# #

O Anel de controle parte 06

1717 palavras | 1 |5.00
Por

Homem uma anel de controle mental para fuder suas colegas de trabalho… Mas quais são os poderes do anel?

Depois daquela foda deliciosa com as duas ninfetinhas do velho, ele me deu um whisky e começou a me contar de suas aventuras. Me contou o quê quando ganhou o anel, tinha 32 anos e até achou engraçado aquelas frases escrita nele de “eu te possuo” e “eu não te possuo”, mas somente depois de 2 anos, numa brincadeira com sua namorada a época que o deixou muito assustado quando ela ficou com olhar igual de robô.
Me contou que assustou quando percebeu que ela estava fazendo tudo que ele mandava e respondendo tudo que ele perguntava. Aproveitou a situação para tirar o cabaço de sua buceta e do seu cu, metendo nela por vários dias e achando que foi uma benção que tinha acontecido na sua vida, como super Poder, mas que somente ela fazia aquilo.
Somente depois de dias, ele associou o ocorrido com o anel, ao lembrar que tinha falado a frase que estava nele. Foi então que, resolveu testar a segunda frase e após outra sessão de muito sexo, falou para ela “eu não te possuo”, mas nada mudou, tendo ela continuar da mesma forma. Então ele lembrou que estava olhando nos olhos quando disse a frase pela primeira vez, e olhando nos olhos dela tentou novamente foi quando percebeu que ela ficou meio assustada, com muita vergonha, e um desespero em seu rosto.
Ela começou a chorar desesperadamente, e ele tentava consolá-la perguntando o que estava acontecendo. Ela repetia para ele desculpar, pois não sabia o que estava fazendo e nem porque estava fazendo aquelas coisas, que não era para ele pensar que ela era uma puta.
O velho explicou que, durante a conversa, percebeu que ela somente se lembrava das coisas que fez quando ele determinava que ela disse normalmente, ou seja, as coisas que ela fazia no estado robótico não conseguia se lembrar. E também que não havia percebido que ele estava mandando nela, mas era como se quando ele pedisse algo aquilo se tornava uma necessidade dela, como se partisse internamente de seu livre arbítrio e sua vontade própria.
Segundo o velho, ela era de uma família religiosa é muito ríspida, razão pela qual mesmo com 28 anos ainda era virgem, e que por isso ficou tão abalada com a situação que eles vivenciaram por quase uma semana que ele então teve uma ideia. Pegando em suas mãos olhou em seus olhos e disse “eu te possuo”, e neste momento ele falou que “a partir de hoje para toda a eternidade você não mais sentirá vergonha ou qualquer sentimento ruim a respeito de sexo. Você ama sexo tanto vaginal e oral como anal. Você fará muito sexo com todos os seus namorados e gozará muito, não importando qualquer argumento contrário vindo de quem quer que seja. Por fim, sua vida sexual diz respeito somente a você, então ninguém precisa ficar sabendo do que você faz, a não ser que você queira contar”.
Depois que eu disse isso para ela, disse as palavras “eu não te possuo” e ela voltou ao normal dessa vez com um sorriso malicioso nos rostos e bem melhor do que o jeito que estava. Fiquei feliz com aquilo, mas chateado quando ela me disse que não queria mais nada comigo. Aparentemente estava comigo pois só queria casar logo, talvez para fazer sexo.
A partir de então comecei a testar o anel com vizinhas minha e também colegas de trabalho, já que era professor de uma universidade muito famosa do interior deste estado do Rio de janeiro. Entre esses meus testes, descobri que o anel só consegue controlar duas mulheres por vez. E que ele não é capaz de modificar para sempre todos os pensamentos e vontades das mulheres, ou seja, ele apenas modifica suas vontades enquanto estiverem sobre o seu poder, mas assim que você retira este poder, somente prevalecerá aquilo que elas realmente quiserem fazer pois a sua vontade retorna.
O ponto positivo é que, quanto mais tempo você dominá-la, e implantar ideias em sua cabeça, a maior probabilidade de quê elas se tornem permanente e mesmo depois que você se retira do domínio do Anel, aqueles pensamentos e desejos permanecem. É que, como já lhe disse, enquanto estão sobre o poder do Anel todas as suas ordens são recebidas como se fosse a manifestação de sua própria vontade, ou seja, quanto mais tempo permanecerem fazendo algo entendendo que é de sua vontade, assim continuarão chando quando não mais tiverem sobre o poder do Anel.
Estas duas que estão comigo, por exemplo, fiquei por 3 anos controlando-as no sentido de que deveriam fazer tudo que eu pedisse pois se não poderia morrer. Sempre incutir em suas cabeças que não importa o pedido que seja elas deveriam fazer pois se não eu poderia morrer e elas ficariam muito tristes agonizando até morrerem também caso eu morresse. Durante este tempo, fiz vários pedidos insanos através do Poder do Anel e de forma repetida, para que ela se habituarem com aquilo.
Depois de um ano e meio, me senti orgulhoso ao ver que deu certo, no momento em que elas não mais sentiram falta de seus amigos ou de suas vidas passadas, estando felizes em viver exclusivamente para mim. De vez em quando, seus pais e alguns parentes ainda ligam e elas conversam normalmente, não ligando para eventuais desejos de voltar para lá.
Lógico que uma hora ou outra pode vir acontecer de bater um sentimento maior de largar isso tudo e irem embora, ou de negarem algum pedido meu e eu realmente não morrer, caindo tudo por terra. Mas até agora está tudo perfeitamente funcionando.
O velho que quando me deu o anel ficou com medo de que pudesse precisar novamente, casa as coisas saíssem de controle e que por isso já tinha pesquisado o meu nome e sabia até mesmo onde eu morava. (Velhinho esperto!)
Depois de mais ou menos umas 4 horas de conversa vai e whisky vem, me despedir do velho e fui embora. Agradeci muito a ele pelo presente que me deu ele apenas me pediu que se fosse possível era para que eu o atendesse quando ligasse para que pudesse quebrar o galho em algum caso que fosse necessário ou algum agradinho de vez em quando, pois por ser um professor muito conhecido às vezes apareciam estudante de jornalismo que era uma delícia e mereciam uma arrombada na buceta. De pronto acenei positivamente então deixei sua residência.
Fui direto para o hotel que Rosângela e Gaberita se hospedaram e ao chegar fiz outra sessão de muito sexo anal e vaginal, e comecei a repetidamente dizer que desde pequenas até o último suspiro sempre irão querer fazer muito sexo, seja com homem ou mulher, e que adoro principalmente o sexo anal. Fui repetindo várias vezes e de vários modos diferentes do que o sexo anal as realizavam e, entre todas as frases que dizia, incluía que ninguém seria tão bom quanto fazer sexo comigo.
Para melhorar mais ainda, mandava que de 5 em 5 minutos praticamente, gozassem. Depois de quase uma hora, as duas estavam muito suadas e com o corpo mole, já tendo gozado inumeras vezes. Foi aí que novamente eu pedi para a secretária abrir a boca e tirando o pau do cu da Rô, meti no fundo de sua garganta e descarreguei toda porra do meu saco.
Mandei que as duas me passa o meu pau e depois se chupassem, se limpando com a língua. Foi uma cena maravilhosa de se ver, aquelas duas gostosas na posição de 69 se chupando e enfiando a língua uma na buceta e no cu da outra. Foi aí que decidi fazer um teste, fiquei de frente para cada uma e, de forma rápida, disse a frase “eu não te possuo” e sentei na poltrona em frente a cama para observar.
De início elas pararam um pouco de se chuparem, mas então voltaram a dar mais algumas lambidas e então se sentaram na cama com os rostos um pouco assustado, parecendo meio desorientado. Eu então lhes perguntei:
-Que foda gostosa! Vocês gostaram?
-aham. -disse a secretária meio sem jeito enquanto que tentava esconder um pouco o pouco seio que tinha e cruzava as pernas.
-desculpe Hugo, não sei o que está acontecendo comigo! Não deveria fazer essas coisas ainda mais quando estou comprometida. Mas foi muito gostoso sim. Disse Rô, meio que constrangida.
-que isso! A vida é curta, vamos aproveitá-la ao máximo! Eu estou aqui sempre que vocês quiserem, pois vocês são maravilhosas e adoro fazer sexo com vocês. – disse a elas com tom de bobo.
Foi aí que ela se vestiram e disseram que precisavam ir, me deram beijo no rosto e saíram. Não liguei, pois agora tinha pleno conhecimento de tudo que o anel poderia fazer e estava doido para comer mais bucetas e arrombar uns cuzinhos virgens dessas novinhas que ficam de frescura em liberar.
Mas antes, tenho que aproveitar que este hotel está pago e , quando entrei, vi que a filha do meu patrão, uma ninfetinha que acabou de fazer 18 anos no mês passado numa puta festa que sequer fui convidado, estava ali hospedada. Fiquei muito puto quando ela fez carinha de nojo ao me ver e me ignorou quando lhe cumprimentei. Estou pensando em transformar esta patricinha metida e marrenta que já cansou de humilhar a gente no escritório em uma putinha de rua, viciada em porra de graça ou quem sabe usá-la para ter uma promoção junto com o meu chefe.
Uma coisa eu sei: preciso foder bastante ela primeiro, pois tem um corpo extraordinário que parece que passou a vida inteira fazendo dieta comendo do bom e do melhor, e que não sai de uma academia. O que será que eu faço?

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 4 votos)

Por # #

1 comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos