#

O rabo do colega novo – Parte 1

923 palavras | 1 |4.33
Por

Broderagem entre colegas de trabalho no vestiário da academia. Engenheiro, Escritório, Trabalho, Empresa, sexo no escritório, SEXO NO TRABALHO.

Sempre que um novo engenheiro entra pra equipe do pequeno escritório de TI onde eu trabalho, alguém mais experiente é designado para guiá-lo nas primeiras tarefas. Por isso, mal pude esconder minha excitação ao chegar no escritório numa segunda-feira e ver um cara muito gostoso sendo apresentado pelo meu chefe aos meus colegas. O cara era uma delícia e eu torcia para ficar encarregado de ajudá-lo no início de suas atividades na empresa.

O rapaz era moreno claro de cabelos e olhos bem pretos, tinha a barba densa e bem cuidada. Era alto com os ombros largos. Os braços fortes preenchiam toda a manga da polo que ele usava. A camisa revelava também o peitoral definido marcado no tecido que se esticava para cobrir seu corpo musculoso. Ele usava calça jeans marcando bem o volume da mala, mas era a parte de trás que mais chamava atenção. A bunda dele era maravilhosa; grande, redonda e empinada, parecia que o jeans não seria capaz de contê-la.

Eu já estava salivando quando meu chefe me apresentou ao novo colega. Seu nome era Eric e para minha sorte, ele sentaria ao meu lado para que eu o auxiliasse no que fosse necessário. No transcorrer do dia, tentei não focar nas nas putarias que se passavam pela minha cabeça quando Eric vinha falar comigo. Era difícil não ficar secando a bunda dele quando ele levantava para pegar café. Tinha que me concentrar para não pensar em puxar aquele jeans apertado e ver o que tinha embaixo.

Mas Eric não era só um corpo delicioso. Ele também era muito tranquilo e gregário, tinha o sorriso fácil e conversava com todo mundo. Com 26 anos, cinco a menos que eu, tinha vindo do interior para trabalhar na empresa. No final do expediente, ele perguntou se eu conhecia alguma academia na região. Respondi que malhava perto do escritório e que poderia levá-lo no dia seguinte depois do trabalho pra fazer um treino teste.

No dia seguinte no vestiário da academia, ainda antes de começarmos a malhar, tive que esconder a ereção que tive enquanto assistia Eric trocando de roupa. Durante o treino, aproveitava todas as oportunidades de ver seus músculos se contraindo. Torcia para ele gostar da academia, assim sempre poderia apreciar aquela visão deliciosa.

Ao terminar a rotina, fomos pro vestiário e perguntei a ele se tinha gostado da academia. Ele disse que sim e que se matricularia naquele dia mesmo. Cansado do treino, Eric se despia lentamente enquanto conversávamos. Ele falava calmamente enquanto removia cada peça de roupa, revelando o torso peludo, suado e as pernas grossas e bem definidas. Ao ficar só de cueca, percebi que a peça estava encharcada de suor. Ele virou de costas pra mim e a retirou casualmente se dirigindo para o chuveiro. Diante daquele rabão delicioso, fiquei embasbacado e não conseguia parar de olhar pra bunda maravilhosa do meu novo colega. Ao levantar o olhar, percebi que Eric viu pelo espelho que eu estava manjando a raba dele. Por um instante nossos olhares se cruzaram pelo reflexo do espelho e eu pude notar um leve sorriso no rosto do Eric.

Quando terminei minha ducha, o vestiário estava vazio; apenas Eric se enxugava peladão próximo ao banco onde estavam nossas mochilas. Diante dessa cena, meu pau já ameaçava ficar duro, por isso, ao me aproximar, coloquei a cueca rapidamente para disfarçar a ereção. Ele parecia se exibir pra mim. Sem pressa em se secar, ia passando a toalha casualmente pelo seu corpo.

Para quebrar a tensão sexual, fiz um comentário qualquer:
– Tô sentindo um pouco o bíceps… treino hoje foi pesado.
– Sua série de braço é bem forte – respondeu Eric
– Mas meu braço não cresce, mano, não sei porque…
– Que isso, mano!? Você tá sarado – ao dizer isso, Eric levou sua mão no braço e apertou.
– Ah! Mas não tanto quanto você, né? – eu respondi imitando o gesto dele e dando leves tapas em seu bíceps.
– Mas tô com muita gordura. Queria tá com o abdômen trincado que nem você – falou isso descendo a mão até minha barriga.
– Gordura!? Só tô vendo músculo… você tá grande pra caramba – disse eu deslizando minha mão sobre seu peitoral peludo
– Grande tá você, armando a barraca só de me ver pelado – ao dizer isso, Eric pegou no meu pau duraço por cima da cueca.
– Você fica se exibindo, mostrando essa rabeta pra mim… Isso que dá!
– Nunca vi ficar manjando a bunda do amigo.
– Difícil não olhar pra um rabo desses, mano.

Eric ficou apertando meu cacetão sobre a cueca. Eu alisava o peito dele e beliscava os mamilos até que fui descendo a mão até chegar no pinto que estava meia-bomba. Comecei a punhetá-lo até ficar duro. Eric, com um sorriso safado no rosto, se aproximou ainda mais de mim e baixou minha cueca. Minha geba saltou pra fora. Eric a agarrou e começou a punhetar com mais vontade. Ficamos nos masturbando e tocando nossos corpos até ouvirmos o barulho de alguém se aproximando do vestiário. Paramos imediatamente e nos vestimos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,33 de 12 votos)

Por #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Caiquezinhoo

    Jasina para de fazer propaganda pelo amor de deus!!!!!