Meu pai incentivava meu meu irmão a me comer aos 10 anos

Autor

Meu pai era um pai maluco. Bebia todo final de semana e gostava de assistir pornografia no quarto sozinho. Meu irmão era um garoto meio doido também, não tinha muita noção das coisas. Ele se chama Aylton e quando eu tinha 10 anos, ele tinha 15.

Aylton era um adolescente que só se importava consigo mesmo. A vida dele era jogar Point Blank, nem estudar ele queria. Morávamos nós três apenas. Meu pai era militar do exército e havíamos nos mudados de estado. De Juíz de Fora – MG para Porto Velho – RO.

Então não tínhamos parentes perto nem amigos, ninguém.
Meu irmão, assim como meu pai, tinha muitas revistas de mulher pelada, pornografia, DVD’S.
Meu pai comia putas na rua que ele pagava.
Acho que realmente eram loucos, pois meu pai era um cara novo e bonito, não tinha precisão de comer puta e pagar o serviço. Tinha um carro bom, casa, tudo.
Meu irmão era o garoto mais bonito dali, as meninas piravam, até me chamavam de cunhada na escola.
Meu irmão até transava com algumas que ele levava em casa. Cansei de ver sem querer.
Então com 10 anos eu já sabia sobre muita coisa da vida. Entendia de sexo sem mesmo ter transado. Embora bem mais novinha, meu irão tinha mania de me lamber. Lamber minha perereca.
Então ele tinha brincadeiras maliciosas comigo, de se esfregar em mim, eu sentia o pau dele duro roçar em mim.
Eu até sentia tesão, e deixava ele se esfregar em mim.
Certo dia, de tarde, meu pai muito bêbado, chamou nós dois no quarto dele.
Ofereceu 500 reais pra cada um de nós se nós fizéssemos sexo na frente dele.
Eu disse que não queria de jeito nenhum, mas meu irmão me olhou sorrindo, dizendo que 500 reais era muito dinheiro. Que eu era besta, que seria rápido.
Então eu tive que pegar no pau do meu irmão que rápido ficou ereto. Era bem grande. Eu ficava com medo dele meter aquilo tudo em mim.
E ele me deitou na cama, abriu minhas pernas e me chupou. E eu chupei ele.
Então meu pai ficou sentado numa poltrona assistindo e se tocando. Ele escutava música antiga, era ópera. E com as bebidas do lado… E a gente deitado na cama dele.
Então meu irmão sem camisinha mesmo, me penetrou. Primeiro ele meteu a cabecinha, eu sentia que algo ia me rasgando. Eu quis me conter, mas ele resolver dá uma bela bombada. Foi aí que gritei, senti como se tivesse caído de buceta em cima de uma faca. Aquilo foi rasgando e sangrei. E os movimentos que ele fazia ardiam demais. Eu não achava que era tão ruim fazer sexo. Eu quis sair debaixo dele, mas ele parecia possuído, ele estava sentindo muito prazer e metia gemendo.
Eu pedi pra fazer xixi, fui no banheiro… eu fiquei meio assustada com o sangue que até antes não tinha visto, só vi na hora que levantei.
Meu pai parecia mais dormindo do que acordado.
Meu irmão então pediu o dinheiro e ele respondeu "mas que dinheiro, rapaz?vocês não fizeram nada até agora". Aylton puto da vida me pega pelo braço, me põe na beira da cama com uma perna lá em cima, e chama meu pai pra olhar… e enfia de novo aquela pirocona dentro de mim, e apesar de arder, eu senti deslizar muito gostoso, parecia algo meladinho, escorrendo dentro de mim. E tava desconfortável a posição, mas era muito bom senti aquilo tudo.
Meu pai se masturbava olhando e disse: "Será que o meu cabe aí?!" mas não levantou pra me foder. Ficou nisso mesmo. Então eu vi que meu irmão só queria a grana. Pelo menos naquele momento. Meu pai deu os 500 dele, mas pra mim deu apenas 100. Disse que eu não teria o que fazer com tanto dinheiro e eu não entendia mesmo de valores, me contentei.
Mas depois de dois dias, meu irmão chega em mim na casa todo sorridente me convidando pra trepar. E ali mesmo ele iniciou preliminares… E transamos. Ele disse pra mim que a parte de boa de trepar comigo era poder gozar dentro de mim por eu não menstruar.
E desde então, a gente fazia sexo quando ele queria.
Nunca me neguei. Eu gostava MUITO.
Meu pai nunca tocou no assunto. Ele só falava disso quando estava bêbado que era todo final de semana. Ele pedia pra gente transar pra ele ver. Mas a gente não fazia porque sempre meu irmão estava jogando vídeo game e tinha preguiça. Mas quando meu pai tava no quartel… o Aylton vinha pro meu lado de pau duro querendo foder.
E isso durou exatamente 4 anos consecutivos. Foram os 4 anos morando em porto velho.
Depois voltamos todos pra minas e passei a morar com a minha mãe.
Confesso que sinto falta de transar com o Aylton. Ele hoje tem mulher e dois filhos.
Meu pai vive com outra mulher. Eu tenho namorado, mas não me satisfaz transar com ele. E não tem uma transa que eu não imagine o Aylton me comendo.
Acho que se ele me chamasse pra transar, eu topava na hora.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,21 de 28 votos)
Loading...