Incesto com a família do meu marido

Autor

Sou Carol, a puta da familia, aliás da minha família, já tinha transado com tios e primos e mesmo com meu sogro e meus cunhados, mas nunca com eles juntos. Nas festas de fim de ano Carlos me convidou para passar este período com ele e sua família em uma casa que eles haviam alugado na Região dos Lagos. Ao chegarmos percebi que seria a única mulher da casa, já estavam lá seu pai, Lucas de 54 anos e um coroa muito bonito e com o corpo em dia, ele é viúvo, Carlos me contou que sua mãe morrera alguns meses antes. Estava também o irmão mais velho, Thiago de 29 anos muito parecido com Fernando, e seu irmão caçula, Pedro de 20 anos, são todos muito parecidos, corpos malhados, os quatro fazem musculação juntos. Eles alugaram uma bela casa, com direito a piscina e sauna. O primeiro dia foi tudo normal, e assim que tivemos oportunidade eu e Carlos transamos gostoso e quando estávamos tomando banho juntos ele disse que eu iria adorar passar as férias com sua família, falou fazendo uma cara de safado que eu não entendi o que ele quis dizer com aquilo. No dia seguinte, meu sogro disse que tinha um presente para mim, abri o embrulho e havia dois fios dentais dentro, era branco e o outro vermelho e eram minúsculos, falei à ele que não usaria aquilo, era muito pequeno, mas insistiu muito, fez charme dizendo que eu havia rejeitado o seu presente, e para não deixa-lo chateado coloquei o fio dental, escolhi o vermelho pela sua cor me fazendo parecer mais clara, mal tapava os bicos de meus seios e aparte de baixo parecia que era frente e verso do mesmo tamanho, uma tirinha bem fina, enfiando bem no meio da minha buceta deixando ela praticamente nua. Meu sogro disse que eu estava deliciosa. Coloquei uma canga por cima e partimos todos para a praia. Os rapazes foram jogar volei e eu tirei minha canga e deitei para me bronzear um pouco, fiquei observando os quatro de sunga jogando bola e pude perceber que família bonita era aquela, seus corpos eram fantásticos. Quando voltaram eu estava deitada de bruços e não percebi sua aproximação, quando virei o rosto os quatro parecem que admiravam meu traseiro mal coberto por aquela tirinha, senti minha buceta ficar quente. No fim da tarde estávamos todos em volta da piscina bebericando alguma coisa, menos o irmão mais velho de Fernando, que estava em seu quarto. Nisso o celular de Carlos toca, ele fala algumas coisas e desliga, ele então nos diz que ligaram da empresa em que ele trabalha e que houve alguns problemas no caixa e ele teria de voltar para ajudar a resolver, disse que iria com ele, mas ele insistiu que eu ficasse e fizesse companhia a seu pai e irmãos. Pela minha cabeça pensei em ficar sozinha com aqueles três machos deliciosos. Carlos partiu aquela noite mesmo, me deixando sozinha e com um tesão danado, dormi sonhando com Carlos a noite toda. Pela manhã fui acordada pelo meu sogro dizendo que o café estava na mesa. Tomamos café da manhã todos juntos e decidimos, ou melhor, eles decidiram ficar em casa e curtir um pouco da piscina. Fui colocar uma asa delta que gosto, porem, não encontrei os que eu havia trazido, não sabia se Carlos havia pegado por engano minha bolsa, só restava os fios dentais que meu sogro me deu. Coloquei o fio dental branco que tinha sobrado e ele parecia ser ainda menor que o vermelho. Coloquei a canga e fui para a piscina, meus cunhadinhos já estavam dentro da água e meu sogro estava sentado lendo o jornal. Me sentei próximo a meu sogro e fiquei sem saber o que fazer. Thiago me convidou para entrar na água, pois a estava delicioso, recusei, estava com receio de tirar a canga e me expor naquele mini fio dental. . Meu sogro disse que eu aproveitasse o sol para pegar um bronzeado já que dia estava apropriado para isso, eu lhe disse que havia esquecido de trazer um protetor e minha pele era muito branquinha e eu poderia me queimar. Ele levantou e foi até dentro da casa e voltou com um frasco de protetor solar nas mãos. Agora eu não tinha mais desculpas para não tirar a canga. Parecia que eles haviam planejado aquilo. O jeito foi tira-la, os três ficaram me olhando de cima a baixo, fiquei com um tesão danado, sendo observada por três machos deliciosos desejando. Comecei a passar protetor nas minhas pernas e braços. Logo Thiago se prontificou para passar protetor nas minhas costas, disse que não era necessário, mas ele insistiu e eu acabei aceitando. Ele pediu para eu deitar em uma espreguiçadeira para que ficasse mais fácil de passar, me deitei e ele se sentou ao meu lado. Pedro e meu sogro sentaram mais perto também e não paravam de me olhar com ar de desejo. Thiago disse que sabia fazer uma massagem me deixaria totalmente relaxada. Aqueles homens estavam mexendo com minha libido, comecei a imaginar coisas quando Thiago começou a passar o protetor. Senti minha calcinha umedecer. A massagem estava divina, ele começou pelos meus ombros e foi descendo por minhas costas até o começo de minha bundinha. Eu estava nas nuvens, quando os três começaram a me elogiar, dizendo que Carlos era um cara de sorte, pois havia conquistado uma bela mulher. Eles passaram a elogiar cada parte de meu corpo, e eu a nada respondia, estava meia mole por causa da massagem, e nem percebi o rumo para o qual estávamos indo. Thiago começou a massagear meus pés, pernas e coxas, ele abiu um pouco mais minhas pernas para facilitar o trabalho e eu não resisti. Eles tinham agora uma visão completa de minha bundinha e do fio enfiado no meio dela. Ele passava a mão por entre minhas pernas chegando quase a tocar minha buceta, massageava minha bunda afastando as nádegas me deixando ainda mais exposta. Quando ele sentiu que eu estava entregue a seus caprichos começou a passar o dedo na minha buceta por cima do pequeno fio, eu gemia e rebolava em seu dedo. Foi incrível como aqueles três safados se seduziram, podia ouvir o meu sogro e meus cunhados me chamando de gostosa, tesuda, etc. o fio era de lacinho nas laterais e Pedro e Lucas se encarregaram de desamarrá-los, Thiago o retirou e eles aplaudiram a bela visão de minha bunda, com meu cuzinho rosado e minha bocetinha raspada. Os três começaram a me tocar e apalpar, eu estava delirando, nem pensava mais em Carlos, só tinha espaço em minha mente para aqueles homens que estavam me deixando louca de tesão. Eles me viraram e percebi que os três já estavam completamente pelados, com seus cacetes duros, eram três belas ferramentas, nada de exagero, mas muito apetitosas.e meu sogro partiu logo para o meio de minhas pernas começando a chupar meu grelinho que estava inchado de tesão. Meus cunhadinhos tiraram a parte de cima do biquíni e passaram a chupar meus seios. Mal começaram eu já gozava pela primeira vez. Pedro aproximou sua pênis de minha boca e pediu para chupa-lo, adorei chupar seu caralho, adoro demais. estava nas mãos dos três tarados me deixando levar pela situação, acho que não recusaria nenhum pedido daqueles três safados. Meio com jeito e sabendo como faê-lo comecei lambendo todo a extensão de se caralho para só então engolir tudo o que conseguia, Thiago também se aproximou e disse que também queria. Nossa!! Para quem adora, estava me deliciando, estava agora com dois caralhos maravilhosos na minha boca, enquanto chupava um masturbava o outro, e meu sogro não se cansava de me chupar, ele dizia que meu mel era uma delicia. Meu sogro me pediu que ficasse de quatro, fiquei saem saber onde ele ia enfiar seu caralho. Posicionei-me e ele foi atrás de mim e começou a pincelar seu pinto na minha buceta. Ele foi entrando devagar, me fazendo sentir cada centímetro até encostas seus pentelhos em minha bunda, me senti preenchida e foi maravilhoso, e não soltava a pica dos cunhadinhos de jeito nenhum, chupava voluptuosamente, gozei mais uma vez e meu sogrinho também, ele me encheu a buceta de leite. Foi a vez de Thiago ir para traz de mim, ele me penetrou de forma viril e assim permaneceu bombeando com força e cadenciado, enquanto eu continuava a chupar o pau de Pedro, meu sogro se sentou na cadeira ao lado e só nos observava. Gozamos os três praticamente juntos, recebi muita porra na minha boceta e na boca, adoro quando eles enchem minha boca com seu leite, sorvi cada gota daquele liquido maravilhoso. Fomos todos para a piscina recuperar as forças, mas eles não me davam sossego, tinha sempre uma mão bolinando meu corpo. Saímos e voltamos para a espreguiçadeira, lá eles me deram um verdadeiro banho de gato, não houve lugar de meu corpo que eles não lamberam e chuparam, chuparam inclusive meu cuzinho, o que me deixou completamente louca, me arrepiava o corpo inteirinho. Me deixaram em brasa novamente. Dessa vez Pedro deitou-se, e como ele foi o único que ainda não havia me penetrado, pediu que eu o cavalgasse, o que fiz com prazer, subia e descia caralho enquanto chupava meu sogro. Thiago se posicionou atrás de min e começou a lamber e chupar meu cuzinho, eu estremecia a cada linguada que ele dava. Ele começou a enfiar seu dedo devagarzinho me me fazendo querer seu caralho enfiado nele, Senti que ele passou algo melecado no meu cuzinho, era o protetor, e voltou a forçar a entrada, entrou mais fácil e ele enfiou o dedo inteirinho lá dentro. Ele dizia que podia sentir o cacete do irmão entrando e saindo. Ele ficou massageando meu buraquinho até me deixar bem relaxada, para só então se posicionar e começar a forçar a entrada com seu caralho, doeu, mas eu agüentei sem reclamar. Depois de me acostumar ficou maravilhoso. Eu estava completamente preenchida. Dava a bocetinha para o irmão mais novo do Carlos, o cuzinho para o irmão mais velho dele e chupava seu pai. Eles ficaram uma meia hora me comendo daquele jeito, o primeiro a gozar foi meu sogro, ele encheu minha boca de porra quente, não desperdicei uma gota sequer. Depois foi o cunhado mais novo, que gozou urrando de prazer. Por último foi o cunhado mais velho, que me comia de quatro socando vigorosamente dentro de meu cuzinho, agora arregaçado, ele anunciou que iria gozar, pude sentir seu pau endurecer mais ainda e estremecer dentro de mim, gozei mais uma vez pelo cuzinho. Ele saiu de dentro de mim e pude sentir a porra escorrendo de minha boceta e do meu cu. Me sentia uma puta que adorava sexo com vários machos. Já tinha feito isso com meus primos e meus tios. Me entreguei às suas luxúrias, fazendo tudo aquilo que adorava e na qual era mestra, uma puta de cama e mesa, que sabia dar prazer aos seus machos. Era tudo o que a mulher mulher deveria fazer pois é maravilhoso transar de todas as formas possíveis. Já era tarde quando finalmente paramos e fomos comer alguma coisa, estava me sentindo toda ardida e esfolada de tanto que transamos. O meu celular tocou no começo da noite, era Carlos dizendo que já estava a caminho e que teria uma surpresa para mim e que depois iria me comer todinha. . Ele disse para pelo menos deixar ele mostrar a surpresa que havia trazido para mim, disse que tudo bem era uma fita cassete. Ele a colocou no aparelho e começou a rodar. Quando percebo era um vídeo caseiro dele falando que me amava que havia feito aquilo tudo por que me amava. Eu perguntei feito o que, ele me disse para ser paciente, logo depois o vídeo começa mostrando eu chegando pela manha até a piscina e me sentando a uns dois metros da filmadora. Eles tinham filmado tudo bem de pertinho, de uma janela de um quartinho de dispensa e eu não havia percebido nada, ele filmou tudo do começo ao fim, ele falou que já tinha me visto outras vezes transando com machos e que ficou feliz por eu ser uma pauta na cama, fazendo tudo que gostava e que eles (machos adoram fazer com suas mulheres, e muitas não aceitam) falou que estava feliz comigo e que tinha combinado com seu pai e irmãos aquilo tudo. Falou que já que eu havia transado com minha família deveria fazer o mesmo com a dele. Passou a me beijar e me chupar inteirinha, e eu fui me entregando aquele safado pervertido pois agora ia ter mais uma família para eu me deliciar e ser puta deles. Pensei no dia seguiante seriam 4 machos para me fuder e me fazer gozar bastante com eles.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 12 votos)
Loading...