Meninas bem novas

Olá meu nome é mabucetinha virgem os e o que vou lhes contar e uma história verdadeira de como fui atraído por meninas de 7-8-10-16 anos.
Quando eu era jovem na faixa dos oito dez anos fui atraído por um cara que me prometeu dar um skate se eu fosse com ele até a casa dele.
Conversa, ele só queria comer meu rabo, pois na metade do caminho havia uma praça deserta e ele queria que eu pegasse no pau dele, tô fora, não sou viado, então me mandei pra casa.
O tempo passou e eu fui crescendo já com 14, 15 anos tinha um garoto mais novo de 8 anos bem bobinho que eu levava até o porão de minha casa pra comer o rabo dele.
Que rabo, será que eu era viado e não sabia?
Na verdade não, só gostava de crianças, dos dois modos, gostava de brincar com elas e também de olhar, aquelas meninas de 12, 14 ou 8 ,10 crescendo as tetinha me deixava louco de tesao olhava e babava pensando quando vou poder ter aquelas deliciosas bucetinhas em meu poder!!
Quando com 15 anos mudamos para uma casa que tinha dois moradores, nos eu e minha mãe morando nos fundos e uma mulher com duas meninas uma de 12 e outra de 8 ou menos na frente.
Dividíamos a mesma área coberta no fundo da casa, a entrada e saída era por lá.
Em uma tarde eu estava em casa assistindo TV e minha mãe trabalhando e a mãe das meninas também, somente nos três nas casas, essa mais nova a quem vou chamar de Alice, entrou em minha casa, pois ela era muito metida, e veio até o sofá onde eu estava sentado coçando o pau, já duro, e pediu para sentar, eu disse que sim pois não havia nada de errado em ela sentar lá.
Quando dou por conta ela já estava deitada com a cabeça em cima de meu pau que ainda duro dava sinais para eu tocar uma punheta.
Pois bem pensei eu, para que tocar uma punheta se eu tenho uma boquinha novinha aqui em cima de meu caralho! !!
Então pedi a ela pra se levantar e vir comigo até o quarto onde eu dormia pois a porta da reto a porta de entrada e eu podia ver se sua irmã mais velha a quem vou chamar de Marta, entra se é me pega se no ato consumado.
Levei ela inocente até o quarto onde pedi para ela:
– Você já viu um pau de homem?
Ela respondeu que não mas queria ver.
Falei para ela:
-Eu te mostro mas você não pode contar pra ninguém nem pra Marta nem pra sua mãe!
-Tá bom .Ela disse.
Tirei meu pau para fora já quase me gozando de emoção e nervosismo e pedi para ela pegar.
Pegou com aquela mãozinha quente e pequena, então eu disse a ela:
-Faz assim, meche ele pra frente e para traz e vai gospindo na ponta que você vai ver sair um creme muito gostoso. Garota boba.
Ela foi mechendo bem devagar e cada pouco dava uma guspidinha na cabeça de meu pau com aquela boquinha gostosa, e eu com um olho nela e outro na porta, ela continuava devagar e eu me segurando para não gozar na sua cara, naquele momento eu já estava com muita vontade de tirar sua roupinha e chupar aquela bucetinha virgem, mas não podia dar moleza pro azar, então continuamos daquela maneira até que pedi a ela:
-Abre sua boca para eu colocar ele dentro dela, que você vai sentir o gosto do creme que eu tenho para te dar!.
Mal coloquei meu pau na sua boquinha já senti o gozo vindo e não segurei, gozei muita porra quente e viscosa naquela boquinha deliciosa, rapaz como aquilo era bom, delicia de sensação.
Quando me preparava para tirar meu pau para fora de sua boca, ouvi sua irmã chamando por Alice, minhas pernas tremerão na hora, olhei para Alice ali com meu pau na boca, e cheia de minha porra dentro dela, não tive outra reação, mandei meu cacete para dentro das cuecas e disse a Alice:
-Engole, rápido! !!!!
Ela assim fez.
Nesse momento sua irmão entrou em minha casa pedindo por Alice, eu disse a ela:
– Ela está aqui olhando as coisas de minha mãe! !!
Acho que Marta desconfiou de algo, pelo cheiro ou por restos de minha porra na cara de Alice.
Mas passou. Nunca mais tive a oportunidade de ficar só novamente com Alice mas consegui por algumas vezes por a mão em sua bucetinha macia e tocar outras punhetas pensando nela. Continua…..

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 2 votos)
Loading...