# # # #

Pagando a aposta pro meu primo. PARTE 8

2624 palavras | 10 |4.85
Por

Era a hora de colocar as cartas na mesa e assim resolver tudo aquilo que ficou pendente na minha relação com cabeção e Anderson

Cheguei em casa. Ricardo ainda estava lá na sala mexendo no celular. Sentei perto dele que me olhou com cara de poucos amigos.
Olhei para ele e mesmo com medo eu disse:

Eu: A gente precisa conversar.
Ricardo: humm
Eu: Porque você queria saber de meus amigos mais hoje mais cedo?
Ricardo: Já disse o porquê. Eu nunca te vi com eles, mas você disse que eles são seus amigo da escola…

Ricardo falava enquanto mexia no celular nem sequer olhava na minha cara.

Eu: Olha pra mim Ricardo… É só isso mesmo? Tem certeza?

Ricardo agora está com os olhos voltados para mim.

Ricardo: É porra! O que mais seria? Quer saber real? Tem um ali que queima a rosca, né?
Eu: Ah então é isso que tá te incomodando?
Ricardo : Tô cagando pra isso. Mas se ele queima rosca queima. ( riu debochando)
Eu: Então você não gosta de gay? Você é homofóbico?
Ricardo: De maneira alguma. não que eu não goste, nada contra, mas gostar também não gosto.

Olhei espantado.

Eu Sinceramente não esperava isso de você.
Houve um silêncio…

Eu: Eu sou gay! E não virei da noite pro dia não, não virei por causa de amigos, sou assim desde criança.
Ricardo: E você quer o que? Um abraço? Quer que a gente fique feliz por conta disso? ?

Minha mãe apareceu na sala perguntando o que se passava por ali.
Olhei para ele, ele me olhou e por momento eu jurei que ele ia me entregar pra minha mãe. Mas não, por algum motivo ele simplesmente saiu, foi para o quarto dele.

Eu disse a minha mãe que não era nada demais. E subi pra o meu quarto.
Caramba! Porque aquilo tinha que estar acontecendo? Mas resolvi não fugir e era uma ótima oportunidade de sair do armário.

Mandei uma mensagem pra Ricardo:

“Espero que isso não abale nossa relação.
O fato de ser gay não influenciará em nada. Você é meu único irmão. Eu preciso de seu apoio e respeito.”

Ele visualizou mas não respondeu.

Havia mensagens de Anderson e Manuel.

Meu primo estava preocupado. Queria ter notícias. O respondi dizendo que tudo estava bem e que confirmei pra Ricardo a minha orientação sexual.

Manuel tava afim de conversar. Provavelmente querendo se explicar, mas naquele momento eu estava saturado, não tinha cabeça pra ter uma DR. Respondi as mensagens dele apenas dizendo que outra hora conversariamos porque não tava legal pra conversar com ele.

Tomei banho, me organizei para dormir, por um momento pensei… Agora por ter me assumido, será que Ricardo ligaria os ponto do que ocorrera no Natal? Da gente esperando o povo sair do vestiário pra entrar? Preferi acreditar que não, que ele não era tão esperto e maldoso a ponto de pensar nisso… Dormi.

Dia seguinte acordei tarde, onze da manhã, e fiquei na cama, vendo vídeos engraçados e atualizando as fofocas dos famosos, até que alguém bate na porta, era o Ricardo.
Eu: Pode entrar Ricardo!

Ao entrar Ricardo sentou na minha cama, estendeu a mão e me pediu desculpas pelo ocorrido na noite anterior.

Ricardo: Me perdoa por ontem? Não sou homofóbico, só que nunca tive no meu convívio pessoas como o seu amigo.
Eu: Ricardo, o Gil ele é uma ótima pessoa cara, o fato dele ser delicado não faz dele uma pessoa ruim.
Ricardo: Eu sei, mas isso é novo pra nossa família.
Eu: (sorri) Até segunda ordem sim! Vai saber né!
Ricardo: Só não fica delicado igual o seu amigo Gil.
Eu Relaxa! Só vou te pedir uma coisa, não conta pro pai e pra mãe não, vou esperar o momento certo mas prefiro que eles saibam por mim.

Meu irmão concordou, e ainda me convidou pra ir na capoeira com ele a noite, disse que eu podia levar até meus amigos. Preferi não causar, aceitei em ir porém não convidei meus amigos.

Desci junto com Ricardo para almoçar, ao entrarmos na cozinha minha mãe riu e disse: Vocês brigam mas não ficam sem o outro. Concordei.

Ao ficar na sala mandei mensagem para meu primo e Manuel falando que eu iria ir no ginásio assistir a roda de capoeira.

Anderson:
Po bacana primo! Te vejo lá. Abraços.

________________
Manuel:
Tá de boa. A gente vai poder conversar?

Eu:
Depende… Se você estiver com aquela garota não. 🙂

Manuel:
Ela faz parte do grupo.

Eu:
Eu sei, eu tentei ser engraçado.

Manuel:
Tá ok então. Nos encontramos lá.

_______________________

O dia passou voando e ao chegar a noite, fiz minha chuca, afinal a noite prometia, e como combinado parti pro ginásio com Ricardo. No caminho ele confirmou que ele apoiaria a minha decisão, mas que era pra tomar cuidado pois tinha muita gente ruim nesse mundo. Perguntou se o outro cara lá da que estava na minha roda de amigos era meu namorado. Disse que não, que era muito cedo pra se pensar em compromisso. Chegando lá no ginásio , vi que Manuel estava na roda junto com a peguete dele, Anderson estava no berimbau ao lado do professor, acenei pra todos e fui sentar, agora um pouco afastado, na arquibancada do ginásio pois perto da roda havia muitas garotas que também estavam ali só para ver aqueles homens. Coloquei o fone de ouvido e fiquei ali assistindo a luta com uma Playlist Pop. A todo momento meu olhos se encontram com os olhares dele. Por mais que nossa relação por hora fosse problemática, ela pra mim era muito especial, eles eram especiais, cada um a sua maneira, com suas características, mas agora eu tinha um pensamento diferente de antes, eu não podia me apegar, o lance era aproveitar cada segundo antes que tudo aquilo virasse uma tragédia. ( Pitty sempre nos alertou isso em sua música Na sua estante).
Escutei aplausos e vi a roda se desfazendo, e de repente vieram em minha direção Manuel e agora sua inseparável peguete, meu irmão e Anderson. Fui apresentado para a garota que se chamava Cristina, mas ela gostava que a chamava de Cris. Manuel seguia tenso o motivo era obvio: a mina e o viado que ele comia, agora se conheciam.

Ricardo: Então vamos lá na comer churrasco?
Eu: Vamos porque deu fome.

Convidamos Anderson e o casal sensação pra nós acompanhar. Meu primo aceitou na hora, já Manuel disse que levaria a Cris em casa pois ela tinha horário, mas que voltaria pra comer com a gente.
Pedimos um combo que vinha 10 espetinhos com sabores diversos e em lata pra mim e cervejas pra meu mano e meu primo.
Na mesa o assunto era o mais variado possível, futebol, eventos de capoeira e garotas. Quando Manuel chegou se sentou e nosso pedido chegou, o clima tava legal rimos muito. Até que um determinado momento meu irmão falou que precisava voltar pra casa que tinha que fazer uma chamada em vídeo pra Letícia. Falei que ficaria ali com meu primo Manuel.
Com a saída de meu irmão, resolvermos ir pra pracinha, onde ficaríamos mais a vontade pra conversarmos sobre o que queríamos falar e antes que eles falassem algo eu me manifestei.

Eu: Agora assim, precisamos conversar.

Ambos concordaram.

Eu: Na real, eu curto muito o quando nos pegamos. Vocês já perceberam.

Sou interrompido.

Manuel: Mas Renato, eu sei que você tá chateado comigo por eu está ficando com ela.

Anderson riu.

Manuel: Se você não quiser eu vou entender, mas não quero ficar de fora disso, você dá mais gostoso que muita mulher aí.

Fiquei corado mas resolvi continuar.

Eu: Como eu disse, eu curto muito transar com vocês. Sei que você são héteros, que tem a necessidade de pegar mulher. Não vou mentir Manuel eu fique puto de ciúme quando com a Cristina.

Manuel agora não falava nada, Anderson seguia com o sorriso com o ar de debochado.

Eu: E você Anderson? Eu sei que você não é santo . Pode não estar ficando com uma mina na minha frente, mas por trás com certeza já pegou um monte depois do Natal.

Os dois se olharam.

Anderson: Pô! Não somos de ferro, temos que traçar uma mina quando surge oportunidade. Né Cabeção?

Manuel da um sorriso safado.

Manuel: Renato, vou mentir não. Já que estamos falando sobre, eu e Anderson continuamos levando as minas lá pra casa.
Eu: Eu imagino! Vocês são uns cretinos safados
Anderson: Pode ficar tranquilo, você tá só nessa não. A Cris já é chifruda, mas não sabe.

No fundo vibrei por saber disso. Sinal que Manuel não levava a relação tão a sério.

Eu: Só quero que saibam que gostaria continuar a pegação com vocês. Mas fiquem sabendo, que também vou ter direito de pegar outros homens, não serei exclusivo de vocês, assim como vocês não são meus. Concordam?

Anderson de começo relutou, mas acabou concordando quando Manuel aceitou e explicou para meu primo que assim todo mundo saia ganhando.

Eu: E outra coisa eu quero continuar sendo o puto de vocês, quero a mesma Vibe, porém tudo dentro dos limites. Nada de violência extrema, mas também nada muito carinhoso.
Anderson: Fala isso não primo que já fico daquele jeito só de lembrar.
Disse ele apertando o pau por cima da calça branca.

Eu: Cheguei a salivar aqui. (olhei pro volume).
Manuel não foi preciso falar nada, era notório o volume marcando a calça.
Eu: Vamos parar por aqui que eu não quero ficar na vontade.
Anderson: Tu não vai passar vontade não.
Cabecao vamos lá pro nosso cabaré particular, dar rola pra esse puto.

Meu cu chegava a piscar de felicidade.

Mas Manuel disse que seu pai estava na usando a casa.

Anderson: Calma Renato. Vou dar um jeito.

Ele pensou em me levar no campo que havia ali perto, mas lembrou dos maconheiros que ficavam lá.

Olhou ao redor e falou que a gente podia fuder atrás do Ginásio, que era só a gente fazer a mesma coisa que fizemos no vestiário, um vigiava enquanto o outro me fodia.

Eu como um belo puto aceitei.

Olhamos ao redor para certificar se era seguro e fomos para a parte de atrás do ginásio. Não havia ninguém por lá. De repente, Anderson tirou sua pica e me colocou pra mamar.
Anderson: Chupa rápido, mas gostoso! Não podemos dar mole aqui.

Eu adorava chupar Anderson, justamemte por seu pau ser muito grosso.
Ele parecia saber pois socava e segurava a minha cabeça afim de me sufocar aquela pica.
Anderson dava na minha cara! Seu pau grosso fazia barulho ao encontro de minhas buchechas.
Eu só pedia mais.
Ele me segurou pelo cabelo, me colocou na parede.

Amderson: Fez a tal limpeza nesse cu aí?
Confirmei dizendo que toda vez que fosse encontrá-los eu faria.

Anderson: Viu como você é uma cadela no cio, nem tinha garantia que levaria rola mas fez o papel de puta.

Abriu a carteira pegou a camisinha e colocou naquele pedaço de carne rígida.
Segurou minha cintura e mandou ver na estocada. Eu gemia, baixo mas gemia.
Olhei pro lado pra ver Manuel, que fingia estar mexendo no celular enquanto me via sendo fudendo.

Anderson: Geme puta, geme no meu pau.
Manuel: Anda Anderson.

Anderson que já metia rápido, acelerou mais ainda, me fazendo gemer gostoso, até que tive a ideia de gemer mais fino como uma fêmea. Cara ficou tão louco que gozou pouco tempo depois.

Nem deu pra te dar leite na boca. Disse ele, ao tirar a camisinha e dando um nó.
Ele deu um tapa na minha bunda e saiu para ficar no lugar de Manuel.

Eu já me agachei, tinhamos pressa. Era perigoso, mas isso que nos deixava com mais tesao.
Sem demora ele colocou aquela. Pica que mais parecia uma cobra, e disse

Manuel: Só engole.

Ele tirava e botava até aquela pica ser engolida por inteira. Sua piroca entrava com facilidade na minha garganta, parecia que o pau grosso de Anderson tinha alargado ao fode-la. Ele urrava de tesão.
Agora era só o gemidos da gente e som da estocada ao entrar na boca. Pela primeira vez não forcei vômito.

Ele me botou de quatro. Quando pensei que ele ia me penetrar senti a linguada dele no meu anel.

Manuel: Deixa eu lamber esse cuzão.

Foram poucas linguada mas o suficiente pra me deixar como um viado no cio. Eu rebolava freneticamente.

Me botou de quatro, colocou tudo de uma vez só. Gritei.
Ele começou a socar.

Anderson veio até a gente. Me deu um tapa tão dado na cara que estalou.

Anderson: Tá gritando porque? Tá perdendo a noção. Tá querendo apanhar ne puta?

Voltou para seu posto.

Manuel, entrava e saia, às vezes devagar só pra me fazer sentir cada centímetro daquela rola entrar em meu cu que agora estava em chama.

Eu gemia agora baixinho, rebolava e tentando agradar aquele homem.

Ele me batia na bunda pedindo pra gemer igual uma safada.
Ele gostou de eu ter gemido igual uma mulher com Anderson, entendi o recado e assim fiz.
Foram muitas estocadas até que ele tira a sua pica e ao desencapa-la empurra meu rosto ao encontro dela. Meu leite quente tava vindo. Tomei leite de macho pra encerrar a noite.

Manuel: Sem leite você não ficou.

Manuel me tascou o beijo.

Manuel: Gosto do gosto da minha porra na sua boca.

Levantei short, aguardamos o meu primo a sinalizar e saímos.

Colocamos a camisinha dentro de suas embalagens e a jogamos no córrego que havia no caminho.

Anderson disse que tava com umas ideias na cabeça para facilitar nossa foda, ele arrumaria outro lugar pra foder quando o pai do cabeça estivesse na casa.

Eu quis saber onde era, afinal sou ansioso, mas ele falou que era pra confiar, por que ele providenciaria o tal lugar que já tinha em mente. Que eu não ia ficar sem levar rola.

Manuel seguiu para a sua casa que era sentido diferente da minha e da casa de Anderson.

Ao chegar na rua Anderson queria que eu pagasse um boquete numa parte que estava escura. Mas recusei. Vai que um vizinho, ou até mesmo alguém da minha casa visse aquilo.

Nós despedimos. Entrei em casa com uma animação, senti meu celular vibrar, Ricardo que estava na sala vendo TV disse que pensou que eu não ia chegar nunca. Sorri e fui pra meu quarto. Ao abrir o WhatsApp tinha um novo grupo chamado: 2 Machos e uma puta lá.

WhatsApp

2 Machos e uma puta.

Anderson:Pô Renato aparece mais vezes na no ginásio.

Manuel: Verdade! Sua presença faz a gente relaxar.
Eu: Relaxam descarregando todo estresse em mim

Anderson: Vai falar que você não gosta?

Eu: Eu não gosto. Eu amo,

Manuel: Safado.

Eu: Boa noite!

______________________

Fui tomar banho, passei a mão no meu cu. Me senti privilegiado por estar com o cu naquela situação.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,85 de 26 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

10 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder negao ID:8efha52oic

    tenho certeza que o irmao dele é o cara das fotos q o amigo dele fica

    • PUTOVR ID:8efha5mt0i

      Que fotos?

  • Responder Vaskkkk ID:g3jl2adv1

    Queria q o irmão comece ele tbm, seria muito bom

  • Responder Lírio ID:g3jks67hi

    Opaaa! Será Ricardo?! Será?!

  • Responder Luiz ID:dlns5khrd

    to achando que o irmao tambem vai experiemntar seu cuzinho, se isso acontecer na tenha frescura sirva ele como uma puta serve um macho

  • Responder Fabio ID:gqbadkfzj

    Era bom o irmão de Renato comer ele

  • Responder Novinho ID:81ritu0m9b

    Pô, nunca comentei em nenhum conto mas tô instigado com esse, tá bem escrito demais. Tô curioso sobre pra onde essa história vai. E confesso que tô torcendo pro Anderson e o Manuel fazerem algo entre eles dois sla hehe.

  • Responder Passivo Magrinho ID:81rdrldv9i

    Bom, mas queria tanto que o Anderson namorasse com o Renato 🥺

    • Caio ID:dloyuetm4

      Eu também

    • Lírio ID:g3jks67hi

      Siiiimmmm😭