# #

botei a titia na tora

1055 palavras | 1 |4.12

Eu tinha 16/17 anos e essa minha tia tinha uns 39. Eu e ela nunca fomos próximos, ela morou em outro estado por muito tempo, mas quando ela se separou, voltou para a cidade e eu tinha um tesão quase incontrolável, eu a olhava de cima a baixo, ela tinha mais ou menos 1,60 de altura, boas coxas, uma bunda grande, cintura fina, peitos médios, um cabelo moreno longo e liso, e um par de pés que meu deus! Eu não via ela em geral, mas sempre que haviam eventos de família como aniversários, ela estava e logo que a via meu pau ficava duro, era imediato, ela não muito pudor em sua fala, especialmente quando bebia, ela contava suas aventuras de bebedeira, contava sobre como preferia os homens que eram brutos na cama, e toda vez que ela começava eu parava o que estava fazendo para me atentar ao que ela contava. Certo dia, eu estava em sua casa sem minha prima quando ela foi tomar banho, eu a vi passar de toalha que mal cobria sua bunda, ela veio com aquele rebolado que me deixava louco de tesão, eu a olhei fixamente enquanto passava, ela entrou no banheiro e eu fui correndo pro quarto dela, peguei sua calcinha recém usada e cheirei, eu então comecei a bater uma enquanto cheirava aquela calcinha deliciosa, eu gozei na fronha dela, que eu imediatamente após a punheta troquei o lado que estava para cima do travesseiro torcendo pra porra secar antes dela mexer ali, eu estava indo em bora de volta pra sala, mas vi aquelas meias usadas dela, eu sempre senti tesão por pés e meias usadas e ela nunca usava nada em seus pés, ela sempre teve um odor forte de seus pés, eu então enfiei as mãos naqueles tênis e puxei aquelas meias, as pus em meu bolso e sai, eu desci e me sentei, logo ela saiu, enrolada naquela toalha pequena e com seu cabelo molhado, ela sorriu e foi subindo a escada, eu olhei para aquela bunda gostosa toda exposta rebolando escada a cima. Ela saiu e disse pra eu ficar ali esperando ela voltar que ela não deveria demorar, eu apenas concordei com a cabeça, logo que eu ouvi o portão fechar e seu carro sair eu corri para vasculhar nas coisas dela, eu abri seu guarda-roupas e fui procurando, ao me abaixar vi uma caixa, ela estava fechada e parecia cheia, ao abrir, haviam vários brinquedos, plug, camisinhas de sabor, um consolo vermelho e mais algumas coisas, ao ver aquilo meu pau ficou latejando, logo quando eu ouvi o portão se abrir eu sai correndo para guardar e descer antes dela sair do carro, eu corri e me sentei onde estava antes e ouvi a porta abrir, ela chegou com algumas cervejas, uma garrafa de vodka e alguns limões, ela gostava de caipivodka e sabia que eu bebia escondido da minha mãe, ela foi preparar as coisas e fazer os drinks, ela fez, montou e foi se sentar comigo, nós começamos a conversar e beber até chegarmos ao assunto de meus namoros, ela perguntava sobre o que eu fazia na cama, o que eu gostava, falava o que gostava e contava como preferia homens mais novos e brutos, que gostava quando jogavam ela na cama e metiam com força nela, não tinha medo ou vergonha de dizer tudo aquilo e ainda mais porque estava bêbada, eu então perguntei o que fazer para falar com uma mulher mais velha que eu estava de olho, sem dizer que era ela, ela então começou a me dar conselhos, dizer que mesmo sendo jovem eu deveria demonstrar maturidade e que preferia os mais confiantes, eu fui dando certos indícios de que era ela a mulher mas sem dizer realmente o que eu queria, fui até ela se sentar mais perto, ela pôs sua mão na minha perna e foi dizendo que eu deveria ter algum exemplo do que fazer, ela foi subindo sua mão até abrir a minha calça, ela colocou sua mão na minha cueca e foi apalpando meu pau, ela passou as unhas de leve no me saco e foi esfregando meu pau começando uma punheta, ela tirou ele pra fora e começou a aproximar a boca, aqueles lábios macios se aproximando da minha pica me deixava louco, ela então começou um boquete bem babento daqueles de porno, chupava até o talo e voltava beijava a ponta da cabeça e voltava a chupar, eu não aguentei, alguns minutos e eu gozei tudo na boca dela, que engoliu sem deixar nada pra fora, ela então levantou a cabeça e me disse que eu não deveria fazer isso com uma moça, que eu deveria avisar e que eu dei sorte dela ter engolido fácil, eu então comecei a apalpar o seio dela, ela foi me beijando e tirando o vestido fino que cobria aquele corpo, ela tirou, estava sem sutiã ou calcinha, estava totalmente nua na minha frente, eu fui descendo minhas mãos pelo corpo dela até dar um tapa em sua bunda e chama-la de safada, ela sorriu e sentou no meu colo, meu pau mal tinha se recuperado da gozada e ela já estava cavalgando feito puta nele, eu sentia cada centímetro da minha pica dentro dela, por mais que ela desse com frequência, ainda parecia bem apertada lá dentro, eu sentia a buceta dela piscar no meu pau e sua língua na minha boca, ela esfregava seus seios no meu peito e ficava arrepiada, eu estava louco, meu pau foi dando sinal de que ia gozar logo, eu então avisei, ela apenas disse que eu não precisava tirar, eu então fui até encher ela de porra, ela saiu do meu colo e me disse : Não conta isso pra ninguém!
Esse virou nosso segredinho sujo, sempre que eu visito ela sozinha desde então, nós fodemos. Eu adoro quando vou para minha cidade natal, só pra poder fuder ela.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,12 de 25 votos)

# #
Comente e avalie para incentivar o autor

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Cavalogostoso ID:1dooqzn6gu5a

    Rapaz de sorte eu também tia uma tia que mi deu mole eu é que deixei passa mi arrependo até hoje