Primeira vez com a priminha

Autor

Ola, meu nome é Pedro (fictício), e o que passo a narrar aqui é totalmente real.
Eu começei a vida sexual muito cedo, e desde sempre o assunto sexo me desperta interesse, então eu vivia assistindo pornos e lendo revistas sobre o assunto; hoje tenho 36 anos, sou casado e tenho uma enteada de 14 anos com quem tenho algo, mais isso é assunto pra outra história.
Bem o que passo a narrar aconteceu no ano de 1198, à época eu tinha completado 15 anos e morava com minha mãe e meu padrasto em um loteamento na cidade de Jaboatão dos Guararapes em Pernambuco. Minha mãe criou minha prima Nayara( fictício) dos 3 aos 6 anos e depois mandou ela devolta pra minha tia que mora em São Luis no Maranhão, apesar de ser meio tarado eu nunca pensei em tar nada com ela pois eu a via como minha irmazinha menor. Os anos se passaram eu minha mãe como de costume vijava todo ano pra rever os familiares que moram no Maranhão, lembro que era fevereiro e fim do carnaval quando minha mãe retornou; qual foi a minha surpresa quando vejo que a tira colo ela trouxe minha priminha Nayara a tiracolo. Porém ela não era mais tão pequenina, ela ja estava com 10 anos, os peitinhos crescendo, coxas grossinhas e uma bundinja redondinha, a calça colada mostrava um capozinho de fusca delicioso tudo isso regado a uma cinturinha fina que me deixou louco. Além de tudo ela é baixinha e linda até hoje.
Ela foi recebida com festa la em casa mais a partir da constatação de que ela estava uma delicinha para a idade eu parei de ve-la como irmã mais mesmo assim não fazia ideia de como chegar nela, afinal ela tinha 10 anos e podia dar muita merda qualquer erro.
Passei dias brechando ela no banho pelas frestas da parede( a casa estava em construção então o tijolo ainda estava aparente) e descascando altas punhetas em homenagem a ela; mais foi ela que tomou a iniciativa.
Como todos sabem, a diversão de muitos adolescente no sábado de madrugada antigamente era assistir Emanuelle no cine prive, e comigo não era diferente.
Estava la eu na sala com todas as luzes apagadas e homenageando Emanuelle refastelado no sofá, quando escuto aquela voz falando baixinho no meu ouvido:
– Que pau grande Pedro. Imediatamente tomo um susto e ao olhar pra tras vejo minha prima com uma camisola branca que na luz da tv dava pra ver bem através dela. Após me recuperar do susto eu pensei que não podia perder essa oportunidade e disse com um sorriso safado na cara:
– Quer pegar? Ela respondeu
– Posso mesmo. Eu disse
– Claro que pode. Pra minha surpresa ela se abaixou na minha frente e colocando as sandalias embaixo do joelho pra não machucar no chão de cimento cru e caiu de boca numa chupada maravilho digna de profissional, ela engolia o pau todo e depois voltava se concentrando só na cabeçinha para depois voltar a engolir meu pau todo de novo, enquanto fazia isso ela sincronizava a chupada com uma punheta maravilhosa. Não demorou pra mim gozar tudo na boca dela, ao que ela engoliu tudo.
Quando terminou eu perguntei onde ela aprendeu a chupar assim, ela disse que fazia isso com o vizinho em troca de picole Eu perguntei:
– E você faz mais alguma coisa? E ela
– Não só isso. Então eu disse que ia ensinar mais coisas a ela, e puxei ela pro leu quarto.
Chegando lá tratei de tirar a rouoa dela e pus ela na cama, ai eu pude ver aquela bucetinha linda com os pelos nascendo todo aberta me esperando. Cai de boca. Chupei aquele grelinho delicioso e enquanto ela se contorcia de prazer eu mlolhava meu dedo médio em seu suco que escorria e colocava no seu cuzinho, no começo ela fazia carinha de dor, mais como chupava seu grelinho a expressão logo mudava pra de prazer; logo tava com o dedo todo emfiado em seu rabo e o pau duro como pedra.
Senti ela tremendo todo e abafando o gemido com o travesseiro em seu rosto.
Levantei e perguntei se ela gostou, ela ofegante só perguntou o que tinha acontecido e eu respondi que ela tinha gozado e ficaria ainda melhor com meu pau em sua buceta, ela só disse que tinha medo de deixar porque suas amigas haviam dito que doia. Eu lhe disse que só doia no começo então ela se deitou por vontade própria, abriu as pernas e disse:
-Vem primo, em você eu confio, me ensina tudo que você sabe.
Logico que fui.
Primeiro chupei um pouco o grelo dela ora ela relaxar e depois me ajoelhoei entre as pernas dela e posicionei meu pau bem na entradinha, deitei por cima dela e enquanto chupava seus peitinhos fui empurrando até sentir o himem dela na cabeça de meu pau. Ai nessa hora beijei a boca dela e empurrei até sentir o hímen rompendo, ela deu um urro que foi abafado pelo beijo. Ai tirei o pau sujo de sangue e com um papel higienico limpei o sangue de meu pau e de sua buceta. Ao fim continuamos, ela gemia baixinho em meu ouvido de dor, mais logo os gemidos foram passando para palavras desconexas e pedido de enfia mais e mais rápido, acelerei as bombadas e fui sentindo o calor e o aperto daquela bucetinha ex virgem mordendo meu pau. Senti meu pau inchando dentro dela e espasmos na buceta dela quando gozamos juntos. Ficamos abraçados se beijando e ela confeçou que sempre quis perder a virgindade comigo. Disse a ela que ela era uma delicia e que ensinaria tudo a ela. Depois disso ela foi em silêncio pro seu quarto.
Tive muitas aventuras com Nayara depois disso. Se quiserem e gostarem deste conto comente e eu conto como comi a bundinha dela na próxima.
Garotas que quiserem trocar experiências me escreva. chacal2832@outlook.com.
Ps: Me desculpem por possiveis erros de ortografia ou narração, é a primeira vez que narro algo e gostaria de sugestões se não gostarem ou o que eu deveria mudar.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,68 de 25 votos)
Loading...