# #

Me descobri na infância

1658 palavras | 13 |4.12

Bom, esse não é um conto e sim um fato que dura até hoje. Meu nome é Fabrício tenho 15 anos, sou branco, cabelos loiros e um pouco compridos como sempre gostei de usar, olhos azuis e um corpo normal, um pouco definido por conta da natação e nada mais. Me descobri aos 10 anos de idade, mas para que entendam tudo vou contar tudo detalhado desde o começo!
Eu morava em Barretos, uma cidade do interior de São Paulo com minha mãe (pois meus pais eram separados) e meu irmão que na época tinha 2 anos de idade. Apesar de separados, meu pai era muito ausente, nos víamos quase todos os dias, mas aos finais de semana ele levava eu e meu irmão pra ficar na casa dele. Aconteceu que determinado fim de semana meu pai só ia me buscar no sábado, mas eu queria ir logo na sexta porque ele tinha comprado o novo FIFA e eu queria jogar, depois de muito insistir com ele no telefone ele aceitou. Passou em casa por volta das 20:00 hrs e nesse dia só fui eu porque meu irmão estava com catapora. Nesse dia chovia bastante e em um cruzamento um fdp passou o sinal, bateu em cheio na gente, meu pai ainda consciente conseguiu me perguntar se eu estava bem, eu respondi que tava com muita dor no braço, nisso ele começa a desmaiar, resultado, ele veio a falecer…
Entrei em depressão profunda, eu me culpava pela morte dele porque não era pra gente estar ali, era pra ele me buscar só no outro dia, mas eu insisti e ele foi e acabou daquela forma. Minha mãe vendo meu estado me levou a psicólogos mas nada resolveu, pra falar a verdade eu nem falava com eles, só fazia a minha mãe perder dinheiro. Com isso minha mãe resolveu se mudar para a cidade natal dela onde morava minha avó, tias, primos e todos viviam juntos, não na mesma casa mas no mesmo quintal, ou seja, tinha a casa da minha vó e mais três casas que moravam minhas tias e nós iríamos morar com a minha vó que era separada do meu vô, então estava tudo combinado, morávamos na casa que estava vazia e minha mãe trabalharia no salão da minha vó onde minhas tias também trabalham, é o negócio da família. Tudo acertado e nos mudamos para Bebedouro, outra cidade do interior de São Paulo. Nos mudamos, minha mãe começou a trabalhar e eu a estudar, de manhã eu ia pra um centro educacional perto de casa e de lá mesmo já ia pra escola. É nesse centro educacional que tudo começa… Minha mãe me deixou lá pela manhã e falou o que eu estava passando para a diretora que passou tudo para os professores também Os professores me apresentaram pra turma toda e mandou eu me sentar pra tomar o café da manhã, sentei em uma mesa com outros meninos e um garoto em especial resolveu falar comigo. O nome dele é kauã, 10 anos, um pouquinho menor que eu, o olho puxadinho que deu a ele o apelido de Jackie Chan. O diálogo foi exatamente assim:
Kauã: – Quantos anos você?
Eu bem ignorante chamei uma das professoras e perguntei:
– Tia, eu tenho que conversar?
– É bom você conhecer seus colegas, mas você que sabe.
Virei pra ele e disse que não queria conversar, fechei a cara e continuei comendo sem dar atenção com o que acontecia ou com quem estava ao meu redor.
Eu estava mal pela morte do meu pai que já fazia quase dois meses, não fala com ninguém, bem pouco com a minha mãe que sempre estava de cima perguntando as coisas, ou seja, estava um pé no saco!
Sempre fazíamos atividades fora da sala no centro educacional, mas eu nunca participava, os professores também não me obrigavam e em um desses dias esse menino Kauã acabou fazendo bagunça e os professores colocaram ele de castigo sentado do meu lado no banquinho onde eu sempre ficava, ele sentou do meu lado e novamente puxou assunto:
Kauã: – Vamos jogar bola com a gente, daqui a pouco acaba meu castigo!
(Quando ele disse isso me veio a memória do tempo que eu jogava com o meu pai, ele sempre me levava pra treinar e o meu sonho até então era ser jogador de futebol e jogar no Palmeiras…)
Eu: – Você tá de castigo né?
kauã: – Tô, mas já já acaba
Eu: – Então você não pode sair daqui de onde a tia mandou você sentar?
Kauã: – Não
Eu: – Então tá!
Levante e fui sentar em outro lugar.
Eu continuava na pior, foi quando aos 10 anos de idade apenas eu comecei a me cortar, cortava o braço com uma tesourinha que a minha vó tinha na casa dela, cortava sempre os braços e por isso passei a usar sempre camisas de manga longa. Um dia no centro educacional uma das professoras acabou vendo os machucados e claro falou pra minha mãe e eu tive que mostrar pra ela, minha mãe ficou muito triste, começou a chorar e pediu pra eu não fazer mais aquilo. Ela descobriu que era a tesourinha que eu usava e tirou ela do banheiro e eu nem percebi, só fui perceber a tarde quando cheguei da escola e fui tomar banho e procurei a tesoura de novo e não achei, eu fiquei desesperado, precisava fazer alguma coisa pra que eu pudesse pelo menos por um minuto me focar na dor física e esquecer a dor sentimental! Comecei a procurar em toda parte do banheiro mas não tinha nada, saí do banheiro e fui procurar alguma coisa na casa, já que minha mãe e minha vó estavam lá fora com as minhas tias conversando como faziam todos os dias e nem perceberam que eu tinha entrado e saído do banheiro. Minha mãe me viu, foi até mim e disse que era pra eu tomar banho porque depois ela ia passar remédio nos machucados, eu disse que já estava indo, ela voltou lá pra fora e eu comecei a procurar qualquer coisa, até que no meio das coisas da minha vó achei uma daquelas laminas de barbeador que ela usava em navalhas para cortar cabelos masculinos e lá fui eu pro banheiro. Cortei perto do pulso, mas não sabia que essas laminas são bem afiadas e o corte foi bem profundo, começou a sair muito sangue e não parava mais, eu comecei a me sentir fraco e sentei no chão segurando o pulso esperando parar o sangramento mas não adiantou. Minha vó chegou perto do banheiro e me chamou, pedindo pra eu abrir a porta pra ela pegar o balde de roupas, eu nem consegui responder, ela me chamou de novo, e de novo, ficou preocupada e chamou minha mãe que começou a me chamar desesperada, eu tava sem força pra nada, tinha muito sangue no chão e um pouco desse sangue passou por baixo da porta e minha mãe viu e começou a gritar, lembro disso até hoje, até que um dos meus tios acabou arrombando a porta e lá estava com o pulso cortado, sangrando muito e quase sem consciência!
Me lembro de ter acordado no hospital, com o pulso cheio de pontos e uma bolsa de sangue do lado. Minha mãe chorando pediu pra eu nunca mais fazer aquilo, que ela não podia me perder, e essas coisas…. eu nada respondi, estava com vergonha de tudo aquilo, mas mesmo assim me sentindo um lixo… Parecia perseguição, aquele menino estava lá de novo, passou na frente do quarto que estava com a porta aberta, me viu e entrou:
Kauã: – Você tá doente?
Eu não respondi nada e minha mãe resolveu responder por mim:
– Ele não tá muito bem, mas já já ele melhora. Vocês são amigos?
Kauã – Uhum, a gente estuda na mesma sala lá no minhocão (que é como a gente chama o centro educacional) e na escola também tamo na mesma sala. Você machucou o braço?
– É, ele caiu, ai precisou dar ponto.
Kauã: – Hum, quando você sair daqui a gente pode jogar vídeo game, eu comprei um jogo de WWE legal pra caramba!
– O dia que ele sair você combinam e você vi lá em casa jogar com ele
Kauã: – Tá, você mora perto da onde minha mãe faz unha né?
– Sim, você é filho da Marina não é? O dia que sua mãe te levou junto fui eu que fiz a unha dela.
Nisso a mãe dele entra no quarto, dá uma bronca nele porque ele sai de perto dela e ela tava procurando ele, pede desculpas e conversa um pouco com a minha mãe. Ele dá tchau e eles vão embora. Passei a noite no hospital e no outro dia voltei pra casa, fiquei uns dias sem ir a escola por causa dos pontos e ia com a minha mãe pro salão, ela já não me deixava sozinho pra nada, com medo de eu fazer alguma coisa.
Em um desses dias a tarde quando chegamos em casa, ouço alguém me chamando, minha mãe fala pra eu ir lá ver quem era, e era ele de novo, o Kauã…

Bom esse relato já está muito comprido, nem sei se vão gostar ou ler até o final, mas quem quiser saber o resto da história comenta aí ou se quiser pode até me pedir por email [email protected]

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,12 de 17 votos)

# #
Comente e avalie para incentivar o autor

13 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Tales ID:1dxlc7k2qyz0d

    Pena que não continuou

  • Responder Jullya silva ID:g3jucfym1n

    Por favo continua a sua historia ta muito emocionate e ñ deh moral pr essa pessoas q t julgao e criticam sua historia vc eh oq eh tem q se orgulhar disso

  • Responder Vitor ID:40voxgc2b0aq

    Quero continuaçao

  • Responder David ID:89cszz4qrb5

    Por favor continua, quero muito saber do resto da história.

  • Responder JFA ID:h5hr4fw0q1

    Gostaria de ler o resto do conto. Estou gostando

  • Responder Espartacus ID:1v7f4n445

    Curto trocar videos de novinhos se alguem tiver me chama no zapp 061 986617289

  • Responder Bebezao ID:830x283zra8

    Eu tbn me descobri na infância eu com apenas 7 anos de idade ia brincar na casa do meu amiguinho e quando ele se descuidava eu ia pro sofá bater punheta pro pai dele quamdo eu chegava la na casa dele o pai dele ja sentava no sofá e ficava esperando eu ir , quando dava eu ia rapidinho sentava no sofa com as pernas cruzadas pegava a minha mãozinha e tirava a rola dele pra fora e começava a bater forte e rapido ele não falava nada so ficava olhando pra mim , quando o meu amiguinho se aproxomava eu parava rapidinho e ia enrrolar ele , eu voltava e continuava a punheta e nao demorava pro pai dele gozar quando o pai dele gozáva eu saia rapidinho e deixava tudo sujo limpava a minha maozinha no sofa e voltava a brincar. .. ele adorava a minha maozinha de 7 anos na rola dele e ficava olhando pra mim e vendo eu bater com habilidade e rapidez ,

  • Responder Moreno Dotado Come Viado ID:e9q2i8d9dl

    43 9620‑1218‬ chama nesse número aí ! To carentão !! Quero um cu, é uma rola carnuda pra mamar !

  • Responder Anomino ID:e9q2i8d9dl

    Continua….????

  • Responder Psicólogo tarado ID:e9q2i8d9dl

    Triste sua história. Depressão é uma merda. Espero que seu amiguinho Kauã esteja te fazendo feliz. Continua aí sua história, garoto.

  • Responder Peninha ID:e9q2i8d9dl

    Porra, tava com o pau na mão e você me vem com essa. Senti.

  • Responder Choper ID:e9q2i8d9dl

    que conto merda

  • Responder Anônimo ID:e9q2i8d9dl

    Vai tomar no cu porta, Pq postam uma vista desta?????