# # #

Comi a mulher do cara e até o cu dele

2085 palavras | 3 |4.14
Por

Este conto pode ser real ou fantasia. Você escolhe

Olá a todos. Meu nome e Paulo Roberto. Tenho 50 anos, moreno, 92 kg e minha altura é 1,72. Sou casado há 25 anos, tenho três filhos de 18, 15 e 10 anos e moro em Curitiba. Sempre fui um cara muito ativo e constante sexualmente desde a minha adolescência e na minha juventude tive inúmeras experiências sexuais e achei que quando casasse iria me acalmar um pouco, mas foi puro engano. Foi quando casei que despertei para outras experiências como incesto e bissexualidade. Neste conto vou narrar uma experiência bissexual que tive a pouco tempo com um casal amigo meu. Tenho um grande amigo por nome Fernando, cuja esposa Daniela é uma delicia de mulher. Sempre alinhada com roupas provocantes, tipo mini-saia jeans e sandália de salto alto, deixando sua bunda sempre empinada. Usava também umas camisetinhas de malha, revelando seus seios firmes em formato de pêra….uma tentação. Sempre a desejei, mas nunca demonstrei a vontade que eu tinha de chupar ela todinha e comer aquela buceta que deveria ser uma coisa de outro mundo. Sempre que tinha festa na empresa e Fernando trazia sua esposa, eu ficava imaginando ela peladinha de quatro e eu com o rosto metido em sua bunda deliciosa, mas isso tudo não passava de devaneios de minha parte, pois a única intimidade que eu tinha era com Fernando, uma cara gente boa que me respeitava muito e gostava de mim gratuitamente. Nas poucas vezes em que saímos juntos para tomar cerveja e jogar truco, a gente se limitava a conversar sobre os assuntos da empresa em que trabalhávamos, pois eu era seu chefe no setor. Numa dessas vezes em que saímos, notei que ele foi mais longe me confidenciando algumas aventuras sexuais e então eu também contei algumas minhas; Aquelas que não contamos para as nossas esposas nem sob tortura. Mas acabou ficando só nisso e passou-se alguns dias com a rotina normal do dia-a-dia. Certa ocasião, eu estava voltando do trabalho já de noite e já perto de casa resolvi beber uma cerveja, pois afinal a sexta-feira foi inventada pra isso e além do mais minha esposa e meus filhos tinham viajado para a nossa casa de campo e me aguardavam somente no outro dia por lá. Para minha grande surpresa, quando cheguei ao bar encontrei Fernando já sentado tomando uma cerveja com quem? Sim, ela mesma, a esposa gostosa. E nesta noite Daniela estava mais provocante do que nunca. Nem precisaram me convidar pra sentar, já fui logo pegando uma cadeira e pedindo uma cerveja gelada pra mim também. O assunto estava muito interessante, conversávamos sobre banalidades do dia-a-dia tudo no maior respeito, afinal meu amigo e subordinado estava ali, todo feliz ao me ver e Daniela se mostrava muito simpática, acho que nem percebeu que eu estava interessado nela. O tempo foi passando, a mesa se enchendo de garrafas vazias e o assunto foi descambando para as intimidades entre os casais. Nesta altura da conversa Daniela já estava bem solta e de vez em quando soltava algum palavrão e todos caíamos na gargalhada. Foi quando Fernando me perguntou o que eu achava de casamentos liberais, cuja esposa e o marido fazem algumas coisas consideradas tabu. Eu respondi que da minha parte, mesmo sem poder compartilhar da mesma opinião com a minha esposa, eu apreciava. Achava excitante um sexo mais sem-vergonha, mais safado, etc… Parece que aquelas palavras foram a senha para que Fernando me convidasse para a sua casa. Disse que tinha uma garrafa de uísque em casa e que poderíamos ir pra lá pra ficarmos mais à vontade. Pagamos a conta e fomos direto para a sua casa. Quando chegamos lá, nos sentamos e começamos a beber novamente. Já com a garrafa quase no fim, Daniela resolveu ir tomar um banho, pois já estávamos meio altos sob o efeito da bebida e até então eu achava que a noite iria terminar assim. Nesse ínterim meu amigo colocou uma música lenta e suave enquanto conversávamos na sala confortável de sua casa. Pasmei quando ela voltou só com uma toalha enrolada no corpo e meu pau que estava adormecido já deu logo um pulo e ficou duro feito pedra. Então Fernando deu um longo beijo nela na minha frente o que me deixou com mais tesão ainda. Terminado o beijo, meu pau já não estava mais cabendo dentro das calças. Fernando então deu-nos as costas e foi tomar banho também, dizendo que estava cansado e precisava relaxar. Quando fiz menção de ir embora, até pela situação inusitada com a sua esposa de tolha ali na sala, ele disse que não fosse porque queria ainda falar comigo (descobri depois que era apenas uma desculpa pra me segurarar ali) e eu fiquei só, com aquela maravilha de mulher ali na sala secando os cabelos curtos e negros e toda vez que erguia os braços para secá-los, a toalha subia quase revelando sua nudez tão desejada por mim. Ela então elogiou a música que tocava no aparelho de som, dizendo que era a sua preferida e que adorava dançar agarrada aquela canção. Falando isso foi me puxando pela mão e fazendo os passos de uma dança suave e sensual. Eu a abracei pela cintura e pude sentir em seu corpo um perfume inebriante de alguém que acabara de sair do banho e nem roupa ainda havia colocado. Quando eu já não estava mais agüentando, Fernando saiu do banheiro enrolado na toalha também. Tão logo ele saiu, eu me afastei de Daniela e pedi que queria usar o banheiro. Pensei até em tocar uma punheta no banheiro temendo que minha ereção se tornasse muito evidente, mas decidi que tentaria agüentar. Apenas urinei e lavei bem o pau na pia com sabonete e sequei na toalha.
Tamanha foi a minha surpresa quando saí do banheiro e vi a cena: Daniela deitada no sofá, de pernas abertas e Fernando chupando a boceta dela e o mais intrigante: Fernando estava com uma minúscula calcinha vermelha completamente enterrada na bunda. Um dos maiores fetiches que tenho é ver uma calcinha enterradinha num bumbum. Nunca tinha notado que Fernando tinha uma bunda tão gostosa e aquela cena me deixou tarado principalmente porque aquela calcinha caiu como uma luva naquela bundinha. Confesso que fiquei meio sem saber o que fazer. Meu pau já estava babando e doendo de tão duro. Então Daniela me pediu pra me aproximar, me sentar no sofá ao lado deles e relaxar. Assim que me sentei ela imediatamente levantou-se e botou a xoxota na minha cara. Fernando não se fez de rogado: Abriu meu zíper, tirou meu pau pra fora e começou chupar, mas que delicia! Confesso que não demorei muito e gozei gostoso na boca do meu amigo. Ele se retirou pra ir ao banheiro e Daniela se levantou da minha cara e começou a chupar o meu pau gozado e em questão de minutos ele já estava duro como pedra novamente. Na hora em que Fernando voltou do banheiro, ele resolveu participar novamente da brincadeira me chupando novamente junto com ela. Que sensação maravilhosa ter duas bocas chupando o meu pau ao mesmo tempo… Quando eu já estava no ponto novamente, meu amigo pegou uma camisinha e carinhosamente colocou no meu pau com a boca e achei que era para Daniela sentar. Só sei que quando me dei conta, ele estava de costas pra mim sentado no meu pau que entrava e saia num ritmo alucinante. Ele tinha um cuzinho muito gostoso, quentinho e apertadinho… Enquanto isso Daniela tinha seu clitóris quase arrancado por mim que a chupava com volúpia levando-a ao delírio. Jamais senti uma sensação tão gostosa e maravilhosa quanto aquela. Depois que ele se fartou de tanto sentar no meu colo e de tanto tomar no cuzinho, foi a vez dela. Troquei a camisinha pedi pra ela ficar de 4 e meti muito gostoso naquela bucetinha meladinha. Enquanto eu metia, Fernando ficou de frente pra ela e ofereceu a rola pra ela chupar. Que cena maravilhosa… Depois pedi pra comer o cuzinho dela, ela disse que sim, mas que eu teria que ser muito carinhoso. Tirei o pau todo lambuzada da sua buceta e comecei a brincar em seu cuzinho. Empurrei bem devagar e quando entrou a cabecinha ela deu um gemidinho tão gostoso que quase gozei novamente. Depois que entrou tudo, eu comecei a bombar de leve a fim de curtir muito aquele cuzinho maravilhoso. Lembro-me que quando eu estava metendo no cuzinho dela senti que Fernando passou a mão na minha bunda. Pra ser sincero, nem liguei, pois estava totalmente embriagado de tesão e com a bunda pro alto quase de 4 não esquentei muito a minha cabeça. Queria mesmo era curtir cada momento daquela maravilhosa brincadeira. Na verdade estava mais interessado em meter gostoso naquele cuzinho apertadinho, e o que viesse a acontecer seria lucro. Como o safado do meu amigo viu que eu não esquentei a minha cabeça, resolveu ser um pouco mais ousado e sem que eu notasse passou pra trás de mim e começou a lamber o meu cuzinho. Não entendi muito bem, mas devo admitir que foi uma sensação muito boa estar comendo alguém na posição que mais gosto e ao mesmo tempo estar levando linguadas no cuzinho. Então meu amigo me disse: – bem, já que você gosta tanto de comer cu, talvez fosse a hora de você experimentar pra ver como é bom dar. Eu na mesma hora disse que não tinha nada a ver, mas foi da boca pra fora naquele momento me deu vontade de experimentar. Devido à posição em que estávamos, ele tinha o meu cu a disposição e continuou lambendo. Foi quando ele começou a passar o pau na portinha do meu cú. Confesso que foi uma sensação legal não sei se por estar com muito tesão ou por estar curioso. Afinal, pra mim sexo é prazer em todos os sentidos e eu sinceramente não acho que vou deixar de ser homem por esse motivo. Então meu amigo na verdade estava lubrificando o meu cu com saliva quando estava passando a língua. Ele foi brincando e forçando a entrada bem devagar. Dizem que é a pior sensação do mundo quando se dá pela primeira vez, mas sinceramente eu estava tão tomado de tesão que nem doeu tanto e além do mais, seu pau era pequeno. Ele foi bombando devagar no movimento de entra e sai até que entrou tudo. Foi outra cena maravilhosa eu engatado nela e ele engatado em mim num tesão louco. Quando não agüentei mais, explodi de gozo dentro do cuzinho dela e devido às contrações, Fernando também gozou dentro do meu cu. O mais engraçado é que eu e Fernando gozamos, mas nossos paus não amoleceram. Ficamos cansados, mas por algum motivo queríamos mais. Saímos um de cima do outro e deitamos pra descansar um pouco. Depois de uns 10 minutos, Daniela foi tomar uma ducha e logo depois Fernando foi também. Como estavam demorando e eu também queria tomar um banho levantei e fui até o banheiro. Vi outra cena no mínimo interessante: Estavam os dois no chuveiro com ela de costas e ele metendo gostoso nela em pé. Achei aquela cena interessante. Voltei pro quarto, coloquei uma camisinha e fui participar da festa. Pedi pro meu amigo continuar metendo nela enquanto eu metia nele em pé. Tive muita dificuldade pra conseguir encaixar no cuzinho dele e quando conseguia saia a toda hora. Desisti, arranquei a camisinha e pedi pra ela me chupar, pois queria gozar na boca dela. Foi o que ela fez e eu gozei gostoso mais uma vez. Saímos do banheiro e fomos dormir os 3 na mesma cama. Acordamos no sábado muito satisfeitos com o que tínhamos feito. Fizemos isso outras vezes, mas a primeira vez sempre marca. Quem desejar entrar em contato para troca de idéias ou algo mais, meu e-mail é [email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,14 de 14 votos)

Por # # #

3 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Vantuil OB

    Parabéns Paulo. Muito bem contado. Teus contos são ótimos

    • marcos2

      pow. .deixa o cara sonhar. ..