# # #

Sexo com garotinhas – Apresentando minha filha caçula ao sexo (3 de 3)

3676 palavras | 14 |4.83
Por

Finalmente minha filha caçula entrou na brincadeira, agora tenho 3 putinhas pra brincar comigo

Essa é a parte 3 do conto, se ainda não leu, então Leia as outras continuações no link abaixo;
/autor/familia_incesto/

Chegou o aniversário de minha filhinha, Paulinha, estava completando 7 anos, e iamos todos pra festa na casa de Mara, levei minha mãe, minha irmã, Leon e as Gemeas, depois da festa eu iria ficar uma semana com minha filha, e eu já estava triste porque iria abandonar minha foda da madrugada. Na festa tinha bebidas, então aproveitei pra tomar uma cerveja, fiquei meio bebado, fiquei olhando minhas fotos no celular e me deparei com a de Larissa toda gozada, na hora fiquei de pau duro, já não transavamos a 3 dias, fui atrás das meninas, minha casa era de 2 andar, e Mara já estava muito bebada com minha irmã e minha mãe na cozinha, todos já haviam ido embora, na sala estava Leon e Lucas jogando aquele bendito videogame, fui atrás das meninas, olhei no quarto da Mara e não estavam, fui direto no quarto de Paulinha. Não precisa dizer que estava rolando a maior putaria, estava Luara se masturbando no canto e minha filha estava com seu vestido de princesa da bela e a fera todo erguido, com a Larissa de boca na xoxotinha da minha filha. -MENINAS VOCÊS ESTÃO DOIDAS?
fechei a porta, e minha filha já veio pra cima de mim pedindo desculpa. -Pai, foi La e a Lu que falaram pra fazer, desculpaa. Ela começou a chorar e eu fui direto na Larissa, que me falou que estava com vontade e a Paulinha não saia de perto, então fizeram com ela. Fiquei muito bravo com elas, afinal podia ser qualquer pessoa. Puxei elas para o quarto de Lucas, pois tinha tranca. Chamei a Paulinha e perguntei se ela tava gostando da brincadeira, na mesma hora Larissa e Luara gritaram que sim, que ela tava até gemendo, ela me respondeu que sim, mas toda sem jeito, ainda com vergonha. Eu então expliquei que eu brincava assim com as primas dela, e que se ela prometesse não contar pra ninguém, eu faria com ela também, porque agora ela já era grandinha e tinha idade pra aprender. Levando o vestidinho amaelo dela, e já fui lambendo a xaninha da minha caçula recém completado 7 anos, Larissa já devia estar chupando a bastante tempo, pois estava bastante avermelhada, quando eu ia tirar minha bermuda, ouço o portão da garagem abrir, corri pra janela, vi minha irmã e minha ex esposa saindo com meu carro, provavelmente pra comprar mais cerveja, normalmente eu ficaria puto, mas aquilo foi tranquilisante. Pensei que teria alguns minutos com as meninas sem me preocupar, voltei para o quarto e agora a Luara já estava com buceta na cara da minha filhinha enquanto a Larissa chupava toda sua xaninha de neném. Era assim que eu chamava minha filha.Tirei minha roupa e fui direto na bucetinha de Larissa, tinha uma boa visão da minha filhinha tendo prazer, mesmo sendo fodida todo dia, Larissa era bem apertadinha, afinal era uma criancinha de 8 aninhos, era comum ter a bucetinha apertadinha. Enpinei sua budinha e soquei na xaninha da menina, não demorou e minha filhinha começou a ter espasmos e gozou da boquinha de Larissa, eu tirei de dentro da menina e disse que agora era vez de botar na xaninha da minha neném, Larissa ficou com ciumes porque adorava quando gozava na sua xoxotinha, mas espliquei que era aniversário da minha filha e era ela que ia ter prioridade. Abrir a xotinha da minha filha, ela estava com uma expressão de prazer, acabara de ter seu primeiro orgasmo. Sua xoxotinha ainda estava se comprimindo e espelindo seu liquido, cai de boca na minha filha e chupei toda a pequenina, que garotinha tesudinha. Paulinha não nem sinais de seio, tinha um bundinha um pouco grandinha, pele morena e cabelos negros, mas a estatura e o corpo era de uma criança completa, e isso era oq me deixava louco. Ela estava dando gritinhos e gemidos de prazer enquando eu chupava, ao fundo minhas sobrinhas faziam um delicioso 69 com a Luara por baixo.
Segurei minha filha pela cintura e coloquei meu pau na portinha de sua microxana, era apenas um risquinho muito pequeno, parecia a xaninha de um bebezinho, era bem gordinha e avantajada. Botei meu pau na portinha de sua xaninha e ela até mordia os lábios de tanto tesão, fiquei brincando na portinha de sua vagina infantil, mas não quis penetrar, seria muito sofrimente pra ela, ela não aguentaria e ainda mais, eu nunca poderia penetrar nela, pois ao contrário de minha irmã, a Mara era muito cuidadosa com Paulinha e frequentemente dava banho na menina e em algum momento ela veria que a virgindade da nossa neném não estava mais lá, por isso resolvi não penetrar, mas não me impediu de brincar na portinha, ela gemia gostosinho e estava doida pra receber o pau da papai igual sua prima, mas não dava. Senti que ia gozar e enfiei o maximo que podia sem romper o himem e gozei na portinha da criança, minha caçulinha agora estava com a vagina lotadinha de gala, massageei seu grelo e continuei beincando meu pau em sua xana até a putinha ter seu segundo orgasmo naquele dia. Larissa vendo que eu gozei, correu pra chupar a xota da minha filha provaer minha porra. Luara estava no chão quase gozando, então eu fui até sua xaninha e fiz ela gozar gostoso na minha boca. Todas estavam com a xana esfolada no quarto, pedi para elas se vestirem e descerem, pois já estava quase na hora de voltar pra casa.
Mara e minha voltaram sem cerveja, Mara já veio pedindo desculpa por pegar meu carro mas eu nem estava me importando. Minha irmã pediu para ir primeiro e deixar a Mãe, Lucas e Leon, que na próxima eles iriam, eu assim fiz, deixei eles em casa e voltei pra pegar as gemeas, minha filha e minha irmã. Quando cheguei, já fui surprendido com minha irmã querendo falar comigo. Ela disse que não iria dormir em casa hoje, que ficaria com Mara (Depois descobri que ela tinha um relacionamnte com minha ex esposa), minha irmã me pediu pra ficar com meus sobrinhos, por dentro me veio uma alegria, mas por fora não poderia demonstrar. -Mas eu já vou ter que ficar meus filhos e ainda terei que cuidar dos seus?? Ela me implorou, disse que elas não davam trabalho, eu aceitei fingindo não gostar, mas estava quase soltando fogos de artificios. As gemeas e minha filha entrou no carro, quando as meninas viram que a mãe não viria, logo me questionou, então expliquei que hoje eu iria ficar com elas. Minha irmã me deu um dinheiro pra ficar com as meninas, voltei pra casa e já peguei minha mãe pra levar pra igreja, só voltaria no fim da noite, peguei o dinheiro e dei para os meninos como presente, eles sairam pra ir até uma lan house local, e como eles não tinham chave, teriam que bater pra entrar, mais um motivo pra não ser pego de surpresa.
Assim que os meninos sairam, as meninas já foram saindo do quarto, estavam todas peladinhas, hoje a noite seria longa. Fomos pra sala, transformei o sofa em cama e nos deitamos, minha filha me perguntou sobre qual filmes iriamos ver. Baixei um filme porno da internet, era com várias atrizes vestidas de princesa. Aumentei o volume e comecei a dedilhar a pepeka de minha filha e de Luara, enquanto pedi pra Larissa me chupar. Estava muito gostoso, ouvia minha sobrinha engolindo meu pau, enquanto sirircava minha filhinha caçula e minha outra sobrinha. Minha filha se deliciava na minha mão, rebolava gostosinho em meus dedos, já na Luara eu enfiava dois dedinhos, ela adorava, segurava eu braço com força como quem queria mais e mais. Luara se levantou e por si só sentou em meu pau, ele ainda entrava com dificuldade, mas a putinha nem reclamava de dor, ela ficou cavalgando de frente pra mim, eu ficava olhando pra sua carinha de putinha realizada, se o céu não for um monte de criancinha no cio, eu não sei oq é!
Minha filha já estava toda molinha, já havia tido 2 orgasmos naquele dia, pedi para ela sentar em meu rosto, que eu iria chupar sua pepeka, ela meio sem jeito veio, a bucetinha de minha neném era deliciosa, bem meladinha, por anos vivi com minha filha e sequer pensei que ela era uma criança tão fogoza.
A Larissa estava sentando com muita brutalidade, eu estava quase gozando então segurei ela e pedi pra ela dar a vez pra sua irmã, ela não gostou nada, mas a Luara tirou a menina de minha rola e já veio cavalgando com vontade, essa gostava de sentir dor, entre gritos e gemidos, me fez ver que realmente aquelas meninas não sabiam tranzar no silêncio. Larissa expulsou minha filha de minha boca e disse que agora era sua vez, minha filha ficou olhando a Luara sentar em meu pau. -Papai, o senhor vai fazer assim comigo?
-Você não pode amor, se a mamãe souber ela vai te bater e me brigar.
Ela fez carinha me manhosa e ficou olhando, levei minha mão até sua buceta e fiquei estudando a possibilidade de penetração, era muito apertadinho, e o fato da Mara ficar fazendo vistoria nela me assustava, mas ainda tinha uma alternativa.
Perguntei se ela queria fazer assim, ela me disse que sim, então eu falei que dava pra fazer, mas ia ser na bundinha dela, as meninas se assustaram quando eu disse, eu nunca tinha feito anal com nenhuma delas.
Minha neném me disse que faria, eu alertei que ia doer, mas ela não recusou.
Então me levantei e fui até o banheiro, peguei um pouco de sabonete líquido, e melei bastante meu pau e o cuzinho de paulinha, ela estava ansiosa, pedi pra ela ficar de 4, empinei sua budinha que era mais carnuda que das gemeas, analisei seu cuzinho todo melado. Chamei Luara e pedi pra ela chupar a xaninha de Paulinha, enquanto eu metia, assim ela fez. -Você quer isso mesmo neném?
-Sim papai, igual a Lu e a La.
coloquei meu pau na entrada do seu anelzinho, as preguinhas todas intáctas, enfiei empurrei a cabecinha mas estava muito escorregadio, tive que alargar com meu dedo um pouco, Paula apenas dava leves gemidos mas parecia aguentar meu dedinho de boa. Enfiei mais um e ela agora começou a dar gritinhos de verdade, mesmo sendo minha filha, os gritinhos de paulinha me excitava muito. Decidi meter logo, chamei a Larissa pra abrir a bundinha dela enquanto eu metia, e isso facilitou muito, um buraquinho começou a se abrir pra mim, então enfiei com vontade, até que finalmente a cabecinha entrou, ela deu um grito de dor, que apertou meu pau, segurei ela firme pela cintura, então enfiei tudo de uma fez, até sentir meu saco bater.
-Ai pai… eu não sabia que ia doer tanto ahhn
Ela me disse com a voz meio trêmula, mas não dei mole, comecei a bombar tudinho na bundinha da minha filhinha, ela então gritou mais alto. -Agora aquenta filhinha, o papai vai te dar rola todo dia.
O anelzinho da minha pequena era delicioso, apertava meu pau de todas as formas, ela fazia força pra sair e meu pau era apertado mais ainda. Continuei bombando com vontade naquela criancinha e então explodir em um delicioso gozo no cuzinha da minha caçulinha de 7 anos, Larissa tratou de sugar o que saia de meu pau, e eu pedi pra Luara chupar o que escorria da bundinha do meu neném, não vi nenhum sinal de sangue, então não tinha ferido, pedi pra olhar sua bundinha e seu anelzinho dava todo arrombadinho, meu pau tinha feito um estrago no cuzinho daquela criancinha, dava pra ver minha gala dentro dela. Fui até a minha pequena e disse que era normal doer da primeira vez, mas na próxima ia passar.
Ela me olhou e deitou de perna aberta o sofa, estava com a bundinha toda dolorida.
Com a Larissa chupando meu pau, rapidamente ele endureceu outra vez, foi então que ela disse que queria fazer também, eu continuei deitado e só passei um pouco de gala cuzinho da minha filha em meu pau, passei mais sabonete na bundinha da Lari e ela foi sentando e encaixando meu pau no seu anelzinho, ela queria mostrar que aguentava mais que a Paulinha, então não deu tempo e sentou de uma só vez, eu tentei tirar ela mas a meninas se segurou, mais um choro, agora ela chorava mas tentava disfaçar pra não se mostrar fraca, queria mostrar que era uma putinha.
Mas ela não aguentou e saiu de cima de mim, Luara ficou rindo dela, e nem quis arriscar um anal.
Aproveitei que meu pau tava duro e meti gostoso na xaninha de Luara, era a minha prefida, pois eu metia com força, e ela adorava, como Larissa e Paula estavam no canto, descarreguei todo meu esperma na xotinha de Luara.
Olhei o horário e fomos arrumar a casa antes de voltarem pra casa.
Nossos dias foram maravilhosos, transamos em meu carro no caminho de ida e no caminho de volta, no final da semana.
Fiquei algumas semanas sem ver minha filha, até que recebi uma ligação, era Mara dizendo que havia entrado no quarto de Paulinha e visto ela com uma escova dentro da pepeka, ela tinha enfiado tudo, tinha muito sangue, mas ela não parava. Perguntei o que ela tinha feito, ela disse que iria levar ela em um ginecologista pra ver melhor e que tinha brigado com ela mas não bateu. Eu disse que iria resolver esse problema, e levaria uma pomada pra ela. Fui até a casa da minha esposa e meu filho não estava, minha filha estava no seu quarto, fui até ela e a menina correu pra me abraçar. Pedi para a mãe dela me deixar leva-la para casa, conversaria sério com ela e eu traria ela no fim da noite. Mara estava muito estressada com a filha e por isso deixou, quando entramos no carro eu briguei com ela muito duro, mas ela disse que não estava aguentando e que fez mas sentia muito.
Como estava todo mundo em casa, levei ela até um parque noturno, parei um pouquinho longe, pedi pra ver sua pepeka, Paulinha tirou seu shortinho jeans e abriu suas pernas, ela estava sem calcinha toda putinha, vi que de fato estava sem o himem, mas ainda estava fechadinha, massageei o seu grelinho e deixei ela bem meladinha até por ela em meu colo e tirei meu pau pra fora. -Agora você vai sentir como é o pau do papai.
Deixei ela abertinha e fiz ela sentar com força, ela esboçou um grito mas não reclamou e continuou cavalgando no meu pau, enquanto via sua expressão de dor e prazer, fiquei pensando em todas as vezes que troquei as fraldas dela, que via ela nuazinha e não olhava. E agora estava toda empalada na minha pica, meu neném também era uma bela putinha. Ela teve um orgasmo gostosinho no meu pau, ouvir minha filhinha gozando de prazer é maravilhoso, não demorou e gozei dentra da pepekinha dela, ela adorou.
Dirigir até um shopping que era prox e deixei ela empalda no meu pau, assim que chegamos, vesti o shortinho nela e fomos até uma loja de brinquedo, comprei pra ela um bonequinho bem feio, mas as pernas dele tinha formato identico a uma rola, comprei e dei pra ela. Reparei que tinha um liquido escrrendo pela perna dela, era meu gozo sendo expulso da pepequinha dela, cheguei bem perto, passei a mão e em seguida levei a boca da menina, ela chupou meu dedo e fez caretinha. -Oq é isso pai?
Falei pra ela que depois explicaria, levei ela até a área dos banheiros, procurei o mais isolado deles, e mesmo assim tinha umas 3 pessoas, então não quis entrar nem banheiro feminino e nem no masculino. Olhei uma porta meio escondida e era o berçario, pensei comigo, aqui é o lugar perfeito. Puxei ela pra dentro, e a porta tinha tranca. Tranquei e já fui puxando meu pau pra fora pra ela chupar, ela me olhou toda safadinha e tirou seu shortinho, as paredes tinham vários denhos de bebê e algumas figuras infantil, transar em berçario se demonstrou ser minha maior tara, pelo fato de ser um ambiente infantil e feito pra bebês, olhei o shortinho de paulinha e estava todo meladinho, lambi ele todinho.
Meu pau já tava trincando, botei ela sentada na mesa de trocar fralda de barriga pra cima, peguei seu brincadinha e disse que iria ensinar ela a brincar quando tiver sozinha, ela ficou de olho e eu fui atolando todo na sua bucetinha, ela aguentou tudinho, fiquei enfiando e tirando ele gentilmente.
Dei pra ela praticar, ela pegou e ficou penetrando com força, ela ficou de enfiando até o fundo. Peguei meu pau e atolei no cuzinho da menina, ela aguentava tudo e quando esboçava dar um grito, eu tapava sua boquinha, meu pau atolado no cuzinho e o brinquedinho na pepeka, minha filhinha tava aguentando uma DP, ela não demorou e acelerou os movimentos, parecia estar chegando no orgasmo novamente, então acelerei as estocadas no cuzinho e enchi a pepeka da minha filha de porra.
-Olha filhinha, esse liquido branco que dei pra você beber, é a sementinha que o homem bota pra fazer bebe na mulher, mas você é muito pequena então não funciona, mas serve pra beber.
Dei pra ela provar e ela disse era salgadinho mas era gostoso. -Gostou do teu brinquedinho amor?
-Gostei papai
Vesti ela, botei seu brinquedinho na sacola, todo melado da sua buceta. Saimos e quando abrir a porta dei de cara com uma mulher, ela estava com um bebê de colo, ela arregalou os olhos quando nos viu, provavelmente imaginando o que tinha acontecido, apenas falei que tinha que levar minha filha no banheiro. Saimos dali, e então lembrei tinha esquecido de limpar a mesa de trocar a fralda do bebê, estava suja de esperma e fluidos vaginais.
Saimos dali correndo entrei no carro e sai o mais rápido com medo, fomos lanchar em um lugarzinho antes de deixar como belo pai e filha. Antes de devolver ela, conversei com a menina pra tomar cuidado onde brincava, ela me ouviu e me prometeu brincar somente quando tivesse sozinha em casa. Dei a pomada pra Mara e disse qua já tinha passado, ela ficou feliz porque conversei com Paula, mas na verdade ela estava com a xota sem a virgindade e eu devolvi ela com a xana e o cuzinho arrombado, sou o melhor pai do mundo.
A partir desse dia eu comecei a buscar a Paulinha na escola, sua mãe insistia em levar a menina para um ginecologista, mas eu dizia que era desnecessário, e que o médico poderia achar que ela está sendo abusada e consequentemente traria graves consequencias para nós que somos os pais. Tentei também abrir um pouco a mente dela, falando que algumas meninas eram muito mais precoce que outras, e provavelmente nossa menina estava se descobrindo.
Passei a ir buscar minha filhinha na escola, pedi uma altorização pra ela sempre sair mais cedo, já que eu trabalha até as 15h e ela estudava até as 16h, eu iria sempre buscar ela mais cedo, o Lucas também deveria vir, mas ele tinha vergonha e prefiria voltar junto com seus amigos.
Pra Paulinha, a rola era garantida antes de voltar pra casa, minha garotinha gostava muito de voltar cavalgando em meu pau, deixava ela em casa com a bucetinha toda judiada.
Sai da casa de minha mãe no ano seguinte, precisava de um lugar só meu, apesar das meninas ficarem tristes, eu ainda me oferecia pra trazer ou as vezes levar elas pra escola, tinha vezes que sequer levava as meninas pra aula, iamos pra minha casa e lá tinhamos o dia do prazer, Larissa e Luara transaram comigo até completar 12 anos, foi a idade que começaram a namorar e acabaram me esquecendo, elas ainda me olham, mas nunca mais toquei nelas, hoje tudo isso não passa de uma lembrança. Minha irmã teve outra filha e se casou com um cara rico, levou as meninas pra morar junto com o cara e dificilmente eu fazia visita, a propósito, minha nova sobrinha tem quase 4 aninhos, to louco pra continuar a tradição da família.
Mara se casou novamente e o cara mora com ela meus filhos, é um rapaz mais velho.
Paulinha fica comigo nos fins de semana e é quando eu tenho mais prazer. E eu? bom, passei de um conservador a um pedo. Minha vizinha me pediu várias vezes pra ficar com sua filha de poucos anos de vida, e não preciso dizer que cuido muito bem da pequena.

CONTINUA
Leia as outras continuações no link abaixo;
contoseroticoscnn.com/autor/familia_incesto/

Obrigado por lerem até aqui

Se gostaram, avaliem o conto em 5 estrelas e comentem, leio todos os comentários.

Se você quiser falar comigo, meu e-mail é
[email protected]

me desculpa os erros de português

Vibradores com 19% de desconto na Vibrio!

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,83 de 35 votos)

Por # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

14 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder É isso aí! ID:8d5pktuxij1

    Conto totalmente mentiroso, com alguma possibilidade de ter acontecido somente toques com criança uma vez ou outra, mas, não como é contado apenas por um detalhe: sabonete??? Velho! Quem realmente já trepou menininha e a fez gozar de verdade, sabe que sabonete ARDE pra cacete! Sabonete na xota já arde demais, quanto mais na bundinha! Perdi o tesão aqui!

  • Responder Pdo24 ID:8eezg08fidj

    Tesao demais, melhor coisa eh se divertir com um monte de garotinhas dessas
    @lcls000

  • Responder @Leticiazinha02 ID:muj6pxud30

    Nossa que putaria

    • Papai Safado ID:81rdy0198ll

      Mais um homem se fingindo de menina kkk

  • Responder Anônimo ID:46kq0ortv9k4

    Nojento mentiroso

  • Responder Nilramos ID:41ihso7xt0c8

    Delícia, fiz duas paradas na leitura pra bater punheta, gozei duas vezes

  • Responder Pachecao ID:g3iw1638mm

    Delícia agora não tem jeito vou tocar uma gostosa punheta pensando em vocês.

    • Anônimo ID:46kq0ortv9k4

      Mentiroso, nojento e ridículo

  • Responder Anônimo ID:5pbaat9rfi90

    Muito fantasioso… Perdi a graça nem li o resto. Vc nunca comeu uma menina novinha. O comportamento que vc descreveu não chega nem perto da realidade. Elas não podem nada não gemem a não ser de dor. Comigo só aconteceu um vez de uma perguntar se não ia chupar ela primeiro. Tinha 10 anos, a irmã 12. Essa de 10 era a mais safada que pintou na minha área até hoje muito mais que sua irmã. Chegou até me surpreender quando me perguntou quanto daria pra ela pra ver ela chupar a irmã. Eu pagava ela pra me levar amiguinha da idade dela. Levou duas.

    • Qwert ID:xglt74qij

      Você é um infeliz…

    • Junior ID:bf9drkvxik2

      Geme sim, cara!!!
      Uma vez eu saindo pra trabalhar 4:30hs; passando na janela do vizinho ouvi uma criancinha gritar e gemer
      “Ai, ai óóó, óóó!!!… ai, ai óóó, óóó”

  • Responder Rafaella ID:funxvfym26

    Bem contado… Beijos ( adorei a minissérie.. ) !!!

  • Responder Mentiroso ID:41ihypwbfia4

    Você é muito fantasioso e mentiroso… Você dezenas de contos com histórias e idades diferentes …
    Nunca deve ter sentido uma bucetinha novinha na vida. Deve ser frustrado

  • Responder neto sp ID:7xbwhotghmr

    n para continua logo