# # #

Uma tara por velho que eu nem sabia que tinha

1309 palavras | 4 |4.42
Por

Vou lhes contar uma história bizzara que aconteceu quando eu tinha 13 anos. Hoje tenho 23 anos, mas isso nunca saiu da minha cabeça.

Na época eu tinha 13 , minha mãe era doméstica na casa de um casal de idoso, ela cuidava deles durante o dia, chegava às 6h e ficava até às 16h. Era um casal bem idosos, a senhora tinha uns 68 anos, e o senhor 80 anos. O velho tinha 90% da visão perdida, já a velha 60%. E os dois eram praticamente surdos.
Num dia minha mãe chegou pra mim, perguntou se eu não toparia cuidar durante a noite do casal de senhores, eles tinham que tomar uma medicação durante a noite, eu teria que meio que vigiar eles caso algo acontecesse, pois a velha já tinha sofrido acidentes se locomovendo pela casa. E eu iria receber por isso. Eu aceitei logo, pois somos uma família bem humilde, e pela primeira vez eu iria ganhar meu próprio dinheiro.
Minha mãe ficava lá até as 16h, e eu só ia pra lá as 20h ela já deixava a janta deles pronta. Chegando lá era bem simples, colocar a janta deles dois, eles comiam sozinho após servir o prato, mas as vezes o velho não queria comer então tinha que insistir muito, dar medicação, fazer algo que eles não conseguem fazer quando pedissem, e era sempre coisa simples, eu passava a noite assistindo TV, no tempo eu no tinha celular então assistia carrossel, após isso era um tédio enorme. Esperar passar filmes depois dormir.
Na primeira noite, eu percebi que o que mais dava trabalho era o velho, pois ele levantava de madrugada e nem sempre acertava o banheiro. Mijava na sala, na cozinha, em qualquer canto de parede. Por isso a casa fedia tanto a mijo. Outra mania dele era se masturbar pela madrugada. Várias vezes eu acordava com ele em pé em algum lugar na casa de masturbando, eu sempre morria de curiosidade pra ver o que ele fazia, então um dia levantei e fui até ele, e realmente vi, aquela rola mole branca, nem ficar dura ficava, no máximo só um pouco. Eu vendo aquilo comecei a me tocar, sem ele saber que eu estava ali ao seu lado. Então virou um costume. Toda noite ele fazia isso, as vezes em pé, as vezes sentava no sofá. Eu meio que gostava de ver ele fazendo isso. Por isso nunca contei a minha mãe, eu já tinha ouvido falar na escola algumas coisas sobre sexo, mas nada detalhado, as brincadeiras dos meninos, as expressões “me chupa, rapariga”. Mas nunca tinha visto nem um penis na real. Certa noite estava assistindo um filme de madrugada, e ele apareceu na sala, e começou a masturbar, por um instante eu fiquei só olhando ainda deitada, mas daí o desejo falou mais alto, eu levantei, fui até ele, que colocava saliva na mão e depois levava até sua rola mole e começava a se masturbar, passava um tempo se masturbando e colocava saliva novamente na mão e com ela continuava se masturbar, até que eu segurei em sua mão que ele estava usando, logo ele começou a cerrar os olhos e olhar pra os lados, tentando ver alguém, mas não falava nada, levei sua mao até meus peitos, que eram pequenos ainda, mas já eram salientes, ele logo fez uma expressão de surpresa, e começou a apartar, minha mão continuava sobre a sua, então direcionei sua mãe até minha vagina, aqui tenho que falar, eu era virgem em tudo, nunca tinha transado nem beijado ninguém. Ele começou a alisar passar a mão e tentava enfiar o dedo mas eu não deixava ele entrar todo o dedo, só a ponta. O suficiente pra ele sentir que estava bem molhadinha. Então ele mesmo tirou a mão de lá, e levou os dedos até a boca, se saboreando da minha lubrificação natural. Eu pego em sua mão novamente e o levo até o sofá, ele senta. Eu fico de frente pra ele em pé, ele me procurando com as mãos, pego um travesseiro que durmo com ele, coloca no chão, em frente a ele, e me ajoelho, com uma mão me apoio no braço do sofá, e com a outra mão me apoio do outro lado do sofá, usando só a boca, eu começo chupando suas bolas, um saco grande e mole toma conta da minha boca, ele tinha bastante pentelho mas eu nem ligava, pois eu piscava de prazer, brinquei bem com suas bolas, com elas dentro da minha boca eu mexias nelas com a língua. Depois fui pra seu penis, dessa vez usei a mão, precisei usar apenas 3 dedos pra segurar ele em pé, puxei toda a pele pra baixo, seu penis nesse momento estava bem resecado e mole, mas mesmo assim eu ainda morria de prazer, comecei abocanhando a cabeça, era bem gostoso de sentir, aquela cabecinha mole dentro de minha boca, eu chupava pressionando bem os lábios, que sua rola chegava a esticar, botava só a cabecinha na boca, pressionava com os lábios, e esticava, depois eu coloquei todo dentro da boca, seus pelos tocavam no meu nariz de tão grande que estava, e eu chupava, deixava bem molhado, pois sabia que ele amava, eu não parava de babar, até que enfim ficou um pouco mais duro, eu chupava, depois parava e começa a masturbar ele do jeito que eu via ele fazer, ele apenas ficava escorado no sofá sentado quietinho. Comecei a me empolgar na chupada, acelerei o ritmo, até que senti um líquido saindo do penis dele, achei que ele tinha mijado em minha boca, cuspi na hora pra fora, e vi que era um líquido meio branco viscoso e entendi que aquilo era a goza dele. Era algo salgado, com um gosto estranho.
Na noite seguinte eu estava dormindo no sofá, e sinto algo vindo sobre cima de mim, era o velho, pelado, em cima de mim, passando a mão no meu corpo, procurando minha buceta, quando achou, puxou minhas calças pra baixo e tentou enfiar sua rola em mim, mas era tão mole que não entrava de maneira nenhuma, agoniada com seu peso em mim sai do sofá, ele ficou deitado lá só, observei pra ele por um instante e pensei como eu iria me satisfazer com ele? Tive uma ideia, dessa vez eu iria sabir nele, com ele deitado eu subi em cima dele e comecei a lhe chupar assim, ele se ergueu um pouco pra frente e abocanhou minha buceta, foi uma sensação maravilhosa, que eu nunca tinha sentido antes, ele chupava e passava a língua na minha buceta, ia pra meu cu, lembia sem parar, em um movimento que ia e vinha do meu cu pra minha buceta, ele acabou gozando em minha boca, dessa vez eu engoli e continuei lhe chupando e em seguida acabei gozando. Foi o ápice da noite.
Então toda noite eu colocava ele pra me chupar, era uma delicia sentir todas aquelas sensações. Uma outra vez enquanto eu lhe chupava ele começou a mijar dentro da minha boca, no momento eu tirei seu pau da boca, e cuspi seu mijo, mas deixei ele continuar mijando em meu rosto com a boca aberta, depois ele gozou ba minha boca e eu engoli.
Passou um tempo e eu parei de dormir lá.
Mas minha mãe dizia que sempre perguntavam por mim, principalmente o velho.
Alguns anos atrás descobri que o velho morreu, e depois a velha.
Hoje em dia tenho 23 anos mas nunca me esqueci disso, além de ter uma tara por gente mais velha

⏩ O melhor site de desenhos animados pornô do 🇧🇷, HQs eróticas🔥

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,42 de 38 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

4 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Dona Maricota ID:19p3wwt0j

    Minha filha, se você quiser chupar o pingolin do meu velho eu deixo.

  • Responder Tiago Tchex ID:s6rlvmvz

    Tiago_tchex
    Novinha me chama no telegram.
    Vamos trocar ideais.

  • Responder Casado19cm ID:gqb65nn8m

    Chama no telegram Bruna
    Não sou tão velho , mais posso ser seu titio
    Tenho 45 de idade..
    @ palestrino43 aguardo contato

  • Responder Negrão sp ID:4adeun3fzri

    Que delícia que sentir o meu também estou a disposição