# # # #

Lena meu bichinho de estimação (Conto 4)

5576 palavras | 2 |4.56
Por

Continuação do treinamento de Lena, meu bichinho de estimação. O conto continua de onde acabou a terceira parte.

Estou publicando este conto pois muitas pessoas, tanto homens quanto mulheres, pediram mais sobre Lena. Recebi muitas criticas construtivas sobre meus primeiros contos, a maioria gostou muito e praticamente a única reclamação foi que o conto é muito longo. E quase todos me perguntavam se era verídico. Devo dizer que tirando algumas alterações, ocultando algumas partes chatas e entediantes e as vezes adicionando uma coisa ou outra para tornar tudo mais dinâmico e interessante, todos os contos são de fatos reais. Tento ser o mais fiel possível a realidade. Agradeço a todos que elogiaram e está aí um pouco mais da minha “ode à Lena”.

Este é o quarto conto sobre meu animalzinho de estimação chamado Lena. Para quem não leu os três primeiros são “Treinamento do meu bichinho Lena” “Treinamento do meu bichinho Lena (Parte2)”, “Treinamento do meu bichinho Lena (Final)”. Para quem não leu os três primeiros, leia-os antes iniciar esse conto. Os três primeiros contos foram até Lena me aceitar como seu Mestre e eu ter certeza de ter um bichinho de estimação leal e fiel como uma cadelinha. Este conto continua do momento exato que parou o terceiro conto e relata os primeiros dias de Lena sendo o que decido por uma cadelinha de estimação, inicialmente fiquei em dúvida se meu bichinho seria uma gatinha ou cadelinha que melhor se adequava, mas ela se mostrou uma verdadeira cadelinha leal e safadaPasso alguns minutos em silêncio, esperando que Lena se acalme. Sua forma nua sentada no meu colo, combinada com seu olhar inocente quando ela soluça, me deixou com tesão como o inferno. Meu pau transmite meu desejo para Lena, pois começa a inchar sob suas coxas. Ela para de chorar, então olha para mim com um sorriso

“Mestre, você quer brincar com a Lena”? Ela pergunta ansiosa.

Devo mostrar uma mão firme agora, ou tudo o que aconteceu será em vão. Eu bato na bunda dela enquanto ela está sentada no meu colo, antes de responder:

“Brincar? Já esqueceu o que fez? Você é uma cadelinha má! E cadelinhas más devem ser punidas”.

Eu a coloco na cama e vou até o meu armário. Quando eu estava fazendo compras para me preparar para o treinamento de Lena, gastei todo o limite do meu cartão em sex shops online, ebay e aliexpress, literalmente recebendo de tudo que tinha disponível. Por enquanto, tiro 4 conjuntos de algemas de aço com corrente ajustável, uma mordaça tipo bola aberta e um chicote de borracha. Lena olha para mim do chão, aparentemente assustada, mas sua boceta pingando revela a mentira, ela está esperando ansiosamente para ver o que vou fazer com ela.

Eu ando de volta para ela, levanto-a agarrando seu braço e a jogo na cama com força. Lena literalmente voa a curta distância antes de pousar com um surpreso “Iaaa”.

Minha cama é uma cama de casal clássica com quatro postes baixos no canto, mais como puxadores, mas perfeito para a situação. Eu prendo um lado da algema no poste, então agarro o pulso de Lena com força e o prendo do outro lado; Faço o mesmo com seu outro pulso, antes de me mover para acorrentar seus tornozelos também. Lena agora está acorrentada à cama de bruços, sua bunda empinada magnificamente olhando para mim. Eu ando ao redor da cama encurtando as correntes nas algemas, até que Lena esteja com as pernas abertas de bruços sem qualquer margem de movimento. Cabeça para o lado, ela olha para mim antes de murmurar docemente,

“Mestre, você vai punir a Lena? Lena tem sido uma menina má, por favor, Mestre puna a Lena”.

Sua voz doce, combinada com seu olhar sensual e as palavras de incentivo, empurram meus paus ao extremo, tanto que tenho medo de rasgar um buraco nas minhas calças. Não podemos ter isso agora, podemos? Eu removo minhas roupas sob os olhos famintos do meu pequeno animal de estimação, liberando meu pau de sua prisão solitária, e então eu agarro o remo. Sento-me ao lado da cama para um melhor acesso, meu pau ao lado da bunda de Lena. Eu levanto o chicote e o abaixo com força na bunda de Lena.

“Ai!”.

“Ai, Mestre…”

“Mestre, isso dói…”!

Eu paro de bater nela e digo com desprezo na minha voz,

“Claro que dói, afinal é um castigo. Você foi uma cadelinha malvada! As cadelinhas malvadas são punidas”!

Assim dizendo, eu levanto o remo novamente,

Alheio a seus gritos e gritos de dor, continuo remando na bunda de Lena por quinze minutos. Eu poderia continuar por muito mais tempo, por experiência anterior, sei que ela pode aguentar, mas meu objetivo não é prejudicá-la por um dia. Quando paro, examino meu trabalho manual. Suas nádegas se transformaram em duas cúpulas vermelhas – quase brilhantes. Eu julgo que eles incharam quase um quarto extra do tamanho original, perfeito.

Deixo cair o remo na cama e agarro suas nádegas com as mãos, tateando e moldando grosseiramente. Lena grita mais uma vez de dor, mas eu sei a verdade, posso ver o suco de sua boceta encharcando os lençóis depois de tudo. Contente comigo mesmo até agora, eu monto em seu corpo, meu pau descansando entre as suas bochechas coradas da bunda. Eu não tenho intenção de bater uma nela, então eu guio meu pau para sua boceta, e provoco seus lábios com minha a cabeça do meu pau, fazendo Lena estremecer de excitação.

“Mestre, você vai finalmente comer minha buceta agora”? Ela pergunta ansiosa.

Eu a ignoro e continuo provocando sua boceta, até que seus sucos tenham revestido meu pau bem, então eu abro sua bunda com meus dedos e empurro meu pau em seu cu com toda a minha força. Lena grita, enquanto dois terços do meu pau deslizam para dentro dela.

“M-Mestre… aaah… dói….”!

Deitei para frente, meu peito empurrando suas costas, perfeitamente pregando seu corpo na cama, antes de agarrar sua cabeça pelos cabelos e incliná-la para trás. Eu movo minha boca ao lado de seu ouvido e sussurro.

“Não é um castigo se você gosta. Eu não vou tirar sua virgindade agora, bichinho. Você vai ter que esperar mais de um mês para isso, porque eu pretendo estuprar sua buceta pela primeira vez em sua casa, em sua cama. enquanto sua irmã estiver dormindo na cama ao lado.”

Quando digo isso, empurro meus quadris para frente, cravando o resto do meu pau em seu reto.

“Hnng… Mestre… dói Mestre…”.

Eu continuo sussurrando em seu ouvido, alheio às suas palavras, enquanto meu pau começa a se mover em movimentos circulares dentro dela,

“Claro, isso depende de você, garotinha. Se você continuar sendo uma cadelinha malvada, eu posso estuprar sua irmãzinha primeiro, forçando você a assistir enquanto ela pega o pau que você tanto deseja batendo na boceta dela…”.

Eu começo a empurrar sua bunda com todas as minhas forças. Toda vez eu puxo meu pau para fora quase inteiramente, antes de enfiá-lo dentro o mais rudemente que posso. Os gritos de Lena me excitam ainda mais, e a circunferência do meu pau é ligeiramente aumentada pela quantidade de sangue que flui através dele, tornando mais difícil para mim me mover, e mais difícil para minha cadela vadia aceitar. O aumento da tensão da parede de seu reto acaricia todo o comprimento do meu pau, criando uma sensação sublime. Depois de tantas fodas que eu presenteei meu animal de estimação, suas entranhas lentamente se deslocaram para acomodar o pau de seu mestre. Do reto ao cólon, meu pau viaja em linha reta dentro de Lena, me oferecendo uma sensação sensacional. Eu sinto minhas bolas esquentando, e eu intensifico meu bombeamento. Eu continuo pregando-a na cama com meu pau martelando, até chegar aos meus limites, e empurro meu pau o mais fundo que posso, sentindo minhas bolas tocando sua bunda. minha boca ainda está ao lado de sua orelha, então eu mordo seu ombro enquanto relaxo a porra apertada que mantive em minhas bolas todo esse tempo, permitindo que o fluxo de meu sêmen jorre do meu pau, para pintar o interior do meu animal de estimação trêmulo. As cores de seu mestre.

“Está quente! Mestre está me enchendo! Eu… eu… estou gozando”.

Lena não consegue resistir à sensação, e sua buceta jorra sucos, encharcando os lençóis. Acho que vou fazer com que ela o lamba mais tarde. Minhas bolas gastas, eu tiro de sua bunda e limpo meu pau com uma toalha de papel. Lena está ofegante, parece que não tem forças para falar. Eu me aproximo novamente e trago o próximo brinquedo; um plug anal de silicone com um vibrador de 10 configurações, controle remoto e, o mais importante, com um rabo de cadelinha cinza de pelúcia. O diâmetro do plug anal é menor que o meu pau, pois não quero afrouxá-la muito.

Eu me movo atrás dela, cubro o plug anal com seus sucos e enfio em sua bunda.

“Hmm, o dedo do Mestre… não, é muito grande para ser o dedo do Mestre, mas muito pequeno para ser o pênis do Mestre. Mestre, o que é isso”?

Dizendo isso, ela tenta se virar, mas as correntes impedem isso.

“É o seu novo rabo, querida. Cadelas devem ter um rabo”.

Seus olhos brilham de excitação.

“Sério Mestre? Meu próprio rabo? Eba! Mas… é menor que o pênis do Mestre…”.

Quando ela olha para mim e faz beicinho nos lábios, eu rio, então me aproximo dela e beijo seus lábios.

“Cadelinha deve se acostumar com seu novo rabo, então vou deixar você aqui e ir fazer o almoço”.

“Ok Mestre!”, ela diz.

Quando chego à porta, pressiono o botão no controle remoto e ligo o vibrador para a configuração mais baixa.

“EEE”?

A voz de Lena mostra sua surpresa com a vibração repentina.

“Mestre, isso… isso…”.

A cauda está conectada ao vibrador e balança para a esquerda e para a direita sozinha, verdadeiramente como uma cadelinha feliz e excitada. Eu rio e aumento a velocidade para três, então saio e vou para a cozinha. Atrás de mim eu continuo ouvindo gritos,

“Mestre…. Socoorroo….”.

Sento-me à mesa da cozinha para desfrutar de outra xícara de café. Mesmo daqui posso ouvir os gritos e gemidos de Lena. Eu rio, tentando decidir se isso é um castigo para ela ou um deleite. Talvez um pouco de ambos. Minha mente vagueia pelos eventos dos últimos dias. Eu nunca esperei que ela caísse tão rapidamente. Quem teria pensado que a menina já tinha tendências masoquistas? Provavelmente sonhava à noite que alguém a amarraria nua na cama e a estupraria. Envergonhada de seus pensamentos, ela os escondeu no mais profundo buraco de seu coração e mente, mas inesperadamente, seu sequestro e consequente tortura, combinados com a saudável dose de orgasmos que eu dei a ela, trouxe isso à tona. Não podendo mais negar, ela sucumbiu aos seus desejos obscuros, terminando assim amarrada na minha cama, com um vibrador enfiado na bunda. Eu ri alto com o pensamento. Sim, a vida com certeza pode ser engraçada.

Termino meu café e preparo o almoço, estou cansado para preparar um almoço sofisticado então só ovos e batatas fritas hoje, depois volto para o quarto. Uma hora se passou e eu não ouço mais um pio de Lena, eu me pergunto como ela lidou com isso. Entro no quarto e sorrio com a visão.

Lena desmaiou, seus olhos estão fechados e sua boca aberta derrama baba na cama. A cauda na bunda gira loucamente, e a parte inferior do lençol está uma bagunça. Mesmo agora, embora ela não esteja consciente, vejo seu espasmo na parte inferior do corpo e gotas de suco escapando de sua boceta. gozando mesmo depois de desmaiar, que putinha bonitinha. Eu pego o controle remoto e paro o vibrador, a cauda balançando uma última vez antes de parar em suas nádegas vermelhas. Eu agarro o rabo e puxo para fora de sua bunda com um som esmagador, e uma espuma bagunçada começa a transbordar de seu cu. Parece que o vibrador converteu meu esperma em uma espuma cremosa.

Indiferente se Lena está consciente ou não, eu monto nela novamente e enfio meu pau dentro de sua bunda. meu esperma espumoso faz meu pau deslizar suavemente, melhor do que lubrificante anal, quando eu começo a fodê-la lentamente. Não tenho pressa agora, nem o desejo de ir áspero. Movo meus quadris lentamente, saboreando a sensação do meu eixo passando por seu reto e endireitando seu cólon. Lena começa a murmurar, eu acho que ela provavelmente sentiu instintivamente a diferença de sensação entre o vibrador e meu pau, enquanto ela começa a chamar baixinho,

“Mestre… tão bom”.

Eu continuo transando com ela por uns bons quinze minutos antes de sentir minhas bolas à beira de explodir. Eu acelero meu ritmo, meu movimento se torna brusco, enquanto cada impulso visa perfurar seu estômago. Quando sinto minhas bolas explodirem, aperto suas nádegas com as mãos, fazendo-a acordar ganindo. Minhas ações fazem com que seu esfíncter se contraia, apertando como um torno ao redor do meu pau, e com um último e profundo impulso, mais uma vez descarrego o resultado do meu desejo profundamente em suas entranhas.

“Ah, Mestre… tão gostoso… mmm”.

Eu deslizo meu pau agora meio ereto para fora de seu cu e me levanto, olho para seu rosto e vejo que ela agora está acordada. Eu solto seus membros da cama e, em seguida, sento na cama, um travesseiro atrás das costas. Eu a puxo para mim e a beijo profundamente, um beijo ao qual ela responde alegremente. Nossas línguas se entrelaçam por um minuto ou dois, antes de eu parar.

“O almoço está pronto menina, mas antes, você deve limpar o pau do Mestre”.

Lena sorri, e com um “Sim, Mestre”, ela mergulha no meu pau, chupando e lambendo como se não houvesse amanhã. Eu a interrompo depois de um minuto, se isso continuar, o almoço vai esfriar, além disso, preciso de alguns minutos para recarregar, meu bichinho pode engolir meu esperma mais rápido do que eu posso produzi-lo. Eu sorrio e acaricio sua cabeça, como se ela fosse um cachorrinho fofo, ao que ela fecha os olhos e acaricia minha mão com a cabeça. Antes de levantar eu enfio o rabo novamente na bunda de Lena, senão ela vai pingar esperma daqui para a cozinha, mas desta vez eu deixo o vibrador desligado. Lena anda cambaleante na minha frente, ainda um pouco cambaleante, mas ela balança a bunda um pouco antes de olhar para mim e perguntar:

“Mestre, como está minha cauda”?

“Querida, você é uma cadelinha de verdade agora, muito fofa”.

Ela sorri para mim e continua. Normalmente, como um animal de estimação, ela deveria andar atrás de mim, mas eu entendo que ela queria me mostrar o rabo, então eu o deixei deslizar. Além disso, tudo ainda é novo para ela, devo tomar cuidado para que ela não fique sobrecarregada.

Aproveitamos o nosso almoço sem pressa e depois nos mudamos para o sofá para abraçar e assistir TV. Pelo olhar de Lena eu posso ver que ela está ansiosa para brincar, então eu acaricio sua cabeça e aponto para meu pau semi-ereto. Lena alegremente ataca meu pau e começa a acariciá-lo, enquanto lambe e chupa meu saco. Enquanto isso, minha mão viaja para sua bunda carnuda e começa a acariciá-la. Em nenhum momento, sob os cuidados suaves da mão e da boca de Lena, meu pau está mais uma vez ereto em toda a sua glória. Eu bato levemente na bunda dela para chamar sua atenção, ela geme e me olha com os olhos brilhando de emoção.

“Querida, sua boca é boa, mas que tal você usar bem os peitos”?

“Como assim Mestre”?

“É simples, querida, coloque o pau do Mestre entre seus seios, sim, assim, empurre mais o peito, bom. Agora empurre com as mãos para o lado dos seios para ensanduichar o amiguinho entre eles. Perfeito. Agora, com suas mãos, mova seus seios para cima e para baixo no pau do Mestre. Aah, sim, é isso, cadelinha. Normalmente você cuspiria nele para fazê-lo deslizar, mas sua boquinha já molhou tudo, então está tudo bem. Uuh, você está indo muito bem querida. Agora incline sua cabeça, puxe sua língua, e tente lamber e chupar a parte do meu pau que sai entre seus seios. Ooh, que bom, que bichinho bom, você é uma pequena perfeita cadela, fofa, adorável e cheia de tesão para seu Mestre”.

Meu pau está envolvido na sensação de cetim quente de seus copos E envolvendo-o, minha glande tocando seus lábios e sua língua correndo ao redor da parte superior do meu eixo. Duvido que consiga aguentar tanto assim, mas é tão agradável que não desejo que acabe. Eu coloco minha mão em sua cabeça e empurro suavemente, forçando-a a se curvar mais, minha glande entrando assim entre seus lábios, e ela começa a chupar ansiosamente. No meu limite, eu rugo e mando uma porrada de esperma em sua boca. Lena tenta engolir tudo, mas não consegue, e gotas de meu esperma escapam de sua boca e cobrem seu peito. No meio da ejaculação, eu saio de sua boca e borrifo lindamente seu rosto, pescoço e seios. Termino de gozar e olho para ela ofegante. Lena começa a lamber meu pau limpo. Saio tomo uma ducha rápido para me recompor, imaginando tudo que Lena fez hoje meu pau volta a ficar duro.

Depois que volto do banho, Lena olha para o meu pau com surpresa, ela não esperava que ele se recuperasse tão rápido.

“Mestre… tanto…”.

Eu a agarro pelos ombros e a levanto, a viro e a coloco no meu colo, então agarro suas coxas e a levanto, fazendo com que suas pernas caiam em meus ombros e seu rosto encontre meu pau. Eu coloco minha mão em seu ombro e a levanto enquanto com a outra aponto meu pau para sua boca. Lena entende minhas intenções e abre sua boca traquina. Diminuo a pressão em seu ombro, e o corpo de Lena abaixa, sua boca sendo empalada pelo meu pau. Eu não a deixo ir completamente, caso contrário ela pode engasgar com meu pau, ou cair e quebrá-lo. Medo Brrrr.

Suas pernas travam atrás do meu pescoço, posicionando sua boceta úmida na altura perfeita para minha língua. Sem mais delongas, enfio minha língua dentro de sua vagina quente e começo a lamber e chupar avidamente seus sucos excitados. Ao mesmo tempo, usando minha mão que segura seu ombro, movo seu corpo para cima e para baixo, fazendo com que ela me dê um boquete vertical sobre o qual ela não tem controle. Ainda não satisfeito, pego meu fiel controle remoto e ligo o vibrador na sexta configuração, o dobro do uso anterior.

Lena começa a gritar, mas com meu pau no fundo de sua garganta seus gritos são abafados. Sua boceta começa a jorrar como um louco, dominando minha língua e escorrendo pelo meu queixo. A porra do rabo de cachorro balançando e batendo na minha cabeça me dá nos nervos, mas eu não me importo agora, eu só preciso da liberação. Meu braço começa a se mover em arcos maiores, no fluir do movimento forçando meu pau inteiro dentro da garganta da minha cadelinha. Posso sentir sua luta por ar, mas não paro, mantenho meus movimentos forçados enquanto minha mão livre pega um seio e começa a amassar. Todo o meu rosto está molhado de seus sucos, todo o seu corpo está tremendo, e gradualmente chego aos limites do meu autocontrole, eu a abaixo até sentir seus lábios acariciando meu saco de bolas, desfrutando da sensação de aperto de sua garganta,

Todo o corpo de Lena está em espasmos, suas pernas balançando para a esquerda e para a direita ao redor da minha cabeça, enquanto ela grita silenciosamente no meu pau. As vibrações de seus gritos se transmitem ao meu pau, massageando-o até que finalmente não aguento mais e explodo, enchendo sua garganta e boca com meu esperma. Devido à sua posição, ela é incapaz de engolir tudo, então meu esperma começa a sair de sua boca e nariz. Assim que sinto que minhas bolas esvaziaram toda a carga, eu a levanto, com medo de que ela engasgue, e ela começa a vomitar, gotas de esperma caindo no tapete. Eu desligo o vibrador e digo a ela,

“Querida, você percebe que terá que limpar isso, certo”?

Lena olha para mim com lágrimas nos olhos,

“Mestre, você é mau”!

Eu sorrio para ela e a sento no meu colo, então eu a abraço e começo a acariciar seu cabelo.

“Haha, desculpe cadelinha, mas você é tão fofa que o Mestre não pode evitar, de te intimidar um pouco”.

Lena olha para mim com uma cara de beicinho que seria o epítome de beicinho para uma criança de cinco anos,

“Mestre…”.

Eu rio novamente e beijo sua testa e logo ela adormece no meu colo. Eu gentilmente a deito no sofá e vou para o meu quarto, onde troco os lençóis e guardo meus brinquedos, antes de descer e pegá-la em um carrinho de princesa e trazê-la para minha cama, onde a deito suavemente.

Eu olho para seu lindo rosto adormecido, não posso acreditar que ela é a mesma pessoa que gozou litros de suco por ter fodido seu buraco de merda.

Deus, eu amo minha nova cadela de estimação….

Mais alguns dias se passaram e o treinamento de Lena está progredindo de forma constante. Até agora, não permiti que ela saísse de casa, hoje, no entanto, decidi treiná-la ao ar livre. Para isso, nos fundos da casa, no meio de um pequeno pomar, montei um pelourinho. Imagine um poste de madeira com 1 metro de diâmetro e 2 de altura, coberto com couro macio e almofadado; adicione uma linha de anéis de metal resistentes em um lado, espaçados verticalmente a cada 30 cm; adicione um colchão de couro fino tipo ginásio na frente dele.

Surpresa! Você tem um poste de açoite, edição de punição sexual!

Então eu pego uma mochila vazia, abasteço com as ‘ferramentas’ necessárias, jogo Lena no meu ombro como um (pequeno) saco de batatas, e vou para fora. Mesmo desde esta manhã quando troquei as baterias, a cauda de Lena está balançando na configuração mais baixa; não o suficiente para fazê-la gozar, mas mais do que suficiente para deixá-la excitada. Ao chegar ao poste, eu a jogo no colchão. A espessura é suficiente para que Lena não se machuque, mas o gesto é suficiente para molhar meu pequeno animal de estimação masoquista. Eu a levanto pelos cabelos até que ela se levanta com lágrimas nos olhos, depois a forço a abraçar o poste e prendo suas mãos com algemas, passando os elos pelo anel de metal. Eu propositadamente escolhi um anel um pouco mais alto que o normal, então ela é forçada a ficar na ponta dos pés. Legal, a bunda dela parece deliciosa assim. Eu removo meu fiel chicote da minha mochila e o uso para acariciá-la da cabeça aos pés, fazendo-a estremecer. Usando o controle remoto, paro o vibrador em sua bunda e o tiro dela; deixá-lo enquanto chicoteia sua bunda pode ser um pouco perigoso. Tendo feito isso, eu me volto para Lena.

“Ok, bichinho, aqui está o treino de hoje: você faz uma declaração que começa com ‘Mestre’, então eu decido se é bom ou não. Se eu gostar, você entende isso,

Dizendo isso, eu balanço o chicote em sua bunda, moderadamente forte.

“Hnnn…”. Merda, um golpe e ela quase gozou. Eu continuo,

“se, no entanto, eu não gostar, você entende isso”. Dizendo isso, eu removo um teaser de baixa intensidade da mochila e o aplico em suas nádegas antes de acioná-lo por menos de um segundo. No outro dia quando comprei esse teaser eu fiquei preocupado de ser muito perigoso então testei essa porra em mim mesmo, devo dizer que risco a saúde da minha cadelinha não tem, mas eu nunca mais quero sentir esse choque novamente, eu definitivamente sou apenas sádico, dor não é para mim.

“AAAAHHHH”! Lena emite um grito de pura dor e surpresa. Assim que a corrente para de fluir, seu corpo inteiro cai, segura apenas pelas algemas em seus pulsos. Eu continuo falando,

“Uma boa menina e um bom animal de estimação devem saber como fazer seu Mestre feliz. Eles nunca devem dizer algo que deixaria seu Mestre infeliz. Esta lição irá ajudá-lo a entender melhor seu papel. Lembre-se, você não pode usar a mesma frase duas vezes. Agora fique bem e vamos começar…”.

Lena luta um pouco, mas consegue recuperar o equilíbrio. Na ponta dos pés, nua, amarrada a um poste, ela morde os lábios, pensando no que dizer.

“Você pode começar, querida. Mestre está esperando”.

“Uhm, Mestre me ama”!

Eu espero por um segundo, uma expressão séria no meu rosto, como se eu estivesse ponderando suas palavras, antes de bater em sua bunda com o chicote um pouco forte.

“Ahn…”

“Boa menina, de novo”!

“Ehm, Mestre cuida de mim”.

Biscoito esperto, ela está repetindo o ‘mantra do Mestre’ que eu recitei tantas vezes para ela. Não estou reclamando, porém, é exatamente por isso que o mantra do Mestre foi necessário.

Eu mais uma vez bati na bunda dela com o chicote, para seu prazer excitado.

“Ahn…”

E assim por diante,

“Mestre me faz sentir bem”, “Mestre me protege”, todas as frases do mantra foram repetidas, e Lena está à beira de um grande orgasmo. O único problema é que o mantra acabou

“Ehmm, Mestre me ama”? Sua pergunta tímida quase me faz rir.

“Sim cadelinha, Mestre te ama. Infelizmente, você já usou isso”. Eu empurro o teaser em sua bunda e a acerto por um segundo. Lena grita, e seu corpo que estava chegando ao orgasmo não consegue lidar com isso, e ela perde o controle de sua bexiga, bagunçando suas pernas e o colchão.

“Agora, agora, bichinho, você fez uma bagunça. Cadelinha má, acho que vou ter que puni-la. Eu bato na bunda dela novamente. Devido à umidade da parte inferior do corpo, o choque se espalha, e Lena não pode fazer nada disso. uivo de dor. Quando eu paro, ela me implora chorando,

“Mestre, por favor, sinto muito. Lena será uma boa menina; Lena será um bom animal de estimação. Por favor, Mestre, perdoe a Lena…”. Seus soluços puxam meu coração, mas, ao mesmo tempo, meu pau está super animado com a cena na frente dos meus olhos. Sem palavras, volto para casa, deixando-a ali sozinha. Eu posso ouvi-la chorando,

“Mestre, Mestre, não me deixe Mestre …”, de novo e de novo. Cadela boba, como se eu fosse deixá-la. Não há necessidade de corrigi-la embora. Encho um balde de água do vaso sanitário e pego uma toalha grande. Volto ao pomar, onde Lena está soluçando e murmurando ‘Mestre’. Agarro o balde com as duas mãos e jogo o conteúdo em Lena, encharcando-a da cintura para baixo na água. Ela grita de surpresa, depois sorri de alegria quando percebe que eu voltei.

“Mestre”!

Eu pego a toalha e seco o corpo dela, da bunda e buceta até os tornozelos. Eu pego o colchão debaixo de seus pés e o viro, antes de secar os pés de Lena e colocá-los no colchão agora seco.

“Vamos continuar querida”, eu digo.

Lena entra em pânico, ela não sabe o que dizer.

“Vamos querida. Se você não continuar, Mestre vai ficar bravo e não vai mais te tocar”.

Seus olhos ficam grandes e redondos. Parece que isso a aterroriza mais do que o teaser. Vai saber.

“Uhhn, Mestre tem um pau grande”.

Eu sorrio e a chicoteio com força com o chicote.

“Haan…” Lena geme alegremente

“Ehrm, Mestre… Mestre… Mestre gosta de colocar na minha bunda”.

Eu mais uma vez sorrio e a chicoteio.

Lena agora entrou no ritmo; ela entende o que dizer e consegue ser chicoteada meia dúzia de vezes.

“Boa menininha, agora vamos deixar as coisas mais interessantes; comece as frases com ‘Lena ama….’. Mestre quer saber o que sua cadelinha mais ama”.

“Uhm, Lena ama Mestre”!

“Boa menina”, eu digo, e balanço o chicote.

“Aaahn, Lena… ama o pau do Mestre”,

“Bom, bichinho, continue”,

“Aaahm, Lena adora… as chicotadas do Mestre”!

“Boa cadelinha”,

“Hnggg, Lena ama…. Lena ama….”, seu cérebro congela, ela não consegue pensar no que dizer e tem medo de se repetir.

“Lena… Lena ama… Lena ama… Lena ama… o que Mestre ama”. Ela termina hesitante, sem saber se vou aceitar sua resposta ou não.

Sem falar, eu jogo o chicote no chão ao lado dela fazendo-a vacilar, pensando que eu vou pegar o teaser, mas então eu jogo o teaser ao lado do chicote, e Lena agora está confusa. Eu ando atrás dela e pressiono meu corpo no dela, e sussurro em seu ouvido:

“Essa foi a melhor resposta que eu já ouvi”.

Com um movimento rápido, eu deixo cair minha calça e enfio minha ereção furiosa em seu rabo seco com força.

“AAAHHH, Mestreee, é dóiii, devagarinho…”

Eu a ignoro e agarro os dois seios e começo a amassá-los, então abaixo meus quadris e empurro para cima com força, perfurando todo o seu reto de uma só vez, até que minhas bolas batem em sua boceta. Eu começo a empurrar sua bunda apertada grosseiramente enquanto amassava seus seios.

“Continue Lena, comece as frases de ‘Mestre’ novamente, misture as frases de ‘Lena ama’. Não há problema em se repetir; a única regra é que você não pode parar até que o Mestre goze”.

“M-Mestre me ama… Mestre ama minha bunda… Lena ama Mestre… Mestre adora enfiar na bunda da Lena… Lena adora sentir o pau do Mestre dentro dela…”, quanto mais ela continua, mais tesão ela fica e mais e mais sua bunda aperta em torno do meu pau. Ao mesmo tempo, quando ouço suas palavras, todo o sangue sai do meu corpo e se concentra no meu pau. Sinto minhas bolas prestes a explodir, mas ainda não, está muito quente para terminar tão cedo. Resistir! Resistir!

“Mestre adora gozar dentro da Lena… Lena adora a porra do Mestre. Tinha um gosto estranho de primeira, mas agora eu adoro. Lena adora chupar o pênis do Mestre depois que o Mestre o tira da bunda da Lena…”…

No meu limite, eu empurrei com toda a minha força, quase como se eu estivesse tentando enfiar meu saco dentro da bunda dela também, e comecei a gozar com um rugido.

“Goze, Lena, goze com o Mestre!”.

Por reflexo arraigado, auxiliado pelo efeito auto hipnótico das palavras que ela repetia todo esse tempo, Lena atinge o clímax enquanto grita.

“Mestreee!!!!”.

Meu esperma inunda sua bunda, enche seu cólon e provavelmente atinge seu estômago. Continuo bombeando, até que minhas bolas enviam uma mensagem ao meu cérebro de que terminaram. Eu fico parado, com meu pau agora gasto dentro de sua bunda, enquanto eu a abraço por trás, meu queixo em seu ombro, ofegante, enquanto eu sussurro para ela,

“Boa Cadelinha”…Estou aceitando candidatas para serem meus bichinhos de estimação, escravas ou “babygirl”. Recebo cordialmente quem quiser somente conversar ou enviar sua crítica ou sugestão. Mandem e-mail. [email protected] Obrigado! Ultimamente estou recebendo muitos fakes querendo ser meus bichinhos, honestamente você não precisa se parecer com uma influencer do Instagram para que eu goste de você, eu lhe aceito do jeito que você é contanto que seja honesta. Não tenho tempo a perder com fakes.

Senhor K.

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,56 de 9 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Juh ID:830xoq549i

    Adorei, que inveja!

  • Responder Senhor K ID:830xoq549i

    Fiz um face caso queiram contato
    https://www.facebook.com/profile.php?id=100082079274758