# #

As brincadeiras proibidas da minha irmã e eu

1075 palavras | 1 |3.52
Por

A historia das brincadeiras que fazia com minha irmã em quanto minha mãe saia

Bem, vamos começar do inicio certo?
O conto começa aos meus 15,minha irmã tinha feito 8, nunca senti nenhum amor maior pela minha irmã, não ao nivel de manter alguma relação com ela, mas com as transformações da adolescencia me fazia ficar excitado com qualquer coisa, minha irmã morava com o pai dela e eu com a minha mãe(somos meio irmãos) e era como uma guarda compartilhada, a cada 15 dias ela vinha para casa da minha mãe e eu ficava brincando com ela;
-Minha irmã e morena, de cabelos ondulados, não aparentava ter 8 anos por ter um tamanho menor do que a media, eu tambem sou moreno, aos 15 eu já tinha um pau avantajado, tinha cabelos curtos e lisos; a minha irmã era muito apegada a mim, pelo fato de que eu era o único irmão dela, e arrisco dizer que tambem era seu único amigo na epoca, mas continuando, em um final de semana minha irma veio com uma calça curta e bem colada, dava para ver sua bundinha e sua fendinha, na hora fiquei de pau duro e hipnotizado, abracei ela e fui para o banheiro tocar uma dedicada a ela, gozei horrores pois ja estava a um certo tempo sem bater uma, quando sai do banheiro e olhei pra ela o meu pau se ergueu denovo, dessa vez coloquei ele pra cima para poder da uma disfarçada, então ela pediu para brincar comigo, ficamos brincando, mas toda vez que eu olhava para ela eu ficava excitado e disfarçava, no dia seguinte ela foi embora para a casa dela novamente, fiquei a semana toda pensando e pensando o que eu faria, cheguei a conclusão de falar pra minha mãe mas fiquei com medo de represarias, no meio da semana minha mãe havia pedido pizza para nos, comemos e depois ela pediu para que eu jogasse a caixa fora, quando eu ia jogar me veio uma ideia brilhante, deixei a caixa debaixo do sofá e fui para o lado de fora fingindo que eu estava jogando ela fora, fomos dormir e de madrugada eu peguei a caixa e fiz um furo na parte de baixo da caixa e deixei ela escondida no meu quarto, guardei por duas semanas ate o final de semana em que a minha irmã ia vir, chegou o dia, ela veio, me abraçou e pediu para brincar com ela, minha mãe então saiu para trabalhar pois ela queria fazer um dinheiro extra então aceitou trabalhar no sábado, então ela me deu instruções de como esquentar tudo para minha irmã comer e saiu, subi no meu quarto e peguei a caixa de pizza, coloquei meu pau dentro do furo que eu tinha feito e chamei minha irmã para vir para o quarto, chegando lá ela viu a caixa e falou
-“E pra gente comer?”
-“Sim, abre ai”
Ela abriu e viu a minha pica dura e babando, ela olhou pra mim e deu uma risadinha, então para convencer ela eu pedi pra ela lamber, ela falou que era nojento e então eu falei que tinha tomado banho e ele estava limpinho, então ela abaixou a cabeça na minha rola e começou a chupar, a rola ate que cabia na boca dela, mas ela não conseguia chupar toda com aquela garganta pequena mas eu sentia que ela chupava com gosto, então pedi para ela tirar a roupa e ela tirou, aqueles peitinhos nada crescidos e aquela bundinha fofa me encantaram, tambem fiquei pelado e pedi para ela não contar nada para a nossa mãe, ela acenou que sim e então eu deitei no chão e pedi para ela sentar em cima do meu pau só para ela sentir, não penetrei ela, apenas fiz ela esfregar a bucetinha na minha rola, logo lembrei que minha mãe tinha umas camisinhas no quarto dela e então eu coloquei e logo pedi para minha irmã para deitar na minha cama e abrir as pernas, ela abriu e eu vi aquela buceta linda, botei só a cabeça e ela gemeu alto e então fui introduzindo devagar a minha rola, escutar ela gemendo só me deixava mais excitado, então eu tirei o meu pau da buceta dela e comecei a lamber a fenda, ela gemia mais e mais, depois disso eu coloquei o pau dentro dela de novo e comecei a dar pirocada violenta nela e então senti a goza vindo, tirei a camisinha e comecei a bater uma com a pica virada para a cara dela, pedi para ela abrir a boca e gozei tudo na boquinha dela, ate hoje lembro da cena dela com leitinho, depois disso pedi para ela tomar banho e ela foi com a bundinha respingando o lubrificante da camisinha e aquilo me deixou animado de novo, então entrei no box do chuveiro e peguei ela no colo, dei um beijo de língua nela e então botei ela no chão, ela riu e eu novamente pedi um boquete, ela chupou novamente e então eu sentei no chão e abri as pernas, pedi para ela virar e chegar mais perto, então eu cuspi no cuzinho dela e não perdoei, abri a bunda dela e coloquei meu pau lá, novamente devagar, levantei e abaixei ela ate o cuzinho se acostumar e então pedi para ela fica abaixando e subindo, ela tentou cavalgar da melhor maneira que conseguia e então eu cansei, peguei ela e deitei no chão, abri aquelas pernas e coloquei de novo no cu e então comecei a socar bem gostoso aquele rabinho empinado, gozei novamente, não tanto como da primeira vez, mas pude ver aquele cuzinho com leite, lavei ela para a minha mãe não desconfiar, pedi mais uma vez para ela não falar para ninguem e então escondi os vestigios, depois daquele dia nos faziamos todos os finais de semana que ela vinha e minha mãe não estava, paramos de fazer depois que ela arrumou um namorado, as vezes ela me pergunta se eu lembro, digo que gostaria de fazer de novo mas como ela e casada não rola,
Esse foi o conto, espero que tenham gostado

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,52 de 21 votos)

Por # #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Kai_

    Conto maravilhoso!