o macho gostoso

Autor

O macho gostoso
Sou Carlos, todos já me conhece de outras aventuras, sou bisexual e adoro tudo de sexo, essa vez foi com um amigo.
Crescemos juntos e namoramos muitas meninas, sempre que tínhamos chance elas acabavam sendo comidas por nós, muitas vezes preparávamos o terreno e quando um estava comendo chegava e elas ou eles tinham que dar para o outro também, senão íamos contar para o pessoal.
Notava que ultimamente ele ficava olhando minha bunda, que apesar de tudo é bem durinha e grande, fazendo com que muitos machos estivessem interessado.
Depois que experimentei a fruta sempre tive prazer e ser puta de uma macho gostoso.
Fomos a uma festa e ele estava com sua esposa, ficamos conversando e dançando, depois de ter ingerido bastante bebida, fui tirar a água do joelho.
Mijei, balancei e tava guardando o pau quando de repente senti alguém me abraçando por trás. Era o Rodrigo, aquele puto!
Tentei dar uma cotovelada nele, mas o filho da puta me segurava forte, me encoxando contra a árvore. Deu uma mordida no meu pescoço e senti o cheiro forte de bebida.
Ele deu uma risada e falou que não ia me forçar a nada. Desceu a mão até o meu pau e apertou enquanto dava um beijo atrás da minha orelha. Depois disse bem baixinho:
– Sua bundinha ia ficar ainda mais gostosa com roupas femininas. Mal sabia ele que eu já tinha usado algumas vezes com machos que adoram casados putas como eu e de roupas femininas.
Disse isso e deu um tapa na minha bunda. Depois me soltou. Fiquei ofegante por um momento, uma sensação estranha por ter sido dominado por ele. Quando me virei ele já estava desaparecendo em direção à multidão.
Naquela semana eu já tinha batido uma punheta olhando a foto da festa do fim de semana anterior. Fui motivo de piada da galera, porque fizeram uma foto minha dançando e o Rodrigo olhando pra minha bunda e pegando no caralho. Foi tudo zueira, eu tava dançando e zuando com todo mundo, me esfreguei nas meninas e nos caras, minha esposa tava se divertindo pois de vez enquanto vinha um cara e a encoxava.
Retornei para o lado da minha esposa e comentei o que tinha acontecido, ela disse deveria ter aproveitado, mas aqui ia ser difícil, fomos para casa e lá transamos bastante ela pensando nos machos e eu no meu amigo.
Uma vez ele mesmo tinha mostrado um vídeo no celular dele comendo uma menina. Notei seu caralho grosso e grande, depois descobri que tinha 18×4. Estava com um tesão por meu amigo.
Levantei e fui até a frente do espelho, pelado. Eu tinha um corpo normal, mas uma bunda realmente redondinha e dura.
Fui até a gaveta da minha esposa, que já tinha saído para levar as crianças na escola e ir para o trabalho. Vi uma calcinha de seda preta ela gostava de usar, quando ia sair com um dos seus machos. Pois ela adorava usar e deixar seus machos louquinhos com ela. Era toda cheia de rendinha, meio transparente. Peguei e vesti. Quando senti ela enterrada na minha bunda, as
polpinhas de fora, senti um tesão da porra! Meu pau endureceu e meu cuzinho ficou piscando pensando no meuu amigo.
Peguei um shortinho de lycra dela e botei por cima da calcinha. Depois peguei um top e vesti também. Estava adorando, afinal sempre procurei dar prazer e fazer o que o macho gosta, e eles adoram ver você com roupas femininas, como uma putinha.
Fiquei um tempão olhando para o espelho e imaginando o Rodrigo chegando por trás, me beijando e arrancando minha roupa à força.
Vesti uma calça jeans por cima daquele shortinho e um blusão por cima do top e saí pra rua. Ninguém ia saber que por baixo eu era uma putinha mesmo. Mas o engraçado é que eu me sentia uma putinha, mesmo com a minha roupa por cima.
Encontrei com ele na rua e fomos tomar um refresco e ficamos conversando.
Ele perguntou: porque não combinamos de fazer algo na sexta? Chama sua esposa a minha deverá ir.
Expliquei que ela ia sair com sua irmã e nossos filhos.
Podemos pegar uma praia e jogar um voley, apesar dele saber que tenho uma turma boa e jogamos sempre.
Na sexta, antes de sair, já com a minha mochila pronta, peguei algumas roupas femininas que estava acostumada a usar.
A viagem foi ótima. Fomos no carro dele, para Búzios, onde ele tinha um amigo que emprestou o apartamento para ele. Saimos a noite para ver a forte, ele resolveu que eu tinha que passar protetor e ao fazer isso encostava o caralho na minha bunda. Olhei e tava durão. Ele riu dizendo que não deu pra aguentar, que minha bunda era muito gostosinha, mas que eu ia ficar melhor ainda de fio-dental. Ele viu que eu não tinha pelos e disse que se eu botasse um fio-dental e ficasse de costas, era uma mulher perfeita! Ele disse isso rindo, mas eu gostei do comentário.
Entramos na água e as brincadeiras começaram, encoxa daqui, encoxa dali, eu encostava de leve a mão no pau dele… Coisa de bêbado.
Iamos voltarpara o apartamento, antes passamos numa lanchonete onde comemos alguma coisa.
Quando chegamos, já fui direto tomar banho. Ele veio atrás sem cerimônia e já foi tirando a roupa também. Entramos juntos debaixo do chuveiro e quando vi ele já estava de caralho duro. Ele parecia bem relaxado eu antevendo o que poderia acontecer com aquele macho gostoso.
Dentro daquele box apertado, os dois se ensaboando debaixo do chuveiro, a gente rindo pra caralho da situação e os caralhos a toda hora roçando um no outro. Ele falava:
– Sai pra lá com essa porra, não encosta em mim não!
Eu ria e virava de costas pra ele. O safado ficava então roçando aquele caralho grosso e delicioso na minha bunda e encostando a cabecinha na minha bunda. Eu estava louca de grelinho duro, quando senti ele encostar em mim.Aí teve uma hora que ele simplesmente me agarrou por trás, virou meu rosto e deu um beijo na minha boca.
Fez isso e me soltou. Sentir sua boca deliciosa mexeu mais ainda comigo, me dando vontade de me entregar completamente aquele macho experiente e gostoso.

Fomos paro quarto e deitamos, pelados. Nos abraçamos e começamos a nos beijar, as mãos passeando por todo o corpo, eu explorando seu peitoral, ele agarrando minha bunda com as duas mãos. Peguei no caralho dele, aquele mastro já tava empinado pra cima, louco pra ser devorado.
Ele não forçou nada, ficou alisando meu cabelo e esperando que eu tomasse coragem. Parecia que já me conhecia e sabia que eu adorava ser puta de um macho gostoso. Só sei que aquele cheiro de pica, aquela visão daquele pau na minha frente… eu não resisti e segurei ele com uma mão. Depois comecei encostando os lábios. Depois beijei ele todinho, com a boca meio aberta. Lambi o saco dele, bati com o pau na minha cara e enquanto olhava pra ele, enfiei todinho na boca, sentindo aquele sabor pela primeira vez.

Depois disso eu virei a puta dos meus desejos mais proibidos. Chupei com vontade, me engasgando, sentia a cabeça percorrendo minha língua, ia de cima pra baixo, de baixo pra cima, às vezes devagar, às vezes mais rápido… Apertava o caralho dele até sair aquele líquido transparente da cabeça e eu lambuzava os lábios com esse néctar. Depois dava mordidinhas… Brincava com seu caralho com prazer.
Percebi que ele gostava quando eu engolia todo caralho dele porque gemia feito louco. Seu caralho estava durão, peguei novamente e forcei bem no fundo da garganta mais uma vez e senti quando aquela tora começou a pulsar espirrando porra dentro da minha garganta. Eu tentei tirar, mas ele não deixou, gemendo enquanto eu engolia todo aquele leite.
Nós nos abraçamos e dormimos assim. Quando acordei no dia seguinte pela manhã, era um domingo, ele tinha saído . Encontrei um bilhete dele no criado-mudo onde ele havia escrito: “Adorei nossas loucuras. Encontrei algumas roupas femininas que tinha levado.
No horário que ele combinou, fiz o que ele pediu. Vesti o conjunto de calcinha (um fio dental que gosto de usar e eles mais ainda de ver) e sutiã, brancos, coloquei a calça de leg preta, a blusinha. Fui até o banheiro me maquiar, tinha levado tudo na minha mochila, inclusive baton. Achei uma sandália, peguei ainda uma saia amarela acetinada bem justa que chegava até a metade das minhas coxas e o visual ficou completo.
Quando ele chegou.
Ele ficou surpreso quando me viu, mas parece que gostou, porque me tascou logo foi um beijo! Me agarrou pela cintura como se eu fosse sua menininha, puxou para bem perto e deu outro beijo bem demorado.
Entramos no carro e ele disse que íamos passear. Eu queria dar. Desabotoei sua calça enquanto ele dirigia e tirei seu caralho para fora, ainda meio mole. Dei umas mamadas e ele viu um motel, se dirigiu ao mesmo e na garagem, deu a volta e eu abri a porta do meu lado. Ele em ficou em pé enquanto eu mamava seu caralho. Falei: já estava com saudades dele.
Ele só deu uma risada de safado e me puxou pra junto dele, segurando minha bunda com as duas mãos por debaixo da saia. Fomos para o quarto, ele tirando minhas roupas, me deixando somente com o fio dental. E beijou, sua língua parecia querer me deflorar. Foi descendo até meu peitinho e começou a chupar e morder de leve a ponta, me fazendo ficar arrepiada e quase gozando de prazer. Me virou e baixou meu fio dental, e começou a meter a língua no eu cuzinho, me fazendo ficar molhadinha e ele piscando, fazia círculos no meu cuzinho, depois enfiou um dedo nele, gozei na hora, ele me fazia ficar louca para ser comida, o tesão era demais. Eu implorava para ser comida, ele falava, calma Carla, você vai ser bem comida. Via que ele era um macho que sabia comer um cuzinho com prazer fazendo você gozar antes de enfiar seu belo e gostosos caralho no meu cuzinho.
Seu caralho já estava melado, com aquele pré-gozo. Forçou devagarinho na minha bunda e pedi pra ele ir devagar, pois adoro ser comida com carinho e sem pressa. Ele foi muito carinhoso. Passava a mão pelos meus cabelos, me chamava de Carla, dizia que eu era sua putinha e cada vez que ele falava uma putaria, eu relaxava ainda mais e ia deixando ele entrar em mim. Seu caralho foi deslizando e entrando, eu agarrando o travesseiro sentindo ele entrando bem devagar, ao sentir seu saco bater na minha bunda, vi que ele estava todo dentro de mim, comecei a rebolar no caralho dele, me chamava de putinha safada. Eu apertava seu caralho com meu cuzinho, ele não aguentando mais gozou, e gozando, senti um jato quente me invadir enquanto ele enfiava ainda mais fundo em mim e gemia muito me deliciando com aquele prazer. Ficou me beijando até que senti seu caralho saindo do meu cuzinho junto com o gozo dele. Levantei e fui sentindo o prazer do macho nas minhas pernas. Fui me lavar e logo ele entrou no box e começou a me beijar e passar a mão na minha bunda me fazendo ficar de grelinho duro, me abaixei e cai de boca no seu caralho, mamei como uma puta e depois de certo tempo ele gozou me enchendo a boca. Mamei e limpei seu caralho, ele me beijou e ficamos agarrados juntos, até que fomos deitar e dormimos, acordei com ele passando a língua no meu cuzinho, pedi para ele me comer, ele me atendeu e enfiou seu belo e grosso caralho no meu cuzinho, falando que ia querer sempre me comer, pois eu tinha sido melhor do que muita puta que ele comeu.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,75 de 8 votos)
Loading...