Orgia no rancho

05-08-18 Por 0 ★ 4.75

Sou Cláudio, casado com a Michelle, há menos de dois anos. Tenho 28 anos e ela tem 25 anos de idade. Não vou detalhar as características dela, só vou dizer que ela é uma loira linda. Há dois meses, virei corno e ela puta, no fundo aparenta que ela até gostou da sacanagem sexual que aconteceu em nosso Rancho à beira de um rio.
Todo final de semana, já na sexta-feira à tarde, a gente se mandava para o rancho e só voltava no domingo bem de tardinha.
Num final de semana há três meses atras, aconteceu um fato inusitado conosco, no sábado à noite.
Dois homens aparentando 35-40 anos, não sei como conseguiram abrir o portão de entrada e, fomos pegos de imensa surpresa.
Eles nos ameaçaram, pois estavam armados. Na sala de entrada do rancho, existe de enfeite uma grande roda de carroça. Pois bem, me deixaram nu e me, sentaram no cubo da referida roda algemado nas mãos e pés, fiquei totalmente imobilizado.
Um deles, entrou no carro e saiu em alta velocidade e o outro ficou dentro de nosso rancho, bisbilhotando e me humilhando de todas as maneiras e abusando da Michelle, que no começo quis resistir mais depois sem outra saída deixou rolar.
Depois de muitos beijos e amaço, ele aos poucos foi tirando a roupa da Michelle, deixando-a peladinha para ele bolinar e eu apenas assistir sem poder fazer nada.
Ele deitou-a no sofá, e com muita volúpia, começou a fazer sexo oral, na bucetinha depiladinha da Michelle. Passados em torno de uns dez minutos, e ouvi a Michelle, gemendo e falando palavras desconexas,nem assim meu pênis ficou duro. Ela havia gozado na boca desse indivíduo.
Ouvi o barulho de dois carros chegando, e dele desceram quatro garotas ( putas ), como também trouxeram um monte de fardos de cerveja, coca cola e rum..
Como a Michelle, já estava nua, as outras quatro também se despiram rapidamente e foram para a piscina.
Daí estavam em cinco homens e quatro mulheres mais a Michelle. Levaram a roda onde eu estava imobilizado até a beira da piscina e encostaram-a num pé de jabuticabeira, onde eu via tudo que acontecia. Meu pênis estava escondido dentro da barriga.
Na piscina em meio à água, eles transaram de várias maneiras. Logo começou a escurecer e assim, foram todos para dentro da casa, inclusive eu sendo rodado algemado na roda de carroça. A cerveja rolava solta.
As quatro moças ( putas ), deitaram a Michelle, no tapete da sala, e duas ficaram mamando os peitinhos e as outras duas, chupando a buceta dela. Nunca tinha visto, ela gemia, se contorcia, falava alto que estava gozando e pedia para elas parassem, mais elas não paravam, continuavam naquela putaria Entre elas, uma alisava a buceta da outra e usavam a língua na Michelle.
Os cinco indivíduos que estavam na cuzinha, bebendo e começando um churrasco, adentraram a sala e foram direto no aparelho de som, ligando-o num som alto e começaram a dançar com as quatro putas ( bonitas ), tenho que falar a verdade, e com a Michelle, também. Os dez estavam dançando pelados, quer dizer: fazendo sexo né, pois acompanhavam a música, dançando coladinhos, mais seus pênis estavam alojados dentro das vaginas delas.
Aquela orgia toda sem preservativos, sem nada. Colocaram uma sesta acoplada ao meu pescoço, com latas de cerveja e canudinho para eu chupar a cerveja. Toda hora eles trocavam par, um deles pela altura, quando ia dançar com a Michelle, ele punha a mão por debaixo do bum bum dela, para poder penetrar o cacete na bucetinha dela e eu percebi que nestas alturas, ela até estava gostando, pois ela rebolava ela mesma ajeitava os cacetes dos caras na grutinha dela.
Num determinado momento, já todos bêbados, mandaram as quatro putas virem para cima de mim. Elas vieram; duas delas ficaram mamando meus mamilos, outra mamando meu pau mole e a outra passou um creme nos dedos e no meu orifício, e colocou um dedo, dois, três e percebi que já estavam os quatro dedos me excitando enfiados no meu anus. Daí meu pau ficou duro e a puta que estava chupando-o, parou de me chupar e falou: vamos judiar dele. Continuaram se revezando ao mamar nos meus mamilos e ao usarem os dedos no meu anus. Meu cacete começou a vomitar sem elas nele tocarem, enquanto isso, os outros cinco caras, estavam fazendo o mesmo com a Michelle, que estava deitada em cima de um deles, que estava com o pênis enterrado na buceta, outro com o pau enfiado no cusinho dela e ela mamando o pênis de um deles e masturbando os outros dois.
Bem me curraram de todos os jeitos e meteram na Michelle, em todas as posições e todas maneiras possíveis. Nesta altura já era de madrugada, saíram, entraram em seus carros e foram embora.
A Michelle, me libertou da roda de carroça, eu a deitem no sofá, e caí de boca na bucetinha dela que estava ensopada de esperma e suguei tudo, aproveitei e fiz sexo com ela, sem preservativo também, no embalo, meti a língua no cusinho dela e com a mão fiz massagem no seu clítoris, até ela gozar.
Ela me disse, esta noite, gozei mais de trinta vezes, estou toda dolorida e arrombada. Eu disse-lhe, ainda não acabou, vamos na polícia fazer um B.O e contar-lhes o acontecido, quem sabe eles ainda peguem esses bandidos, ou você prefere deixar quieto sem alarmes. Para minha surpresa ela retrucou… vamos deixar quieto, pois foi uma noite maravilhosa e foi muito gostoso, adorei, tomara que eles voltem aqui mais vezes.
Taxativamente sou um corno, entendi que minha esposa gosta de transar em grupo e com isso até eu fui bolinado e ficado com o cu ardendo e doendo.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,75 de 8 votos)
Loading...

Por

Nenhum comentário

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos