Fodendo a Cris no provador de roupa do shopping

09-07-18 Por 0 ★ 3.67

Olá.
Bem, esse é o terceiro conto que eu escrevo sobre eu a Cristina. Nós já estávamos juntos há algumas semanas, nos conhecendo melhor, muito sexo, e, numa conversa pós transa, depois que ela engoliu minha porra, eu puxei o assunto sobre fantasias sexuais. Eu falei algumas minhas, ela disse algumas delas, muito excitantes por sinal. Eu já havia separado alguns videos do pornhub antes dela chegar na minha casa, então fui ao computador, sentei, chamei a Cris para mostrar os videos, ela sentou no meu colo, peladinha e quentinha (eu tbm tava pelado), e fui mostrando os videos e perguntando o que ela achava. Basicamente ela gostou de todos. Falei que eu queria fazer com ela como no vídeo onde um casal vai numa loja de roupas e transam no provador. Pra minha alegria, ela topou! Marcamos pra realizar nossa fantasia na próxima sexta, no shopping da cidade. Pedi pra ela usar saia, assim facilitaria na hora da transa.
Chegou sexta, anoitecendo passei na casa dela para pegá-la. Ela estava linda e cheirosa. Que tesão de menina (ela parece uma menina mesmo), pequena e gostosa, aqueles lábios carnudos fazem loucuras no meu pau. Bem, continuando, fomos assistir um filme (o cinema estava praticamente vazio) e, durante a sessão, fui preparando a Cris, muitos beijos, acariciei a buceta dela q estava molhada, chupei meus dedos com gostinho de buceta e beijei ela novamente, depois coloquei meus dedos na xota dela e em seguida na boca dela, que chupou fazendo carinha de safada. Eu já estava explodindo de tesão, sentia meu pau latejando na mão pequena da Cris, que retirou o caldinho do meu pau e passou nos seus lábios carnudos, lambendo-os vagarosamente enquanto me olhava nos olhos. Que puta deliciosa!!! Pedi pra ela tirar a calcinha. Ela obedeceu, eu confisquei e só entreguei mais tarde, no carro.
Quando o filme terminou, saímos conversando quais lojas nós iríamos. Na primeira loja não deu. Na segunda, ai sim deu. A loja tinha pouco movimento, os provadores tinham portas de madeira (e não cortinas) e não havia ninguém cuidando nos provadores. A Cris foi na frente com algumas roupas e encontrou um provador sem ninguém por perto. Ela me deu um toque no celular e eu fui, feliz da vida e de pau duríssimo. Quando entrei ela praticamente me atacou, me beijando enlouquecidamente. Enquanto isso, tiramos nossas roupas em poucos segundos. Quando estávamos pelados, reparei que havia um espelho enorme, e a Cris adora transar na frente de espelhos. Ela se ajoelhou e começou a me chupar, eu estava filmando tudo. Ela é muito gulosa, e não poupa meu pau. Ela esfrega no rosto, bate ele nas bochechas, engole, chupa minhas bolas, e eu delirando de tesão. Então eu a levantei e mandei que ela ficasse de frente para o espelho, me posicionei atrás dela, com uma mão abri direcionei meu pau até a buceta dela. Parecia que eu tava metendo meu pau num vulcão em erupção, aquele calor intenso foi quase derretendo meu pau à medida que ele ia entrando dentro dela. A Cris segurou o gemido, se contorcendo de prazer.
Fui metendo lentamente, não podia ir mais rápido senão gozaria rapidinho. Estava filmando tudo, o reflexo dela no espelho, suas expressões de prazer me deixavam mais louco ainda. Uma das melhores coisas é ver uma mulher sentindo prazer e delirando de tesão por minha causa. A buceta dela estava muito quente e eu não me segurei e tive que chupar. Quando enfiei minha língua no grelhinho dela, senti todo aquele calor e o gostinho que eu adoro. Ela teve que fechar a boca com a mão para não gemer alto. Na verdade, essa chupada foi uma parada estratégica, pois estava quase gozando, e porque eu adoro chupar buceta tbm. Voltei a foder ela, com mais intensidade. Não podíamos demorar tanto ali dentro. Fui metendo, metendo, metendo, senti que a porra vinha chegando, mandei ela se ajoelhar com o rosto colado no espelho, ela abocanhou meu pau e começou na punheta, rápida. Avisei q ia gozar, ela abriu a boca, pôs a língua pra fora e colocou meu pau sobre ela, olhando nos meus olhos, minha porra começou a jorrar dentro da boca dela, vários jatos grossos de porra, ela sorrindo de alegria, eu me contorcendo de prazer. Ela começou a lamber a cabeça do meu pau, sabendo que fica muito sensível depois de gozar, só pra ver um me contorcendo de prazer. Ela abriu a boca e mostrou pra mim e pra câmera toda aquela porra la dentro. Então eu disse: Vc gosta de porra, não é vadia? Ela balançou a cabeça afirmativamente.
Pedi pra ela não engolir ainda, pois queria fazer um cumwalk no shopping, que já estava mais cheio essa hora. Saímos da loja, como duas crianças que tinham aprontado e estavam na expectativa de serem pegos. Mas pra nossa sorte, nada aconteceu na loja. Caminhamos nos corredores do shopping, ela com minha porra na boca, rindo à toa. Sentamos num banco e, quando não havia ninguem por perto, tirei algumas selfies com ela sorrindo e mostrando a porra. Depois das fotos, ela engoliu minha porra. Ela olhou em volta, mas já haviam pessoas passando por perto, então ela não pode abrir a boca e mostrar que tinha engolido tudo, então ela me beijou e pude perceber que ela havia engolido tudo mesmo.
Depois disso, fomos comer na praça de alimentação, enquanto eu mostrava pra ela no meu celular os vídeos e fotos. A Cris acabou virando minha estrela pornô particular, pois fizemos muitos vídeos que eu tenho até hoje. Ela adorava se exibir pra câmera e mostrar todas as suas habilidades sexuais, que eram muitas.
Esse foi só uma das várias fantasias que realizamos. Vou publicando outras quando sobrar um tempinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,67 de 3 votos)

Por

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos