Iniciado no campinho de futebol

Me chamo Lucas e, agora estou com 18 anos. Vou contar como aconteceu minha iniciação. Tenho um primo chamado Marcos, com a mesma idade que eu. Na época a gente tinha uns 10 anos, eu acho. A gente adorava andar de bicicleta depois da aula, indo até os limites da cidade, onde tinha um campinho de futebol. Lá, os guris mais velhos jogavam todas as tardes. Em uma das tardes, deu vontade de eu ir no matinho fazer o numero dois. Meu primo ficou vigiando as bikes, enquanto eu fui. Depois de fazer, encontrei lá uma revista de sacanagem. Chamei meu primo e ficamos olhando. Logo nossos pintos estavam duros e começamos uma punhetinha que virou troca-troca. O pinto do meu primo era um pouco maior que o meu e muito, mas muito duro. Ainda éramos crianças, e nossos pintos não gozavam e nem tinham pelos ainda. Mas já sentia muito tesão. Na vez do meu primo meter, ele cuspiu na mão, lambuzou o pinto dele e ficou esfregando no meu rego. Senti um arrepio gostoso e impinei a bunda, sentindo ele encaixar dentro de mim. Foi gostoso, mas logo senti vontade de evacuar e pedi pra ele parar. Fui no matinho novamente, mas não conseguia evacuar, depois continuamos a brincadeira até meu primo dizer que o pinto dele estava doendo. Resolvemos voltar pra casa. A partir daquele dia, todas as tardes a gente ia lá brincar, mas ele não deixava mais eu meter nele, era só ele que metia em mim, até o pinto dele arder. Eu gostava daquilo, me sentia protegido. Em uma das tardes, quando a gente estava indo pra lá, ele me disse que tinha um amigo dele que também queria brincar. Fiquei bravo porque ele tinha contado pra alguém, mas ele me tranquilizou, dizendo que o moleque era de confiança. Então aceitei.
De tardinha, quando chegamos no lugar, depois do campinho, enquanto a galera estava distraída no futebol, colocamos nossas bicicletas no lado da estrada, entramos na moita e já começamos a brincadeira. Logo chegou o amigo dele. Era um moleque um ano mais velho, mulato. Ele ficou olhando meu primo botar o pinto pra fora da bermuda e me fazer mamar. Logo vi o volume no short dele também. Meu primo mandou ele tirar pra fora e se aproximar. O pinto do moleque era maior que do meu primo, mas também sem pelos e muito, muito duro. Mamei os dois, um pouco cada um. Adorava o gostinho salgado dos pintinhos deles. Logo fiquei de quatro para meu primo lubrificar com cuspe. Quando encaixou dei um leve gemido, deixando o outro curioso. Meu primo bombou uns dez minutos, até sentir um pouco de câimbra nas pernas. Daí foi a vez do amigo dele, que se posicionou atrás de mim e encaixou com facilidade, mas como o pinto dele era mais comprido, sentia cutucar meus intestinos, tentando me esquivar. Meu primo me segurava. Ele bombou também uns dez minutos e, quando cansou, ao tirar, o pinto dele estava sujo de cocô. Fiquei com vergonha. Enfim, depois daquele dia, todas as tardes eles começaram a trazer alguém diferente. Na tarde seguinte, veio dois caras que estavam jogando no campinho. Todos suados do futebol, sujos de poeira. Eram maiores, 13 e 14 anos. Primeiro ficaram olhando eu e meu primo brincar. Logo tiraram o pau pra fora e távam tocando uma. Fiquei mais curioso ainda, porque o pau deles era maior, com bolas grandes e tinham pelos. Depois do meu primo cansar de meter, foi a vez deles. O menor deles cuspiu também no meu cu e foi tentando encaixar. Mesmo que eu já tinha brincado aquele dia com meu primo não entrava, porque era um pau mais groso. Senti dor e, ele me segurou forte e foi encaixando. Gritei, tentei sair, mas não consegui. Quando senti, as bolas dele tocavam minhas nádegas. O outro me botou pra chupar. O pau do outro estava fedendo a suor, era grande e mais escuro do que a pele dele, mas ainda sem pelos. Aos poucos a dor foi passando e comecei a sentir ele cutucar meus intestinos como fazia meu primo. Meu pintinho estava muito duro e comecei a sentir coisas deliciosas, que hoje sei que eram tesão. Um pouco depois, eu já empinava a bunda pra ele, que em poucas metidas, me segurou forte, deu um urro e senti meus intestinos incharem. Quando ele tirou o pau de mim, os outros dois ficaram abobados vendo o leite escorrer da minha bunda. Era a primeira vez que eu dava pra alguém que já gozava.
Na tarde seguinte, o cara estava lá, junto com meu primo. Se tornou frequentador assíduo. Eu estava ficando experiente na arte de chupar pinto e dar a bunda. Na segunda semana, eu esperava pra convidar meu primo mais no final da tarde, quase no entardecer, porque os guris do futebol estavam gradativamente vindo participar da brincadeira. Me sentia uma rainha, com vários machos me comendo. Alguns ainda não gozavam, socavam suas pirocas até ficarem ardidos ou arder meu cú. Alguns já tinham pelos e gozavam, enchendo meu cuzinho de leite, que ficava lubrificadinho para o próximo. Me tornei a atração do bairro, fiquei com um pouco de medo e, pedia ajuda do meu primo pra me proteger. Ele então combinava que não poderiam passar de três guris de cada vez, para não me machucar muito. Toda tarde eram três diferentes e, uma tarde, veio a surpresa: vieram dois moleques que eu já conhecia e o terceiro era meu tio Mario, pai do meu primo, um pedreiro que táva sempre por ali. Ele também me comeu, com o maior pau que eu já tinha sentido até então. Me tornei a putinha dele em segredo (conto outra hora)…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,30 de 27 votos)
Loading...