# #

Sem nenhuma dó ou piedade, rasguei a boceta da novinha!

974 palavras | 1 |4.12
Por

Conheci a Fabiane em razão de que ela toda manhã vestida com minúsculos shortinhos socadinhos na sua bunda, passava na rua lateral da minha empresa que fica localizada em uma esquina, da janela da minha sala eu a via passar indo em direção a praia. Depois de vê-la passar umas três ou quatro vezes, decidi ir atrás na minha camionete e ao me aproximar, ela me olhou e sorriu. Parei ao seu lado e perguntei se ela queria uma carona até a praia, ela aceitou. Magrinha, mas de um rosto lindo e olhos expressivos. Falei que era proprietário da empresa de materiais de construções e ela disse que sabia, porquê uma ocasião ela tinha ido lá com o pai dela e o viu conversando comigo. Falei que a olhava toda manhã, ela sorriu e comentou que eu parecia ser muito discreto e que isso para ela importava muito, a discrição, ela me disse ser noiva.

Perguntei a sua idade e ela me disse ter dezessete anos às vésperas de completar dezoito aninhos. Perguntei o que ela gostaria de ganhar e ela me disse que gostaria de ganhar um relógio e um óculos de praia, mas, que dificilmente iria ganhar porque eram caros. Perguntei se ela tinha um “ficante”, ela me disse que apenas o noivo, nunca havia tido mais ninguém, brincou falando: “Sou uma semi nova!” Rimos, gargalhamos, a convidei para um suco, ela aceitou e fomos para uma outra praia em um quiosque. Ao parar a camionete, perguntei se ela já havia curtido m coroa de 50 anos como eu, ela respondeu que nunca, mas, morria de curiosidade. Nesse momento acariciei sua coxa esquerda e ela abriu as pernas e se arrepiou toda. Falei que ela ganharia o relógio e o óculos, ela sorriu e colocou o rosto no meu colo, apertou meu pau por cima da calça.

Pedi pra ela tirar o shortinho jeans, ela tirou ficando somente de biquíni fio dental, ela era muito magrinha, mas, bundudinha, uma delícia! Desafivelei o cinto, abri a calça desci o zíper, tirei meu pau que já endurecia graças ao efeito do “Cialis” e ela ao vê-lo, exclamou: “Uauuu,Que enorme!!!” E falou: “Coitado do pau do meu noivo!” Ela o lambeu na cabeça, o beijou e o abocanhou e chupou. Ela o chupou muito gostoso e o mordia no meio, falando: “Bem que falam que coroas altos possuem cacetes enormes e grossos, agora, comprovo que é verdade!” Ela o chupou muito, por uns trinta minutos e só parou quando a atendente do quiosque chegou com os nossos sucos. Tomamos nossos sucos e ela que ficou brincando e acariciando com o meu pau muito duro que vocês mulheres podem curtir na foto abaixo e ela também, ela me disse e olhando nos olhos: “Tio, eu acho que não aguento todo ele!”

Perguntei se atrás ela aguentaria, ela falou exclamando: “Tá louco tio! Nunca deixei atrás, nem meu noivo!” Falei que com carinho e ganhando bons presentes ela deixaria. Ela sorriu, me beijou chupando minha língua e disse: “Quem sabe! Se você prometer fazer com muito carinhos e beijos pode rolar!” Perguntei se ela tomava anticoncepcional, ela disse que sim para não engravidar do noivo. Falei para ela que a queria naquele momento, ela falou: :”Chama a moça, paga os sucos e ergue os vidros!” Buzinei, a atendente veio, paguei, entreguei os copos e fechei os vidros, ligando o ar condicionado. Ela tirou a regatinha, a parte de cima do biquíni fio dental, a puxei, chupei seus peitinhos, pareciam peitinhos de menina de 14/15 anos, chupei muito. Tirei seu shortinho jeans e a parte de baixo do seu fio dental, reclinei o banco da minha Fiat-Toro preta com dourado.

A fiz ficar de costas, a puxei, e a fiz encostar a bunda na minha cara, que delicia de bundinha, a abri e lambi seu cu e sua bocetinha bem fechadinha, ela gemeu e delirou! A chupei muito na bocetinha, a fiz ficar bem meladinha, a virei de frente e a fiz se sentar no meu pau bem devagarinho, com ela falando: “Tio, devagar, por favor, seu pau é muito grande, parece pau de cavalo, devagar tio por favor!” A fiz ir se sentando, se sentando, até que com ela me mordendo os ombros, me beijando a boca, o meu pau entrou por inteiro na bocetinha daquela noivinha de dezessete aninhos em véspera de completar dezoito anos, mas com carinha de 14/15 aninhos e a fiz subir e descer vagarosamente com a bocetinha muito apertada no meu pau dentro dela. Ela foi imprimindo um ritmo de sobe desce delicioso, me cavalgando tesudamente, gostosamente e me beijando a boca, gemendo e delirando muito.

Ali, dentro da minha camionete, a chupando e a mordendo nos seus pequenos e delicados seios, ela me cavalgava feito uma putinha novinha muito tarada, ao mesmo tempo que segurava a sua bundinha, eu a abria e molhando meus dedos indicador e do meio da minha mão direita na sua boceta já bem aberta, eu os enfiava por completo no seu cu, ela gritava me mordendo os ombros, enquanto eu laceava o seu cuzinho. Ela gozava gostoso e seguidamente me deixando o pau todo esbranquecido com seus gozos e pedia para socar com vontade na sua boceta. Eu jogava o corpo para cima socando sem nenhuma dó o pau na sua boceta, ela urrava dentro da camionete até que ela gozou mais uma vez e quando falei que ia gozar na sua boceta, ela saiu do meu pau e o abocanhou recebendo toda minha porra na sua boqunha e a engolindo toda. A partir desse dia, passei a comê-la semanalmente e ela adiou o seu noivado!

Fabiane-00001

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,12 de 26 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Capivara2w ID:fi19tf20j

    De todo conto eu já viu seu (não que eu tenha lido) essa foto é a de longe a mais fake que já postou