# # # #

Eu chuva a rola do meu sobrinho mais novo que eu quando pequena P1

913 palavras | 2 |4.33
Por

Relato verdadeiro de quando eu era mais nova e fazia traquinagens no mato escondida da família no sítio, desde nova sempre tive o desejo de ser sub

Oi gente, sou a Le tenho 22 anos, sou negra, gorda e bucetuda.
Gente tava lendo os comentários do meu último relato e teve uma querida que falou da sua experiência de ser abusada quando mais nova a Marimene, não sei se é assim que se escreve, mas desde já, agradeço por seu comentário.
Como vcs já devem ter percebido eu sou uma vagabunda, mas engano de vcs se pensam que eu só virei uma cadelinha depois de velha, não mesmo amores.
Tenho um sobrinho, que eu sou mais velha que ele dois anos, ele sempre foi sempre bem machinho desde novo e eu uma abestalhada, gente ele me batia bastante, viva de mandar em me e me fazer chorar, mesmo eu sendo mais velha que ele.
Quando a gente era bem novinhos, um dia ele me chamou para brincar nos matos que tinha atrás de casa e disse que não iria me bater, recusei no começo, mas ele disse que se eu fosse ele me daria um pirulito bem gostoso para chupar, gente sempre fui bestinha e amava doce desde muito nova, por isso sou uma cadelinha gorda, aceitei ir com ele, pois estamos nos dois só, minhas irmãs tinha ido para a escola e meu pai tinha ido levar minha mãe para o médico. Sei que parece irresponsabilidade deixar duas crianças em um sítio só, mas a região é bem calma e nem um mau iria acontecer com a gente, pelo menos era isso que eles pensavam.
Bem eu fui com ele, vou chamar meu sobrinho de Fernando, gente serio nunca contei está história para ninguém, sempre tive medo de ser julgada. Mas hoje em dia mesmo me entendo uma cachorra safada, meio que ainda tenho medo e receio desta parte da minha história, como poderia uma criança sentir tanto tesão como eu?
Mas vamos para a história, ele me levou para uma parte da mata que tinha atrás de casa que era, um canto meio limpo, bem, mas bem escondido. Chegando lá a gente forrou uns panos que tínhamos trazido, pois a gente iria brincar de casinha.
Pois bem, quando eu tinha arrumado as cobertas no chão ele disse que iria fazer comigo o que ele tinha assistido no dvd que o pai dele tinha (meu irmão), aí eu toda inocente perguntei o que era. Foi quando ele tirou uma faca do bolso do calção que ele tava e disse que se eu não obedece ele, ele iria me matar e ninguém nunca saberia que tinha sido ele. Eu era muito inocente e incrivelmente menor que ele, chorei bastante e ele parecia ser uma pessoa totalmente diferente. Ele disse que eu poderia chorar que ninguém não iria me escutar e realmente era verdade, o sítio era bem isolado e a gente tava na mata, pois pronto ele mandou eu tirar a roupa, eu disse que não, foi quando ele me deu um tapa na cara e colocou a faca na minha barriga, não podia fazer nada, então tive que tirar a roupa, mesmo morrendo de medo e chorando muito, obedeci, mas de certo modo estava sentindo algo diferente.
Depois de tirar a roupa ele mandou eu me virar para ele e ficou analisando meu corpo de menina, gente eu não tinha nem pelos ma época, eu tinha uns o.i.to e ele estava para fazer uns 7, mas eu juro ele até hj tem uma mentalidade de gente muito mais velha. Eu sei que tirei a roupa e rodei comi ele mandou, depois disso ele disse que era para eu ajoelhar, foi quando ele tirou a rolinha para fora, não era grande nem nada, mas ele disse que era para botar na boca e chupar, que ele tava dando o pirulito que tinha prometido. Me recusei, mas depois de três tapas na minha cara eu chupei, era salgadinho e fedia, mas ele mandava eu chupar até às bolinhas e ficava passando a faca no meu rosto e batendo em me, eu chorava bastante, daí ele mandou eu me deitar e sentou em me.
Ele ficava apertado os picos do meu peito, chupava e mordia ele estava alucinado, depois disso ele se colocou no meio de minhas pernas e mandava eu abrir e ficava beliscando minha bucetinha que já era grandinha naquela época, ela não tinha pena, era mordida, chupão e beliscão e eu tinha que chorar baixinho, que ele gostava assim!
Eu sei que depois de me morder, bater e beslicar todinha ele ficava tento enfiar a rolinha dura dele na minha buceta, ficava tendo e tendo até ele conseguir.
Doe bastante quando ele colocou ela pela a primeira vez, mas doía menos que os dedos dele. Sei que neste dia a gente saiu da nossa casinha tarde, só depois dele me judiar bastante e disse que se eu contasse a pai ele ia dizer que não tinha feito pq quis, mas eu que tinha obrigado ele é que todo mundo iria me bater por ser puta, gente tive tanto medo que não contei a ninguém e ninguém iria desconfiar, pois cresci meio largada. Mas até hj sempre me pergunto como pode uma criança ser tão pervertida e maldosa e detalhe este foi só o começo!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,33 de 12 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Negroindio ID:r7bi1pzi

    Muito curioso no quão grande seja tua buceta… Afinal você fala dela e de ser assim grandiosa… Hum?

  • Responder Negroindio ID:r7bi1pzi

    Sua inocência e tesão fazem o fato ficar mais gostoso. Satisfação ler teu relato