Guri gostoso

Eu era do interior, morava desde os 3 anos de idade com meus avós numa fazenda, trabalhava na lavoura mas o que eu mais gostava era das lidas de campo, lidar com o gado, eu era ótimo cavaleiro, e um eximio laçador. Eu já com meus 17 anos, no vigor da adolescência vivia numa tesão louca, o pau tava sempre duro, e como a chance de conseguir uma mulher era quase nula eu me virava com porcas, éguas, cadelas, terneiras, o que tivesse buceta eu traçava. A casa da fazenda ficava de um lado de uma estrada, e do outro lado ficavam as mangueiras, o potreiro onde tinha um açude lindo, e ao lado do açude um matinho, e na entrada do mato tinha um poço de onde puxávamos água para casa, e quase todas os dias ao escurecer eu tomava banho no açude, ou no poço, tirava água num balde e me banhava. Tinha uma familia que morava ali perto, muito pobre,e tinham 10 filhos, um dia o pai da familia chegou la em casa com um gurizote de 12 anos pela mão, um loirinho, magrinho, meio sardento com carinha de arteiro e perguntou se o vô não queria ficar com ele pois a vida estava dificil. O vô aceitou ficar, desde o primeiro dia o guri simpatizou comigo, e procurava estar sempre por perto de mim. Uma noite fui tomar banho no poço, e o guri inventou de ir junto, eu sempre tomava banho pelado por se um lugar onde ninguem passava, vi que o guri ficou olhando para meu pau, mas não dei bola, pois nunca lá no interior a gente imaginava estas coisas, mandei o guri tirar a roupa e tomar banho junto, tirei um balde despejei em mim e mandei o guri tirar um para ele enquanto eu me ensaboava, o danado tirou o balde dàgua e jogou em mim, eu fiz que embrabeci e começamos a correr em roda do poço, numa dessas ele resvalou e caiu deitado de bruços no chão, e eu na corrida cai por cima, naquela tentativa de levantar não sei por que meu pau endureceu e deslizou por entre o rego e as coxas dele, ele ficou quietinho e eu automáticamente comecei um vai e vem entre as coxas dele e dei uma super gozada, levantamos em silencio, nos lavamos e voltamos para casa, no caminho eu cheio de remorso disse a ele para esquecer aquilo, que não se repetiria. Dali dois dias fui tomar banho de novo e ele foi junto, chegou lá e já foi tirando a roupa, eu também tirei a minha e quando vejo o guri ta deitadinho na grama de bundinha para cima e me olhando com uma cara de safado, eu não falei nada só deitei em cima e dei outra encoxada gostosa nele, e desse dia em diante quase todos os dias eu encoxava o guri, nunca tentava botar no cuzinho, pois eu não sabia dessas coisas. Um dia fui ajeitar uma cerca que ficava dentro de um matinho, e devido a umidade os palanques já estavam podres, estou lá lidando quando vejo o guri aparece, aí eu quis dar uma encoxada e ele dizia que não ia dar, eu tentava segurar e ele corria, aí eu já bem brabo desisti, aí ele viu que eu não ia mais tentar, que eu estava brabo, ele veio ajeitou um lugar, tirou as bombachinhas dele e deitou de bundinha para cima, embora brabo quando vi aquela bundinha o pau subiu e eu vim direto, cuspi bem no reguinho e nas coxas, fudia com raiva tirava o pau e empurrava com força de novo, até que numa dessas o pau quando desceu calçou na porta do cuzinho, e eu empurrei para ver se ele resvalava e a cabeça resvalou para dentro, ele gemeu forte, se encolheu, eu parei mas não tirei, aí ele disse não para, aquilo foi como se tivesse me dado um choque, enterrei o pau todo, fiquei doido pelo guri, beijava no rosto, no ouvido, na nuca, até no cantinho da boca e socava com vontade, gozei tanto que parecia que a muito eu não fodia, o guri ficou um bom tempo acocado despejando porra do cuzinho, esperei o pau amolecer e saí de cima, ele tirou a porra do cú, se limpou com umas folhas, veio e me abraçou e me chamou de meu marido gostoso, fez um carinho pau e foi embora. Daquele dia em diante abandonei todas minhas femeas, fiquei só com guri, tinha dias que eu chegava a foder ele umas cinco vezes, eu tinha o meu quarto separado, quase todas as noites ele batia na porta, ia dormir comigo, ficamos juntos por tres anos, depois vim para a cidade, mas as vezes voltava lá e comia ele de novo, até que casei, ele tambem casou e hoje somos grandes amigos

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,67 de 3 votos)
Loading...