Acabei com a rebeldia dela

Ao lado da minha casa mora a senhora Joana com sua filha Laurinha de 15 anos. Joana sempre faz queixa de Laurinha para minha esposa. Menina de gênio difícil de se lidar, sempre trancada em casa, mimadinha e impossível de agradar. Muitas vezes comprovado por mim quando de visita na minha casa. Eu sempre dizia a minha esposa que foi falta do pulso firme do pai, que tinham separados quando ela era um bebe. Minha esposa tentava ajudar como podia, até convidava para passar as tardes aqui na minha casa, o que me deixava louco com o comportamento dela, tinha vontade de espancar, pra ver se resolvia. Ao chegar do serviço, fui surpreendido com a notícia que Laurinha ia dormir está noite na nossa casa. Havia falecido um parente seu e Laurinha tinha uma prova e não poderia faltar. Enquanto minha mulher fazia nossa janta, Laurinha revia a matéria da prova. Estava sentada em cima de seus calcanhares, com um babedool rosa, tipo macaquinho. Ela permanecia concentrada nos estudos, nisto eu pude ver que sua bundinha era já desenvolvida e formosa. E cada vez que era obrigada a mudar de posição, sua bunda ficava exposta pra mim. Para observar melhor, cheguei mais perto para perguntar se ela ia conseguir tirar nota boa na prova. Ela fez uma cara de não ter muita certeza, pois a prova era de química. Seus peitinho também chamaram minha atenção. Ela pediu minha ajuda, mas nunca tinha sido bom em química para poder ajudá-la. Mas ia dar toda a atenção pra ele. Peguei seu livro e fiz várias perguntas pra ela, nas respostas certas ela sorria, parecendo que sorria pra mim. Eu só tinha um desejo naquela hora, comer ela. Minha esposa nos chamou para jantar. Minha esposa arrumou o sofá e deu um beijo de boa noite a ela e eu fui beijá-la também, esperei ela virar o rosto e beijei o cantinho da sua boca. pedi desculpas e ela sorriu. Passei o dia todo pensando nela e da loucura que tinha feito. A noite sou recebido em casa por Laurinha, feliz por ter tirado nota boa. Outra vez fui beijá-la, e recebi um beijo na minha boca. Olhei para ela e disse que agora quem tinha errado o beijo tinha sido ela. Tentei comer minha esposa pensando na mulher no corpo de menina, mas minha esposa deu uma desculpa e não quis transar. Eu ficava querendo ver um motivo para reve-lá. Até que soube que ela havia me elogiava para sua mãe, dizendo que tinha ido bem graças a minha ajuda. Novamente minha ajuda é solicitada para fazer um trabalho escolar. Eu já fui colocando minha boca na mira dos lábios dela, e disse que não era pra minha esposa saber. Mesmo querendo tudo com ela, tive que pedir para parármos. Ela quis saber o que estávamos fazendo de errado. Ai eu resolvi dizer a verdade, ela era uma mocinha muito bonita e eu não estava resistindo mais. Quando ela me disse: resistir pra que. Fui obrigado a mandar ela ir em bora. Depois de uma semana sem ver ela, a saudade e o tesão eram de mais. Minha esposa tinha recebido a visita de Dona Joana, pedindo novamente minha ajuda para sua filha Laurinha. Meu desespero tinha voltado, automaticamente perguntei quando seria a prova dela. Joana disse que era semana que vem, então disse que ia ajudá-la. Trabalho de sócio de um amigo e disse que iria ter que me ausentar em algumas manhãs para resolver problemas particulares. Marquei com Laurinha de ajudá-la na terça feira as 9:30 da manhã. Esta em casa sozinho ajeitando a mesa da sala para a chegada da Laurinha. Ela estava de mais com aquela sainha, não tirava os olhas da bunda dela caminhando em direção da sala. Ela falou que estava com saudade da minha ajuda e de… e calou-se. Insisti para ela falar do que mais tinha saudade. Ela então falou que eu sabia, que era de me beijar, mas eu não gostava de beijar ela. Tentei novamente explicar que eu sou um homem casado e ela era muito bonitinha, que era fácil perder a cabeça e fazer uma loucura com ela. Ela disse que sentia uma atração por mim também. Fui ao encontro dela e levantei ela pela bunda, dei o maior beijo nela, enquanto minhas mãos sentiam a maciez da sua bunda. Nossos desejos falaram mais alto, minha língua invadiu sua boca a procura da sua língua, depois o pescocinho e seus peitinhos. Ela estava entregue ao desejo, levei ela no colo para o quarto e deixei ela nua. De pé mesmo fui procurando com meu pau sua fenda e empurrando de vagar, ela já não era mais virgem, então pude ser mais vigoroso nas metidas, após sentir ela molinha com dois gozos, foi minha vez de gozar e encher a camisinha. Voltei direto para o serviço, feliz e satisfeito, mais tarde liguei para ela dizendo que estava de folga pela manhã de novo. Sabe como é escola, toda a semana tem avaliações, eu vou realizando minhas fantasias com ela.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,75 de 24 votos)
Loading...