Experiência casual 2

10-04-17 Por 1 ★ 5.00

Ola pessoal pois é na praia fudi rosa de todas as maneiras chupei comi aquele rabo gostoso fomos pra casa na maior sacanagem dentro do ônibus .chegamos tarde cada um pra sua casa eu dormi que nem pedra no outro dia lá estava eu espreitando uma nova oportunidade quando o pinguso do marido dela saiu entrei em ação ela disse que as crianças estavam dormindo e que não seria possível sentei numa cadeira na cozinha e tirei meu pau já estourando de tão duro ela não pensou duas vezes caiu de boca me levando as nuvens depois tirou a calcinha levantou a camisola e se sentou ate desaparecer tudo dentro dela gozei duas vezes a noite cimo sempre fui na casa dela e como ela era pobre dormia todo mundo numa cama de casal ela as criancas e o marido ela estava na porta quando o corno do marido chegou cambaleando nem falou nada já foi chegando chingando e deitando mal encostou a cabeça no travesseiro já tava roncando ela dormia no meio ela falou pra mim ir embora falei que queria meter nela de novo ela sorriu dizendo cansa não menino mostrei o volume no short ela lanbeu os beiços falou VC e quem sabe vou deitar tinha os meninos deitados pra baixo e as meninas marinhas pra cima fui me achegando e consegui deitar entre elas ela virou de costas pra mim guase não conseguia me mexer fe tão apertado que estava abaixei sua calcinha e comecei a fuder ela por trás ela em silêncio mordia os lábios pro marido não ouvir e eu me mexia com dificuldade porque sua filha estava me apertando contra ela mesmo assim ta indo tudo bem a adrenalina de ouvir o ronco do marido dela na beirada da cama quase caindo e eu fudendo cheio de medo dele acordar e me cortar no facão ou coisa parecida senti como se uma mão acariciava minha bunda pensei deve ser porque estamos nos apertando de repente foivem direção ao meu cu e enfiou o dedo FIS pressão pra frente sendo parado pela rosa que fés xiiu ele vai cair da cama acaba logo com o dedo na entrada do meu cu aceleirei os movimentos deu uma sensação nova e gozei como um cavalo enquanto dava um tempo pra tirar o pau levei a mão atrás pois o dedo continuava no meu cu peguei uma mãozinha e segui o braço era a filha mais velha desci minha mão com cuidado pra rosa não sentir e fui no meio das pernas de Nida assim que vou chama la ela abriu as pernas permitindo meu avanço estava com uma calcinha de algodão enfiei o dedo ela gemeu baixinho comecei a fuder rosa com o dedo na bucetinha virgem de Nida gozei rápido enquanto rosa puta da vida me mandava embora sai de fininho não sem antes sem rosa ver dei um beijo na boca da peguena Nida fui pra casa dormir pois segunda feira teria que ir trabalhar mais já pensando num jeito de comer a bucetinha virgem da Nida devia ver os pais meterem o tempo todo e tava apesar da pouca idade curiosa pra sentir o mesmo que a mãe voltei no sábado mais rosa não estava Nida estava sentada na soleira da porta perguntei por rosa ela disse mãe saiu vai ter gue espera magrinha mais muito bonita de sacanagem perguntei porque ela tinha enfiado o dedo no meu cu sorrindo disse VC gostou disse sim e VC gostou ela disse quero mais vendo os meninos todos dentro de casa chamei ela pro mato atrás da casa ela rapidamente deu ordens aos meninos pra não saírem e veio atrás de mim chegando numa clareira tirei sua roupa deixando ela nua beijei sua bucetinha pequena sem pelos não tinha peitinhos era tão lisa quanto um menino mesmo assim chupei os biguinhos entumescidos chupei sua bucetinha quando estava bem molhada de saliva subi em cima dela apontei a pica na entrada e fiquei forçando ela gemia dizendo que tava doendo eu empurrava cada veis mais ela disse para náo vou agüentar e muito grande já estava com a cabeça e mais uns dois centímetros dentro gozei e tirei ela ficou de coque e começou s michar minha porra dizendo poxa ardeu falei vai querer mais ela disse depois ta bem continua outro dia..

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)

Por

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Anônimo

    Muito bom fiquei tezo