#

A novinha vendedora de bombons

2982 palavras | 9 |4.68
Por

Há tempos eu via essa novinha vendendo bombons, certo dia resolvi investir e e pra minha surpresa deu certo.

Oi pessoal… Meu nome é Renan, e hoje não vou compartilhar história sobre crentes… Rsrs… Eu gostaria de esclarecer alguns pontos pra que vcs leitores não me interpretem mal, minha intenção não é denegrir nem falar mal da igreja ou das pessoas, praqueles que entendem que os contos são uma forma de atingir, saibam que não é esse o propósito, acredito que muitos, assim como eu, acessam esse site para entretenimento e no meu caso é também uma forma de desabafar, pois são coisas que a gente não sai contando pras pessoas, então fiquem a vontade pra comentar, curtir, se divertir, etc.

Bom, sem mais delongas…
Há bastante tempo abasteço o carro num posto próximo de casa, sempre que parava lá no período de 18:30 e 20:00 eu via uma garota que se aproxima dos carros que abastecem pra oferecer trufas, eu nunca tinha comprado, pois coincidentemente ela nunca vinha até meu carro, porém eu ficava olhando pra ela indo nos outros carros, ela aparentava ter não mais do que 15 anos, era franzina, geralmente usava uns macacãozinhos jeans com o cabelo feito tranças, não tinha um corpão mas as pernas eram bem roliças apesar de magras. Como as roupas eram geralmente folgadas, não se via muito se ela tinha mais curvas. O fato é que certo dia calhou de eu ir na conveniência do posto enquanto o carro era abastecido, ao voltar notei ela no lado do meu carro, quando me aproximei ela me ofereceu os bombons…
– boa noite, o sr gostaria de comprar bombom? Perguntou ela com uma voz suave e baixa, era uma voz meiga e gentil, ela bem educada no modo de falar continuou…
– custa só 1,50!
Perguntei os sabores e ela gentilmente me disse, perguntei se ela tinha pix e comprei alguns, na verdade muitos, sou viciado em chocolate.
Ela ficou super feliz e me atendeu tão bem que fiquei intrigado com a gentileza dela, nessa ocasião eu peguei os bombons e fui embora.
Dias depois passei no posto e ela estava lá, ao me ver ela se aproximou e fiz uma nova compra, isso se repetiu por mais algumas vezes, até que em certo dia estava voltando de viagem e já passava de meia noita quando passei pelo posto vi de longe ela lá sentada ao lado de uma das bombas, o estranho era que o posto já estava fechado, confesso que me bateu uma dose de preocupação então dei a volta e fui até lá, parei o carro ao lado dela e chamei ela…
– oi minha amiga, tá tudo bem com vc?
Ela se aproximou e respondeu…
– tá sim, tio!
– e por que vc tá aqui até essa hora, é normal vc trabalhar até tão tarde?
– não, é que eu não vendi quase nada e to vendo se ainda consigo vender algo!
– mas o posto tá fechado! Indaguei.
– é mas de hora em hora eu vou ali na conveniência e ofereço pras pessoas!
– entendi! Respondi ainda preocupado, eu sei que o povo que tá bebendo em conveniência não vompra bombom, pelo menos eu não comprava quando tava na farra…
– deixa eu te perguntar, quanto vc precisa vender pra fechar sua meta?
Ela toda tristonha me responde que precisava fazer pelo menos 50 reais, perguntei quanto ela tinha vendido no que ela responde que só 15 reais.
– quantos bombons vc tem aí?
– um monte! Disse ela sorrindo.
– conta aí, vou comprar de vc!
– quantos o sr quer?
– todos!
– todos?
– sim, todos!
Nessa hora ela abriu um sorriso e começou a contar, enquanto contava ela me olhava e perguntava se eu ía mesmo comprar…
– oxe, vou, conta aí!
No final, comprei 30 bombons, ela ficou super feliz e me agradeceu, perguntei se agora ela iria embora, ela respondeu que sim, perguntei se ela morava longe dali, ela disse o lugar, não era longe mas daria uma boa pernada…
– vc aceita uma carona? Perguntei.
Ela ficou meio desconfiada e relutou em responder…
– tudo bem, vc não precisa aceitar, só fico preocupado de vc andar toda essa distância sozinha a essa hora!
Ela ponderou e mesmo com receio aceitou, entrou no carro e fomos na direção que ela apontou. No caminho perguntei seu nome e idade…
– meu nome é Laís, tenho 14, e o sr?
– me chamo Renan!
– prazer! Disse ela já mais relaxada.
Perguntei sobre o trabalho de venda de bombom, ela me contou que fazia isso pra ajudar em casa, a mãe trabalhava e ganhava só um salário, então a ajuda que ela dava supria um pouco do básico. A parte triste er aque a mãe cobrava dela que vendesse o máximo possível, ela contou que quando a venda era fraca a mãe vrigava com ela, coisa nada incomum.
Chegamos em frente a casa dela…
– bom Laís, vc está entregue!
– obrigada, obrigada mesmo!
– não precisa agradecer, o importante é que vc tá em casa a salvo!
– tio, posso fazer uma pergunta?
– sim, claro!
– qual sua idade?
– 30, por que a pergunta?
– é que os caras mais velhos geralmente são inxiridos, o Sr não, é de boa!
– é, tem pessoas e pessoas!
Apesar de eu estar gostando da.co.panhia dela, já era tarde e eu não via a hora de chegar em casa, tomar um banho e cair na cama, mas ela continuou…
– só mais uma perguntinha!
– diga!
– o sr pode me dar seu zap?
– sim!
Ela anotou e disse que ía mandar mensagem, fiquei curioso pra saber que assuntos ela falaria, uma menina de 14 anos não tem muito assunto com um cara de 30, mas dei de ombros e fui embora.
Dias depois chega uma mensagem de um numero desconhecido, quando abri o app era ela, mandou um oi e uma carinha tímida. Como estava no trabalho demorei a responder e ela logo indagou…
– achei que não queria falar comigo!
– tava ocupado e não pude responder, foi mal!
– tudo bem, só mandei um oi pra saber se era vc mesmo!
– sim, sou eu!
Daí em diante conversamos um monte de abobrinhas, vou pular direto pra parte interessante, lá pelo final da tarde ela me avisa que tá se arrumando pra ir pro posto e manda uma foto, ela estava com as tranças de sempre, mas dessa vez usava um uma blusinha preta, uma saia xadrez vermelha e meias pretas, tava parecendo uma personagem de mangá…
– tô bonita assim? Perguta ela.
– tá sim, só toma cuidado pra não atrair muitos pedófilos! Respondi seguido de um emogi rindo.
– credo, tá muito feitiche?
– só um pouco, a gente nem nota se não olhar pra essa saia e pras meias!
Ela mandou uma carinha desconfiada, logo em seguida outra foto, dessa vez com um vestido mais simples, era de alcinha, azul e bem folgado, tava mais menininha, confesso que tava começando a me excitar com aquilo mas me contive…
– olha esse tá melhor, vai atrais menos atenção!
– ah assim eu não vou vender quase nada, não quero ficar até tarde!
– entendo, então vai com o primeiro look!
– mas vc disse que vou atrair os pedófilos, rsrs!
– é mas vai vender tudo, daí vc corre pra casa!
– ah deixa de graça, vc gostou do primeiro?
– sim, vc tá linda!
– não vou atrair pedofilos não né?
– só alguns!
– tá qualquer coisa vc me socorre!
– e se eu for um pedófilo?
– ah mas de vc eu gosto! Respondeu ela com um emogi tapando os olhos.
Nessa hora entendi que poderia rolar algo…
– faz o seguinte, vai e qualquer coisa vc me liga!
– olha que eu ligo hein!
– pode ligar!
E lá estava eu pensando numa desculpa plausível pra sair de casa tarde da noite e minha esposa não desconfiar, mas como o diabo é muleque, minha esposa chegou em casa com uma baita enxaqueca e se dopou, fui falar com ela pra dar a tal desculpa que iria sair e ela nal abriu os olhos. Perguntei se ela ainda estava com dor e ela somente acenou que sim, aproveitei pra dar outro remédio pra ela e assegurar que ela fosse dormir profundamente.
Lá pelas 20h Laís manda mensagem…
– tio, o sr pode me levar em casa? Já vendi tudo!
Na hora pensei que não era tão tarde, poderia mandar essa e escapar de correr aquele risco, e no último suspiro se sanidade minha falei que ainda era cedo e se ela realmente precisava de carona, no que ela responde…
– na verdade não preciso não, só queria te ver! Respondeu mandando uma carinha triste.
E lá fui eu encontrar com a novinha, cheguei e ela entrou no carro sem muita cerimônia, já entrou toda sorridente, e estava incrivelmente xeirosa…
– nossa vc tá xeirosa, adorei o perfume!
– ah que bom, quer sentir de perto?
– quero!
Ela se enclinou sobre mim e costando o pescoço no meu rosto, realmente estava muito xeirosa, dei uma fungada no pescoço dela e ela imediatamente se suspirou, ela se sentou direito no banco e fomos no rumo da casa dela, fomos falando abobrinhas e eu achei por vem ser honesto com ela…
– Laís, minha princesa, preciso te dizer que sou casado, por isso não posso demorar muito!
Ela me olhou cabisbaixa e perguntou…
– sua mulher é muito ciumenta?
– o bastante!
– entendo, mas eu não conto se vc nao contar!
– contar o que?
– o que vc fizer!
– como assim o que eu fizer, o que vc acha que eu vou fazer?
– o que vc quiser!
Nessa hora me perguntei se ela estava querendo dizer o que eu achava que ela estava querendo dizer…
– como assim o que eu quiser?
– vc pode fazer comigo o que vc quiser e eu não conto pra ninguém!
Resolvi aproveitar a chance…
– posso fazer o que eu quiser?
– pode! Disse ela já eufórica.
– tudo bem! Quero que vc lave meu carro no fim de semana!
Nisso ela me olha torto e pergunta…
– é serio?
– não! Respondi rindo.
Ela me deu um tapinha no ombro e se reclinou me dando o pescoço, dessa vez eu beijei e fui beijando, tive que parar o carro, parei numa parte deserta da rua e puxei ela pro meu colo, ela ficou de lado deitada sobre mim com as pernas ainda no banco do passageiro, começamos a nos beijar e que boquinha deliciosa ela tinha, era pequena e macia, e o perfume dela misturado com o xeiro de menina nova me entorpecia, logo já estava apalpando o corpo dela, pegando na bundinha, nas pernas, levei minha mão entre as pernas dela e peguei na bocetinha por cima da calcinha, ela estava quente e úmida, comecei a beijar ela e acariciar a boceta por cima da calcinha, ela então pegou minha mão e colocou dentro da calcinha, era uma bocetinha macia, magrinha e dava pra sentir o grelinho durinho, ela abriu as oernas pra facilitar, logo ela já apertava meu pau e quando tirei da calça ela se assustou…
– nossa, é grande!
– um pouco!
– será se não vai me machucar?
– só se vc for muito selvagem!
Ela riu e respondeu…
– não, sou delicada, gosto de carinho!
Voltamos a beijar e ela foi se ajeitando em cima de mim, passou uma perna sobre mim sentando de frente pra mim, pude ver aquela boceta magrinha toda lisinha, tinha uns ralos pelinhos na testa, ela sentou e ficou pegando no meu pau, eu já estava duro como pedra, ela encostou meu pau na pelvis dela e fez cara de espanto…
– meu deus, ele passa do meu umbigo!
– vc já fez isso antes?
– já mas não era desse tamanho!
– faz assim, senta nele, vamo ver até onde vc aguenta!
– acho que aguento tudo, problema é a grossura!
Nisso ela começa a se ajeitar, aponto meu pau na direção e quando ela encaixou a cabeça começou a descer, eu olhava excitado meu pau sumindo dentro dela, a cabeça passou até fácil, mas quando chegou no meio a bocetinha dela começou a se alargar e ela parou…
– ai, aqui começou a doer!
Peguei na bundinha dela e comecei a subir e descer ela no meu colo, o pau saia quase todo e voltava a entrar, ficamos assim por um tempo e logo aquela bocetinha começou a melar meu pau, ela suspirava baixinho, se agarrou no meu pescoço e começou a aumentar o ritimo, eu tava me segurando pra não dar um solavanco e meter tudo de uma vez, com o tanto de mel que escorria dela logo meu pau entrava macio, depois que ela relaxou acelerou o ritimo e eu já sentia a testa da bocetinha encostar em mim, ela começou a gemer manhosamente, me dando mais tesão.
Aquela magrela já tinha aguentado todo meu pau, e nao parava de pular em cima de mim, de vez em quando perdia o compasso então resovi ajuda-la, puxei ela pela cintura, enterrando o pau todinho nela e colando a boceta em mim, com as mãos comecei a empura e puxar ela pra frente e pra trás, fazendo com que além de penetrar o grelo dela rossasse em mim, ela amoleceu quase que por completo, estava completamente entregue ao meu movimento, a voceta babava tanto que senti o liquido dela escorrer pela minha coxa melando o banco, passados alguns minutos ela começou a gemer mais alto e me agarrou forte, dei mais uma apertada forçando ainda mais o pau dentro dela, senti que ela sentiu dor mas não parou de rebolar, não demorou e ela começou a gozar….
– aaaiiiinnnnn!
Ela soltou esse gritinho e desfaleceu sobre mim, continuei a mover ela pra frente e pra trás, queria gozar…
– ai, pára por favor, não to aguentando! Pediu ela com uma voz manhosa.
Tirei ela de cima de mim, e saí do carro dando a volta até o lado do passageiro, puxei ela pra fora do carro e a coloquei encostada no capô, ela imediatamente protestou…
– não, vai aparecer alguém!
Não passava ninguém naquela rua ha quanse uma hora e meu pau estava em ponto de bala…
– relaxa, vc disse que faria o que eu quisesse!
Ela olhou de um lado a outro, e se inclinou, como ela é baixinha tive que me avaixar pra encaixar o pau na boceta dela, comecei a meter forte, tira do gemidos mais fortes, agarrei pela bundinha dela e soquei forte ela gemia num misto de dor e prazer de um jeito que me excitava ainda mais, em certo momento eu metia tão brutalmente que ela estava na ponta dos dedos dos pés….
– vou gozar! Anunciei.
– não goza em mim! Disse ela entre gemidos e suspiros.
Já que ela não queria levar leitada na boceta eu iria fazer ela beber toda minha porra, quando estava prestes a gozar puxei ela pelo cabelo e empurrei ela de joelhos e enfiei a cabeça do pau na boquinha dela, ela abocanhou a cabeça e eu punhetei o pau até jorrar na boca dela, ela deu uma golfada e engoliu o que pode!
Puxei ela de volta pro carro e entrei, tornei a puxar ela pra mim e dei um beijo sentindo o gosto da minha própria porra. Ela se deitou no meu peito e suspirou…
– nossa, vc acabou comigo!
– esse vai ser nosso acordo, eu faço vc gozar com carinho e vc me faz gozar com mais força!
– mais uma dessa e não vou conseguir nem sentar! Disse ela rindo…
– que nada, vc não vai conseguir sentar no dia que eu comer seu cuzinho!
Nisso ela me olha com olhar aflito e pergunta…
– vc quer me comer por trás?
– eu vou comer vc de todos o jeitos, foi vc quem disse que eu poderia fazer o que eu quisesse, vai arregar agora?
– eu nunca fiz atrás, só coloco o dedo, mas é fininho, óh! Vc é muito grande!
– fica fria, vc vai gostar!
– mas vc vai fazer agora?
– agora não, vc já sofreu demais, outro dia vou meter tão gostoso no seu anelzinho que vc vai gozar que nem louca.
Assim eu a levei em casa, estava ficando tarde e ainda demos mais uns amassos no carro. Depois desse encontro e essa transa ficamos um tempo sem nos ver, sempre conversando abobrinhas pelo celular mas o trabalho meio que me impediu de escapar, quando finalmente rolou de novo, pudemos ficar a sós e pude desfrutar dela inteirinha, iniciei ela no cuzinho, foi bem difícil mas no final foi bom, vou deixar essa parte pro próximo.

Bom pessoal, esse foi o relato de hoje, tenho outras várias histórias pra contar, minhas e da minha esposa, fiquem a vontade pra sugerir se preferem as histórias com o pessoal da igreja, da minha esposa, ou qualquer outro tema que eu tenha pra contar!
Abraços e fiquem bem!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,68 de 82 votos)

Por #
Comente e avalie para incentivar o autor

9 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Saudos123 ID:6stycmq8r9

    Muito bom eu escrevo tbm me t3l3g@n saudoso123

  • Responder Gaúcho ID:gp1g276ij

    Adorei o conto, continua.
    Ah, e pode contar da tua esposa também.

  • Responder Andrson ID:81rcpuf4qm

    Conto da igreja, vc pegou a mulher do pastor também

  • Responder Luizin ID:1dm1r9ic5kjj

    Queria saber como comeu o cuzinho dessa novinha. E também quero histórias da sua esposinha(acho que tem muita coisa escondida ai).
    Espero os próximos. Porque esse foi 5estrelas. Parabéns

  • Responder @Miguelit76 ID:funszdpv0

    delicia mano

  • Responder Observador ID:1e9d6k06ucrb

    Conta como comeu o cuzinho dessa novinha

  • Responder Bruninha ID:1cl21ebeoqjy

    Conta uma de controle mental ou hipnose??

    • Obreiro ID:phk7pc23d8c

      Nunca me ocorreu, mas posso tentar criar uma fic!

  • Responder Ricardo ID:gqawlf143

    Top.