# #

A visita ao sítio – Parte 1

1583 palavras | 2 |4.00
Por

Pensei muito antes de publica esse relato, porque ele é muito longo e precisei separar em duas partes se não ficaria ainda mais, mas espero que gostem

Quando meu namorado me chamou pra passar uns dias no interior onde ele cresceu, pensei que seria em uma cidadezinha que nem a minha, mas me enganei feio. Era um sítio enorme, quase uma fazenda em termos de terreno, só que sem gado. Mas o problema mesmo era que ficava no meio do nada, então não tinha sinal de telefone ou internet e a cidade mais próxima dava horas de viagem, basicamente seria um retiro da sociedade. Na hora que chegamos, fomos recepcionados por um dos tios dele que tomava conta do sítio, eram dois já que assumiram o local depois do falecimento dos avós do meu namorado. O coroa era mó gente boa, perdi as contas do quanto acabei rindo por causa do sotaque e o modo de falar dele. Dentro da casa conheci a esposa e uma das filhas dele, um pouco mais nova que eu, linda demais, morena dos olhos claro e uma mulher quase feita, esse tipo de pérola que nasce no meio do nada. Eles nos acomodaram no quarto onde a filha e o filho mais velho deles dormiam, então avisaram que depois do almoço queriam levar a gente pra andar a cavalo pra conhecer melhor o sítio. Na hora que estava checando minhas coisas na bolsa, percebi que tinha esquecido de levar meus comprimidos, então brinquei com meu namorado que teríamos de nos segurar na hora do sexo por aqueles dias e ele me respondeu que tinha levado camisinha, o que de fato me deixou desconfiada, até porque a gente só transava sem. Comecei a pensar na possibilidade dele também estar me traindo sem que eu soubesse, fiquei com isso na cabeça a tarde toda durante o passeio, já sou paranóica por vida, nem aproveitei direito a beleza dos campos. Quando voltamos pra casa no final da tarde, conheci o outro tio e o primo do meu namorado, dois homens que meu Deus… O tio parecia ser uns dez anos mais novo que o outro, alto, esbelto, grizalho e o primo era um pouco mais velho que a gente, um moreno forte e de estatura baixa, parecia ter puxado o pai nisso de ser entroncado. Tomamos um banho pra tirar o suor do corpo, tentei me insinuar pro meu namorado durante a ducha, mas ele reclamou de que tava cansado da viagem e do passeio, aumentando ainda mais minhas suspeitas de que realmente ele podia estar me traindo. Assim que comemos, ele foi pro quarto deitar e eu fui com ele, mas nem tentei mais nada, apenas fiz companhia até que dormisse e como tava um pouco cansada, acabei dormindo também.
De madrugada eu acordei com ele saindo do quarto, pensando que era pra beber água ou ir ao banheiro nem me incomodei, mas então comecei a notar que ele tava demorando demais, até perdi o sono. Notei que a prima dele também não tava no quarto, então sai atrás pra saber que palhaçada era aquela, já com o coração acelerado. Procurei pela casa e nada, fui pra parte de fora e tava muito escuro, fiquei com medo de acabar vendo o que não queria, literalmente, então voltei pro quarto e me deitei pra esperar. Quase meia hora depois meu namorado chega e eu disfarçando que dormia deixei que deitasse comigo. Senti o cheiro do sexo vindo dele, era o meu homem, sabia bem quando tinha acabado de transar, passei a mão nele como se tivesse me aconchegando e senti a pele molhada de suor mais que o normal, então tive certeza de que ele realmente tinha acabado de foder com outra pessoa e minha única surpresa era aquela prima. Nem consegui dormir pelo resto da noite pensando nisso, diferente dele que apagou. Me levantei antes dele acordar pela manhã e na mesa me encontrei com os tios que até se surpreenderam comigo acordando tão cedo, ficaram preocupados de não ter curtido a cama, mas eu expliquei que sempre acordava cedo pra correr e estava acostumada. Durante café eu tentei tirar aquele assunto da cabeça e ouvi que o tio gostosão iria pescar no riacho por onde tínhamos passado ontem, então perguntei se ele podia me levar pra que eu desse uns mergulhos depois e mesmo relutante, acabou aceitando ao pedido dos outros. Fui até o quarto pra pegar minhas coisas para tomar banho e olhei meu namorado numa cama e a prima em outra ainda dormindo quando todos já tinham acordado. Senti raiva na hora, mas tomei banho, vesti o meu short mais apertado sem calcinha por baixo e uma camisa de botões com os dois primeiros abertos pra dar um decote discreto, decidida a investir naquele coroa durante a ida ao riacho.
Coloquei a tolha no ombro e fui me encontrar com ele, só me decepcionou de não ter arrancado nenhuma reação dele a primeira vista, mas então pedi pra ir na frente montada no cavalo pra aproveitar a vista. Ele me ajudou a subir e subiu atrás de mim, dando um certo espaço que eu logo tornei inexistente durante os primeiros galopes do cavalo. Tratei de deixar minha bundinha um pouco empinada pra que ele a sentisse roçando por cima da roupa e durante o caminho puxei assunto pra deixar ele mais solto já que o homem parecia mais travado que internet lenta. Fui aos poucos conseguindo quebrar aquela casca e ao mesmo tempo plantar a semente do desejo nele até que em um momento me pediu pra segurar firme pois iria apressar o passo pra chegar mais rápido. Ne segurei onde deu e senti uma mão dele encaixando na minha virilha por cima do short enquanto que com a outra segurava firme ao bater as rédeas, fazendo o cavalo galopar bem mais rápido. Foi nesse momento que o quadril dele pareceu ir de encontro a minha bunda com mais intensidade, parecendo que tava bombando com força. Os dedos dele apertavam minha virilha, as vezes desciam mais e pressionavam bem na minha xaninha que já chorava por baixo da roupa, tive de morder o lábio pra não gemer com aquilo. Depois de alguns minutos, ele foi diminuindo o ritmo por estarmos chegando no riacho e com isso tirou a mão até que paramos. Ele desceu primeiro e me ajudou a descer também, mas só foi me colocar no chão pra me puxar e colar o corpo no meu, aperto minha bunda com as duas mãos. O mais engraçado é que ele não falou mais nada, somente me suspendeu pela bunda e eu passei as pernas ao redor dele pra não cair, dando liberdade pras mãos dele abrirem os botões da minha camisa, expondo meus seios que foram atacados pela boca dele, recebendo chupões e mordidas fortes que arrancaram gemidos meus. Naquela altura já tava cheia de tesão e pedi pra chupar o pau dele também, então ele me pôs no chão eu me abaixei, tirando o cacete pra fora da calça. Que rola gostosa, além de bonita era grande, grossa e bem proporcional, me deu mais vontade ainda de chupar, e olha que ele não facilitou, forçou tudo contra minha garganta, arrancou lágrimas dos meus olhos, literalmente fodeu com minha boca, deixei o pau dele todo molhado pra hora em que arrancou meu shorte e deitou por cima de mim na grama, encaixando a cabeça na entrada da minha buceta e entrando devagar até bater no meu útero. Fechei os olhos em um gemido rouco e ele começou a bombar com força, segurando minhas pernas ao redor do quadril dele conforme usava os joelhos dele de apoio pra meter rápido e forte, parecia uma máquina e delirava a cada metida, sentindo os lábios dele entre meu pescoço e os seios. Explodi em um orgasmo intenso que me deixou cheia de espasmos, ele se aproveitou e me colocou de quatro, empurrando minha cabeça pro chão e deixando a bundinha bem empinada pra que voltasse a comer minha xaninha. Cada estocada era um murro no meu útero e ele batia muito na minha bunda, deixou minha pele marcada de vermelho até nas coxas, suspendeu uma perna minha e socou mais forte ainda. Parecia estar descarregando tesão acumulado em mim, mas até hoje foi uma das melhores fodas que já tive. Quando estava pra gozar, saiu de dentro de mim e me botou pra mamar na rola dele de novo, afundando até soltar tudo na minha garganta, me obrigando a engolir aquela porra grossa toda de uma vez, quase perdi o fôlego.
Ele sentou do meu lado e continuou sem dizer nada, apenas quando viu que me recuperei foi que chamou pra nos banharmos no riacho, onde ele sentou a pica em mim de novo durante o tempo em que ficamos nele. Voltamos pra casa só no final da manhã, meu namorado tinha saído com o outro tio e a prima dele. Fui pro quarto pra poder trocar de roupa, pensando que não tinha ninguém em casa, até que o primo do meu entra e me encontra nua, toda marcada de tapa e chupão… Continua.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 12 votos)

Por # #

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Guilherme S.

    Eu adoro foder no mato, me deixa com muito tesão, mas aconteceu muito menos do q eu gostaria, mas as q aconteceram foram fodasticas.
    Suas histórias me deixam louco de tesão, com pau latejando, pulsando, quero dizer sua garganta e cobrir seu rostinho de porra.

  • Responder Anônimo

    Li o conto pegando no meu pau duro. É mt gostoso comer uma comprometida excitada. tem e-mail?