# #

Parecia um pesadelo, mas não era. Beto estava certo, as pessoas eram podres

2524 palavras | 13 |4.50
Por

Tinha bem à direita da entrada, uma mesa grande redonda, tipo meia lua com um banco rodeando ela, os cinco sentaram nela, eu bem no meio deles, num balcão enorme à direita, um homem loiro aparentando uns 35 anos estava passando pano nele todo, Faísca gritou pra ele, traz bebida prá todo mundo Lourenço, missão cumprida com sucesso, vamos comemorar, e muito acrescentou meu Pai, hj minhas dividas estarão todas pagas, nem Juvenal, nem Renato, enfim, ninguém mais enche meu saco e meu neném que não faça sua parte satisfazendo vocês quatro, arrebento sem dó, teus machos não podem mais te socorrer fdp, me disse, nunca mais vai ver eles, teu destino na volta da viagem é aqui, de dia sob vigilância de Faísca, de noite, minha e das cordas, eu avisei muitas vezes neném, não acreditou pq não quis.
Eu tava ali mas ao mesmo tempo não estava, conhecia dois daqueles homens, um praticamente tinha me pegado no colo, Faísca e aquele moço loiro mal sabia quem eram, esse gigante Faísca nunca tinha visto na vida, eu não entendia nada do que se passava ali à minha volta, só queria sumir dali, ir pra minha casa, esperar Beto e Luciano voltarem do Show, não sabia que hs eram, parecia que eu estava num pesadelo mas olhava praqueles seis homens, cinco sentados comigo numa mesa, um no balcão, meu Deus, pq eu estava ali, tirando meu Pai, ninguém ali tinha nada contra mim eu pensava, calado, sem dizer uma palavra
Bem falou meu Pai, tempo é curto e voa, vou pela ordem das minhas promessas à vcs, primeiro meu Amigo Juvenal, negócio tem que ser rápido meu Parceiro, se meu mlk ficar com frescura, porrada nele, depois Renato, lance rápido tb, nada disso Jegão interrompeu Remato, vc não me enrolou esse tempo todo pra dar fudeco, conheço teu menino, ele me conhece, comigo tem lance rápido não, meu pai fingiu que não ouviu, depois é Epidio, por último, vcs nem vão estar mais aqui, vai Faísca antes de mim, será responsável por ele comigo, tem os mesmos direitos que Eu, eu fecho o matadouro, Samuca o motorista quando eu acabar, deverá tar chegando pra longa estrada prá minha velha e amada Bahia, enfim meu bezerrinho ficará lizinho todo na frente, como eu sempre soube que ia ser.
Fiquei ouvindo aquilo tudo, acho que eu estava em choque como disse o tal Epidio lá na sala de casa, não conseguia soltar uma palavra, Lourenço chamou o tal Faísca, leva o mlk pro quarto cativeiro lá no fundão, vá Juvenal com eles e bom apetite tb disse ele, eu olhei pro meu pai sem falar nada, mas meu olho devia tar falando, perdoa eu Pai, vou voltar a ser bonzinho, vai fdp me disse ele, o tal Lourenço me pegou pelo braço, me levou prum quarto grande lá no fundão, abriu a porta, Seu Juvenal entrou comigo, o Homem fechou a porta, ouvi o barulho da chave lá fora nos trancando lá dentro, só ae acordei pra vida, entendi os olhares que aquele homem me dava a vida toda quase, que me dava tanto medo, eu conhecia a família toda dele e ele estava prestes a me violentar, lembrei do tal Gilsinho, fiquei apavorado mais ainda, ele me disse calmamente, fica bonzinho neném ae não te machuco não.
Eu tava com a camisa suja de sangue, boca machucada e doendo, eu não sabia o que fazer, meu braço tremia tanto, comecei a chorar, na minha cabeça só via a imagem do Beto, se ele tivesse ali, com certeza iria me salvar, ai Beto, perdoa eu Beto, vem me buscar eu dizia em pensamento pra mim mesmo.
Tira tua roupa neném, ele me disse, fiz com a cabeça que não, ele riu, obedece mlk, é hora de tu pagar o que fez pro meu amigo que te criou feito um filho, não vou falar de novo, peladinho pro Papai aqui, não sou bandido feito Beto, mas tu vai gostar da rola aqui, Sr conhece minha mãe, minha família toda falei, deixa eu ir pra minha casa, ele chegou bem perto, eu tava sentado na beira da cama, me deu um pontapé na barriga, fiquei sem ar, obedece Juvenal seu putinho, ou quer que eu chame meu amigo, eu fiquei pelado, ele tirou a camisa, a bermuda, cueca tudo, eu não olhe mas vi ele jogando tudo numa poltrona do quarto, jogou um travesseiro no meio da cama, bundinha em cima do travesseiro pra minha rola deslizar melhor falou, eu obedeci, cobri meus olhos com a mão, não queria ver nada, fiquei quieto, enquanto sentia o negócio entrando em mim, tava todo dolorido já, que parecia que a dor tinha aumentado nada, isso mlk, bem bonzinho me disse no ouvido, apanhar pra que né, socou o pinto todo, agora rebola pro Papai, rebola gostoso meu putinho gostoso do caralho, desde criancinha fdp que quero te fuder, delícia mlk, um cuzinho de novinho não tem dinheiro que pague, rebola, para não, se parar te tiro os dentes, começou a morder meu pescoço, mordia de verdade, uma dor dos infernos eu sentia, fiquei quieto pensando, leva eu Deus, por favor, me tira daqui.
Depois parou de me morder, eu respirava mais aliviado agora, começou a fazer os movimentos mais suaves, eu só via o braço mulato, grosso dele, os pelos esbranquiçados já, segurando firme meu pescoço, resto do meu corpo, o peso dele sobre mim, as pernas fortes escancarando as minhas, tava todo controlado por ele, brutalmente sob o domínio dele, aquele homem já grisalho, Pai, Avô, de fala mansa e respeitado no Bairro por todos, entre quatro paredes, se transformava totalmente, começou a girar seu membro suave dentro de mim, ai que delícia tu mlk, dá até dó de gozar, antigamente achava errado essa idéia do meu Amigo de tantos anos de te capar, mas ele tá certíssimo, tu nasceu prá ser fêmea mlk, putinha de homem feito, um depósito da nossa porra, o sangue que tu carrega te fez igual tua mãe, a maior puta que já pisou no nosso Bairro, tu é gostosinho todo igual ela, aqui em cima de ti, a rola toda dentro de ti, teu rabinho quente e gostoso, fecho os olhos e volto lá pro passado, parece que tou comendo ela de novo, a gostosa Abigail.
Começou a me alisar com doçura agora, tirou o braço do meu pescoço e começou a alisar meu corpo com as duas mãos, dizendo palavras bonitas no meu ouvido, mesmo sentindo a dor do chute ainda, eu pensava, em outra situação eu acho até que ia gostar de ser desse homem mas ele não me enganava não, eu sabia que qualquer deslize, qualquer falta de tato e obediência que eu mostrasse, ele não teria dó, ia cobrir aquelas carnes que no momento eram dele, de porrada, era feito meu pai, não obedece, apanha, fiquei obedecendo em tudo, queria apanhar mais não e pensando, minha mãe não é puta, é uma santa, quem é essa Abigail que ele falou, mas eu que não ia perguntar nada, aquele homem tinha força, prá me quebrar, nem precisava usar ela toda não.
Fiquei mansinho prá ele que se lambuzava em cima de mim, começou a gemer mais intensamente e latejando feito cavalo no cio, me encheu com sua porra suja falando, minha putinha, minha Abigail gostosa no meu ouvido, era a penúltima vez que esse fdp tinha gozado na vida creio, sua história de abuso de gente mais fraca tava acabando, aquele pedaço de carne que ele tinha retirado há pouco de mim, iria ser enfiado em poucos dias, dentro da boca dele, quando eu soube, fiquei nem um pouco triste não, teve o que merecia.
Ficou largado do meu lado, eu já sabia que ia ter que fazer o trabalho completo mas ele falou, meu Amigo não quer nada na tua boca, boca é só dele, disse prá todos nós, mas ele não precisa saber, saio daqui sem esvaziar meu saco nessa bokinha gostosinha tua não safadinho, já já te ponho calo na língua.
Posso ir me lavar eu perguntei com medo, prá que ele respondeu, deixa eu te sujar de novo, ae vc toma banho, ficar limpinho pro Renato, cara novo, rijo, sadio, estivador, pirocão, tem um tesão danado em mlk novo tb, vai sofrer putinho, próximo é ele, eu pensei, eles gostam que a gente obedeça, tenho que ser forte, ficar mansinho prá todos eles, senão, saio deste lugar vivo não.
Ele continuou falando, meu Amigo que te criou, aprende agora a dar o valor que ele merece garoto, homem de valor, trabalhador, vida dele é trabalhar pra cuidar dos filhos, merecia o que os vagabundos teus machos, fizeram com ele não, aquele Gilsinho safado, foi maldade dele nem minha não, foi misericórdia nossa, o safado ia sofrer muito se a gente não tivesse dado cabo dele, ia ficar sangrando até morrer.
Ele continuou, o puto tinha uns doze anos mas já era safado, gostava dum dinheirinho na mão, meu Amigo não nasceu ontem, percebeu, primeira vez pegou sozinho, na segunda me chamou, sabia do meu gosto por menininho novo e tava afim de dar um castigo no safado, mlk novinho, concorda em sair com dois machos véios, nós ia botar pra fuder mesmo, pro fdp aprender a ser gente, ele marcou num sábado de dia, fomos no meu carro buscar a criança, toalhas, facão pra abrir caminho na mata, garrafa de conhaque, levamos ele pro fundão já no pé da serra, podia gritar à vontade, íamos meter os dois juntos no cuzinho dele, pra arrombar mesmo, danadinho ia pela mata com a gente, nós segurando firme na mão dele, minha rola já feito pedra de tão dura, Gilsinho podia gritar à vontade, ninguém ia ouvir.
Jibóia do teu pai ele já conhecia, já tinha guentado ela inteira, gostava de rola grande o sem vergonha, escolhemos uma clareira na mata, forramos com toalhas, quando mandamos ficar pelado, ele viu que iam ser dois juntos, tentou correr, teu véio deu-lhe um chute, o bixo voou longe, já caiu manso com a dor, mlk frakinho igual vcs, na primeira pancada, fica mansinho já.
Fiquei por baixo, minha rola já dentro dele, teu pai cobriu por cima, danado não conseguiu abrir caminho pra receber a minha e a tora grande do meu amigo juntas não, começou a dar xabu, teu pai resolveu abrir caminho no braço, postou o sem vergonha de quatro, meteu vaselina no braço todo, eu segurando o mlk, ele atoxando o braço pra dentro, o mlk gritava, queria fugir da coisa, eu pelado, rola cada vez mais dura, tava adorando aquilo, nunca tinha visto um bração comendo um cu, mlk já tinha se entregado ao destino, olhos esbugalhados mas entregues, teu pai resolveu ir além dos limites, safado já tinha gozado só de enfiar o braço, me chamou pra nos darmos as mãos lá no fundo do mlk, meti vaselina no meu tb, deu um trabalho da porra mas entrou, sensação gostosa do caralho, nossos braços juntos lá dentro, safado do mlk gritava como se tivesse sendo queimado vivo, dava mais tesão ainda o negócio, mas ae deu merda literalmente falando, sem vergonha se cagou, inda bem que tinha uma nascente bem ali do nosso lado pra gente tomar banho depois, ficamos no clima, eu e teu pai batendo bronha com uma mão, a outra comendo gostoso o fdp do mlk, nós dois sentindo aquilo quente nos braços, quando gozamos, olhamos, ae vimos que era só merda não, o sem vergonha tava se esvaindo em sangue, jorrava feito água escorrendo dos nossos braços, retiramos, um de cada vez, nos lavamos na nascente, ficamos pelados pro sangue não sujar nossas roupas, acendi um cigarro, tomamos um golão do conhaque, ficamos lá esperando o sangue parar de escoar do rabo do safado, mas nada de parar, deve ter rompido alguma artéria falou teu pai, o mlk já tava fraco mas gemia e chorava de dar dó, teu pai olhou pro facão em cima duma pedra, olhou prá mim, eu entendi, tava acostumado a sangrar bixo lá no meu Maranhão, socorrer o mlk não tinha como, ia sangrar o caminho todo até morrer, deitamos ele de costas no chão, teu pai cruzou as mãos dele, pra ter uma morte digna e olhando pro Céu, rezamos o Pai Nosso pra sermos perdoados e foi num golpe só, quase degolei o garoto mas enfim, tinha acabado o sofrer dele, jogamos o corpo dentro da mata e fomos embora, bixos devem ter comido ele, nunca pintou notícia do corpo ter sido encontrado, fizemos o melhor rapazinho, o que tinha que ser feito, entendeu agora que não matamos, só acabamos com a agonia do coitado, fomos pro bar do Compadre e a vida correu, solta e tranquila até hj.
Meu Deus, pensei calado, ele acha o que fez normal, não tem culpa nenhuma, tou nas mãos dum monstro, de dois monstros.
Depois, abriu as pernas, não precisou dizer nada, as bolas grisalhas e a rola dura tavam a me esperar, fiz o melhor que pude com minha boca doendo, o monstro tava gostando, viajando na minha boca e língua, queria evitar a rola mas não teve jeito, me obrigou a deixar ela limpinha com minha boca, ali não tinha opção, a palavra não, estava fora do vocabulário daquele homem de rosto calmo e sereno, depois gozou, muito, eu engoli tudinho, não tinha outra opção.
Se levantou, pegou no meu pintinho, o véio lá na Bahia vai ter muito trabalho não, na tesoura acho que até eu corto isso, se lavou no banheiro, se vestiu, vai tomar teu banho neném, até a volta da BA, vou sair, Renato entra, bateu forte na porta, eu tava entrando no chuveiro, Renato já tava dentro do quarto, quando saísse do banho, tinha outro Macho para ser saciado me esperando, eu ia dar o melhor de mim, tentar fingir que estava gostando, tinha esperança de escapar dali, fugir do inferno e se Beto me quisesse ainda depois daquilo tudo, sentir a paz nos braços dele, o pernão em mim, aquela proteção que ali onde eu estava, nunca iria ter.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,50 de 14 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

13 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Trator Hétero ID:19mie6n2h5

    Né veado,se as pessoas eram podres,vocês veados o são desde sempre,mas eu,John Deere,Matador de Veados está aqui pra dar fim em toda essa podridão!

  • Responder Francisco ID:g3jga5oij7

    Acaba esse sofrimento o lek não merece. Faça Beto e a gangue toda chegar ali. E matar esse velho e o pai do lek de vez. É muito sofrimento pra uma pessoa só. Por favor……

  • Responder telegram: TTnovinn ID:h5i9ky6icq

    Estou muito ansioso pelo renato rsrs só tenho 15 anos e ainda sou virgem, mas tenho muito tesão e desejo em caras como ele, grandes e dominadores🥵 Queria perder com um assim!

    • Anderson estuprador ID:xgn796ibj

      Me chama que te como viado, tu vai ser minha puta

    • Anônimo ID:81rqa5sfii8

      Me estupra também

  • Responder luiz ID:dlns5khrd0

    O conto melhorou demais, é isso que eesse moleque gosta servir os homens, vamos ve Renato meter muito nele, continua logo

  • Responder Aff ID:81rnr0sd9i5

    Gostei até, prefiro o Lek ser estuprado por esses machos e não gostar do que ele gostar de dar pro Luciano se ele não for só do Beto,melhor ele ficar sendo puta do pai dele
    Até que capar ele não ia ser tão ruim e dar ele pro Beto capado

    • luiz ID:dlns5khrd0

      viado nao tem dono nao deixa ele da para todos os homens luciano é bom para ele, lek tem que recompensar Luciano tambem

  • Responder Bsb novinho ID:muiqz2m9a7

    Caralhooooooooooo não demora por favor escrava pra nois casa experiência

  • Responder Gordo passivo ID:5vaq00tfi9o

    Sabia que ia chegar esse dia. Maxi e orgulhoso,Cachão mesmo que o pai de Lei, o ia deixar em paz?? E claro que quando o apanhasse o Lek estava num inferno. Só falta apanhar os outros e fazer deles putinhas também. Continua.

  • Responder Dudu ID:830xxpx6v33

    Maravilhoso!

  • Responder vsbwjsj ID:h5i9ky6icq

    que nojo mdsss

  • Responder Baby Boy ID:vpdkriqlp

    Podre*