O Garoto da Mercearia

Este conto um tanto bizarro e podemos até falar infantil, meu nome é Anna, sou morena, cabelos compridos estilo afro, seios médios, bundinha grande,25 anos com 1,63 mts com 55 kgs, casei-me recentemente, meu marido um negro alto e forte, trabalha como funcionário publico no depto cobrança de impostos na prefeitura de nossa cidade, aqui no estado do Rio, não falarei qual, pois por ser uma pequena cidade, logo poderiam saber quem ele é e assim me comprometendo. Fomos morar no andar superior em cima de uma mercearia do Sr. Aníbal um senhorzinho muito prestativo que contratou Cleber um adolescente de 15 anos , espinhas na cara, boné muito atento á tudo que se passava ao redor da mercearia.
Casamos e nos mudamos numa segunda-feira chuvosa, já tínhamos arrumado tudo , a casa estava prontinha, retornamos de lua de mel neste dia, paramos o carro e como voltamos da praia, estava com um vestido de malha , que realçava meu corpo e um certo decote á mostra, descemos as malas e lá veio o Cleber todo prestativo, se prontificando a nos ajudar, meu marido deu uma medida no garoto que não se intimidou e foi logo pegando uma das malas para levar para cima. Meu marido subiu na frente , eu em seguida e o Cleber logo atrás, senti um arrepio nas costas, sabia que ele estava me observando, dei uma olhadinha por cima dos ombros e vi que ele mantinha uma distancia tentando ver minha calcinha, acelerei a subida e agradeci á ajuda e o dispensei, não gostei da atitude dele , mas como todo garoto nesta idade tudo é motivo para divertir-se . O fato é que isto começou a virar rotina, eu não trabalhava, apenas estava me preparando para um concurso que haveria em breve na prefeitura, saía para fazer pequenas compras, pois recém casados sempre há coisas para se comprar e a cada subida percebia que Cleber olhava para cima tentando ver o proibido, cheguei a descer logo em seguida para dar uma bronca nele, mas como o via entrando no banheiro da mercearia , já imaginava o que ele estava fazendo.
O tempo foi passando e isto estava me incomodando a cada dia mais, quer eu ao sair do carro, ou subir a escada, estava prestes a reclamar para meu marido, mas como sabia que seu gênio era um tanto agressivo poderia haver algo de ruim e também não queria causar problemas com a vizinhança.
Entao resolvi mudar de tática, comecei a alimentar o tesao e as fantasias daquele garoto, ao sair do carro , abria mais as pernas e ao subir as escadas empinava minha bunda para que a saia ficasse mais alta e mostrasse mais, sabia onde encontra-lo após estas cenas.Entrava na mercearia e me sentia comida por ele, me olhava como um lanche que poderia devorar-me em segundos, ria internamente e sempre que podia abaixava para pegar algo e assim mostrava um pouco mais.
Meu marido decidiu fazer um curso de contabilidade para que assim pudesse ser promovido e com isto chegaria mais tarde durante 3 dias na semana eu não me importava , até que vi que não era tão procurada como antes, já estávamos com 7 meses de casados, havíamos namorado 6 anos ,parecia que havia uma certa falta de interesse, mas preferi entender como que cansaço devido a jornada de trabalho e estudo. Numa tarde já havia limpado a casa e como ele não viria para jantar, resolvi fazer um lanche e desci do jeito que estava vestida para comprar frios e pão de forma. Entrei e prontamente Cleber me atendeu e foi providenciando tudo o que pedia ao pagar ele me disse que levaria para mim por mais que eu dissesse que não haveria necessidade ele insistiu, eu pensei ah hoje eu dou um jeito neste moleque, aceitei e subimos para casa, ele entrou foi retirando as compras e colocando na mesa eu comentei para ele me aguardar que iria recompensa-lo. Estava suada de saia de malha e camiseta, entrei no meu quarto e tirei minha calcinha e voltei para a cozinha, peguei uma escadinha e fui pegar a lata de arroz que estava na parte superior do armário. Ao subir na escada tinha certeza que ele olharia e não me fiz de difícil, fui subindo e a cada degrau percebia que sua respiração ficava mais rápida, vi o estrago que estava causando, pelo movimento em sua bermuda. No degrau mais alto falei para ele, pode me ajudar e assim ele posicionou se praticamente debaixo de minha saia e transpirava ao ver minha xaninha depiladinha á mostra, perguntei esta gostando do que está vendo? Cleber nem respirava direito e gaguejando disse ssimm, fui descendo e ele manteve sua cabeça até que minha xaninha ficou em sua cara, falei para ele se já havia ficado tão perto de uma buceta, ele nem falava direito, falei vamos garoto o que está esperando?
Cleber olhava como se fosse algo de outro planeta, sabia que já havia visto fotos, pois diversas vezes o vi com revistas masculinas, mas sabia que era virgem e esfreguei lentamente minha xaninha em sua cara , suada subi e desci varias vezes , me excitando, vi que ele se masturbava, falei na não aqui não, fala sua parte que eu lhe darei um trato, me chupe , passe sua língua nela vamos eu irei te ensinar, ele lambia ela inteira, passava as mãos em minhas coxas, um tesao começou a invadir meu corpo, não era esta minha intenção, era de apenas deixar ele mais excitado possível, mas a brincadeira estava tão boa que não parei, ele me lambia e suas mãos percorriam minha coxa e bunda,comecei a molhar mais ainda , misturando meu suor e meu tesao , ele se divertia com a chupada, peguei sua cabeça e forcei junto de minha bucetinha encharcada e gozei muito forte, ele não entendeu e continuo a chupar, tirei sua cabeça e falei bem garoto agora irei lhe recompensar, desci da escada e abaixei sua bermudas e me surpreendi com seu pau, já havia melado sua cueca, desci ela ate o chão, peguei seu pau e comecei a brincar com ele em minhas mãos, sabia que isto não duraria muito, nesta idade o controle não é o forte, nem cheguei a colocar na minha boca e ele gozou forte em meus peitos, disse calma meu homem, ainda não acabei e engoli seu pau, ele gemia se contorcia, pediu vamos deitar deixa eu colocar na sua buceta, eu disse não garoto ainda não é para seu bico, precisa de mais tempo e continuei a chupa-lo enquanto ele me via me masturbando, em pouco tempo perguntei se iria gozar, ele fez um sinal afirmativo e assim me intensifiquei em minha chupada , Cleber me avise quando for gozar,nem terminei a pergunta e encheu minha boca com sua porra, engoli tudo , olhei para ele com seu pau em minha boca ele estava zonzo, subi sua cueca e bermuda e disse foi bem recompensado? Sim dona Anna.
Ate hoje eu me lembro deste episodio, ainda brincamos outras duas vezes, ele jamais meteu em mim, hoje ele namora e as vezes vem se confidenciar comigo sobre como fazer a namorada feliz, somos bons amigos e ensino tudo para ele.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,00 de 1 votos)
Loading...