixou o pau escapulir, uma linha de baba escorreu no canto da boca.
— Tu não quer? – limpou a baba com o dorso da mão – Deixa só um pouquinho, tá?
— Então quer dizer que você só beija? – riu e delineou o rosto com a ponta do dedo.
— Tu chupou minha xoxota e… – no rostinho bonito um quê de molecagem – …Se tu querer chupo teu pau, tu quer? – aquele semblante novamente de criança anjo brincando de brincar.
Olhou para ela, apenas olhou se deixando deixar, para ela, e nem para ele, não era a primeira vez.

📝 Ele não respondeu e Priscila voltou a engolir e chupar, a mão subia e descia num acariciar que encurtava o tamanho para caber na boca morna e vez por outra sentia os dentes afiados roçar no talo. Roberto olhava o rosto da garota e a boca cheia de pau e lhe pareceu voltar a viver em um passado distante.

🕛🕧🕐🕜🕑🕝🕒🕞🕓🕟🕔🕠🕕🕡🕖🕢🕗🕣🕘🕤
👈 Recordações, volta ao passado 👈

📅 8 de novembro de 1997, sábado – Fazenda Paraíso (O leitinho do papai)
✔ (Naquela tarde Bruna estava impossível…)

— Essa menina tá com o capeta! – Silvia ralhou pela enésima vez com a filha – Sossega o facho menina! Vai, teu pai deve estar chegando.
— Porque ele teve de ir hoje mãe? – sentou no ladrilho gelado – Ele disse que ia ficar comigo, só comigo!
— Eita cegueira! Te aquieta filha, sua irmã….
— Aline só quer ficar com ele…, e a tia Roberta…
— Filha…, seu pai não é só seu, é também de sua irmã…
— Mas ele prometeu que ia me levar pra ver os bezerrinhos, mãe….
— Espera um pouco filha, eles devem estar chegando… – pegou a filha do chão e colocou em seu colo – Você não é mais criancinha, filha…, seu pai tem que dar também atenção a sua irmã, às suas primas, suas tias e sua avó…
— É gente demais, mãe…, assim não sobra tempo pra mim! – a mãe sorriu e beijou o rosto de sua loirinha sapeca – Ele não chega?
— Tenha paciência… – olhou as horas no relógio de parede – Olha, vá tomar banho que logo logo teu pai chega…
— Quero banhar com o pai…
Silvia desistiu e uma pontinha de ciúmes mordiscou na cabeça, a filha estava cada dia mais fissurada no pai e sentiu medo de que estivessem errando no modo de criar e educar as duas. Já tinha conversado com o marido que, como ela, também estava ficando preocupado com as atirações das meninas e só a sogra é que parecia não ver o que poderia acontecer.


📝 Estava preocupada e com medo que as meninas com aqueles chamegos cada dia mais intensos e carnais como se disputassem o pai como troféu. Buscava apoio nos conselhos, antes tão precisos, da sogra mas sentia que, tanto ela como a cunhada, se divertiam com aquela disputa insana.

— Você está colocando chifre em cabeça de minhoca – Claudia tentou tirar aquele medo da nora – Isso é coisa passageira, teu marido sabe manobrar bem a situação…
— Mas… – olhou com desalento sentindo que Cláudia, para aquele assunto, não lhe seria útil – …Minha sogra, às vezes penso que estamos sendo liberais demais com elas… – sentou na ponta da cama.
— Porque você acha isso? – riu, a nora vestia apenas calcinha e uma camiseta cavada.
— Esse negócio das meninas viverem de calcinha aqui e…
— Como nos duas? – riu.
— Como eram os dois, Dinho e Roberta? – resolveu mudar o mote – Eles…
— Silvia… – largou o livro no tamborete ao lado da cadeira de palinha – Teu marido e tua cunhada….
— Isso eu sei, mas as meninas…
— Quais? Aline, Bruna, Jéssica ou Ana Beatriz? – segurou a mão da nora – Essa casa sempre foi cheia de mulheres que gostam de ser como são… O que você vai fazer? Vai obrigar tuas filhas se vestirem sempre que teu marido estiver presente? E Jéssica? E você…
— A senhora nunca teve medo que…, que as pessoas soubessem de Dinho e Roberta?
— Não!… O que acontece na Paraíso pertence a Paraíso… Teu marido tem trinta e três anos e já está calejado de ver xoxota…
— Mas as meninas…
— Digamos que você consiga que elas passem a se vestir…, e quando você não estiver presente, o que pode ser feito? – beijou a palma da mão da nora – Nunca proibi meus filhos de viverem como gostam e não adiantaria nada se tivesse proibido…, o máximo que poderia acontecer seria eles se amarem escondidos… Isso adiantaria?
— Mas… Os tempos mudaram minha sogra…

Não adiantaria se exasperar, o mundo em que viviam não era o mundo de pessoas comuns, era um mundo só deles, criado na liberdade de viver e de amar sem barreiras, mas os tempos, pelo menos para ela.
O que antes lhe maravilhou hoje lhe dava calafrios só de imaginar como viveriam as filhas caso o marido se deixasse levar pelos castelos de areia das meninas…

⭐⭐⭐⭐⭐⭐⭐

📝 As preocupações de Silvia não eram tão descabidas como Claudia lhe falava e, lá no fundo, nem Claudia tinha tanta convicção de que o filho iria conseguir não se deixar levar pelas garotas…

— O que você quer fazer doidinha?
— Nada não pai… – sorriu e mergulhou e nadou debaixo d’água como uma piabinha.
Roberto continuou deitado na beira arenosa do açude, o sol já estava se escondendo da lua por detrás dos montes, os bandos de periquitos voavam em algazarra e gritos que inundava o silêncio do final de dia e não viu, somente escutou a zoada da água que lhe lambeu o corpo e Bruna deitou em cima dele.
— Tu deixa eu fazer uma coisa? – acariciou o peito do pai.
— O que você vai fazer? – levantou a cabeça e olhou a cara safada da filha.
— Só digo se tu deixar, tu deixa?
— Deixo! – acariciou a cabecinha de cabelos cacheados cor de ouro reluzente e quando a filha tirou seu pau da cueca se arrependeu de ter deixado sem saber o que deixara – O que você vai fazer?
— Tu deixou, não deixou? – riu e escorregou até ficar deitada, com o corpo dentro da água.
— Deixei, mas… – estremeceu, a filha tirou o pau e lambeu a cabecinha – Não foi isso o que eu deixei…
— Mas é isso o que eu pedi… – riu moleca e colocou o pau na boca.
— Não Bruna, pare com isso… – ela não parou, lambeu, beijou e novamente engoliu até sentir asco de enjoo quando a glande tocou no fundo da garganta – Filha…, isso não é brincadeira…
Ela sabia que não era brincadeira, era coisa séria que tinha visto a mãe e a tia fazerem, chupou imitando os movimentos da mãe e da tia com a boca e com a mão. Não sabia se aquele gosto era bom, mas sentiu prazer e não parou e chupou e punhetou o pai que respirava agoniado pela agonia de estar sendo chupado pela filha e pelo medo de que não aguentasse muito antes de gozar.
— Para filha…, para… O papai… Não Bruna, pare com…, com isso…
Só que tanto ela, quanto a outra, não eram de deixar pela metade o que começavam e continuou chupado, lambendo ora a glande, ora os ovos.
Roberto sabia que não iria adiantar pedir para que parasse, não fosse naquele momento seria em outro e se deixou chupar e ela chupava com gana, com vontade de chupar. Sua xoxota, lambida pelas pequenas marolas de águas morna do açude, melecava de desejos e continuou chupando até sentir o pau engrossar na boca, fremir e desaguar em esguichos que lhe encheu a boca.
O pai tinha gozado, bebeu, não deixou escapulir uma gota sequer e gozou sentindo as marolas lamber sua bunda e xoxota.


📝 Ela não escutava nem o barulho dos periquitos e nem o zoar das folhas balançando ao vento ameno. Só o coração tamborilando no peito como fossem estrondos e aquele gosto salgado da aguinha que saia do buraquinho do pau do pai, continuou engolindo e bebendo a aguinha que não parava de sair e sentiu o pai estrebuchar, o pau engrossar e aquele jato entrando goela adentro e o gemido de prazer do pai…

🕛🕧🕐🕜🕑🕝🕒🕞🕓🕟🕔🕠🕕🕡🕖🕢🕗🕣🕘🕤
👉🏻 De volta ao presente no Campestre 👉🏻

📝 A menina chupou forte, lambeu o talo e sentiu um gostinho salobro inundar sua boca e parou sem largar o pau, parou só para engolir olhando com aquele olhar safado o líquido pingado do buraquinho da glande e, agora fechando os olhos, voltou a sugar, lamber acariciando com a ponta da língua macia a cabeça do pau pescando, da fonte, aquele negócio salobro gosmento que começou minar.

— Sai filha, larga… Hun! Hun! Eu vou… Vou gozar…
Ela não largou, não saiu e continuou chupando até ele gozar e encher a boca com aquela gosma branca que engoliu sem sentir nojo.
— Maluca… – respirou fundo, Priscila continuava chupando e bebendo as últimas gotas.
Roberto sentia a boca morna lhe sugar o pau até deixar limpo, Priscila olhou para ele sorrindo, uma risca de gozo escapuliu no canto da boca que ela buscou com a língua.
— Tu gostou? – lambeu o fio de gala, no canto da boca, que tinha escapulido.
— Doida, doidinha… – ela levantou e deitou em cima dele – Então não é só beijo na boca?…
— É sim tio…, er… é… mas…, agora é mais né? – tornou lamber os beiços e engoliu o que ainda estava na boca e sorriu aquele sorriso de anjo.
— Você já tinha feito isso?
— Não! Fiz certo?
— Fez, claro que fez… – a mão passeando nas costas e desceu para a bundinha arrebitada.
— Nunca chupei ninguém… Foi a Sandra que disse como eu tinha de fazer – arrebitou a bundinha ao sentir a mão lhe acariciar – Tu não quer meter de ni mim?
— Não…, já basta, você não acha? – o dedo escorregou no rego e tocou no buraquinho do cu – Além do mais sua florzinha não cabe meu pau, você não acha?
— Sei não…, só vou saber se tu tentar, quer?
— Não… Vamos, está ficando tarde e já fizemos traquinagem demais por hoje…
Voltaram de mãos dadas, Priscila era um só orgulho por ter sentido e dado prazer para seu namorado.

⏰ Algum tempo depois… ⏰

📝 Conversavam na pracinha do restaurante quando Marta e Angélica chegaram…

— Mãe?! – Priscila correu e se atirou nos braços da mãe – Tu trouxe o que te pedi?
— Ajuda aqui Dinho, essa moleca pensa que ainda é criancinha!… – Roberto sorriu e a garota trocou de braço escanchando a perna no corpo dele – E aí? Como foi o dia?…
Colocou os pacotes no chão, beijou os lábios de Roberto e sentou no banquinho da praça. Angéica olhava Priscila nos braços de Roberto.
— Tu tá fazendo o que aqui mãe? – Sandra descruzou as pernas, estava vestida em um saiote curto e a mãe tinha visto o que Roberto via, a bocetinha da filha sem calcinha – Tu não ia passar o final de semana no Remanso?
— Tua tia me convenceu que aqui vai ser melhor… – olhou para a filha – Não trouxe calcinha, dona menina?
— Porra mãe! Tu já tá? – levantou e saiu zangada para o chalé.
— Essa menina tá precisando de um corretivo – olhou para a filha.
Aquilo caiu como um balde de água fria no grupo que antes conversava animado traçando planos para quando Roberta e Jéssica chegassem. Seguiram para os chalés e não viram Sandra.
— Deve ter ido para o bosque – Marta olhou para Roberto – Vai lá amor, tu tem jeito…
— Quero ter uma conversa séria com essa mocinha – Angélica olhou para onde Sandra tinha fugido.
— Deixa Angélica, Dinho resolve isso – recebeu de volta a filha e apertou minha mão – Vai lá amor, conversa com ela…, vamos nos encontrar no restaurante – olhamos para Angélica que respirou fundo – E você, dona Gorete, tua mãe mandou umas coisas…
Roberto acariciou o braço de Angélica e beijou o rosto de Priscilla.
— Vou conversar com tua filha… – deu um meio sorriso constrangido, Angélica estava séria – Pega uma calcinha pra ela…
Foram para o chalé caminhando cobertos por um silêncio pegajoso.
— Tá mas…, depois converso com ela – entregou a calcinha – Sandra está precisando mesmo é de uma boa surra – respirou, o corpo estremeceu – Que falta faz um homem em casa…
— Não fica preocupada, tenho duas em casa e um bando de sobrinhas… – Angélica ficou parada sem saber se era bom que ele conversasse com sua filha – Ou se você quiser, vá você…
— Olha Roberto…, Sandra não é assim… – suspirou e sentou na beirada da cama – Mas ultimamente…
— Essa fase é assim mesmo e…, sem a presença de um pai… – balançou a cabeça – Vou lá enfrentar a oncinha…, nos encontramos no restaurante.
Saiu em busca da menina que realmente estava no parquinho do bosque.
— E aí garota, tá zangada? – sentou no balouço ao lado da menina.
— A mãe tá um pé no saco!
— No saco de quem? – brincou.
— No meu, ora?
— E você tem saco? – riu e segurou a mão da garota – Pelo que me consta homem tem saco e mulher sacola.
— Ah! Tio…, tem vez que mamãe…
— Só porque ela perguntou por sua calcinha? – levantou e acocorou em frente a ela – Você está sem calcinha, lembra?
Sandra olhou para ele e sorriu vendo que não havia motivos para ficar daquele jeito e fechou as pernas empurrando o saiote escondendo a xoxota.
— Tô mesmo…, ér…, esqueci de vestir, mas… – olhou para ele que tinha um sorriso bonito no rosto – Mas ela é uma chata, não tinha nada que dizer pra todo mundo ouvir, né?
— Não… Né não! – levantou e olhou para a vereda por onde tinha se embrenhado com Priscila – Hoje vocês me passaram a perna direitinho…
— Tu não queria ficar com ela? – também levantou – A Pri falou que queria conversar contigo…
Apenas em um poste a luminária estava acesa, mas a noite não estava escura mesmo sem que a lua já tivesse dado as caras e os bichos na noite piavam e guinchos de corujas enchia a noite de sons vivos e arrepiantes.
— Não sei você, mas eu estou com fome… – segurou a mão da menina – O pessoal deve estar no restaurante, vamos?
— Porque a gente… – olhou para ele – Queria conversar contigo…
— Conversar o que?
— Ah! Tio…, conversar coisas…, tu…, a gente só conversou junto delas…
Roberto pensou se realmente seria um bom momento ou se deveria adiar um pouco mais, e acocorou defronte dela que olhou para ele recordando das conversas que teve com Priscila antes de irem para a cacimba.
— Que coisas?
— Coisas de menina…
— Então não sou a pessoa certa, não sou menina, lembra?
— Bem que a Pri falou que tu sabe ser chato… – sorriu – Queria saber mais de ti…
— O que você quer saber?
— Coisas…
— Lá vem você com essa coisa que não diz nada… – respirou fundo – Está bem, vamos conversar…, mas você vai ter que perguntar…
— Tu namora com a tia Marta?
— Não e…, e sim!
— Assim não dá…, ou é sim ou não!
Roberto levantou e colocou a garota nos braços e foi para um dos poucos bancos em condição de uso, sentou colocando a garota em seu colo e o saiote levantou.
— Vamos começar do começo… – a menina riu divertida – Conheci Marta há muito anos, éramos crianças e…, e namoramos… Reencontrei com ela no ano passado e reatamos a amizade… Não somos namorados, somos amigos e somos namorados porque gostamos um do outro, respondi?
— Pra dizer que sim, tá? – olhou para seu colo, o saiote levantado e a xoxotinha já com pentelhos negros lisos – E a Pri, tu namora ela?
— É minha namoradinha de brincadeira…
— É, mas…, ela disse que…, que ela te beija na boca, beija?
— Isso não quer dizer nada… O beijo é sinal de respeito, de carinho…
— Mas na boca não, né? – riu e se ajeito melhor no colo – Tu beija ela?
— Beijo…
— Tu…, tu quer me beijar? – Roberto segurou seu rosto e beijou na ponta do nariz – Né assim não, é na boca…
— Porque na boca? – acariciou o rosto – Na boca é quando você namora…, você namora?
— Namoro, mas… Olha! Se tu querer eu posso ser tua namorada…
— Mas sou muito velho para você… – riu – Você gosta de beijar na boca de seu namorado?
— Gosto, mas eles não sabem beijar direito…, só encosta a boca e beija…, e…, e tu não namora a Pri?
— O que é que tem?
— Ela também é novinha e…, e eu também…, tu…, a gente também pode namorar e…, e eu deixo tu…, tu passar a…, a mão ne mim, viu?
— Falei que Priscila é minha namoradinha de brincadeira… – no rosto um sorriso de preocupação – Você deixa seu namorado passar a mão onde?
— Tu sabe… – pegou a mão e colocou entre suas pernas – Aqui e…, aqui também… – abaixou o top negro expondo os seios – E… E se tu quiser eu…, eu deixo tu lamber, tu quer?
— Isso não é namoro, é sacanagem… – sorriu e tirou a mão da xoxota, mas bolinou o biquinho do peito – Namorar não é fazer essas coisas… Namorar é uma etapa na relação, é quando o menino e a menina conversam para se conhecer…
— Ah! Tio isso era antigamente…
— E como você sabe não é mais assim?
— Ora! É só assistir as novelas da globo que a gente vê… – riu sentindo a vagina melada – Hoje os meninos caem matando…
— O que é cair matando?
— Ah! Quer dizer que tu não sabe…, eles vem logo agarrando e passando a mão…
— E…, e você deixa?
— Pra todo não, só pra quem eu gosto…
— E seu namorado lhe toca?
— Toca… – olhou com um olhar entre sério e moleque – Tu come a tia Marta, não come?
— Comer como?
— Ih! Tio, tu é muito atrasado… Comer é foder…, tu fode ela, não fode? – ele não respondeu, estava espantado com o grau de imaturidade da garota e o nível de conhecimento sexual – Se tu quiser eu dou pra ti, tu quer?
Aqueles pensamentos e aquelas coisas lhe chocou, nem no tempo de vadiagem havia encontrado uma menina tão avançada como Sandra e imaginou onde chegaria quando fosse maior e mais velha.
— Você é muito nova Sandra… – acariciou o rosto sem saber o que responder – E…, e você não me aguentaria…
— Como é que tu sabe? – um sorriso sacana no rosto – Se tu quiser a gente faz?
— Você…, você já menstruou?
— Já, por quê?
— Sua mãe conversa com você sobre os cuidados que você deve ter?
— Cuidados? Que cuidados? – levantou, suspendeu o saiote, abriu a braguilha e tirou o pau já quase duro – Tu quer ver?
Ele não fez nada, não falou nada e deixou que ela lhe punhetasse e lambesse e chupasse. Ela não falava nada, apenas fazia como se fosse a coisa mais normal desse mundo até que ele ficasse duro.
— É grande mesmo… – cuspiu na mão e lambregou a xoxota – Acho que não vai dar…
Subiu novamente no colo e ajeitou o pau na pequena abertura da vagina, olhou para ele que olhava para ela e forçou, o pau não entrou como pensava que iria entrar e tornou cuspir na mão e novamente passou na porta de seu prazer.
— Não vai entrar, é muito grosso para você… – quebrou o silêncio olhando para a garota – Vamos parar, você não me aguenta…
— Aguento tio, pera um pouco… – pincelou a cabeça rubra nos pequenos grandes lábios até sentir que estava encaixado – Se tu me ajudar fica melhor…
— Ajudar como?
— Vem… Tu segura assim e…, e eu sento… – a voz antes aveludada tinha outro timbre – Olha…, deixa assim viu, não deixa escorregar, tá?
— Assim? – segurou apontando para cima.
— Isso, agora não…, não deixa…, esca…, escapulir… viu! – segurou o peso do corpo nos braços apoiados nas pernas dele e rebolou e sentiu continuar encaixada – Ui! Ui! Ui… Segura tio, segura… Viu! Viu? Tá… Tá… Hun! Ui! Ui! Ajuda aqui tio, me tira, me tira… Não vai dar, não vai dar… – Roberto viu a careta de dor e largou o pau e tentou ajudar, mas ela não conseguiu continuar segurando o peso e um grito de desespero calou as corujas e pássaros da noite – Ai tio, ai! Pera… Não mexe, pera… Ui! Meu deus… Ai… Dói pra burro tio, ai – ela tinha sentado e o pau entrou roçando apertado nas dobras da vagina pequena – Tio… Ai tio, ai… Tá doendo tio, tá doendo… – e abraçou o pescoço de Roberto, a vagina estremecia gemendo a dor que ela sentia.
Ele estava lívido sem ação sentindo a glande espremida no colo do útero e sentiu uma impotência lhe percorrer o corpo, tentou levantar o corpo da menina, mas ela tornou gemer gritando.
— Não mexe tio, não mexe… Fica parado… Espera…, espera… – ele esperou, na verdade não tinha feito nada, ela sim – Porra tio, tu é muito grande… Hun! Ui! Ui! Tô sentindo aqui… – apontou a barriga e tentou sorrir – Elas, tio…, hum!… Viu…, eu aguentei, viu…, mas…, mas não mexe, não mexe que dói… Hun! – levantou um pouco e olhou para sua xoxota – Éguas tio… Olha, olha… Tá estufada…, olha… Ui! Espera…, me segura, me segura… Hun! Hun!
As beiradas da vagina parecia uma gola de camisa polo, estufadas abarcando o pau muito grande para aquela vagina pequena e pareceu demorar horas e não os minutos antes que Sandra tentasse mexer, mas sentiu dor e gemeu.
— Não… Não tira tio, não tira…
Roberto olhou para a claridade por detrás nas moitas e viu movimentos, estavam perto demais do restaurante e teve medo que alguém viesse para o parque.
— Sandra, amor… Vamos sair daqui…, levanta devagar…
— Por quê? Tu não quer?
— Quero, mas… Pode vir alguém e…
— Tá… – levantou devagar, não sentiu as dores que tinha sentido quando sentou – Olha…, tá saindo sangue…, vai melar tua bermuda…
— Tem nada não…, sai… – ela saiu e o colo da bermuda sujou de sangue – Tem alguma torneira aqui perto?
— Tem não… – tapou a vagina com a mão em uma vergonha tardia – Só tem a cacimba onde Pri te levou…
— É longe e está escuro…
— Né não, a gente pode ir pelo bambuzal… – colocou o dedo tateando e sentiu arder – Tá ardendo… Vem, é por aqui…
Entrou na mata e passaram por dentro do bambuzal até saírem na outra margem do cacimbão.
— Tire a roupa e tome um banho… – ajudou tirar o top – Lave com cuidado, deve ter lacerado… – também tirou a roupa e entrou, naquela margem era muito fundo para a garota – Eu te ajudo, vem…
Mas ela pulou e afundou e nadou até ele e emergiu e abraçou seu corpo.
— Tu me arrombou, viu?
— Eu não, você sentou… – suspendeu a garota pela bunda e ela abarcou seu corpo com as pernas – Você é doida Sandrinha?
— Deu de segurar não… – sorriu – Quando entrou eu quase morro… Teu pau é muito grande Dinho…, mas eu aguentei, não aguentei?
— Aguentou, sua doida… Fiquei com medo…
— Eu não disse que ia caber? – fremiu a pélvis em direção a ele – Tu não quer continuar?
— Não!
— Ah! Dinho, por quê? – acariciou o peito cabeludo – Agora não vai doer mais…, tu quer?
— Não Sandra…, o pessoal deve estar preocupado…
— É só um pouquinho, vamos? – ela se jogou para trás e nadou até a margem da vereda – Vem, é só um pouquinho…, tu fica em cima, vem!
Aquele dia estava sendo muito estranho para Roberto. Primeiro tinha sido Priscila e agora Sandra. Respirou e massageou o pau já duro, mergulhou e nadou até a garota deitada de pernas abertas. Já tinha feito o que não devia ter feito e deitou do lado da menina e beijou sua boca, bolinou nos biquinhos dos peitos e deitou entre suas pernas.
— Bota devagar, tá?
— Devo estar doido… – murmurou para si quando aproximou o rosto e lambeu o biquinho do peito, Sandra arquejou agoniada sentindo o gosto gostoso de ser chupada e abraçou o corpo de seu amante e gemeu baixinho quando sentiu ele colocar o pau na beirada da xoxota.
— Vai tio, mete… Mete… – ele forçou, ela estava melada, o pau escorregou para dentro, ela não sentiu dor – Ai tio…, ai…
— Tá doendo?
— Não… Tá gostozinho…, mete tio, mete tudo… – e ele meteu, e ela levantou as pernas para o ar sentindo não a dor doída, mas um gosto gostoso e, sem se dar em conta, mamou o pau enterrado no fundo de sua xoxotinha – Hun! Hun! Hun! Ai tio, ai… Ui! Vai tio, isso, assim, assim.
Ele começou estocar de leve, com quase medo de tornar fazer a garota sofrer e ela sofria não de sofrer de dor, sofria com o zunido correndo pelo corpinho e explodindo no fundo da xoxota.
— Ui! Ai! Espera tio, espera – empurrou o corpo dele – Tu é muito pesado, tô… Ui! Espera… Deixa…, deixa eu ficar em cima – ele girou sem deixar o pau escapulir, ela respirou aliviada – Tava morrendo, tú é muito pesado…
Começou a ondear se esfregando tentando fazer o pau chacoalhar como chacoalhava o pauzinho do namoradinho que lhe dava prazer, mas o pau maior e mais grosso era como se fosse parte de seu corpo.
— Ui! Ai! Ai! Ai! Viu tio, isso, ui! Ui! Ui! Ai… – um gemido mais forte, ela tinha gozado, mas continuou ondeando como uma serpente, o grelinho intumescido esfregava no púbis e ela gozava e gozava até sentir um baque no fundo da xoxota e deixar escapulir um grito abafado e sobrado dentro da boca que beijava a sua boca.
Roberto não tinha se dado em conta do perigo de ter gozado dentro, mas aquele estupor lhe paralisou o pensar e se derramou na pequena vagina e respirou agoniado pelo gozo gozado.
— Porra tio? – sorriu beijando o rosto afogueado – Tô lotada de pica e de gozo… – ele respirou e ela girou pro lado, da vagina aberta uma golfada de gala misturada com o vermelho do sangue.
Ficaram deitados de lado olhando o céu estrelado cobertos por pensamentos díspares naquela realidade irreal como se fossem dois mundo adversos que se chocaram criando um monstrengo que lhes devorou o querer.
— Vamos tio, tô com fome!… – sorriu e sentou no colo, o pau mole deitado na perna melada de gozo – Tu gostou?
— Gostei, minha morena maluquinha… – puxou o bico do peito e ela lhe entregou a boca e a língua antes de mergulha e nadar para a margem do bambuzal.
Se vestiram e ele lhe entregou a calcinha.
— Ainda dói?
— Dói de vontade de querer mais… – sorriu e segurou o pau mole – Quem vê esse bichinho mole não acredita que fique daquele tamanho.
Passaram antes nos chalés para trocar roupa e se enxugar direito.
— Eita conversa demorada siá? – Angélica olhou para a filha e para Roberto – Foram na cidade, é?

📝 Roberto não respondeu, apenas sorriu e Sandra abraçou e beijou a mãe antes de se empoleirar em seu colo e pedir um prato.

🌵 🍁 🌳 🌴 ☘️ 🌳 🌴 ⭐ 🌾 ⭐ 🌳 🎋 🌴 ☘️ 🌳 🌴 🍁 🌵

📜 O que acontecerá no próximo episódio… 📜

👁️ Roberta não pode ir, Jéssica e Aline chegam… Priscila conta para as coleguinhas o que tinha feito com Roberto e não acredita quando Sandra falou que tinha dado… No chalé a bagunça estava armada, seria uma semana inteira de muita loucura…

🗂️ Você leu o episódio 16, comente, atribua nota e continue lendo…

⭐⭐⭐⭐⭐

🖐️ Essa é uma obra de ficção, qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas terá sido mera coincidência…

Continua…
.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,25 de 8 votos)

Por # #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Marcelo o tesudo

    Cadê a continuação desse caituo

  • Responder Shygio

    Conto perfeito. Nota 10.

  • Responder Nando

    Tá ficando melhor, com a descrição detalhada das fodas com as novinhas.