Sou bi e dai?

Autor

Meu nome é Samir, o que eu vou relatar é um caso verídico , aconteceu quando eu morava em na periferia de S. Paulo. Eu morava em um daqueles cortiço em que moram varias famílias, onde não se tem privacidade nenhuma, todos sabem quando você esta trepando ou peidando. Eu e minha esposa se dava bem com todos os moradores, todos gente boa. Nossos vizinho de parede era um casal de evangélicos daqueles bem tradicional e bem rígidos na sua religião, eles tinha um casal de filhos, a Dani e o Guto, O Guto era o mais velho tinha uns dezessete anos, era magro e não muito bonito. Eu nunca tive atração por homem, para mim só buceta interessava, sempre adiei os planos de ter filhos para ter a bucetinha da minha mulher a hora que eu quisesse. Tudo começou a mudar em um dia que eu fui dispensado mais cedo do trabalho, cheguei em casa tomei um banho, como a minha putinha estava trabalhando fiquei vendo um filme pornô e batendo um bronha bem gostosa, depois de gozar fui ao banheiro lavar o meu pau que estava todo babando de gala, nesse momento eu ouço gemidos de foda vindo da casa do vizinho evangélico, fiquei curioso porque os dois estavam trabalhando, a Dani ainda era uma criança, só podia ser o safado do Guto, fui para sala e deixei a janela entreaberta e fiquei esperando para ver quem era a garota que ele estava comendo. Quase cai para traz quando vi o Gilson sair da casa do Guto com ar de quem estava fazendo coisa errada. Fiquei curioso para saber quem era a putinha nessa historia. Não contei para ninguém, nem para minha mulher. Passei vários dias só pensando nos dois se beijando e se chupando, comecei a fantasiar como era as picas deles. Certo dia encontro o Guto no ponto do ônibus a caminho da escola e começo a puxar conversa, depois de alguns minutos falei que tinha visto ele e o Gilson se pegando, o moleque mudou de cor, começou a gaguejar e pediu por todos os santos para eu não contar aos seus pais, e quase chorando disse que faria qualquer coisa que eu pedisse, falei para ele ficar tranquilo que eu não ia falar para ninguém. Certo dia ele bati na minha porta pedindo uma chave de fenda emprestada, como eu moro só com a minha mulher ando sempre pelado ou só de cueca em casa, abro a porta e peço para ele esperar na sala, quando entrego a chave percebo aquele olhar disfarçado para o volume da minha cueca. Quando ele sai, sobe um tesão tão grande que meu pau fica duro como pedra. A parti desse dia minha vida sexual passou a mudar, eu que nunca tive tesão por macho, estava desejando um moleque que mal tirou as fraldas. Quando minha mulher esta me chupando eu fechava os olhos para pensar que era ele que estava com a minha tora todinha na boca, passei a pedir para ela chupar o meu cuzinho e enfiar o dedo, era tão gostoso que queria algo maior, passei em um sex shoping e comprei uma pica de silicone para ele enfiar no meu cuzinho, eu gozava como louco, mas era pouco, eu queria mesmo era o Guto enfiado no meu rabinho. Como eu não trabalho aos sábados e fico sozinho em casa, mandei um recado para o Guto e lá em casa que eu queria falar com ele, em dois minutos ele chegou e foi logo perguntado o que eu queria, mandei ele entrar fechei a porta e pedi para ele não fazer barulho, disse para ele ir ao banheiro e tomar um banho e voltar pelado, ele obedeceu sem entender nada. quando voltou eu já estava nu com o pau babando, ele olhou e foi chegando mais perto e pegou no meu pau e começou a acariciar a cabeça toda babada, pedi para ele dar uma chupada que eu queria gozar bem gostoso na sua boquinha de veludo, ele chupava como uma putinha no cio, eu já estava prestes a gozar quando ele levantou e me deu um beijo de língua, foi tão gostoso sentir aquela língua de macho com gosto de pica na minha boca, que eu não queria mais largar. Depois de um certo momento foi que eu fui sentir uma coisa quente e dura roçando a minha barriga, passei a mão e sentir pela primeira vez uma rola dura nas minhas mãos, fiquei todo arrepiado, o meu cuzinho começou a piscar, mandei ele sentar e fui direto mamar aquela pica morena com a cabeça roliça, como eu nunca chupei uma pica, fiquei meio sem jeito, comecei a lamber aquele melzinho salgado que sai quando um macho esta extado, lambia a cabeça daquela pica como um sorvete de chocolate. Aos pouco fui acostumando com ela na minha boca e engoli toda pois a mesma não era tão grande. O safado do Guto gemia e falava bem baixinho que eu era um viado velho e queria gozar na minha boca, e era para eu engolir toda a sua porra, isso me extava ainda mais, adoro ser chamado de viado, de puta, vadia. Comecei a aumentar os movimentos e a engolir o seu pau cada vez mais fundo, foi quando ele gozou e encheu a minha boca com aquele liquido gostoso que eu engoli todo. Descansamos um pouco e ele já estava de pau duro, voltei a mamar bem gostoso para deixar o pau dele bem limpinho. Foi quando ele disse que queria comer o meu cuzinho, que eu era uma viado safado e ia me transformar em uma putinha, mandou eu ficar de bruços abrir as pernas e empinar a minha bunda que ele ia dar um trato. ele começou a dar uns tapas daqueles que só dar prazer e sempre dizendo que era a sua puta, depois começou a beija toda a minha bundinha e foi chegando no meu cuzinho que já estava louco para receber sua primeira rola, e começou a chupar bem gostoso as vezes forçava a língua para ver se entrava com tudo no meu buraquinho, Já estava quase gozando, quando ele parou e disse que ia fazer a sua putinha gozar pelo cu, e me colocou na posição para receber aquele pica gostosa, como eu era uma virgem, pedi para ser bem carioso e botar bem devagar, ele foi pincelando o meu buraquinho para eu ir me acostumando, as vezes tentava botar a cabecinha bem devagar, depois tirava, ele perguntou se eu já estava pronta para ser uma puta vadia e receber o seu caralho todo no meu cuzinho, respondi que era o que eu mais queria, pedi para ele enfiar sua rola todinha no meu cu, e fui atendido, ela foi entrando bem devagar, foi me alargando era dor misturada com prazer, quando sentir sua rola todinha dentro de mim, eu não aguentei de tanta emoção, eu já era mulher, e me comportei com tal, gemia como uma puta pedia mais rola rebolava como uma louca. Pedi para ficar por cima , essa sempre foi a fantasia que eu sempre tive , rebolar em cima de um rola e gozar beijando o meu macho como uma fêmea. Trocamos muitos beijos e ele sempre dentro de mim, foi quando eu sentir o pau dele tocar a minha próstata e comecei a aumentar os movimentos e sentir a sua rola latejar no meu cuzinho e encher ele de porra, e nesse momento chegamos juntos ao orgasmo. Hoje eu e o Guto somos amantes, mas em segredo, caso um dia esse romance acabe, eu serei sempre uma puta atrás de uma rola bem gostosa.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,83 de 12 votos)
Loading...