# # #

Meu Dindo me cumeu enganado

1134 palavras | 8 |4.73
Por

Durante o verão fui para casa do meu Dindo ele me fudeu dormindo pensando que estava com minha madrinha.

Sou novinha, tenho 19 anos, corpo compátivel com a idade, sou branquinha, cabelos, loiros e compridos, uma bunda grande e cinturinha de pilão e um par de seios grandes bem durinhos.
No verão passado fui de férias para casa dos meus padrinhos no litoral do RS, um verão quente, bastante gente na casa e até a piscina estava cheia.
Eu abusada como sempre me enfiei prá dentro de um bikini fio dental e desfilava o dia todo o meu tesão na cara dos machos da casa.
Meu padrinho que vou chamar de Gil, sempre foi atencioso e carinhoso, tratamento de filha.
Abraços, beijos, caricias e até sentava no colo do meu padrinho usando esse fio dental provocante.
Minha madrinha Luiza, nem dava bola, dizia essa tua afilhada tá uma cavala de gostosa, um bundão delicioso, não notou marido, o dindo Gil da uma risada pede pra eu levantar me agarra pela cintura desfila a mão pela minha raba e diz, bundinha de nada mulher, não implica com o meu anjinho.
O dindo sempre meu protetor, me cuidava como um pai, nunca me abusou, me tratava com carinho e respeito, me tratava por anjinho.
Em certo dia minha mãe e minha madrinha resolveram ir ao shoping depois do almoço, eu estava sentada no sofa dormindo sentada, quando minha madrinha disse Karol vai deitar tu tá dormindo ai, eu disse dinda as camas estão ocupadas e ela disse deita do lado do teu dindo nós já vamos sair.
Muito obediente, obedeci prontamente, deitei do lado do meu padrinho que estava num sono legal, eu estava vestida apenas com meu bikini fio dental, escutei o barulho da madrinha saindo e me enfiei para debaixo dos lençóis, meu padrinho dormindo encosta o corpo dele no meu, me agarra pela cintura, dizendo vem prá cá mãezinha e fica acomodado de conchinha.
Meu sono foi pro espaço, senti um fogo na buceta, meu cuzinho encostado na rola do Dindo começou a dar piscadelas de desejo.
Fiquei imóvel só curtindo a situação no escuro do quarto sentindo o tesão de ter o meu dindo me agarrando sem saber que era eu.
Ele se mecheu um pouco mais, senti ele se acomodando cada vez mais na minha bunda, derrepente ele começa a alisar a minha bunda e eu cheia de tesão comecei a rebolar lentamente já sentindo o pau do meu padrinho duro na minha bunda, derrrepente ele começou a alisar os meus seios e uma das mãos correu em direção a minha buceta, ele encontrou ela toda molhadinha, ficou dedilhando meu clitóris um pouco e desse ponto em diante não tinha mais volta.
Eu estava desejando o cacete do meu dindo e ia dar pra ele de qualquer jeito, num movimento rápido tirei a calcinha e senti meu padrinho tirar suas cuecas, senti um calafrio quando o cacete do Dindinho começou a penetrar minha bucetinha, eu não era mais virgem, porém o dindo tinha um baita dum cacete, que foi me invadindo preenchendo cada espaço da minha buceta
Ficamos fudendo por uns 10 minutos até explodirmos num orgasmo barbáro.
Não conseguia acreditar que meu dindo não sentisse a diferença duma bucetinha novinha pra uma bastante usada, pensei que estava tudo acabado que meu Dindo voltaria a dormir, mas que nada.
Dindinho continuou a alisar a minha bunda e passando os dedos no meu cuzinho, coisa que me excitava bastante, derrepente sinto um gel gelado no meu cú, Dindinho pegou um gel de menta e me lambuzou e começou a esfregar o cacete no meu cú até eu implorar prá ele meter.
Agarrei o caralho e direcionei para a portinha do meu cú, o tesão era tanto que eu nem dimensionava mais nada, apenas queria aproveitar o momento de tesão e fuder, ser fudida pelo meu Dindo, quando aquela cabeçorra começou a invadir o meu cú, quase pedi prá parar, más não podia, pois eu estava no lugar da madrinha e ela provavelmente estava acostumada a tomar no cú.
Meu padrinho arrancou todas as pregas que ainda existiam no meu cú, ele ficou fudendo meu cú por uns 15 minutos, com aquele cacete enorne todo socado na minha raba, sem dó nem piedade o Dindinho estava se deliciando no meu cuzinho, fazia um tira e bota que eu já estava adorando, me acostumando e não sentia mais desconforto, só queria que ele metesse mais e mais, estava sentindo muito prazer em meter no meu cú um pau grande, não queria que aquela foda terminasse nunca, até que chegamos mais uma vez ao orgasmo e caimos desfalecidos.
Após alguns minutos, levantei rapidamente e fui para piscina refrescar, uns 20 minutos depois meu padrinho aparece.
Oi Karol, oi dindo, tua madrinha onde está. Eu lhe respondo, foi no shoping com a mãe, está bem!
Após alguns minutos meu dindo volta e me pergunta; Karol tem mais alguém na casa? Eu respondo tá todo mundo dormindo, menos nós!
E os dias transcorreram normalnente, muita festa, musica sempre que podia dançava com meu Dindo bem colada, sentindo o corpo dele colado ao meu, brincadeiras na piscina onde eu esfregava minha raba nele, sempre provocando meu padrinho.
Beijos, abraços e risos e algumas bolinações discretas, meu dindo era muito discreto sabia quando podia avançar.
Outras vezes em que fui no super com ele, com um shortinho bem curtinho, uma regata cavada que deixava ver parte dos meus seios, ele pedia para eu pegar coisas enquanto olhava a minha bunda, no carro ele descansava a mão nas minhas coxas discretamente.
Quando iamos ao mar e estavamos sós pareciamos dois namoradinhos Dindinho me abraçava desfilava suas mãos pelo meu corpo, me exitando. Mas não falava nada sobre o acontecido.
Porém essa foda foi a única da temporada, não tive mais oportunidade de fuder com o meu Dindo, no dia que fomos embora ao me despedir ele me abraçou forte, agarrou minha cintura com força, pude sentir seu caralho duro na minha bunda, me encostei com força, demonstrando que eu sentira ele duro e queria ele.
Meu dindo me abraçou e sussurou no meu ouvido, eu sei que no outro dia era tu, pois tua madrinha não dá o cuzinho nem com reza braba.
Vou te esperar no verão que vem, só que dessa vez vamos para um motel. Vou ficar com saudades do teu cuzinho.
E assim nos despedimos, louca que chegue o próximo verão prá fuder novamente com o meu Dindinho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,73 de 22 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

8 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder emerson ID:gnruj2dv2

    deliciaaaa pau duro tempo todo

    • Luiza ID:1e384c9lk79i

      Me acompanha que vai ter continuação ainda essa semana!

  • Responder Pedro ID:1dgxi4bf4gld

    Nossa que delicia vc deve ser, continua linda conta mais, fiquei com muito tesão aqui.
    https://services.zangi.com/dl/conversation/1013361042

    • Karol ID:1e384c9lk79i

      Obrigado Pedro, vai ter continuação!

  • Responder Luiz ID:1e384c9lk79i

    Que delicia fuder uma afilhadinha, a minha me provocou tanto que eu não tive pena dela, hoje ela tem 21 anos e é minha amante, transamos todas as semanas.

  • Responder Lúcia ID:1e384c9lk79i

    Eu já dei pro meu padrinho, não foi bem assim, mas ele me dava muito tesão, e eu provoquei ele até ele me fuder, foi muito bom!

  • Responder Rafael ID:1e384c9lk79i

    Comigo aconteceu parecido, sonhei que estava cumendo uma novinha, só que quando acordei tinha terminado de gozar com a minha mulher mesmo. Kkkkk!

  • Responder Thiago ID:2ql0lvvzl

    Kkkk, ah ta. Ele nao percebeu ne a diferenca das pelanca da mulher dele e da pele macia da menina. Aham.. confia