O sub mundo dos depravados

Sou taxista a 26 anos aqui no Rio. Tenho 48 anos, bi passivo enrustido. Estou aqui pra relatar algumas aventuras excitantes q já vivi, nas madrugadas desta cidade maravilhosa.
Sou gordinho, calvo,e tenho consciência, q a única coisa bonita q tenho é minha bunda branca, volumosa ,lisa e carnuda.
Minha tara é por sexo casual, com extranho, em locais públicos. Tenho preferência por pessoas ,assim como eu, simples e humildes.
Ao longo de tantos anos de profissão, descobri pointers maravilhosos, onde posso me satisfazer sexualmente, com homens afins.
Desta vez vou falar da rodoviária novo rio e adjacências, como o cais do porto.
Sempre trabalho a noite, e costumo parar por volta das 2 HS da madruga, só então vou a caça de uma boa aventura.
O local é frequentado , basicamente, por rodoviários, garçons, estivadores, desocupados, moradores de rua, drogados etc…
Entre as ruas e vielas escuras, sempre tem um trailer ou barraquinha,vendendo cerveja, cachaça e churrasquinho. É ali q sempre paro pra tomar uma geladinha
A grande maioria dos q estão ali, tá afim de putaria. Experiente, sondo os caras, com olhar atento, sempre de olho, no volume de suas picas. Logo alguém percebe meu interesse e se aproxima, pedindo pra eu pagar uma bebida.
Foi assim, semana passada. O cara era mulato magro e alto, trintão. Eu já o tinha visto ali, outras vzs, é um catador de papelão, q trabalha com uma carrocinha.
Paguei um conhaque e torresmo pra ele. Enquanto bebia, eu já patola a sua pica, sobre a bermuda.

Paguei a conta e saímos, pra um beco escuro ,ali próximo. Paramos atrás de uma caçamba de entulhos e fui logo caindo de boca no picão dele, sem me importar com o cheiro de mijo e sebo.
Mamei gostoso por uns dez minutos, depois desci a calça e perguntei se ele queria fuder.
— quero, mas me dá 10 reais— disse , já com o dedo no meu cu.

Sabendo q ali, nada é de graça, concordei, me apoiando na caçamba.
Tomei no cu gostoso por uns quinze minutos, até ele gozar, me enchendo de leite, fazendo valer cada centavo.
Ali mesmo paguei a ele, q agradeceu e saiu pra um lado e eu pro outro.
É assim q geralmente as coisas acontecem por ali.
Mais tarde fui até ao banheiro da rodoviaria. Subi pro segundo piso, onde rola mais putaria. Como esperava tava lotado. Ali ninguém se esconde de nada, todos ali, teem o mesmo objetivo. Uns querem dar outros comer (ou as duas coisas)
Com os três Boxes ocupados, tem q fuder do lado de fora mesmo.
Em dois minutos eu já estava chupando e tomando no cu ao mesmo tempo.
É incrível a rotatividade de machos ali dentro. Além de rodoviários, taxistas, e viajantes, indo ou chegando, tem tbm os desocupados, zeladores e porteiros de prédios.
Depois de uns 40 minutos, sai de lá com o cu escorrendo porra e a boca colando de tanto chupar rola.
Já satisfeito,voltei ao trailer, pra tomar a saideira e ir pra casa. Enquanto bebia,vi o cara q tinha me comido no beco, junto com um magrelo noiado.
Ele veio até a mim e abriu o jogo:
— aí, meu parceiro tá afim de 5 reais pra comprar um bagulho, tá afim?

Como não sou de desperdiçar pica, fui pro beco com o cara. Seu pau era pequeno e fino, mesmo assim valeu a pena , pelos 5 reais.
Em casa, sentado no vaso, expelir enorme quantidade de porra. Aquela, tinha sido uma noite bem gratificante. Foram cinco gozadas no cu e tres na boca.
Sob o chuveiro, bati uma punheta , depois fui dormir, o sono dos justos, sem nenhuma culpa.
Comentem, tenho outros relatos.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,25 de 12 votos)
Loading...