# #

Catador de reciclado

878 palavras | 1 |4.60
Por

Sempre gostei de foder com caras em situação de vulnerabilidade, acredito que a carência faz com que o desempenho deles sejam melhor quando aparece uma oportunidade de foder alguem.

Sou casado, tenho 26 anos, estatura e corpo legal, moreno claro e viciado em caralho, trabalho como representante de vendas de uma indústria alimentícia e moro em Recife, nesse dia eu já tinha largado do trabalho e tomado umas cervejinhas com uns amigos antes de começar minha caçada de sexta-feira, dia combinado com minha esposa para eu poder “sair com os amigos”, quando já estava meio bebado, me despedi deles e rodei de carro no centro da cidade a procura de alguem, encontrei um cara catando reciclados, era um cafuçu clássico com mais ou menos 40 anos, parei o carro e comecei a mijar e conversar com ele, parecia q tinha uma ligeira deficiência mental, pois a conversa era meio besta, me perguntou se eu não tinha 2 reais, disse a ele que tinha, mas iria comprar uma janta pra nós dois, fui andando a pé até uma rua próxima que vendia muitas opções de comida e pedi dois yakisobas e duas cocas e voltei para o lugar que ele estava, ele me disse que morava em um quartinho na favela do papelão, não sei se foi um convite, mas por prudência, sugeri que fossemos para um lugar mais sossegado para comer, ele topou, coloquei a sacola de reciclados dele no porta malas e fomos para um motel, deixei ele comendo e disse que iria me molhar, disse pra ele ficar a vontade que eu iria demorar um pouco, fiz todo o processo de higiene, tomei meu banho e saí pelado, me secando na frente dele e por incrível que pareça, tinha quase certeza que ele não tinha percebido minhas intençoes, como eu disse, ele era meio besta e infantilizado, o quarto tinha uma banheira e ele tava curioso, perguntei se ele nao queria usar, ele disse que sim, pedi que ele tomasse um banho no chuveiro enquanto eu a enchia, ele tirou a roupa, fiquei encantado com a jeba do homem completamente dura, era do tamanho da minha fome, roliça e preta, com uns 20 cm, ele me olhava disfarçadamente, eu ainda nú resolvi por um porno enquanto ele terminava o banho, ele saiu do banho de pau duraço e eu deitado na cama esperando ele vir, mas o mané foi pra banheira, cheguei nele, entrei junto e já agarrei a pica dele, ele só deu uma risada desconsertada evitando contado visual, elogiei o pau dele, juntei com o meu e comecei uma punheta dupla com uma mão, taquei um beijo, tinha gosto de pinga, pedi pra ele se levantar e comecei a mamar o seu pau, ele urrava, levei minhas mãos até a bunda dele puxando o corpo para a frente até eu engolir todo o caralho, ele tava doido de tesão, peguei uma camisinha coloquei nele e pedi para ele sentar na cama, nos secamos de quaquer jeito e sentei em cima dele, fui descendo até sentir seus pelos e assim fiquei por alguns segundos, quando meu cu relaxou, comecei a quicar de forma franética, ele gozou em menos de um minuto.

-porra, já?
-hehehehe
-descance um pouquinho pra gente foder de novo.

Ele foi no banheiro se limpar, estava ainda com o pau meio duro, aguardei uns 5 minutos, cupei mais um bocado, pus outra camisinha e pedi pra ele me foder de quatro, que vontade que ele tava, parecia um adolescente fodendo pela primeira vez, não era muito de falar, mas estava fazendo como eu queria, pedi pra ele me dar uns tapa na bunda e me xingar e assim ele fez, sentei ele numa cadeira e pulava novamente em cima daquela piroca, tinha que tá sempre mudando de posição pra impedir dele gozar logo, quando eu já estava com o tesão a mil, fiquei de frango assado na cama e ele vei ligeiro, socava e eu pedia pra foder mais forte, pra arrombar meu cu, quando sentir que ele tava perto de gozar, acelerei minha punheta com aquela caceta estimulando ao máximo minha próstata, gozei na minha cara, e ele foi junto, de novo num urro espetacular, transcendi.

Estava mesmo precisando, mas ele estava mais.

Nos vestimos e saímos do motel, ele pediu pra eu comprar uma cachaça pra ele, dei 50 reais e disse que iria levar umas coisas pra ele em um outro dia no barraco dele, perguntei onde era pra deixa-lo lá, ele me guiou, chegando lá ví q era um quarto simples onde só havia uma cama, uma mesa com uma cadeira e uma mala onde ele guardava as roupas, me despedi e com alguns dias voltei lá pra deixar um ventilador e um celular antigo de minha filha, não levei comida pq não tinha fogão, mas chegando lá observei que havia uma espécie de fogão improvisado a lenha fora da casa, saí e voltei novamente com a comida, ele ficou muito feliz e como forma de gratidão fodeu meu cuzinho mais 2 vez esse dia.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,60 de 20 votos)

Por # #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder fdp

    famoso “tenho tesão em gente pobre”