# #

A história da Mariana parte 2

1717 palavras | 2 |4.00
Por

Como uma garotinha ainda virgem que fugiu de casa e acabou conhecendo uma nova vida cheia de novidades

Continuando a parte 1 ….

-: Marina me chamou a dona Carmem, venha aqui para tomarmos banho juntas, tire a roupa
-: Mas eu sei tomar banho sozinha balbuciei
-: Sei que já é grandinha, mas quero lavar a tua cabeça e colocar também um fortificante, mas vou passar um chamado Seda Juntinhos Cachos Encantados que é para cuidar dos cabelos cacheados como o seu e depois um bom condicionador.
Então me despi envergonhada e a dona Carmem também, a água estava quente uma delícia, me admirei com o corpo dela, seios médios e empinados, desci os olhos e percebi que ela era totalmente depilada, com aquele clit bem saltado
-:Feche os olhos Mariana, disse ela
Fechei e senti as mãos dela despejando um xampu perfumado e depois massageando meus cabelos.
-: Não abra os olhos Mariana, que agora vou colocar o condicionador, e enquanto ele faz efeito, permaneça de olhos fechados, continuou ela.
Senti então as mãos dela ensaboando meu corpo bem devagar, meu pescoço, meus pequenos mamilos que logo se endureceram pelo suave toque das mãos dela.
E aquelas mãos macias foram descendo, pelo meu corpo, meu umbigo, e finalmente na minha xaninha, demorou um pouco ali como se estivesse me masturbando, depois a minha bundinha, nessa altura eu já estava super arrepiada.
Eu estava de costas para ela e sentia o calor de seu corpo bem junto ao meu, seus seios me cotucando as costas e eu rezando para que esse banho nunca mais terminasse eu estava entrando em órbita e sentia aquela gosma que teimava sair de dentro de mim fiquei envergonhada, mas ao mesmo tempo, sei lá era como estivesse no paraíso.
-: Marina, pode abrir os olhos agora, enquanto fechava o chuveiro.
Ambas nuas, voltamos para o quarto, ela colocou uma toalha pequena nos meus cabelos e em seguida nos deitamos na minha cama, eu já não mais sentia vergonha de estar pelada em frente a ela.
Deitadas ali, começamos a conversar e ela perguntou se tinha namorado, disse que não.
-:Mariana falou ela espantada, você nunca foi beijada?
-: Não nunca fui beijada e nunca ninguém tocou meu corpo, só hoje a senhora, e quero dizer que gostei sentir tuas mãos no meu corpo.
-: Mariana falou sorrindo para mim, está na hora de deixar de ser uma BV e eu vou te ensinar o que toda garota da tua idade tem o direito de saber.
Feito isso colocou seus lábios nos meus, tampou meu nariz e assim tive que abrir a boca e ela mais do que depressa esfregou a língua dela na minha
-: Mariana põe a língua de fora.
Fiz o que ela me mandou e ela começou a chupar enquanto com uma mão apertava meu mamilo e com a outra mão meu carocinho.
Na mesma hora comecei a tremer e um fogo parecia ter nascido dentro de mim cada vez mais e mais calor e como um vulcão expeliu sua lava pra fora, o que antes era apenas um fiozinho se transformou em um rio daquela coisa gosmenta saindo de mim.
Eu sentia falta de ar, fiquei assim como não enxergando nada, me sentia como uma folha voando e voando e tremia e fiquei arrepiada, depois mais nada, tudo escureceu
Escutava uma voz lá de longe falando meu nome
-: Mariana, Mariana… você teve o mais lindo orgasmo que vi até hoje.
Me deu um beijo demorado, fez questão de enxugar meu corpo de menininha, e eu ia deixá-la fazer de tudo que quisesse comigo, de agora em diante, eu seria inteiramente dela, de corpo e alma.
Em seguida me passou uma camisolinha curtinha e transparente e uma calcinha confortável com estampas de flores.
Ela por sua vez um pijama de calça curta, também meio transparente, e eu reparei que ela não usava calcinha.
Descemos e o seu Roberto havia solicitado uma pizza “margarita” que eu tinha preferido, aliás só tinha comido um pedaço de pizza na vida que encontrei no lixo de uma pizzaria.
Quando ela chegou, o seu Roberto abriu uma garrafa de vinho espumante super gelado, me ofereceu uma taça que fiquei envergonhada de recusar, e bebi.
Enquanto a gente jantava reparei que seu Roberto estava só com uma bermuda leve e exibindo aquele peitoral peludo, parecia um urso pensei.
Fomos comendo, e bebendo, a cada taça parecia que minha boca pedia mais, e comecei a rir das histórias engraçadas que ele contava, decididamente, ela era uma figura e super simpático.
Acabamos ajudei a dona Carmem a lavar e guardar a louça. Fomos então para sala onde o seu Roberto nos esperava, sentamos num sofá a dona Carmem de um lado, eu no meio e o seu Roberto do outro.
Ele colocou um filme, e senti as mãos da Dona Carmem em meus peitinhos e a do seu Roberto alisando as minhas coxas.
Eu me sentia nas nuvens, queria continuar assistindo o filme mas meus olhos teimavam em fechar, dai acho que dormi, afinal tinha sido um dia bem agitado e cheio de surpresas.
Senti que me pegaram no colo e me deitaram em uma cama, então apaguei de vez kkk.
Acordei de madrugada louca para fazer xixi, e percebi que estava nua, assim como a dona Carmem e o seu Roberto, me assustei.
-: Mariana falou baixinho a dona Carmem, você está no meu quarto, e pegando minha mão me levou ao banheiro.
Putz quase cai dura, era simplesmente deslumbrante 2 pias, todo espelhado um vaso sanitário forrado e além do box grande tinha uma banheira redonda alta de madeira e tinha até uma escadinha, coisa de rico pensei.
-: Mariana isso se chama ofurô a gente fica ali dentro e coloca sais de banho perfumado e enquanto a agua é renovada, ficamos ali conversando, é super relaxante depois de um dia estafante.
Voltamos para a cama, procurei minha camisola, mas a dona Carmem disse.
-: De agora em diante vamos andar nuas aqui dentro.
-:Porque dona Carmem? perguntei.
-: Somos naturalistas respondeu abrindo um amplo sorriso.
Deitamos, nuas eu de frente para ela e o seu Roberto meio sonolento acordou e como estava de frente para dona Carmem, senti ele colocar a rola dele entre as minhas pernas, senti um calafrio gostoso descer da minha nuca ate meu anelzinho escondido na minha bundinha.
Quando acordei eles já haviam se levantado e então fui assim nua até a imensa cozinha.
Quase cai dura com aquele café da manhã !! primeiro me serviram uma salada de frutas divina, eles riam da minha cara de espanto.
Depois tomamos café com um pão esquisito chamado “ciabatta” lambuzado de manteiga.
E por fim um suco de laranja gelado.
Como era sábado…
-: Mariana, disse dona Carmem, primeira coisa é irmos a minha cabelereira, ela já está nos esperando, vamos cortar teu cabelo bem curto tipo “Joaozinho” ele fica melhor em você porque ele vai deixar teus cachos mais bonitos.
E lá fomos nós!! Um salão super refinado enquanto dona Carmem dava uns retoques no seu, uma moça super simpática me mostrou uma espécie de poltrona com um treco atrás, pediu para colocar a cabeça numa espécie de buraco e começo a lavar meus cabelos com shampoo cheiroso e esfregava delicadamente, depois com um chuveirinho removia e vinha o tal de condicionador.
Eu de olhos fechados me sentia a própria princesa, feito isso fui para uma outra cadeira e a tal cabelereira da dona Carmem começou a cortar meus cabelos, eu nem acreditava o que estava me acontecendo, abri os olhos quando ela acabou e eu nem me reconheci, no espelho, aparecia o reflexo de uma menina de agora com 11 anos com os cabelos cacheados e um ar de felicidade estampado no rosto.
-:Marina, falou dona Carmem você esta linda com esse cabelo, rostinho infantil moldurado por esses olhos azuis.
-:Agora vamos ao Shopping Ibirapuera que o Roberto está nos esperando lá, vamos comprar novas roupas para você, porque as tuas além de velhas estão fora de moda.
Na loja ela comprou calcinhas fio dental, shortinho curtinho assim meio que rasgados, vestidos, saias blusas e uma camiseta esportiva, calças legs, bermuda, e 2 lindos biquinis.
Feito isso em uma loja de sapatos ganhei uma sandalinha toda enfeitada de pedrinhas, uma rasteirinha de amarrar até no tornozelo e um tênis de marca!!!
Em seguida descemos para a “praça de alimentação” e fomos em um restaurante muito do chic, onde o seu Roberto nos esperava
-: Mariana, falou dona Carmem me passando o cardápio, escolha o que quer comer.
-: Dona Carmem eu não sei o que pedir falei baixinho
-: Pode deixar então vou pedir um prato e repartimos, então fui comer um tal de estrogonofe de frango e seu Roberto, um filé de peixe acompanhado de um vinho branco gelado.
Não deu outra comecei a ficar “alegrinha” de novo.
Mal entramos em casa fui obrigada a tirar a roupa e ficar como eles completamente nua
-:Mariana, senta ali no sofá, nossa você esta linda disse ele, vai assistir um filme especial disse ele.
Todos sentados eu como sempre o meio dos dois ele ligou e apareceu um adulto socando uma rola na xaninha da menina e ela gritava que queria mais forte, isso me lembrou o amante da minha mãe com aquelas meninas, me gelou o sangue.
-: Marina continuou ele agora senta no meu colo que vou passar outro filminho.
Obedeci e sentei no colo dele sentindo a rola agora dura e babando no meio da minha bundinha quase na entradinha do meu cuzinho, e o filme rodando e eu sentindo que logo seria enrrabada por ele e pela dona Carmem.
Sei que não sou flor que se cheire, mas bem regada me transformo em um jardim

Espero que tenham gostado, a terceira parte está por vir, quem quiser me fazer feliz comente e me deem sugestões, meu e-mail é [email protected]

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,00 de 8 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

2 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Mestre2021 ID:1wlykvbh

    Muito bem relatado! delicia

  • Responder Rafaella ID:7xbyxpzfi9

    Muito bem relatado.. Obrigadinha Florzinha !