O guri provocou!

Autor

Eu fui contratado para gerenciar um dos postos de combustíveis de uma rede da minha cidade, e por isso fui passar um mês fazendo treinamento em um dos postos, desde o dia que cheguei lá já me enturmei com o pessoal, e peguei rápido o sistema de trabalho da rede, era um posto num bairro que antigamente era considerado um local de meretricio, até hoje ainda tem alguns hotéis de alta rotatividade, alguns casas de mulheres, e sempre tinha ali pelo posto, passando, parando para conversar com os frentista mulheres e vadios que moravam naquela zona, também tinha uma criançada filhos daquelas vadias que trabalhavam nas casas, durante o dia elas dormiam e os filhos ficavam soltos, entre estas crianças tinha um guri de 12 anos, magrinho, miúdo, mas sempre alegre e sorridente, eu fiz amizade com o guri dava lanches,as vezes pagava almoço para ele, por que eu achava que ele passava fome, eu gostei do guri, era educado, obediente.
Um dia um dos frentistas me fala o seu gurizinho gosta de umas brincadeiras, umas encoxadas, acho que até já deixou botarem no cuzinho, uns quantos aqui já brincaram com ele, até o Cavalo,(o cavalo era filho duma china que trabalhava junto com a mãe do guri e moravam junto) levou o guri para o quarto, mas quando o cavalo tirou o pau pra fora o guri se assustou e se mandou. Eu fiquei meio triste, meio decepcionado, mas fiquei com tesão, e já pensando em tentar o guri e ver se era verdade. Um dia disse para o guri, vamos dar um passeio, eu vou sair as tres horas, aí tu me esperas lá na rua de baixo, que eu não quero que daqui vejam nós saindo, o guri aceitou na hora, saí quando cheguei na rua lá estava ele bem faceiro. Botei ele no carro e levei para minha casa, durante o dia não ficava ninguém em casa, chegando lá, mandei ele sentar, servi um suco para ele, sentei do lado dele, botei a mão na perna dele, ele ficou quietinho, e eu disse sabe o que eu quero contigo, sei que tu gosta e eu quero brincar contigo um pouquinho, ele não disse nada só deu uma sorrisinho, aí comecei a acariciar ele, dar uns beijinhos, tirei o pau para fora, ele pegou e começou a alisar, eu mandei ele tirar a roupa, tirei a minha, forrei o sofá com jornal, ele deitou de bundinha para cima, olhei aquele guri, magrinho, miudinho, só aquela bundinha carnuda, olhei o cuzinho, um pontinho escuro, e pensei vou dar só uma encoxadinha senão vou machucar ele, deitei em cima cuspi no reguinho, enfiei o pau nas coxinhas e comecei um vai e vem, ele apertava as perninhas e mexia tava super gostoso, em seguida gozei, fiz mais uns carinhos nele, saí de cima, levei ele no banheiro para se lavar, nos arrumamos e fui levar ele de volta, quando estava indo, o guri me olha e diz pensei que tu sabia foder, mas me deu só uma encoxada, eu pensei que tu fosse foder meu cuzinho, tu não é de nada. Cara quando ele disse isto, parei, fiz a volta e voltei para minha casa, ele perguntou o que ta fazendo, eu disse vamos voltar, vou te mostrar como se fode um cuzinho, ele riu, entramos em casa, mandei ele ir tirando a roupa, peguei mais jornal para forrar o sofá, tirei minha roupa, o pau tava que era um aço, cuspi bem naquele minúsculo cuzinho, deitei em cima, encaixei a cabeça da piça bem na portinha, e empurrei, o cuzinho laceou e a cabeça se foi, ele deu um gemido, se agarrou forte na guarda do sofá, e eu continuei empurrando ate as bolas trancarem, fiquei paradinho em cima, ele falou meio choroso por que judiar assim da tua mulherzinha que te ama, pode ser mais carinhoso com tua putinha, aquilo me deu uma tesão, comecei a beijar o guri, dizer palavras doces e bem eróticas e comecei uma foda deliciosa, eu botava e quando tirava o guri vinha com o cuzinho junto, e aí eu enterrava de novo, ele mexia melhor que muita mulher que eu já comi, foi uma foda delicia, me acabei que nem cavalo, era leite que não parava mais, fiquei um tempo em cima fazendo caricias nele, beijando até o pau amolecer e eu sair de cima nos lavamos, dei um fim nos jornais, e fui levar ele de volta, perguntei e agora ainda está decepcionado comigo, ele disse não, faz tempo que eu queria dar pra ti, eu sabia que contigo ia ser bom, por isso eu reclamei antes.
Fiquei direto comendo o guri, quando fui para o outro posto, seguido ele aparecia lá, com dinheiro que eu dava para o onibus, as vezes eu comia ele lá no posto mesmo, ou então eu levava ele para algum lugar. Um ano depois a mãe dele foi trabalhar na zona de outra cidade perto, eu algumas vezes fui lá para sair com o guri, mas depois o guri começou a arrumar outras companias e eu fui me afastando, faz tempo que não sei dele, só ficou a saudade.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 6 votos)
Loading...