# # #

Nas mãos de um pervertido – o inicio

3229 palavras | 1 |3.50
Por

Mariana… Anastasia, é descoberta na sua vida dupla, e agora ela está nas mãos do Bernardo´´ Pau de Cavalo´´… FICÇAO, se gostarem continuo.

Mariana é filha única de um casal crente em Deus, regem a sua vida seguindo as sagradas escrituras, a igreja católica é o seu guia de vida.
Maria, a mãe de Mariana, por exemplo nunca se mostrou nua ao marido, Samuel, apesar de estarem casados á mais de 16 anos, que é a idade da Mariana. Sexo só ocasionalmente, de luz fechada, em baixo dos lençóis, e simplesmente ela abre as pernas, ele penetra a cona dela, até se esporrar, e mal acaba de se satisfazer, sai de cima da mulher, e volta-lhe as costas e deseja-lhe a boa noite. E nem pensar em carícias, nem ele as faz nem ela as quer.
Criada neste ambiente onde tudo eram proibições, Mariana teve uma infância em que era gozada pelas outras crianças, ela nem a rua ia brincar ou sequer ir para a casa de amigas. Era prisioneira na sua casa, o seu pai bem severo com ela, dava-lhe sovas enormes quando ela fazia algo errado, e a sua mãe fazia-lhe o mesmo. A puberdade e a juventude… bem, foram horríveis, quando lhe apareceu o período aos 12 anos, ela nem sonhava que aquilo era, pensava que ia morrer, pois sangrava da cona.
A sua mãe levou-a a um médico da sua confiança, e foi ele quem lhe explicou como se deveria limpar e fazer quando aparece-se a menstruação.
Se ela já era vigiada, a partir dessa altura nem a deixavam respirar, a mãe dela ia buscar ela á escola, elevar ela, e quando não era a mãe era o pai.
Um dia um rapaz interessou-se por Mariana, afinal ela era bonita, gordita, mamas grandes, cara redondinha, longos cabelos castanhos escuros ondulados, ancas largas, e pele muito branca…nunca foi á praia, apesar de morar a cerca de 2 km de uma praia.
Como escrevi, um rapaz interessou-se por ela, e andava atrás dela para a namorar, e um dia o pai dela, viu a filha na escola de mão dada ao rapaz… quando ela chegou com o pai a casa, o pai dela chamou-a de puta…rameira…vagabunda…oferecida, enquanto lhe dava com uma vara fina, varadas com força no cu desnudo da Mariana, fazendo vergões na sua pele branca, e ela ali deitada em cima dos joelhos do pai, cuecas em baixo e sendo espancada…a sua cona ficou húmida…a mãe via e aprovava aquele castigo.
Foi imediatamente mudada de escola. O sonho dos pais dela era que fosse freira, mas ela nunca teve vocação para tal, então ao menos casaria um dia com um rapaz temente a Deus, como eles diziam.
Mudar de escola, foi um tiro que saiu pela culatra dado pelos pais dela.
Ela começou a ter mais um pouco de liberdade. A escola ficava mais longe, e nem sempre a poderiam ir levar e buscar, e se nos primeiros tempos a Mariana que morria de medo das sovas dos pais, ainda cumpria as ordens dos pais á risca…mas 13 anos…curiosidade ao máximo… hormonas sem controle… e a tendencia para contrariar aquilo que lhe foi imposto pelos pais.
Ela vestia roupas que sempre lhe tapavam o corpo, compridas, feias, horríveis… e nessa escola havia uma rapariga, Dulce que engraçou com a Mariana, e tornaram-se amigas.
Um dia combinaram faltar a escola e irem para a casa da Dulce, simplesmente brincarem, divertirem-se, tinham a casa por conta delas.
Mariana nesse dia vestiu pela primeira vez uma mini saia…uma blusa decotada…a Dulce maquiou-a… a Mariana até chorou de felicidade, assim parecia-se com as outras raparigas da escola, quando despe a roupa, para provar outra, a Dulce reparou que a roupa interior dela era do tempo das avós delas, ou pior ainda. E deu a ela umas cuecas fio dental, e um soutien, e como a Mariana era mais robusta que ela, as mamas dela quase saiam pelo soutien fora, e o fio dental, estava todo atolado no rego do cu dela, e mal tapava a cona peluda dela.
A Dulce disse, porque ela não se depilava, e não aparava a cona…e ela despiu-se toda, e mostrou á Mariana o seu corpo sem pelos, pois até a cona rapava.
Mariana olhava para ela, e a Dulce disse-lhe porque não a deixava rapar os pelos dela???
A Mariana disse que nem pensar, a mãe poderia ver e depois ela levava uma sova, mas perante a insistência da Dulce ela deixou a amiga tirar os pelos dela com uma máquina de depilação.
Tirou a roupa toda…e a Dulce também, e começou a tirar os pelos dos braços… de debaixo dos sovacos, e das pernas, e ia acariciando a Mariana… que estava confusa…mas adorando os toques da amiga no copo dela…e quando chega á cona a Dulce pergunta se pode também rapar, e a Mariana consente, e lentamente a Dulce vai rapando a cona da Mariana…que vai ficando excitada e molhada, e quando fica toda rapada, a Dulce sem avisar a Mariana e depois de a elogiar dizendo que ela estava linda, lambeu a cona da Mariana…que suspirou… e a Dulce tomou aquilo como um incentivo, e empurra a mariana para a cama, e cai com a cara na cona da amiga e lambe-a, chupa-a…e quando lhe lambe o clítoris, a mariana sente um choque elétricos pelo corpo todo e solta um gemido longo, arqueia as costas e abre mais as pernas oferecendo-se toda á Dulce, que fica mais incentivada, e atola a língua dentro da cona da Mariana, que mais uma vez arqueia as costas, levantando as ancas e abre-se toda para a Dulce… que sensação maravilhosa é aquela…sempre foi ensinada a nem sequer tocar naquele lugar do seu corpo…e afinal dá-lhe tanto prazer…ela geme e chama pela Dulce, e pede por mais, o prazer que ela estava a experimentar era algo que ela nunca sentira…sentia calor…frio…o corpo tremia com a língua da Dulce na sua cona…e quando a Dulce meteu dois dedos na sua cona e começou a masturbar ela, lambendo o seu clítoris e depois foi lambendo- a até chegar as suas mamas grandes, e começou a mamar nelas, masturbando a cona dela ao mesmo tempo, ela está doida…pela sua cabeça passam sensações incríveis. De repente ela sente uma calor enorme na cona. escancara as pernas e começa a jorrar da sua cona fluidos vaginais, ela berra alto, geme alto…o seu primeiro orgasmo…e de repente sente o corpo a desfalecer, ficando molinha… e a Dulce beija-a na boca e as duas raparigas enroscam-se uma na outra aos beijos.
A partir desse momento nasceu outra Mariana…perto das pais era a evangélica, com a Dulce era a namorada dela…beijavam-se ás escondidas, fodiam as duas…Mariana aprendeu a dar prazer também á Dulce, ela ensinou-a, e ela aprendeu também pelos toques e carícias no seu corpo.
Começaram as duas a namorar também rapazes, a Mariana namorava o Vicente, um rapaz de 16 anos, e a Dulce o melhor amigo dele, Dário.
Mariana antes de começar a namorar, arranjou maneira de ir com a amiga comprar roupas para ela, mais modernas, e tinham lá na escola, cacifos, e a Dulce guardava no seu as roupas da Mariana, que ao chegar á escola, mudava de roupas, ao princípio morria de medo de alguém contar á sua mãe ou seu pai, mas ela sentia-se tão bem, tão viva com essas roupas que resolveu arriscar, se eles soubessem, logo se veria.
Foi quando os rapazes começaram a olhar para ela de outra maneira… como uma jovem mulher, bonita e com um bom corpo, logo boa para se foder.
Ela sentia-se atraída pelo Vicente, que claro, embora não tivesse nem de perto nem de longe apaixonado por ela, queria foder ela, ela dava-lhe tesão. Convenceu o amigo a namorar a Dulce, para ela se afastar um pouco da Mariana.
Um dia, sem que ele fizesse por isso, a Dulce convidou-o a ele e ao namorado, Dário, irem passar a tarde com elas a casa dela. Claro que foram, e logicamente a Mariana nessa tarde perdeu a sua virgindade para o Vicente.
Ele começou por a isolar num quarto…depois beijou-a…despiu-lhe as roupas e ela apaixonada por ele, fazia tudo que ele mandava….ela mamou pela primeira vez num caralho…e gostou do cheiro e do sabor… ela chupava sem qualquer jeito, mas depois foi apanhando o jeito, e quando ele a deixou nua, se pôs em cima dela, e a penetrou ela soltou um berro enorme…tentou livrar-se do Vicente, tentou fugir, mas escapar de um homem jovem, cheio de tesão…impossível, e ele foi fodendo a cona dela… no quarto ao lado, a Dulce era igualmente fodida pelo Dário, ouviam-se os gemidos e os gritos das duas raparigas enquanto eram fodidas pelos rapazes. Quando eles se foram embora, as duas sentaram-se a falar como tinha sido, como ao principio foi tão doloroso, e depois tão bom.
Na cabeça da Mariana agora tinha que se casar com o Vicente , pois eles tinham fodido um com o outro…e realmente ele ainda a fodeu umas vezes mais…até que um dia, ela ouve a Dulce a gemer num WC da escola, um que raramente era usado…foi espreitar por curiosidade, ver ela e o Dário a foder…mas o que viu foi o Vicente a foder ela na cona e o Dário também a fodia mas no cu, ela estava entre eles os dois, com um caralho na cona e outro no cu…e o mundo da Mariana desabou.
Foi traída, chifrada pela melhor amiga e pelo rapaz que estava loucamente apaixonada.
Apesar de tudo que ela vivenciou desde que começou a ser amiga da Dulce, ela ainda tinha muito da antiga Mariana…foi uma vida inteira a ser educada assim…para ela só poderia namorar um homem, e quando entregou a sua virgindade ao Vicente era para ele casar com ela e viverem felizes para sempre, e agora ele e a sua amiga estavam a foder???
A vida de Mariana mudou outra vez nesse dia… a traição a obrigou a mudar.
Nunca mais falou com a Dulce, nem com o Vicente.
Promete a si mesma que nunca mais voltaria a ser a Mariana do antigamente, isso não, mas a Mariana ingênua, também teria de morrer.
Com a Dulce, ela aprendeu o sabor da liberdade… e ela para ser livre como queria, precisava de ser independente dos pais, de todos, procurou trabalho e não lhe deram só pensou numa solução, a prostituição.
Ela sabia por conversas que ouvia, e mesmo em conversas com outras raparigas, que algumas das alunas daquela escola andavam na prostituição, e andavam com roupas giras, caras… e ela também queria andar assim vestida.
Faltava-lhe coragem para tomar tal atitude, e ainda andou quase um ano sem se decidir, e o acaso tomou essa decisão por ela. Um dia numa aula sentou-se ao lado de Sónia, uma rapariga da sua turma, que se prostitui-a, como a Mariana descobriu uns dias depois.
Fez amizade com a Sónia, uma rapariga de 15 anos, ela nesta altura tinha quase 15 feitos a poucos dias.
A Sónia tinha clientes fixos, que muitas vezes queriam estar com duas raparigas, e a Sónia um dia falou-lhe disso mesmo, e que dividiria o dinheiro entre elas, embora quisesse uma parte maior para ela, a Mariana ainda ficaria com muito dinheiro.
Ela pensou uns dias naquela proposta, e resolveu arriscar…virgem já não era mais, e casar-se com algum rapaz temente a Deus estava fora de questão, pois eles só casavam com virgens, e perdida por perdida, pensou ela…aceitou ir com a Sónia uma vez para experimentar.
Um homem casado com mais de 60 anos, gordo, cheio de pelos já brancos, e um caralho grosso mas tamanho médio, foi o seu primeiro cliente, embora junto com a Sónia.
A Mariana embora querendo, sempre havia muitas dúvidas e receios na cabeça dela… deixou-se levar pela conversa da Sónia, para pelo menos experimentar, e quando deu por si estava deitada de costas numa cama de uma pensão horrível, baratas rastejavam pelo chão, a cama cheirava mal, e estava a ser montada por um desconhecido, babando-se na cara dela, fodendo a cona dela com força, e ela mesmo não querendo gemendo com prazer, a troco de dinheiro, que teria de dividir com a Sónia que lambia com nojo o rego do cu dele cheio de pelos, pois ela pagara a elas para foder assim.
Mesmo assim a Sónia ficaria com a maior parte do dinheiro, pois a Mariana não tinha clientes e assustava-a a ideia de estar sozinha a foder com um desconhecido.
Mariana antes e por sugestão também da Sónia, mudou seu nome para Anastasia, um nome mais exótico.
Passaram as duas a fazer prostituição quando algum cliente queria foder com duas raparigas, a Mariana só uns meses mais tarde, se atreveu a ir foder sozinha com um homem.
Um dos clientes habituais da Sónia queria foder sozinho com ela, e ofereceu-lhe quase o dobro do que pagava á Sónia, e a Mariana foi foder com ele numa pensão.
O homem era um trabalhador fabril, obcecado por rapariguinhas, gastava quase o seu ordenado nelas, pagando para as foder. Chegou a vez da Mariana, que já sabia que ele gostava, umas chibatadas primeiro nas costas dele, dadas com força, e ele aos berros chamando a mãezinha, a Mariana tinha que estar nua já neste momento, e depois foder a cona dela a canzana, agarrado as mamas dela. Era sempre assim que ele gostava de foder, era a sua tara, o seu fetiche.
Era difícil, cada vez mais difícil manter a sua vida dupla. E uma verdadeira tempestade estava para lhe acontecer na sua vida.
Um homem que a seguia desde que ela era criança…que a cobiça desde essa altura, que a quer para ele. Mal ele foi morar para aquele bairro, depois de passar 3 anos preso por abuso de menores, e não podendo voltar a sua terra natal, ele foi para aquele bairro, com rendas baratas.
Logo no primeiro dia que ele se mudou, pela janela da sua casa, viu a Mariana, acompanhada da mãe, vinham da escola dela, a Mariana tinha 8 anos.
Passou a ser a sua nova obsessão. Seguia- a ao longe, arranjava mesmo disfarces. Via na escola no recreio… mas nunca teve a mínima chance de sequer lhe falar sozinho, a mãe da Mariana ou o pai dela estavam sempre mas sempre com ela.
Quando anos mais tarde, aos 12 anos dela, a mudaram de escola, pensou haver ai uma oportunidade de a conhecer… mas nem aí conseguia.
Um dia viu ela sair mais cedo da escola com outra rapariga ( Dulce), e a partir daí quando a observava na escola via ela com outras roupas… uns meses depois viu ela aos beijos na boca com um rapaz ( Vicente) e só lhe apeteceu foi matar o rapaz… a Mariana era dele e de mais ninguém, assim pensava a sua mente doentia.
Durante cerca de 4 meses viu ela andar abraçada ao rapaz, ou aos beijos com ele…e um dia deixou de os ver juntos, e nem com a rapariga ele a viu mais…ao fim de umas duas semanas ela passou a andar com outra rapariga, esta mais velha ( Sónia), e quando uns dias depois as viu entrar numa pensão de baixa qualidade, em que só era usada por putas e drogados, e elas entraram com um homem mais velho, ele soube que elas iriam fazer…foder com aquele homem.
Esperou anos pela sua oportunidade, e ali estava ela…dada de mão beijada pela Mariana. Mas para o seu plano dar certo, precisava de a apanhar em pleno ato sexual com um homem, e na pensão era impossível, pelo que resolveu ser mais paciente, ela haveria de lhe dar a chance de ele a fazer dele e só dele.
No dia seguinte viu a Mariana a comprar umas calças caras… e passou a ir cada vez mais a pensões, e a comprar mais roupa, que deveria esconder no cacifo imaginou ele, pois quando a mãe ou o pai dela a iam buscar ela estava impecavelmente vestida com aquelas roupas de velha, saias compridas, feias.
Um dia viu-a entrar numa pensão só ela e um homem… não teve mais dúvidas, ela andava a vender o corpo… nesse mesmo dia mais tarde, ela entrou num carro com um homem( professor dela), e viu-a a ser fodida numa mata, em cima do capot do carro, de pernas todas abertas, toda nua…foi a primeira vez que a viu nua, e seu caralho mesmo sem ele bater punheta esporrou-se…e quando a viu de costas para o homem, as mamas delas a balançarem descontroladamente, a gemer…consegue aproximar-se mais um pouco e viu que ela estava a ser enrrabada…ele colocou o seu caralho descomunal para fora e bateu uma punheta escondido entre as árvores, vendo-a ser enrrabada, os gemidos e berros dela para ele eram uma tortura, ele queria estar no lugar daquele homem, mas a vez dele chegaria, disso tinha ele a certeza. E quando acabaram de foder ele deu-lhe dinheiro e abalaram de volta á escola.
Observou-a mais uns dias…e lá foram eles mais uma vez foder na mata…fora do carro ela toda nua, cavalgando o caralho do homem, depois deixando-se foder de costas encostadas numa árvore, com ele mamando nas tetas enormes dela, e depois deitada de costas no capot do carro…e depois enrrabada de 4 no chão da mata…recebeu o dinheiro…e o Bernardo, o homem que a perseguia, parou de tirar fotos…tinha o que precisava, e a Mariana seria a partir dali propriedade dele, e ele não poderia estar mais feliz. Só de pensar nisso ele bateu uma punheta ali mesmo, vendo o carro afastar-se.
Fez várias cópias das fotos que tirou, guardou mesmo uma cópia num cofre dum banco, e no dia seguinte, aproveitando que a Mariana estava á espera do pai ou da mãe, para a irem buscar a escola, chegou-se perto da porta da escola, e entregou-lhe um envelope e afastou-se…a rapariga fica confusa, mas abre o envelope…e quando viu as fotos ficou assustada…e mais assustada ficou com o bilhete no envelope.

AMANHÃ AS 11H NA MATA ONDE FODES COM TEU PROFESSOR. SE NÃO VIERES MOSTRO ISTO AO TEU PAI. MORAS NA RUA DA RÉPUBLICA, Nº 3, O TEU PAI CHAMA-SE SAMUEL E A TUA MÃE MARIA, E TU ÉS A MARIANA, OU ANASTASIA TEU NOME DE PUTA. VAIS SER MINHA PARA SEMPRE.

Continua.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,50 de 6 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Bruno ID:41igm29ut0c

    Otimo