# # #

Isolamento com meu filho gay, peguei ele de calcinha

2169 palavras | 19 |4.47
Por

Sou um pai tranquilo, mas não sou de ferro, e meu filho de 11 anos tem percebido isso.

Olá pessoal, obrigado pelos feedbacks,
Vou contar mais o que tem acontecido entre Nicolas e eu em meu apartamento, é meio inusitado, então normal que muitos não gostem, mas foi assim, fazer o que?

Meu filho, de 11 anos, geralmente fica fazendo as coisas deles enquanto em trabalho de casa. Ele vê seriado, ou joga video game, ou está na internet, ou fica batendo bolinha com raquete na parede.
Eu passo o dia com uma camisa e apresentado caso eu precise fazer algum video call, mas embaixo eu já punha cueca. Eu já tinha um visual meio de hippie, meu estilo é paz e amor, cabelos cacheados volumoso e barba no queixo, então pelo menos eu punha uma camisa para parecer corporativo. 

Depois daquele episódio que contei da última vez, Nicolas passou ser um grude, então eu lhe expliquei que eu precisava trabalhar, que iria fazer as coisas com ele só depois das 5h30 da tarde. Eu vi que ele estava muito agitado pelo apartamento, vestindo uma cuequinha, e até fiquei feliz por parecer estar alegre, já que tinhamos que ficar confinados em casa. 

Parei para o almoço, fiz algo rápido e saudável pra gente, mas antes de começarmos a comer, ele me pediu pra chupar minha língua de novo, eu disse que não podia, talvez depois que eu terminasse meu trabalho, ele insistiu muito, como eu não queria quebrar a onda de alegria dele, eu deixei mas não poderia ser como aquele dia, quase meia hora, concordamos 5 minutos. Eu sentei-me na cadeira da mesa ele ficou em pé entre minhas pernas e pediu minha língua, e ficou chupando como um pirulito, pedi pra ter cuidado pra não pingar baba na minha camisa e ele continuou com sua boquinha na minha língua, isso estava me causando uma ereção, ele pos a mão dele no meu saco por cima da cueca e fez uma leve massagem, nunca ninguém havia me tocado dessa maneira, achei diferente e gostoso. 

Eu falei que chega, temos que almoçar. Ele quis que eu tirasse a camisa, mas de novo expliquei que ainda tinha que trabalhar, e ele passou a tarde em seu quarto e eu trabalhando num canto que fiz de escritório, em anexo â sala de estar, ele vinha as vezes pedindo pra abrir o ipad com minha digital, mas eu falei pra ele a senha de uma vez.
Finalmente havia acabado, tirei minha camisa e fui encontrar Nicolas, ele devia estar triste de novo ou entediado, mas da porta do quarto vi que ele estava na cama vendo pornografia gay no meu ipad, e pelo pouco que vi era um homem comendo um rapaz muito violentamente e dizendo palavras obcenas que humilhava o rapaz que estava de quatro sofrendo. Nicolas me viu e rapidamente fechou o video, eu agi normal dizendo que estava livre agora e perguntei se podia entrar. 

Ele disse que claro, eu fui perto da cama dele, num carpete muito gostoso de se pisar descalço. Seu quarto ainda decorado de quando ele tinha seus nove anos, coisas de cartoon, cores fortes, brinquedos pra todo lado, e uns posters de Elsa do Frozen e o cara fortão, vimos esse filme juntos no cinema. Sentei-me do lado dele na cama, em meios os travesseiros de personagens de Frozen. Ele se levantou escondendo suas partes com uma almofada, procurando alguma peça no chão para vestir, eu brinquei dizendo que não precisava mais se esconder, eu já tinha dado banho e visto o pipi dele, ele deu risada, mas eu puxei a almofada dele só pra atentar, e me surpreendi de ver ele vestia uma calcinha, clarinha, bege. Ele ficou muito vermelho e nervoso, dizendo que ia tirar. Eu tinha que saber lidar com essa situação.
“Filho, calma, tranquilo, papai já viu você assim antes lembra? Não precisa ficar com vergonha se você gosta!”
Eu lhe pedi para se sentar ao meu lado e expliquei que eu sabia que existe meninos que podem ser crossdresser, sendo gays ou não, ou meninos que gostam de ser femininos, e meninos gays que são masculinos, e o que são os transgêneros. Eu não quero que meu filho se rejeite, só tenho medo de maltratarem ele. Ele parou de chorar e ficou calmo, eu o abracei e senti seu corpo macio, meu pelos do corpo devia incomodar a pele dele. Ele vestiu de novo a calcinha. Mas eu precisava ter mais uma conversa com ele e pedi para me ouvir.
“Filho, eu vi o tipo de filme que você via no ipad. Prefiro que você não fique vendo isso, porque são coisas fora da realidade. Um homem que te ama não pode te tratar assim, te xingando, te humilhando na hora do sexo. Os pênis são de tamanhos exagerados, não pense que todos são assim. O sexo não é só penetrar. Está tudo errado!” Eu ainda me lembro que meus amigos gays reclamavam sobre o sexo no meio deles. 

Nicolas reclamou que não podia fazer nada disso porque era muito novo, não tinha amigos para conversarem disso então só tinham as coisas da internet. Eu imagino como deve estar a cabecinha dele, e como eu estava com corpo inclinado para trás ele viu o volume na minha cueca. Brincando eu perguntei se era igual ao do homem do filme, eu fiz ele rir e isso me alegrou. Minha cueca era de microfibra, azul claro, e eu não queria ficar com ereção toda hora perto dele, pra ele não ficar se sentindo menor. Mas ele comentou que meu saco era muito grande, eu sou do tipo magro defino, alto, peludo e sacudo, pernas fortes e compridas, até pensei em aparar meus pelos da coxas. Mas minha ereção foi inevitável, sabemos que é algo independente da nossa vontade. 

Ele me mostrou o video que via, e dizia no titulo que o cara tinha 28cm. Eu disse que é possível, mas nem todos tem. Ele quis saber o tamanho do meu. Uma vez medi tinha 21cm e tinha 14cm de grossura. Mas eu não queria que ele ficasse prestando atenção em tamanho, eu disse pra ele que era 16cm, ele disse que não era só isso, era mais, e quis medir. Eu tentei mudar de assunto mas Nicolas pegou a régua da escola dele ficou em pé de calcinha na minha frente e me mandou descer a cueca, eu baixei minha cueca até os tornozelos, meu penis estava engrossando. Ele disse que tinha que ficar maior, e se baixou pra bombar meu penis. Eu disse que não era importante, mas ele fazia disso uma brincadeira, eu peguei um boneco que pano que senti estar sentado em cima, era Elsa do frozen, então comecei a fazer vozes, como se ela também quisesse descobrir do tamanho do meu pênis, usei os bracinhos dela como se ela estivesse me masturbando e Nicolas caia na risada. Quando ficou totalmente duro, Nicolas segurou forte e mediu com a régua, alcançando os 21cm. De novo ele fazia adoração ao meu pênis e desta vez perguntou o que se sente quando enfia ele num ânus, e se doia na pessoa. Eu disse que tudo depende, e coloquei achei na internet um filme mais suave onde o homem punha o penis no ânus da mulher com cuidado e carinho. Nicolas se sentou no carpete entre minhas pernas vendo o video. Eu fiquei com tesão pelo video, e coloquei a Elsa sentada no meu pau. Depois ele pos um filme de um penis gigante entrando no anus pequeno de um jovenzinho, e entrou tudo que eu fiquei pasmo.

“Olha pai, o menino gosta!” – Nicola se posicionou de lado e pude ver a calcinha desenhando a bundinha dele. Eu tive uma sensação estranha ao imaginar ele dando para um penis gigante assim. “Ah filho, ele já é experiente, isso seria muito grande pra um garoto da sua idade”
“Você já fez isso pai?”
“Fiz sim com algumas meninas e uma vez com sua mãe” – eu já sabia aonde ele queria chegar.
“Então você sabe como fazer, eu queria experimentar isso pai!”
“Nicolas, isso não é coisa pra garoto da sua idade , filho!”
Ele insistiu. Eu não queria que ele se frustrasse ou procurasse um homem bruto pra machucar ele. Então combinamos que teria que ser aos poucos. Os dias passavam, a noite era a hora dele de ser preparado, então comecei enfiando um dedo, depois de dois dias dois dedos, três dedos e assim foi. A noite eu ficava nu em casa e ele de calcinha, seu cabelo já mais longo que ele jogava pro lado pra náo ficar no olho e fui me acostumando em ver uma figura feminina comigo.
Ele era teimoso, toda noite me fazia tentar enfiar meu penis ereto no anus dele, era a nossa brincadeira, quando ele desistia eu tirava sarro.
Numa noite ele me chamou pro quarto dele, e chegando la ele estava de pernas pro alto, mostrando seu ânus, com calcinha puxada pro lado,  eu levei um susto ao ver que estava largo e vermelho, perguntei o que aconteceu, ele me mostrou um pepino em sua mão, me pediu pra ajudar por nele, que estava gostoso.
Eu tirei sarro, e rindo me sentei de frente do seu, vou falar cuzinho desta vez. Eu estava impressionado, perguntei se tava doendo, ele disse que no começo só. Fui enfiando o pepino melado, e entrou tudo, soh a parte que eu segurava ficou pra fora.
“Pai, esse pepino é do tamanho do seu”

Vi o pepino deslizando pra fora do rabinho dele, eu nunca tinha visto aquilo, meu pau subiu. Eu disse que ia tentar com cuidado, melei meu pênis cuspe enquanto via seu orifício tentando fechar, com o anel inchado e gordo. Me posicionei, com uma mão segurei a perna dele pra cima, com outra mão fazia carícia no rosto do meu menino. Mas meus olhos se voltaram para o cuzinho dele, e fui vendo com fascinação o rabinho dele engolindo meu penis até as bolas, ele soltou um gemido fechando os olhos com força, eu disse que ia tirar pois estava machucando, ele disse que não. O cuzinho dele estava mordendo meu membro, foi  sensação mais louca que senti, mas eu me preocupava em saber se ele estava bem, acariciei seu rosto e me deu vontade de meter meu dedo na boca dele e mandei ele chupar. 

Eu tirava meu membro por completo e via ele entrar de novo por completo. Eu era gentil e firme, o abracei, deixando ele chupar minha lingua, eu lhe disse o quando eu o amava, o quanto ele era lindo e especial, que papai estava quase gozando, ele me pediu pra brincar com meu penis. Eu sai de cima dele e me sentei na cama com meu membro apontando para cima, ele pegou a bonequinha de pano da Elsa e fez ela me masturbar, era menor que meu penis. A mão delicada dele mais a bonequinha no meu membro com a base peluda e saco enrugado me despertou loucas coisas em minha mente.
“Hoje é a vez da Elsa, pai, ela me pediu. Vai Elsa”

Eu olhei fixado meu pênis jorrar como vulcão e escorrer tudo na bonequinha Elsa e na mão de Nicolas, ele ainda esfregava a carinha dela todo no meu saco. Eu estava sem folego. Eu ri dizendo que ela ia se afogar com tanta esperma. Nicola me mostrou a bundinha dela, dizendo que havia furado com lápis e me pediu pra espremer uma gota do furo dela. Eu cai na brincadeira e disse que só um pouquinho porque ela era muito pequena.

Fomos tomar banho juntos e Nicolas me contou que como foi usar o pepino toda noite. Eu mexi no seu pipi, que ficou durinho, e agradeci por confiar em mim, que pai é para ensinar as coisas. A partir daí eu acordava toda noite com Nicolas mamando no meu pênis, eu explicava que eu precisava dormir para acordar cedo, ele concordava mas depois vinha de novo, me pedindo eu pra comer o bumbum dele. Eu meio dormindo comia ele de lado. Toda tarde ele queria chupar minha língua e que eu o comesse ele de quatro, ele puxava sua calcinha de lado, eu metia com cuidado, era quente mordia meu pau, isso me enlouquecia e ele já sabia. Eu gozava e dizia chega mas era difícil fazer ele parar.
Chegou o dia que ele tinha que voltar para a mãe dele por uns dias. Daí foi quando algumas situações surgiram.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,47 de 45 votos)

Por # # #

19 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Dartanhã

    Eu me identifico com o menino, eu conheci homem na construção da nossa casa, com 12 anos eu brincava com o pau de um pedreiro, ele 40 anos eu uma criança, desde então comecei a procurar homens e até hoje procuro, dar o cu foi a sensação mais maravilhosa que experimentei até hoje, macho é bom demais, adoro mamar um pau bem grande, sentir o sêmen escorrer pelos cantos da boquinha que nunca rejeita um pau, sou gaúchinho, e muito puta na cama !!

  • Responder Jair netto

    Meu amigo tem um filho gay assim, eu achava estranho o modo de como eles eram próximos, o menino me olhava muito toda vez e eu ficava sem jeito. Então deve ser isso que acontece entre eles.

  • Responder Edu

    Durante os três contos me apaixonei pelo pai e. O filho…. que tesao do carai. Ia meter muito no cuzin desse príncipe. Parabéns pelo conto

  • Responder John Deere

    Né veado pai,em vez de se comportar como um homem e ir atrás de uma mulher resolve ficar na veadagem com o próprio filho,não tem vergonha de transformá-lo numa mariconinha mesmo em,muito legal isto!Veado,veado,cuidado…sou o John Deere,estou pelas ruas,comigo a veadagem de vocês acaba!

    • Policial disfarçada

      Ih Começou o joao diri batedor de punheta pra conto de veado. Te manca enrustida. Bate sua punheta e sai fora!!

    • John Deere

      Cale a boca veado
      Cuidado com as piadinhas ou vai escrever através dum médium

    • Mãe do John Deere

      Vai mamar o pau do presidente, punheteira enrustida

  • Responder Dear white gay

    Conta que vc deixou a cam ligada e foi flagrado por alguem. Me amarro nessas taras.

    • Cléo

      Quero dá o cu, a vassoura não serve mais.

  • Responder GabiGay

    Adorei o sexo a três vc, seu filho e a Elsa kkkkkk
    Espero que tu tenha treinado direitinho pra ele não abrir o bico. E imagino que ele vai sentir falta e vai dar pra alguém, tio, primo, padrasto…
    Abraço e alto atento acompanhando 😉👍

  • Responder g3sonel

    Eu queria ter um papai assim. Tenho 25 anos.

  • Responder Sandro

    Ansioso pelo próximo, espero que não demore.

  • Responder João

    O senhor é um ótimo pai, compreensivo e respeitoso com tudo queria um exemplo assim
    Se caso quiser me chamar no telegram é Victor Xm o senhor é um doce

  • Responder Anônimo PR

    Sou pai de um garoto de 10 anos, já vejo que ele será gay, ou já é. Ele não me deixa ver ele pelado de jeito nenhum. Gosto de me exibir pra ver a reação dele, um dia ouvi ele dizendo pra mãe dele tem tinha vergonha de mim

    • Carlos Alberto

      Normal cara!

  • Responder @daniel33

    Vc tem é uma filhinha, aproveita!

  • Responder bacellar

    Maravilhoso! Estou acompanhando. 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

  • Responder Paizudo

    Eu adoraria ficar em casa peladão com um filhinho bomzinho assim

  • Responder PDF

    bom demais