#

Crianças com Câncer Tambem Merecem Amor Especial PT 3

1641 palavras | 26 |4.42
Por

Alice de 7a, moribunda, perde seu cabacinho com muito amor.

Leia o Primeiro conto em: /2024/03/criancas-com-cancer-tambem-merecem-amor-especial/

Leia a Segunda Parte: /2024/03/criancas-com-cancer-tambem-merecem-amor-especial-pt-2/

Ao chegar em casa do hospital sou recebido por Alice. A pequena me esperava na sala peladinha com seu plug de rabinho acoplado. Aquele corpinho magrinho quase sem curvas só com aquele rabinho fofo me deixou excitado na hora. Pego Alice no colo e começo a beija-la, vou dando selinhos em sua boquinha e dando leves apertadas em sua bundinha enquanto tambem brinco no plug da pequena. Levo a garotinha até seu quarto a beijando e acariciando, a deito em sua cama e vou beijando seu corpinho, começando pelo pescoçinho, descendo até seus peitinhos passando pela sua barriguinha até chegar na bucetinha linda e rosada. Começo a lamber a parte externa daquele delicioso dispenser infantil, passando a língua por toda ela, com minhas mãos abro e separo os grandes lábios daquela pequena bucetinha e me deslumbrando com a vista de seu canalzinho e de seu grelinho. Vou a chupando bebendo seu liquido vaginal, sugando tudo que podia. Alice gemia gostoso a cada passada de língua, me pedindo para não parar, a enfermeira via a pequena moribunda se contorcendo de prazer e começa a nos ajudar. Enquanto eu chupava a bucetinha, a enfermeira acariciava os mamilos e roçava o pênis de borracha no rostinho da pequena.

Não aguentando tanto tesão, pego alguns travesseiros e coloco embaixo da menina elevando seu quadril na altura de meu membro, retiro seu plug anal e me deslumbro com seu cuzinho se fechando. A enfermeira ainda brincava com o pênis de borracha na boquinha da moribunda. Passo lubrificante em meu pau e no cuzinho da menina e começo a força-lo. Alice resmunga, a enfermeira a manda abrir o cuzinho como anteriormente, como se tivesse fazendo cocô, e assim que Alice libera, meu membro entra quase por completo de uma vez só. Seguro aquele pequeno corpo magrinho pela cintura e começo a socar meu membro em seu cuzinho com carinho. Alice geme e resmunga a cada estocada minha, a enfermeira põe o pênis de borracha na boquinha da pequena abafando seus gemidos e lhe causando alguns engasgos. Eu continuava metendo seu cuzinho agora com mais força, Alice se segurava intensamente apertando com suas mãozinhas os lenções da cama, a enfermeira socava o pênis de borracha em sua boquinha com a mesma velocidade que eu metia no cuzinho em movimentos contrários aos meus, enquanto meu pau estava fora, o pênis de borracha estava na boquinha, enquanto meu pau estava enterrado no cuzinho, a enfermeira retirava o pênis de borracha. Anuncio que iria gozar, a enfermeira retira o pênis de borracha da boquinha de Alice, e dou mais algumas estocadas afundando meu pau no cuzinho da menina, gozando e enchendo seu intestino de porra. Alice gemia com mais força enquanto era preenchida de porra. Acabando de gozar, me deito por cima da pequena e a beijo, sem tirar meu pau de dentro dela. A enfermeira retira os travesseiros de debaixo da menina, e em um movimento “artístico” com ajuda da enfermeira conseguimos ficar de conchinha sem meu pau sair do cuzinho da pequena moribunda. Fico ali com Alice até meu pau ser expulso pelo seu cuzinho, vou tomar um banho e deixo a menina com a enfermeira.
Saindo do chuveiro, vejo Alice indo para o banho, suas perninhas magrinhas meladas de porra que escorria de seu cuzinho me deixa excitado novamente. Vou espiar o banho da pequena e vejo a enfermeira abrindo as nádegas da menina e a mandando fazer força para sair a porra. A enfermeira aproveita e mete dois dedos naquele pequeno deposito de porra, enquanto socava seus dedos na pequena, a enfermeira beijava sua carequinha, ombrinhos e costas dando algumas leves mordiscadas. Alice gemia gostoso com seu cuzinho sendo usado pelos dedos da enfermeira, após o banho, a enfermeira deixa Alice dormir peladinha.

Na manhã do dia seguinte, os pais de Alice vieram visita-la. A menina ainda dormia em seu quarto quando seus pais chegaram. Em sua cama avia uma grande posa de gala seca escorrida de seu cuzinho da noite anterior, o cheiro de sexo no quarto ainda pairava pelo ar. Alice é acordada pela mãe com beijos, Alice acorda com um sorriso gigante em seu rosto, dá um abraço e um beijo na sua mãe e em seu pai. Chego no quarto e comprimento a todos, reparo que que o pai da garota a admirava com certa luxuria seu corpinho enquanto ajeitava levemente seu pau por baixo das calças. A enfermeira chega com uma camisola hospitalar e veste a menina a levando para seu xixi matinal, convido os pais a verem como sua filha era tratada em nossa clínica. Entramos no banheiro junto com Alice e a enfermeira, Alice fica peladinha novamente, a enfermeira começa beijando sua carequinha, e apertando sua bundinha com desejo, desta vez a enfermeira faz um showzinho diferente, ela entrega para Alice o bullet e a senta de pernas abertas num banquinho a garotinha começa a brincar com o bullet em sua bucetinha enquanto a enfermeira a acariciava e beijava sua carequinha, pescoço e ombrinhos. Alice gemia baixinho sorrindo para seus pais, não demorando para se mijar e derramar seu liquido dourado. Convido os pais de Alice para tomar um café enquanto a enfermeira termina de banhar a pequena moribunda.

Pai – Vejo que o seu tratamento funciona mesmo, fazia tempo que não víamos Alice sorrindo.
Mãe – Verdade, ela acordou tão bem e disposta, muito obrigado doutor.
John – Não precisa me agradecer. É muito satisfatório vê-la sorrindo e feliz.

Tempo depois Alice e a enfermeira chegam para tomar café conosco, a garota não parava de sorrir, sua aura estava radiante. Era sábado, porem fui chamado no hospital para uma emergência, terminei meu café e fui para lá. Consigo voltar para casa no início da tarde, os pais de Alice já tinham ido e a garota estava brincando de bonecas em seu quarto. Alice brincava em seu quarto com uma boneca super-realista, ela passava o pênis de borracha pelo rostinho da boneca, beijava e lambia a bucetinha da boneca, a enfermeira a olhava com orgulho, meu pau endurece muito vendo aquela cena. Vou até Alice e dou-lhe um beijo em sua boca, a menina me retribui com ternura. Pego a boneca e começo a brincar esfregando a mãozinha da boneca na bucetinha de Alice. Meu pau já doía dentro das calças, então tiro minha roupa ficando pelado com a garotinha e sua boneca super-realista. Enquanto esfrega a mão da boneca na bucetinha da pequena moribunda, deixava meu pau encaixado entre as perninhas da boneca estimulando o imaginário da menina. A mãozinha da boneca já deslizava facilmente pela bucetinha da Alice, então levo a boneca lambuzada até a boquinha da garotinha e passo por ela toda fazendo a garotinha sentir seu sabor infantil. Com isso aproximo meu pau da bucetinha da moribunda e começo esfrega-lo, Alice suspira fundo sentindo meu membro deslizar por sua buceta. Me deito sobre a garotinha e a beijo na boca, vou pincelando meu membro naquela bucetinha lhe arrancando suspiros. Começo a pressionar meu membro contra aquela pequena bucetinha, Alice faz uma carinha de dor, mas não me pede pra parar, lambuzo mais meu pau em sua bucetinha e tento novamente, Alice resmunga e solta mais um sorriso em seguida. “Aguente firme amorzinho” digo em seu ouvido, forçando mais um pouco, vou a penetrando e rasgando sua bucetinha. Alice range os dentes, mas volta a sorrir e paro de forçar esperando a bucetinha da moribunda se acostumar com meu membro. Beijo a boquinha de Alice, e volto a forçar meu membro na bucetinha da garota, vou bombando devagar, Alice vai gemendo gostoso a cada estocada, por mais que eu forçasse, só entrava metade da cabeça do meu pau na bucetinha dela, mas era o suficiente para lhe entregar muito amor e satisfaze-la completamente. Alice gemia gostoso com minhas estocadas, anuncio que iria gozar, e Alice me diz: “enche minha bucetinha de porra doutor, me enche de vida” começo a gozar loucamente dentro da bucetinha da moribunda a enchendo de porra quentinha. Saio de cima de Alice, e fico admirando sua bucetinha vazar minha porra e sangue, a enfermeira se aproxima:

Enfermeira – E ai Doutor, gostou do que ela disse?
John – Foi você que mandou ela falar né? Foi maravilhoso, devo ter dado umas duas jatadas a mais só de escutar.
Enfermeira – Vou leva-la para o banho, minha vez agora.

A enfermeira leva Alice para o banho. Encosta a moribunda na parede e lhe beija, enche sua mão de lubrificante e mete seu dedo médio de uma vez na bucetinha da menina. Como o dedo era mais fino que meu pau, ele entra todo dentro da bucetinha de Alice, a enfermeira sente todo interior da bucetinha até encostar no uterozinho da menina. Juntamente com o dedo dentro da buceta de Alice, a enfermeira começa a brincar em seu grelinho arrancando-lhe suspiros e gemidos. A enfermeira ainda de joelhos chupa os pequenos mamilos da moribunda intensificando seus prazeres. Alice tem seu orgasmo se mijando e soltando um gemido alto que escuto do meu quarto. Volto no quarto de Alice, e vejo a enfermeira pondo uma fralda na pequena, como já havia dito, minha enfermeira curte um pouco de scat, e ela queria aproveitar que iria pernoitar para se satisfazer mais um pouco. Dou boa noite para as duas e vou dormir.

Parte quatro em breve…

Amorespecialparacriancas no tlg

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,42 de 43 votos)

Por #
Comente e avalie para incentivar o autor

26 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder mysterio ID:eke1v4lbhz

    Me enche de vida, me pegou… Gozei demais

    • John ID:40vojj5q8rc

      hehehe, foi um “trocadinho” bom né?

  • Responder pthc ID:13kpgg3cgzz

    Que delícia deve ser meter numa magrinha dessa

    • John ID:40vojj5q8rc

      sim deve ser muito bom

  • Responder John ID:40vojj5q8rc

    Ja postei a parte 4, só falta o site atualizar.
    Bjus do tio john

  • Responder Militar do Sul ID:muiqyxyzl

    Vamos supor que eu o encontrasse, faria chupar os meus 19 cm grosso salsichão alemão, canalha. Alguns aqui de nos adoramos enrabar elementos como tu, aí saberia como é sentir-se violado para escrever com exatidão a experiência.Livre a pobre Alice desse Calvário, e sem engravida-la, sabe que apesar da idade, isso é possível.

    • john ID:40vojj5q8rc

      huahuahua olha a quantidade de merda escrotada deste comentário. deve ser um viadinho dos bons, dos “19” o 9 deve ser o tamanho verdadeiro. achar que uma criança de 7 pode engravidar é a coisa mais idiota que já ouvi. meus contos podem até ter alumas coisas ireais, mas engravidar com 7 é demais.
      vai lá lamber bota e chupar a rola do seu superior.
      bejios do tio john

    • Militar do Sul ID:muiqyxyzl

      Lambe a cabeça do meu pau com pré gozo, canalha. Eu te daria um sura antes de comer seu cu. Para de tagarelar e manda a parte 4 dessa sua loucura de uma vez.

  • Responder Marcela ID:1e09wvb0qybd

    Ola. Olha confesso que essa serie de contos me causou uma mistura de sentimentos estranhos, mas a maneira que foi escrita, o equilibrio de carinho, amor e tesao foi tao bom que eu me rendi toda!!! To adorando como a historia esta caminhando e estou na torcida para que os pais participem como expressao maxima de amor e sugiro um final feliz, porque nao, o de um milagre de cura ao cancer e a manutencao dos laços de amor criados nesse periodo tao dificil!!

    Amei demais essa historia atr aqui. Muito ousada e polemica esticando ao maximo os limites do amor!!
    Bjao e ansiosa pela continuacao

    • John ID:40vojj5q8rc

      Valeu, obrigado. Sim os pais vão dar muito amor especial para Alice.

    • Marcela ID:1eb53hr08zc4

      Ai que tudo!!! Ja to ansiosa em ler a parte 4

    • John ID:40vojj5q8rc

      😇😇

  • Responder Sonic994 ID:1ehtcqy6nkrg

    Acho que deveria ser lei toda kid em estado terminal deveria saber como é levar uma rola na bucetinha
    Tel sonic994

    • John ID:40vojj5q8rc

      Sim, todas tem que saber como é.

  • Responder Paulo Machado ID:gsudra6ia

    Maravilhosao, essa criança tem q sentir prazer sexual, ser penetrada por muitos e aproveitar a vida como q existe de melhor

    • John ID:40vojj5q8rc

      Sim, aproveita bastante, enquanto pode

  • Responder João ID:7xbyxpx741

    Vc é um lixo de ser humano

    • Lukstrikerj ID:8d5rywp8r9

      Lixo oq seu merda, vc tá aqui lendo .. seu bosta

    • John ID:40vojj5q8rc

      João, obrigado pelo engajamento. Beijos do tio john.

      Lukstrikerj, o mundo está cheio de falso moralista. Obrigado

  • Responder Contos Fícticios do Pablo ID:1dufw0qjyut3

    Que delícia!!! Também quero uma menina assim pra transar comigo!!!

    • John ID:8f56000t8vt

      Valeu.

  • Responder Pedro1123 ID:40vojj5q8rc

    Cada vez melhor, parabénsn!

    • jorge666 ID:sif23y0ldmh

      Muito bom, gozei demais. Agora quero uma dessa pra mim

    • John ID:8f56000t8vt

      Obrigado!

    • Militar do Sul ID:muiqyxyzl

      Um absurdo! Digo isso pois não sei se concordo ; não é o tipo de conto que gostaria de ler, porem estou aqui para não me servir a carapuça de hipócrita . Estou acompanhando sua serie com a jornada de Jonh e a moribunda , e que por mais escatológico que seja seu conto, causando-me certo incomodo , eu ri mais que senti outra coisa. ( Não sei qual sua intenção com o leitor e , qual sentimento e emoção quer que esse tenha ) . Resumindo, isso realmente não me excita , mas me diverte . Na hora da mesa com pudim de porra, eu caí na gargalhada. Sua narrativa soa fantasticamente absurda, como aqueles quadrinhos eróticos raros e filmes raros em que o mesmo absurdo é normal, e se permite tudo . Embora as duas primeiras partes na minha opinião,tenham sido melhores, (achei essa terceira bem repetitiva ) eu quero que tu termine logo com isso e de a moribunda o eterno descanso .A pobre Alice é penetrada várias vezes e , não sei como esta aguentando receber tanto amor.

    • John ID:40vojj5q8rc

      Um lambe-botas achando que é um grande crítico
      Huahuahua
      Vai chupar um pau
      Obrigado pelo engajamento
      Bjus do tio john