# #

Minha mãe me ensinou o incesto – 1

1226 palavras | 5 |4.53
Por

(Lucas) Relato de como minha mãe me iniciou no sexo em familia – parte 1/3

(Relato escrito por Lucas)
Esse conto não vai ter muitas cenas sexuais, é uma história sobre a minha mãe, desde meu nascimento até ela me ensinar sobre prazer e masturbação. Na segunda parte vou falar sobre como comecei a transar com ela. Como estou escrevendo com base no que minha mãe me contou, e no que eu lembro de alguns anos atrás, alguns detalhes podem ter se perdido, mas a história aconteceu mais ou menos desse jeito mesmo.
Minha mãe engravidou de mim quando ela tinha 15 anos. Desde novinha ela era muito fogosa, e perdeu a virgindade cedo, e como transava bastante acabou engravidando por acidente. Ela morava em uma cidade pequena do interior de SP, não vou revelar o nome para não causar problemas se alguém nos reconhecer. Meu pai não queria assumir a gravidez, então terminou com ela antes de eu nascer. Minha mãe deu seu melhor para cuidar de mim sozinha, recebendo ajuda dos seus pais, que mesmo desaprovando a situação não abandonaram ela. Como ela tinha pouco tempo livre, acabou não namorando a sério com ninguém, mas quando queria sexo acabava, e voltando a encontrar meu pai. Ele era do estilo mulherengo, mal visto por muitas pessoas, e minha mãe acabou ficando com má fama por ficar com ele sem compromisso. Em um desses encontros, ela acabou engravidando novamente, e acho que foi nesse momento que ela percebeu que não teria futuro continuando assim.
Minha mãe decidiu se mudar comigo, eu tinha 5 para 6 anos na época, e fomos para São Paulo capital. Meu avô, pai dela, a expulsaria de casa de qualquer forma se ela não decidisse sair, depois dessa segunda gravidez acidental, com seus estudos comprometidos e destinada a não melhorar de vida.
Enfim, nós chegamos na capital e alugamos um apartamento na ZL, com o pouco dinheiro que minha vó havia dado antes de sairmos. Minha mãe começou a trabalhar de empregada e fazendo bicos, dando seu melhor para nos sustentarmos e nos dar uma vida boa. Como ninguém a conhecia aqui na capital, ela pode recomeçar, sem ter fama de “fácil” como tinha antes. Eu estava com 6 anos e minha irmã recém nascida, e a partir daí nossa vida em casa foi ficando bem diferente do que costuma ser nas outras famílias. Eu e minha mãe sempre fomos muito próximos, e eu sempre me sentia á vontade de conversar com ela sobre tudo, desde assuntos da escola até intimidades. Nós tomávamos banho juntos, e eu passei a assumir a responsabilidade de dar banho na minha irmã quando ela estava trabalhando, então conforme crescíamos estávamos acostumados a ver um ao outro pelados. Nos dias quentes, principalmente, nós sempre ficávamos sem roupa na sala, sem sentirmos vergonha.
Quando eu tinha uns 13 anos (não lembro direito com que idade isso começou) eu já me masturbava, e já via uns vídeos pornôs. Uma noite minha mãe veio conversar comigo sobre meu corpo, e me explicou que era normal sentir prazer e se aliviar, e começou a me ajudar a sentir mais prazer quando eu queria me masturbar. Ela explicou também que o amor de uma família não deveria ser reprimido, e que eu poderia sempre contar com ela para qualquer coisa.
─ Filho, você sabe que eu te amo né?
─ Sim, eu também te amo mamãe.
─ Você já está crescendo filho, então queria te perguntar umas coisas. Se não quiser responder tudo bem amor, mas a mamãe fica pensando em você, e em como seria bom se soubesse algumas coisas. Você gosta de se masturbar filho?
(As palavras foram diferentes, mas já faz muito tempo, eu só lembro vagamente, estou escrevendo em linhas gerais como ocorreu a conversa)
─ Sim mamãe. É gostoso, e eu me sinto relaxado depois.
─ Que bom filho. Você gosta de ver mulheres enquanto faz isso?
Eu concordei com a cabeça, e ela estava apalpando meu pau, que já estava ficando duro enquanto ela mexia nele.
─ Você gosta da mamãe filho?
─ Sim, eu te amo!
─ E o que acha do meu corpo?
─ Você é linda mãe. Eu amo seu rosto, e gosto muito dos seus peitos.
Minha mãe tinha uns 21 anos nessa época, e era muito gata mesmo. Ela malhava, então era magrinha e tinha os peitos bem firmes e grandes, eu amava ficar pegando neles. Suas pernas eram macias e a bunda bem empinadinha, eu adorava quando ficava deitado no colo dela.
Ela ficou apalpando meu pau, que já pulsava de prazer, e começou a me masturbar devagar, enquanto me olhava sorrindo.
─ Mamãe?
─ Diga filho.
─ Isso é muito bom…
─ Que bom que gostou filho. Agora deita na cama, vai ficar um pouco melhor.
Eu deitei e fechei os olhos, aproveitando ao máximo a situação. Eu senti ela molhando meu pau com saliva, e logo depois ela colocou a boca, lambendo toda a extensão dele e engolindo ele todo. Meu pau ainda era pequeno pela idade, mas a sensação dela lambendo e engolindo ele inteiro foi indescritível. Ela chupou bastante até eu começar a gemer baixinho, e antes que pudesse avisar, eu gozei na boca dela.
─ Ah, me desculpa mamãe… eu não avisei…
─ Tá tudo bem filho. Você ainda goza pouquinho, não tem problema.
Ela havia engolido meu gozo, mas ainda era bem ralo, já que eu só tinha 13 anos.
─ Você gostou filho?
─ Sim, eu adorei mãe! É muito gostoso sentir sua boca assim…
Ela estava sorrindo muito feliz, e eu também estava me sentindo muito bem.
─ Eu também amei filho. Vai ficar ainda melhor conforme você crescer, seu pau vai ficar maior e você vai gozar muito mais. Mas preciso te falar uma coisa amor.
─ O que é mamãe?
─ O que fizemos aqui precisa ser segredo. Eu te amo muito, e você me ama também, é normal demonstrarmos isso dessa forma quando os dois se amam e querem sentir prazer juntos, mas muitas pessoas não entendem isso. Elas podem achar estranho, porque foram criadas de um jeito diferente, mas tá tudo bem em fazermos isso, só não conte pra ninguém, tudo bem?
─ Tudo bem mãe. Eu te amo muito!
─ Eu também te amo filho.
Depois disso sempre que eu queria me masturbar, eu chamava minha mãe pra me pagar um boquete quando ela estava em casa. Minha irmãzinha já nos flagrou assim, mas minha mãe explicou pra ela que isso era normal, já que a gente se ama muito, e que quando ela crescesse poderia ganhar leitinho também se ela quisesse. Ela era muito novinha pra entender tudo que estava acontecendo, mas eu via pelo sorriso dela, olhando pra gente, que logo ela iria querer leite também.
Nós eventualmente nos mudamos para uma casa em outro bairro, e minha mãe ficava mais em casa com um emprego de home-office, então tive mais liberdade pra pedir boquetes pra ela. No próximo conto eu continuo, e vou falar como minha irmãzinha começou a beber meu leite.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,53 de 15 votos)

Por # #

5 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Juninhu

    Nossa minha cueca ta encharcada, que tesao imaginar alguem me mamando

    • Silva

      Você ja fode sua irma?

  • Responder Coala ♡

    Conta mais

    Conta como ele deu leite pra irmã dele pela primeira fez

  • Responder Soares

    Conto muito bom,só achei estranho que as idades não batem.Mas fora isso está muito bom deu muito tesão

  • Responder De bem com a vida

    Um pouco confuso em relação a idades, Tem uma parte q vc diz ter 13 anos, sua mãe 21, então ela engravidou com 8 anos. corrija isso e o conto melhora. Continua