Aventuras secretas dos 7 aos 18 anos: Eu e amiguinho

Autor

Não lembro bem como tudo começou, pois lá se vão muitos e muitos anos que esses fatos reais aconteceram. Só sei que as recordações são tão excitantes que ainda guardo cada cena na memória como as coisas mais prazerosas que ambos vivemos.
Eu tinha 7 anos, branquinho, magro e altura normal para essa idade. Meus cabelos eram muito lisos e castanho-claros que eu deixava crescer até quase os ombros, sempre com uma franja levemente penteada para o lado. Vivia para ir a escola pela manhã e todas as tardes encontrava a turminha de garotos da mesma rua para fazermos todo o tipo de brincadeiras inocentes para aquela época. Éramos em quatro amiguinhos inseparáveis em que também os nossos pais e mães eram todos muito amigos.
Nossas idades variavam entre os 7 e 10 anos, mas praticamente não tínhamos muitas diferenças físicas, a não ser que o Décio era descendente de alemães, o Adilson de italianos e o Vando era negro.
A minha história aconteceu justamente com esse último, o Vando e a primeira coisa que me vem a memória é de estarmos brincando sozinhos numa dessas tardes enquanto aguardávamos os outros que ainda não tinham chegado no arvoredo de um vizinho em que sempre íamos para roubar frutas de todos os tipos e onde ninguém podia nos ver. De repente o Vando que tinha 9 anos puxou um assunto de mostrarmos nossos pintinhos para comparar, porque ele queria saber se eram todos iguais ou se cada um era diferente do outro. Nisso ele baixou o calção e pela primeira vez eu vi um pênis que não era o meu e eu fiquei muito curioso com aquela dúvida que ele gerou na minha mente. Como fiquei estático olhando fixamente para aquele pauzinho de uns 12cm bem durinho ele, sem pedir licença enfiou uma mão dentro da minha bermuda e ficou tocando no meu pauzinho também, até que tirou para fora e ficou admirando como se desejasse fazer aquilo a muito tempo. Então eu não resisti àquela sensação nova e excitante e comecei a pegar, sentir, mensurar e sentir a textura daquela pica preta com a cabecinha já se destacando do corpo e tendo uma pelezinha que revelava uma cor rosada em contraste ao resto bem escuro. Confesso que naquele momento o Vando provocou em mim a melhor sensação da minha vida até então, e isso eu trago comigo até hoje: o tesão pelos pênis de meninos. Logo nossos amigos chegaram e disfarcamos tão bem que eles nunca desconfiaram de nada que tinha rolado entre nós e nem de que aquilo seria o início de um segredo que nunca foi revelado, pois a partir dali eu e o Vando começamos a evoluir cada vez mais nas descobertas mútuas e deliciosas que nossos corpos proporcionavam.
Bastava ficarmos um segundo fora da vista de qualquer pessoa para já nos tocarmos. Quando tínhamos mais tempo já começaram as brincadeiras de beijar o pau do outro e depois disso a chupetinha mútua foi a melhor de todas as descobertas. Tiramos mestres em sexo oral, cada vez em locais diferentes e sempre com histórias que íamos criando juntos para aumentar a excitação. Logo descobrimos, meio por acaso,cque esfregar os nossos pintinhos duros provocava um prazer tão intenso que mais tarde soubemos que era orgasmo, mesmo ainda sem nada sair de dentro deles. Pronto: viram os punheteiros compulsivos, as vezes sozinhos, mas quase sempre nos nossos encontros secretos com muita chupação e elogios de um em relação ao pau do outro.
O tempo foi passando e de depende percebo alguns pelinhos vinhos acima do pau já em crescimento do meu amigo. Lembro que fiquei com inveja e acho que aquilo foi tão forte que aos 10 anos eu também tinha os meus primeiros 5 fiapos de pentelho quase loiros. As punhetas e chupadas continuaram por mais um ano e, por incrível que pareça eu fui o primeiro a ter aquela aguinha saindo do pau. Eu agora com 11 e o Vando com 13 anos, comparávamos diariamente os paus, sacos, bolas, etc… O meu era mais comprido (uns 14 cm) e o do Vando (13 cm) era mais grosso e cabeçudo.
Admiravam os o crescimento dos pentelhos, o aumento das nossas bolas e a cada dia o volume de porra que jorrava longe durante nossas seções de sacanagem que, logo iriam ter novas descobertas e prazeres.

Continua…

Adoraria saber as opiniões dos leitores… Tenho certeza que servirão de inspiração para a continuação dessa história que eu e o Vando tivemos em segredo até os meus 18 anos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,96 de 23 votos)
Loading...