, ,

Novinha Gringa, Bazz e Eu

15-07-16 6 ★ 5.00

Fui morar fora do Brasil para estudar. Morava sozinho em um apartamento pequeno, estudava muito, enfim… Com a saudade da família meu emocional foi entrando em colapso, nada muito grave, mas estava meio mal. Me indicaram ter uma ocupação e eu arrumei um cachorro, Bazz. Parceiro, grande amigo, companheiro, com toda certeza foi a melhor escolha que fiz. Meus dias melhoraram muito depois de Bazz, fiquei aberto para novas amizades, conheci gente nova, porque todo dia o levava pra passear na mesma hora, e assim, fiz alguns amigos no park onde passeávamos.
O tempo foi passando eu terminei meu curso e tive que voltar para o brasil, recebi uma proposta bem legal de emprego que mudaria a minha vida, porem, nada é perfeito… Para ir embora, não tinha dinheiro para levar Bazz comigo para o Brasil, fiquei mal, tentei fazer alguns bicos para levantar a grana, mas estava muito em cima da hora, e não daria tempo. Tive que deixar Bazz com uma garota, Hannah, ela tinha 13 anos na época, era minha vizinha, levávamos os cachorros no mesmo park para passear.
Falei com a mãe dela, Srª Lanna. Ela é uma latina porto-riquenha, foi pra lá com a esperança de viver o sonho americano, mas conheceu o seu marido, se casou, teve dois filhos, Hannah de treze anos e Dylan de oito, constituiu família, e acabou como a maioria, vivendo uma vida simples e modesta. Até que ela era bem gostosa, tem uma beleza latina, cabelos longos pretos, uma pele bronzeada, um corpo bem desenhado, seios fartos, uma bundona bem gostosa, enfim… Para os seus 35 anos e com dois filhos, ela estava muito bem. Seu marido, Mr. Rayn, era mais velho, deve ter uns quarenta anos, um americano típico, texano metido a machão, é branco, alto, forte, foi militar, era patriota, trabalhador… Para sustentar sua família trabalhava em uma empresa que limpava carpetes nos apartamentos, faziam dedetização, manutenção em eletrodomésticos, enfim… Não deixava faltar nada para sua família.
No começo, quando me mudei, ate tinha um tesão na Lanna, mas depois, fui me ocupando e acabei esquecendo dela, e de todas as outras, pra falar a verdade. Fiquei lá um ano e seis meses fui trepar nos últimos três com uma garçonete que trabalhava no Denni’s (é um Drive-thru, tipo Mc’donalds) ela era até gostosinha. Há conheci em uma loja de discos, ela tinha um papo legal, queria fazer faculdade de cinema na Califórnia, cheia de sonhos e ambições, era mestiça, meio oriental, cabelos pretos bem lisinhos, peitos grandes, uma bundinha bem gostosa, era baixinha, praticava ginastica olímpica como hobbie, enfim… O que importa é que trepei… E ela fodia gostoso, fazia de tudo, menos liberar o cuzinho. Acho que ela tinha tesão em mim por eu ser brasileiro, vivia tirando onda com as amigas que eu era latino, tinha o “sangue quete”, enfim… Essa é outra história.
Como ia dizendo: Tive que deixar o Bazz com essa família. Combinei tudo direitinho com eles e disse que em seis meses, no máximo, eu voltaria para busca-lo. Era o tempo que iria demorar a me estabilizar no emprego, guardar uma grana e ir buscar meu parceiro. E assim eu fui em bora… Chorei feito uma garotinha no dia da partida, fiquei muito puto de ter deixado meu cachorro lá. Me sentia um fodido, um fracassado por não ter grana para leva-lo comigo. Mas dentro do avião resolvi encarar isso de outra maneira. Não ia me vitmiizar, nem transformar isso em um drama, decidi usar como motivação para trabalhar, ganhar dinheiro, e ir buscar Bazz!
Chegando no brasil fui me apresentar na empresa que havia me contratado, fui apresentado às minhas atribuições, me estabeleci, e comecei a trabalhar. A primeira semana foi corrida, tive que alugar um AP, correr atrás da mobília essencial para por no apartamento, contratar serviço de internet, e tudo isso com dinheiro emprestado do meu padrasto. Não queria pedir, mas não teve jeito, enfim… Uma semana passou, já estava mais tranquilo e comecei a falar com a Hannah pelo Skype, ela me mostrava o Bazz, dizia que estava tudo bem, batia um papo com a mãe dela (Lanna) pra saber se estava tudo tranquilo e tal… Isso se repetiu por mais ou menos uns dois meses. Ate que um dia, cheguei do trabalho, tomei meu banho, comi, e fui fazer o de sempre: Falar com eles para saber como estava meu cachorro. Me conectei, chamei a Hannah pelo Skype e nada dela aparecer, tentei ligar… Chamava, chamava e ninguém atendia.
_Ai, alguns de vocês dizem “Manda um Wpp!” Não. Não dá pra fazer isso, porque lá nos EUA eles não usam wpp.
Desta forma, relaxei, fui deitar e dormir, afinal de contas, era em uma quarta feira, no outro dia tinha que trabalhar! E assim eu fiz, deitei e to dormindo… Quando de repente meu computador apita. Era o Skype! Hannah me dizendo que estava tudo bem, que eles não atenderam antes porque o aquecedor deles quebrou e eles foram pra casa da vizinha enquanto o pai arrumava. Eu disse que estava tudo bem, que amanha nos falaríamos direito porque estava tarde. (Já era 1:09 da manha) Ai Hannah disse que ia chamar o Bazz pra eu vê-lo. E assim ela fez… Porem quando ela o chamou, ela estava sentada meia de lado no computador, Bazz é um cachorro grande, um golden retriever, quando ela o chamou ele veio correndo e começou a lamber a boceta da Hannah. Lambia com vontade! E ela, toda sem graça com aquilo, tentando sair, mas Bazz não parava, ate que ela conseguiu se ajeitar na cadeira, direcionando suas pernas para em baixo da mesa. Ela me olhou sem graça pela a webcam dizendo que o Bazz era teimoso dando uma risadinha constrangida! Vendo aquela cena, logo percebi que o Bazz estava acostumado com aquilo, porque ele foi muito direto, como se já tivesse feito antes.
Desta forma, eu logo disse pra Hannah: “Não adianta disfarçar porque percebi que você gostou!” Ela rui e ia responder quando o pai dela entra no quarto e deu uma bronca em nos dois. Disse que estava tarde e que ela tinha escola e bla, bla, bla… Eu respeitei, pedi desculpas, desliguei o Skype e fui dormir. Mas não esquecia a imagem da Hannah sendo lambida por Bazz. Lembrei que meu skype esta programado para gravar porque gostava de ter os vídeos do Bazz comigo pra mostrar pra minha galera “o meu filho” kkkkk. Então voltei ate o computador, e revi a cena. O rostinho dela era uma mistura de prazer e constrangimento, um tesão. BATI UMA PUNHETA BEM FODA. E revendo a cena tive mais certeza de que ela colocava o meu cachorro para lambê-la.
No dia seguinte fui trabalhar como sempre… No primeiro momento que tive de ócio no trabalho tentei me conectar com Hannah. Queria puxar o assunto e ver o que ela me diria. Mas foi em vão… Durante a tarde toda tentei, e nada! Quando fui em bora, assim que cheguei em casa liguei o computador, passaram-se uns 40 minutos que eu havia chegado, o skype apita. Sai correndo, e fui ver quem era, e claro, era Hannah! Eu que nunca tinha há visto com outros olhos, no momento em que há vi excitada, despertou em mim um desejo sem precedentes. Sabia que ela era menor de idade e que tem fatores éticos, morais, tabus culturais e o caralho… Porem era mais forte do que eu. Só naquele momento percebi a beleza de Hannah. Ela é mulatinha, uma mistura de americano nativo com o tom de pele latino da mãe, olhos cor de mel, é bem magrinha, mas seu corpo já esta se desenvolvendo, tem um peitinho bem durinho que deixa marcas ponte agudas nas blusas que veste. Uma bundinha tímida, porem marcante, que com toda certeza vai crescer e seduzir muito marmanjo por ai. Seus cabelos são castanhos cacheados, não são volumosos, tem a proporção perfeita para fazer a moldura do seu rosto, seu sorriso é adorável, cativante, inocente… Deve ser para combinar com sua boquinha perfeita, que ainda usa aparelho nos dentes com uma cor lilás bem clarinha.
Quando começamos a nos falar pelo skype ela foi logo me pedindo desculpas pela bronca do pai dela. Eu disse que tudo bem, que não tinha problema, que ele estava certo… Logo em seguida, chamou o Bazz, ele veio, latiu e saiu de foco, na sequencia a mãe dela (Lanna) veio falar comigo sobre DINHEIRO. Perguntou se eu poderia mandar um dinheiro para ela comprar ração, porque o Bazz é grande e come muito mais que o cachorro dela, que é um daquele que parece uma salsicha. Respondi que sim, que mandaria o dinheiro no dia seguinte, que eu nem pensei nisso, que ela poderia ter me dito antes, enfim… Problema resolvido voltei a falar com Hannah, entre um papo e outro ela me disse que tinha visto a minha ex namorada. A oriental que citei no inicio. Me disse que ela estava muito bonita e que estava trabalhando em um salão de beleza.
Obs: Eu já sabia, porque nos falamos sempre. Terminamos numa boa, não brigamos, só houve o término porque voltei para o brasil. Mas esse assunto veio bem a calhar…
Respondi com entusiasmo, como se não soubesse das novidades, e ao interagir em relação ao assunto, perguntei pra ela se ela tinha namorado. Ela rui, disse que não. Falou que tinha um garoto na escola, mas ele só tinha olhos para outra menina e tal… Ai, eu retruquei dizendo que pensei que ela ia dizer que o namorado dela era o Bazz, porque vi como ela ficou entusiasmada na outra noite quando ele foi “ousado”. Mais uma vez sorrindo, porem, dessa vez meio sem graça, respondeu que não, porque ele era cachorro e ela não era louca de namorar com um animal. Nessa hora, a conexão caiu, ficou tudo parado na tela. Não escutava mais nada. Ai Pronto, fiquei paranoico! Achei que ela tinha se chateado e que iria contar para os pais dela, mas não… foi só um susto. Vinte minutos depois ela voltou! Pensei que ela mudaria de assunto, que não diria mais nada, estava até pensando em outra estratégia para abordar o assunto… Mas me enganei. Quando ela voltou foi logo se explicando que o irmão tropeçou nos fios e que caiu tudo, ela teve que arrumar e o colocou para dormir. O moleque é o capeta, de tão atentado! E concluiu me perguntando se eu tinha gravado o que tinha acontecido na noite passada. Porque ela sabia que eu sempre gravava quando ela me mostrava o Bazz. Eu me fiz de desentendido, o famoso “joão sem braço”, me fiz de bobo, perguntei: “Gravei!!? Gravei o que?” De imediato ela respondeu:”ué, a lambida que o Bazz me deu!” Quando ela disse isso, fiquei com a rola dura igual a uma rocha e respondi rindo sorrateiramente: “há, sim… nem sei, não olhei, mas devo ter sim. Eu sempre gravo tudo! Porque, se eu tiver você quer que eu apague??” Ela de imediato respondeu que sim. Porque se alguém visse poderia dar problema e tal… Ai eu não aguentei, estava com a rola dura, fui logo perguntando: “Você faz aquilo sempre, né? Você poem o Bazz pra te lamber! Pode me contar não vou te julgar ou contar para alguém. Isso é normal na sua idade!!” Ela riu e disse que “não sabia de nada” que era “eu que estava dizendo aquilo.” Ela ficou com medo de eu estar gravando e foi furtiva. Menina esperta! Desta forma eu afirmei com convicção: “Relaxa, num estou gravando não. Você pode ver ai, jamais faria isso, você sabe.” Só estou perguntando por que achei excitante.” Ela sorriu, me questionou entusiasmada: “Oh really!?” (Sério em inglês) E concluiu dizendo que sim, que as vezes colocava o Bazz pra lambe-la. Perguntei onde ela aprendeu e ela disse que em uma viagem de ferias para a fazenda de uns parentes do pai dela ela brincou de dare or truth (É igual o verdade ou consequencia aqui no brasil) com umas primas e o seu desafio foi passar nutela na calcinha e deixar o cachorrinho da sua prima lamber. De acordo com ela, todas as meninas tinham a mesma idade e que todas fizeram isso no decorrer da brincadeira. À essa altura eu já estava cheio de tesão, minha rola estava pelando, parecia que ia pegar fogo, mas eu não podia fazer nada na frente dela ainda, estava muito cedo, ela poderia se assustar e tal… Com muito esforço e concentração, perguntei o que ela sentiu quando fez pela primeira vez. Ainda tímida e sem jeito, começou a falar mais baixo, olhou em volta e respondeu que ela não queria fazer, que sentiu nojo e disse para as primas que podia pegar uma doença na sua “pussy” (boceta) porem, a prima disse que não tinha problema, que não dava doença nenhuma e que ela poderia fazer. Conclui dizendo, que na primeira vez que o desafio foi proposto há ela, ela não fez… Até que uma outra menina perdeu e teve que fazer, desta forma, ela viu, se sentiu mais segura, e na outra oportunidade ela fez. De acordo com ela, elas estavam em quatro, quando uma pedia “DARE” (desafio) o desafio era esse: Ser lambida pelo cachorro. Ela afirmou que abaixavam a calcinha passavam nutela, vestiam a calcinha de novo e chamavam o cachorro pra lamber. Enquanto ela me contava, dava risadinhas sacanas, eu percebia que ela estava excitada, que queria tocar uma siririca em quanto falava comigo. E ela deu mais detalhes: disse que quando ela sentiu a nutela encostando nela, ficou com nojo, se sentiu como se tivesse cagado na roupa, porem, quando o cachorro começou a lambe-la foi se sentindo diferente, no principio se assustou com a sensação, depois, foi ficando quente. De acordo com ela, ela sentiu arrepios e o Cachorro não parava, ela queria gemer mais ficou com vergonha por causa das primas, mas que depois que ela fez pela quarta vez, todo mundo já estava mais à vontade e ela relaxou. Concluiu dizendo que no final ela levantava as perninhas, afastava a calcinha pra deixar o cachorro lamber profundo, murmurava bem baixinho enquanto as amiguinhas davam risada. Porque elas faziam aquilo sempre, praticamente toda semana, e Hannah era a sua primeira vez. Sorrindo e bem safadinha me confessou que no primeiro dia que ela fez, elas acabaram com 3 potes grandes de nutela.
Eu estava maluco de tesão, apertava minha rola com as pernas ou passava a mão discretamente, estava pra gozar na tela do computador! Mas continuei perguntando… Questionei como ela fazia lá na casa dela, porque sempre tinha gente em casa, brinquei afirmando que ela dava sonífero pra todo mundo. Nesse momento ela sorriu, mais uma vez se certificou que não tinha ninguém em volta e me respondeu dizendo que antes ela fazia com o cachorrinho dela, mas ele estava passando mal de tanto comer nutela ou pasta de amendoim, que a mãe disse que não era mais para dar essas coisas pra ele. Falou que fazia na hora de dormir, porque ela e o irmão dormem no mesmo quarto, mais o moleque é hiperativo, toma um remédio e dorme igual uma pedra, ai ela fica à vontade para fazer, e que pelo hiperativismo do irmão, eles dormem com a porta do quarto aberta, e quando ela esta fazendo e vê a mãe ou o pai ascendendo a luz do corredor, ela para e finge que esta dormindo, e que agora ela faz com com Bazz porque ele come qualquer coisa, e que ela descobriu que ate sem comida nenhuma o Bazz cai de boca! ESSE É O MEU GAROOTOO! kkkkkkkkk
Desta forma eu aproveitei o gancho e disse que ele tinha puxado a mim, gostava de uma boceta com qualquer gosto: doce, salgado ou sem sabor nenhum! Ela sorriu, deu mó gargalhada e disse que eu era maluco! Depois conversamos mais um pouco, dei meus rodeios e perguntei se ela podia fazer uma vez para eu ver. Ela disse que ia ficar com vergonha, mas que iria pensar. Reforcei dizendo que eu me masturbaria assistindo, e que assim, ela me veria também. Ela ria e falou que iria pensar. Nessa hora, seu pai chegou e há mandou dormir. Dessa vez, ele não viu que era comigo que Hannah estava falando. Achei uma merda porque agora que estava esquentando o cara cortou meu barato, mas enfim… Nada é perfeito!
No outro dia era sexta feira, tive que ir depositar o dinheiro que a Lanna tinha me pedido para comprar a ração do Bazz. Fui na hora do almoço, rapidão, porque o dia foi corrido. Quando cheguei em casa liguei o computador e Hannah já estava online. Comprimente e pedi que ela chamasse a mãe dela, pra eu falar que tinha depositado o dinheiro. Nessa hora Hannah ficou pálida de medo, percebi no vídeo… A mãe dela veio ate a frente do computador e eu falei que tinha depositado o dinheiro, que qualquer coisa era só ela me avisar. Srª Lanna como sempre muito simpática disse que tudo bem, agradeceu, ate me pediu desculpas por ter me “cobrado”… Batemos uns dez minutos de papo e Hannah veio pra frente do computador. Foi logo me dizendo que se assustou e que não era para eu fazer isso, que quase matei ela do coração! Eu ri, disse que não tinha nada haver, que ela podia relaxar, que esse seria nosso segredinho. Perguntei como foi na escola, o que ela tinha feito e depois de algumas voltas, fui direto ao ponto, perguntei se ela tinha pensado e se iria fazer o que eu pedi. Ela respondeu que faria mais que hoje não podia. Fiquei feliz, respondi que tudo bem, que seria o dia que ela quisesse, conclui dizendo que ela estava linda e que o Bazz tinha sorte! kkkkkk Nesse momento ela falou que só eu achava, que nenhum menino na escola gostava dela, que ficavam zoando ela por ela ir pra escola na caminhonete velha do pai.
_Coisas de adolescentes. São sempre uns otários uns com os outros;
Então eu respondi que o cara que mais zoava ela, era o que, provavelmente, mais há admirava. Que era assim que os meninos demostravam afeto: Sendo babacas! Ela me questionou, duvidando e disse que só ia consegui namorar quando fosse embora de lá. Ai pergunte se ela já tinha beijado, se ela tinha dado uns amassos, se ela já tinha chupado ou sido chupada por uma pessoa de verdade! Bem sem graça, ela disse que já tinha beijado muito, que foi com o filho de um amigo do pai dela na festa de ação de graças e que eles ficaram um tempo mais depois eles foram em bora e ela nunca mais beijou ninguém. Sobre chupar e ser chupada, ela afirmou que tinha chupado esse mesmo garoto, que sentiu nojo, mas depois relaxou e que não sentiu muita coisa. Disse que a rola do garoto era pequena, que fez dentro do carro do pai do moleque, que ficou com medo de alguém ver e que nesse mesmo dia, este moleque chupou os peitinhos dela, e que, ai sim, ela sentiu alguma coisa. Conclui dizendo que isso tudo foi seis meses depois dela aprender o lance com o cachorro e a nutela, que ela é lambida pelo cachorro desde os onze anos.
Eu com a piroca dura feito pedra, disse que ela era safadinha, que começou cedo e que se eu estivesse la ia beija-la inteirinha, dos pés a cabeça, Ela sorriu e disse que eu não iria fazer isso não porque estive lá por quase dois anos e nem dava moral pra ela. Respondi de imediato, que era porque à via como uma criança e só depois percebi que ela já era uma linda jovem com potencial para ser uma linda mulher. Ela sorriu e me perguntou o que eu mais gostava nela. Disse sobre seu sorriso, sua beleza mestiça que é única e incomparável, sobre seu corpinho sexy juvenil se transformando em um corpo de mulher… Enfim. Ela ia me perguntando coisas, querendo que eu há elogiasse. Insistia em dizer que era feia, e eu levantava a autoestima dela. Ate o momento em que eu perguntei do que ela gostava, se ela gostava de uma rola grande, no que ela pensava quando estava se masturbando e sendo lambida pelo Bazz… Ela bem mais relaxada e espontânea, revelou que pensava na primeira sensação que teve quando foi lambida, pensava no beijo que deu no garoto, na chupada que ganhou nos seu peitinho e que não sabia se gostava de rola grande porque nunca tinha visto ou sentido uma. Eu aproveitei a deixa e perguntei se ela queria ver a minha, ela olhou para um lado, olhou pro outro e disse que sim… Tirei minha rola pra fora e comecei a punhetar perguntando pra ela o que ela estava achando de ver minha rola. Eu dizia que estava dura daquele jeito por causa dela… Vi ela se mexendo na cadeira percebi que ela estava querendo se masturbar, eu louco de tesão pedi para ela tocar uma siririca, para me mostrar sua bocetinha e seu peitinho. Nessa hora ela passa a mão na sua bocetinha sobre sua calça, e vai ate a porta ver se tem alguém vindo ou para ver onde sua mãe e seu irmão estavam, já que por sua vez, seu pai não tinha chegado ainda. Ela volta para o computador e disse que não dava porque a mãe e o irmão estavam na sala. Se ela trancasse a porta, a mãe pode desconfiar. Se ela deixa aberta, o irmão poderia passar e ver. Então ela me mostrou os peitinhos bem rapidamente e disse que quando ela estivesse sozinha me avisaria… Eu bati uma boa punheta vendo os peitinhos lindos dela e depois fui dormir.
No sábado não trabalho, então me dedico aos meus afazeres cotidianos do fim de semana. Vou lavar o carro, vou à casa da minha mãe, cuido da minha casa… Enfim, coisas que me dão prazer. Quando eu estava na casa da minha mãe, no final da tarde de sábado, por volta das 16:00h eu recebo um e-mail, e era Hannah perguntando onde eu estava. Respondi dizendo que estava na casa da minha mãe e ela disse que queria me mostrar uma coisa, que era para eu entrar no Skype. Me despedi da minha mãe rápido, inventei uma desculpa qualquer e fui pra casa igual um louco. Ganhei três multas no caminho. Quinze minutos depois chego em casa, corro, ligo o computador e me conecto via Skype com Hannah. Assim que entro ha vejo sentada na cadeira com um sorriso lindo e bem malicioso, então fui logo perguntando: “E ai, o que quer me mostrar”. Ela ri e disse que eu sabia o que era, mas estava sem graça… Eu disse que ela poderia ir fazendo devagar, ate ela se sentir mais à vontade. Na mesa, tinha um pote de creme de amendoim, ela estava com um vestido branco com azul marinho do Mickey e uma meia calça branca. Então ela desceu a webcam de modo que não mostrava o seu rosto, se levantou, pegou o creme de amendoim passou um pouco na bocetinha e um pouco na parte interior e exterior da meia calça, vestiu a meia de novo e chamou o Bazz… Ele veio rápido como sempre e caiu de boca na bocetinha da Hannah. Ele lambia, lambia, lambia.. E ela não gemia, mas fazia umas expressões de tesão, ela estava muito excitada. Vez ou outra, ela dava uns suspiros profundos e se arrepiava inteira, ficava passando a mão no seu grilhinho, disputando o espaço com a língua nervosa do Bazz que não parava de lamber. Eu já estava batendo uma assistindo ela sendo lambida… Passou uns três ou quatro minutos o Bazz parou, eu não tinha gozado ainda. Ela levantou a Webcam, e disse:”pronto, agora você já viu. Ta satisfeito?” E deu uma risadinha bem sacana! Eu respondi que não estava satisfeito, que queria ver mais, porem, dessa vez, queria que ela ficasse com os peitinhos de fora. E assim ela fez… Desceu as alças do seu vestidinho, deixando aqueles peitinhos lindos aparecendo, passou mais pasta de amendoim (Bazz quase não deixava passar, ficava em cima, querendo lamber na mão dela, e ela o adivertia para afasta-lo) se sentou de novo, apoiou um de seus pés no braço da cadeira e o outro colocou em cima da mesa, arreganhando suas pernas, e o Bazz caiu de boca de novo. Ele lambia ate o cuzinho dela dessa vez, ai sim ela começou a soltar gemidinhos bem gostosos. Eram baixinhos, tímidos, mas eram de prazer… Seus pezinhos se contorciam na frente da webcam, ela passava as mãos em seus peitinhos delicado… Quando ela percebia que Bazz estava diminuindo a frequência das lambidas ela pegava mais creme de amendoim e se lambuzava mais. Eu pedia para ela passar bastante no cuzinho, ela respondia que não dava tempo, que o Bazz era guloso… Então com os pés ela empurra o Bazz, e com a mão direita passa bastante creme de ameidoim no cuzinho e na bocetinha. Se lambuzou inteira… E Bazz voltou com tudo, lambia ela com vontade, ela respirava ofegante, se arreganhou inteira na cadeira, muito safadinha minha Hannah… Ate que não aguentei e gozei. Disse pra ela que eu iria pra lá e quando chegasse iria chupa-la com mais vontade que o Bazz. Disse que chuparia seus peitinhos, que passaria horas chupando sua bocetinha. Perguntava pra ela se ela ia deixar, se ia gostar. Ela sorrindo, disse que deixaria se eu não contasse pra ninguém. Quando gozei ela viu, se levantou, levou o pote de pasta de amendoim para a cozinha, se lavou rapidamente e voltou. Disse pra ela que ela tinha realizado minha fantasia, agradeci, falei que foi muito gostoso e então pedi para ela me mostrar bem de pertinho sua bocetinha. Ela já estava sem a meia calça e só levantou o vestidinho, e eu vi o paraíso. A bocetinha mais linda que já tinha visto, bem pequena, delicada, bem certinha. Rosadinha, com uns pelinhos nascendo, uns maiores que outros, era bem inchadinha… Ela abria sua bocetinha e passava os dedinhos meia sem jeito, era a coisa mais linda que eu já vi. Que tesão! Nesse momento, pedi para ela ficar de joelho em cima da cadeira de costas para mim para eu ver seu cuzinho. E obediente como sempre, Hannah obedeceu. Ficou empinadinha na cadeira e passando o dedinho no seu cuzinho bem devagar… Fez isso por uns trinta segundo e se virou com um sorrisinho maroto como se aguardasse outra ordem ou pedido meu. Nesse momento Bazz entra em cena de novo… Ai falei pra ela que ele queria mais, que a bocetinha dela era doce e ele se viciou no chá de boceta que ela deu pra ele. Ela sorriu e disse que ele era safado igual a mim. Então eu pedi para ela tocar uma siririca pra ver se Bazz lamberia ela sem comida, apenas com o gostinho do melzinho dela. Nesse momento ela disse que o Bazz fazia se nada mas ela tinha que ir pegar uma coisa, eu concordei e ela foi e voltou com uma escova de dente Branca com vermelha, o cabo tinha uma parte emborrachada bem macia. Então aquela putinha me surpreendeu sendo muito mais safada do que eu imaginava… Começou a se masturbar com o cabo da escova de dente. Ela passava na bocetinha com movimentos rápidos, tentava penetrar, mas ia só ate uma determinada parte e parava, não enfiava tudo… Com a outra extremidade ela alternava passando no cuzinho, bem de leve. Aquilo me deixava louco, já tava batendo uma punheta de novo, maluco de tesão. Então à encorajava há enfiar o cabo da escova na sua bocetinha ou na bundinha. Seu cuzinho é lindo de mais, parece um broto de uma flor… Bem rosinha, seladinho, dava tudo pra chupa-lo ate enjoar do sabor. Eu dizia: “enfia na sua bocetinha, vai… Bem devagarinho, num vai te machucar não”. Ela com tesão respondia que estava tentando mais doía, que ia pegar uma coisa mais fina. Esticou os braços e pegou uma canetinha verde escura, voltou para a posição anterior e ficou brincando com a escova de dente e a canetinha, passava as duas na sua bocetinha, com uma força considerável… E eu dizia bem baixinho:”vai meu amor, enfia em você, seu cuzinho ta pedindo, enfia bem devagar. To aqui só pra te ver, enfia, vai” Ela dizia:”Calma, vou colocar, é que doí um pouco”… Eu estimulava, dizia que ela ficava linda fazendo aquilo, que ela era a mulher mais linda que eu já tinha visto, que se eu estivesse la estaria chupando seus peitinhos, beijando sua boca… E ela não parava, ficava tocando uma siririca bem gostosa. Às vezes batia na própria bocetinha, dava uns tapinhas rápidos e assertivos. Um desses tapas chamou a atenção de Bazz e ele deus umas lambidas nela de novo. Nessa hora eu disse: “aproveita e poem a caneta no seu cuzinho, poem!” Ela mais uma vez disputou espaço com o Bazz e colocou a pontinha, empurrou um pouquinho, mas não entrava… então ela começou a rodar a canetinha dentro do seu cuzinho. Só tinha entrado uns 3cm mas ela já tinha descoberto um jeito a mais de sentir prazer. Minha tarefa do dia estava cumprida! Ela estava explorando a nova descoberta bem gostosa enquanto o Bazz dava pequenas lambidas esporádicas, e eu batendo uma punheta gostosa, quando de repente ela escuta a porta da casa dela abrir. As pais chegaram! Ela pulou da cadeira, se ajeitou e agiu como se nada tivesse acontecido. Porem, Bazz queria continuar lambendo, o FDP num sabe disfarçar, queria me foder! A mãe dela entra no quarto justo na hora que ela estava advertindo o Bazz, mas ficou tudo bem, ninguém desconfiou de nada. Nos despedimos rapidamente, eu disse que há amava e desconectamos!
No dia seguinte (Domingo) ela veio me perguntar se nós estávamos namorando. Me senti meu mal, não sabia o que responder, mas respondi o que achei certo. Questionei: “Ué, você quer namorar comigo!? Se quiser podemos namorar!” Ela sorriu e disse que queria, claro. (Merda) Mas levei numa boa… Só disse que era pra ela tomar cuidado para não ficar contando pra todo mundo. Ela respondeu dizendo que não ia contar pra ninguém, só para melhor amiga. Que pelo que ela me contou, também era chupada pelo cachorro. kkkkkk Enfim… Em seguida, conversamos sobre varias outras coisas, rimos, falei com a mãe dela, mas não fizemos mais nada, porque no domingo a casa dela estava cheia. Mas depois, sempre que ela estava sozinha, isso se repetia, eram umas quatro vezes na semana, cheguei a fazer no meu trabalho. Na ultima vez ela enfiou mais da metade da canetinha no cuzinho. Nessa de ir rodando, eu ia estimulando ela para ir forçando cada dia mais, ia funcionar como uma rosca. Essa era minha intenção. Dessa forma, ela foi relaxando, e no mesmo dia ela foi fazendo do jeito normal: o movimento de entra e sai frenético. Entre uma rodadinha e outra o próximo passo era fazer ela enfiar a escova de dente. Quando ela enfiou a canetinha, abria a boca com movimentos bem leves, dizia: “oh my god”… e seu rostinho expressava um mix de prazer e dor com pequnos sorrisos maliciosos… A dor não era forte o suficiente para fazê-la parar, a curiosidade de saber ate onde o tesão ia leva-la era maior! E eu, batendo uma punheta bem gostosa. Nunca soube se ela gozou ou não, mas que ela ficava toda molhada, isso era claro e evidente.
Apos meses nessa brincadeira de se divertir na webcam estava me planejando para ir ate lá buscar Bazz e meter a rola na minha “namorada virtual”. A cada dia Hannah estava mais safada, mais ousada e putinha. A essa altura ela já enfiava a escova na bundinha, dava umas reboladinhas que me matavam de tesão. Eu abri mão de tudo: Parei de sair, economizava de varias formas possíveis na água, na luz, despesas com comida, enfim… Tudo em nome de um bem maior que era: Foder minha Hannah bem gostoso! Após mais uns dois meses de planejamento, economia e burocracia para trazer o Bazz para o Brasil, estava de viagem marcada. Enquanto isso, Hannah agilizava pra mim o que ela podia, como por exemplo, as vacinas que o Bazz tinha que tomar para vir aqui para o Brasil. A ansiedade tomava conta de mim, foi o mês mais lento de toda a minha vida. A hora não passava, os minutos eram uma eternidade! Mas enfim o dia da minha viagem chegou. Era véspera de feriado, então eu pedi mais três dias para “resolver meus problemas”. Eu teria seis dias para fazer tudo… Peguei o avião, fiz uma longa e cansativa viagem, mas enfim cheguei ao meu destino. Peguei um táxi e fui para o hotel que tinha reservado que fica a uns 10 minutos da casa da Hannah. Cheguei tarde, era umas 20:00h, estava cansado, com fome, la estava um frio FDP… Tomei um banho e dormi! No outro dia acordei cedo, era uma sexta feira, estava ansioso, desesperado. Liguei para a Srª Lanna e combinamos de almoçar juntos, por volta das 11:30 fui ao mercado, comprei um refrigerante, uma torta de maça e fui para casa da Hannah. Quando cheguei ela não estava, ainda não tinha chegado da escola. Ai eu aproveitei e fui passear com Bazz, ele estava lindo, muito bem cuidado, cheiroso, animado como sempre. Quando me viu ficou todo feliz, pulou, me lambeu, fez uma festa. Depois fui visitar minha ex que estava ainda mais linda e gostosa, combinamos de sair, ela foi cordial e simpática… Fiz de tudo para o tempo passar rápido e eu voltar para almoçar e a Hannah já estar em casa. Depois de uns 40 minutos andando pelo meu antigo bairro, visitando uns poucos amigos que havia feito, voltei pra casa, e la estava ela. Linda de mais, com sua roupa de uniforme, um batom vermelho clarinho, o cabelo solto com uma franja bem cuidada… Que vontade que eu tive de chupar ela inteira assim que há vi. Mas não podia, era um almoço familiar, tinha que agradecer tudo que eles fizeram pelo meu Bazz. Sentamos a mesa, nos divertimos, conversamos, o pai da Hannah (Mr Rayn) foi super simpático, solicito, enfim… Foi bem legal. Entre uma conversa e outra disse que queria recompensa-los de alguma forma, que estava muito grato e queria presenteá-los com algo que tornasse a vida deles melhor. Algo dentro das minhas condições, claro! Eles fizeram “tipo”, dizendo que não precisava, que tinha feito de coração, que eles amam o Bazz como se foce deles, que iram sentir a falta dele, enfim… Mas eu insisti. Fui categórico disse que fazia questão de ajudar com alguma coisa. E questionei o Mr. Rayn: “E então Rayn o que eu posso fazer? Por favor, isso é o mínimo que posso fazer por vocês” Ele titubeou, olhou para esposa e disse: “Tudo bem! Estamos precisando muito de um aquecedor novo. Esse esta velho vive dando problema!” A Lanna (Mae) ficou meia sem graça, não queria expor os problemas pra mim, orgulhosa! E eu respondi: “Então esta resolvido. Hoje vamos sair para comprar o aquecedor! E para você Srª Lanna, o que te ajudaria?” Ela mais uma vez foi bem objetiva, disse que o aquecedor estava ótimo e que eu não precisava me preocupar. Foi quando a Hannah disse que ela queria uma lava louça, dessas modernas. Rimos, ela ficou sem graça e combinamos que no sábado íamos sair para comprar. Nos divertimos, conversamos ate o final da tarde, o pai da Hannah, depois do almoço foi trabalhar, e entre um papo e outro fui descobrindo que Dylan queria um video game e que Hannah queria um celular novo, enfim… Fui em bora, levei o Bazz comigo para o hotel, claro! Acordei por volta das 10:00h com eles na recepção do hotel para irmos comprar o que tínhamos combinado. Todos muito felizes e animados, tomamos café no hotel, depois fomos ate uma loja e compramos a lava louça e o aquecedor, depois, paramos para almoçar, e em seguida fomos em outra loja e compramos o video game do Rayn… Andamos, andamos e nada da Hannah achar o celular que queria. Era um Iphone5s, pra variar. Minha sorte que lá é baratinho. Enfim… Depois de muita procura, a mãe da Hannah quis ir em bora porque estava cansada, o Rayn tinha que tomar um remédio e o pai estava louco para instalar o aquecedor novo, desta forma, combinamos que no domingo eu iria sair com a minha ex e a Hannah poderia ir e nos procuraríamos o celular com mais calma. Então fomos em bora, cada um pro seu lado. No domingo, acordei cedo, passeei com o Bazz, corri um pouco, almocei, conferi a papelada para ver se estava tudo certinho com a papelada do Bazz… E quando deu umas 13:00h fui me encontrar Laila (minha ex) saímos, conversamos, rimos, ela me contou seus planos, não trepamos porque ela estava namorando, o cara foi busca-la e tudo mais… Pareceu ser gente boa! Depois, fui à casa da Hanna, o pai dela já tinha instalado o aquecedor e a lava louça, estava todo empolgado, o Rayn estava no videogame jogando GTA e Hannah com um brilho no olhar de sempre… Não sabia se ela queria dar ou queria o celular! kkkkk Então eu já fui logo dizendo:”E ai galera, vamos lá comprar o presente da Hannah, ela não pode ficar sem, né?” Ninguém animou, o pai não quis ir, a mãe tinha que ficar com o garoto e acabamos indo sozinhos. Dois dias de tesão reprimido… Entramos no carro, andamos umas duas quadras, parei e nos beijamos, muito gostoso, passei a mão nela inteira. Ela estava com uma blusa branca, uma jaqueta jeans, uma calça tipo legging preta e uma bota por cima da calça. Muito gostosinha, a calça apertadinha deixava ela toda marcadinha, com uma bundinha empinada, com uma patinha de camelo bem desenhada. Quando parei o carro beijei com tanta vontade que quase gozei. Passava a mão na bundinha dela, nos peitos, na bocetinha… Que delicia. Ate que paramos e perguntei pra ela o que ela queria fazer. Ela sorriu disse que queria o celular, claro. Andamos uns 10 minutos e paramos em uma loja, entramos, ela escolheu, comprou e saímos. Eu estava louco, mais tinha que disfarçar, não queria assusta-la… Respirei fundo, tomamos sorvete e voltamos para o carro. No estacionamento, ela me agradeceu, sorriu e veio em minha direção para me dar um beijo… E mais uma vez, beijei gostoso, aquela boquinha de ninfeta, quentinha… Dessa vez, fui mais cauteloso, fui mais lento, devagar, me preocupei em dar prazer pra ela. Beijava com bastante carinho, fazia carinho no cabelo dela, foi muito bom!!
Saímos dali e estava indo com ela para o meu hotel quando o telefone dela toca. Era a mãe, claro. Perguntando onde ela estava, que era pra ela voltar, e bla bla bla… Resumindo: Tive que leva-la pra casa (Merda)
No caminho, fomos combinando o que faríamos… Então ela me disse que era domingo e eles iam para a igreja, quando eles estavam lá ela ficava em outro canto com as amigas e que ia sair para discretamente para me encontrar. E assim fizemos… Ela foi para a igreja por volta das 19:00h, quando deu 19:15 eu há esperei em um lugar perto e ela foi ate mim. Em vez de irmos para o meu hotel fomos pra casa dela, la não tinha ninguém, era melhor, estacionei o meu carro na rua do lado e fomos a pé ate o apartamento dela. Quando chegamos, já comecei a beija-la, firme, porem, delicados e com calma. Ela pulou no meu colo, eu a levei para o seu quarto e comecei a beijar e a tirar sua roupa. Tirei sua blusa bem devagar, chupei seus peitinhos realizando meu sonho, tirei sua bota, depois sua calça, e chupei, chupei muito. Ela se contorcia, gemia baixinho, apertava minha cabeça com as pernas, rebolava na minha boca. Eu a virei de barriga para cama e chupei seu cuzinho, lambia com tanta vontade que parecia que minha língua ia fode-la. Virei-a de novo, arreganhei suas perninhas e lambi a bocetinha dela bem profundo, dando umas beliscadinhas nos seus peitinhos, ela passava os pés nas minhas costas e gemia. Eu perguntava pra ela se eu era melhor que o cachorro e ela me dizia que eu era muito melhor. Perguntava se ela queria que eu parasse, ela dizia que não… Perguntava de quem era aquela bocetinha, ela respondia susurrando: “é sua, só sua… chupa”. E eu obedecia, ia batendo uma punheta enquanto a chupava. Ela toda arreganhada, segurava seus pezinhos enquanto tentava se esticar mais para eu chupar mais profundo. Chupava e comecei a colocar o dedo mindinho no cuzinho dela, ia enfiando bem devagar e chupando a sua grutinha com força. Ela rebolava na minha boca e o dedo ia entrando cada vez mais, quando eu consegui atolar o dedo, chupando sua bucetinha fui subindo em direção aos seus peitinhos, e ia mexendo o dedo bem de vagar dentro do cuzinho dela. Dei mordidinhas na sua barriguinha, fui para os peitinhos, lambi com vontade e terminei com um beijo bem sacana na sua boca. Enquanto ha beijava fui tirando o dedo do cuzinho dela e fiquei siriricando sua bocetnha que já estava toda encharcada, tentei imita-la, fiquei siriricando com uma certa força, dava uns tapinhas. Ela segurava a minha mão me colocando no lugar certo, eu com o dedo, entre uma siriricada e outra forçava pra dentro da bocetinha dela. Ela se assustava, dizia:”oh..ain. uhhh.” Mas não parava de rebolar na minha mão; Em um dado momento ela ficou de ladinho, tipo de “conchinha”, porem com a perninha aberta para eu continuar siriricando e catucando ela. Minha rola dura igual pedra ficava entre as perninhas dela, eu louco de tesão mas tentando me manter racional, ela rebolava na minha mãe e eu dizia no ouvidinho dela: “Ta gostoso, você quer que eu te foda bem gostoso, quer perder sua virgindade comigo minha putinha?” Ela só respondia: “uhuumm.. yes” E rebolava… Eu beijava seu pescocinho, mordia sua orelha, chupava sua língua e não parava de siriricar. Em um dado momento fui beijando suas costas, e ela totalmente entregue a mim. Fui beijando, mordendo, acariciando… Tudo em uma ordem bem planejada. Ate que ela empinou a bunda e eu cai de boca de novo… Chupei a deixei toda babada e comecei a esfregar meu pau na bucetinha e no cuzinho dela. Meu pau não é muito grande, nem muito grosso, acho que ele é médio pra pequeno, não me orgulho muito disso, mas naquela hora veio bem a calhar. Fiquei passando e cutucando, alternando os buraquinho… Ela só rebolava bem devagarinho e quando eu empurrava ela se contraia. Vez ou outra ela passava a mão na bucetinha, quando via que o cuzinho dela estava seco eu chupava mais e melava de novo ate que não aguente e meti com força na bucetinha dela. Nossa, que tesão! Ela deu um gritinho, caiu sobre a cama, meu pau saiu de dentro. Deitei em cima dela, ela de costas empinou a bundinha e eu meti de volta, ela dava uns gritinhos, mas depois parou. Eu dei umas quatro ou cinco bombadas e gozei, num aguentei mais não. Explodi de tesão, tirei rápido, gozei na costas dela inteira e no edredom da Elsa que forrava a cama dela. Quando voltei a mim depois daquela gozada, ela estava de costa, não vi o rosto dela. Pedi que ela virasse, perguntei se estava tudo bem, mas ela afundou o rosto no travesseiro. Fiz um cafuné, deitei ao lado dela e insisti perguntando se ela estava bem. Ela me olhou e estava chorando… Acho que doeu, sei lá. Fui tão cauteloso pra isso não acontecer. Me senti um merda, um mostro. Pedi desculpas pra ela, acho que ate chorei também, dei um beijo em seu rosto, limpei suas lagrimas. Nesse momento ela ficou de lado e olhou pra mim, eu pedi desculpas de novo, a beijei, e tirei o cabelo do seu rosto com um gesto sutil com as mãos. E enfim ela sorriu… Um sorriso que tirou de mim todo o peso que estava sentindo, um sorriso tímido, sincero e com a inocência de sempre ela me disse que doeu um pouco, mas que eu não precisava pedir desculpas porque foi bom pra ela. Nesse momento ela abriu um pouca as pernas, passou a mãe e estava sangrando um pouco, eu disse que era normal e que agora ela não era mais virgem! Sorrindo, ela disse que não era idiota e que sabia muito bem o que tinha acontecido. E deu uma murmurada, dizendo: “Ai, nossa, você fez rápido, seu idiota”
Ela tomou um banho rápido, eu subi a minha calça, porque nem cheguei a tirar. Descemos e voltamos para a igreja. Deixei ela lá e fui para o hotel. Estava feliz, empolgado, nunca tinha tirado a virgindade de ninguém, foi ate difícil dormir, mas consegui. Na segunda feira não nos vimos, nos falamos pelo telefone um pouco, encontrei a mãe dela durante a tarde, achei que Hannah estivesse me evitando. Mas na terça feira, faltava um dia para eu ir em bora, eu estava arrumando minhas coisas e batem na minha porta. Atendo e é Hannah… Disse que a mãe foi levar o irmão ao medico, estava sozinha em casa e foi me ver. A recebi com um beijo bem carinhoso, ela entrou, sentou em um sofá que fica em baixo da janela. Aquela luz do sol que entrava pela janela iluminava seu rosto sorridente, a deixando mais linda ainda… Eu sentei ao lado dela e disse: “Merda, eu acho que te amo.” Ela sorriu, levantou e disse:”Não precisa dizer que me ama pra me comer de novo.” Ela vestia um vestido com um tecido bem leve bege com ratinhos desenhados e uma sapatilha floridinha, tipo uma alpargata. Simples, mas especialmente linda. Eu fui em direção a ela, a beijei com tesão e dessa vez ia querer come-la olhando no fundo dos seu olhos, queria gozar assistindo aquele rostinho lindo se expressando com meus toques de carinho. Beijei, chupei seus peitinhos, coloquei meu pau pra fora e botei ela pra chupar… Nossa, que delicia, aquela boca quente, inexperiente, provando seu primeiro pau. Eu sentei na cabeceira da cama e ela ajoelhada no chão me chupando, me chupou como se quisesse me recompensar pela noite de domingo. Chupou com gosto. Que delicia… Depois, a levantei de vagar, ainda sentado na cama, a beijei e desci a alça do seu vestidinho… Agora, com mais tempo, sem o medo de ninguém chegar e nos ver, pude observar cada detalhe do seu corpo lindo, jovem e sensual. Chupei seus peitinhos, beijei mais sua boca, acariciava sua bocetinha e ela rebolava bem devagar nos meus dedos… Seu vestidinho ainda pendurando na sua cintura me atrapalhava um pouco, mas eu não o tirei todo. Com meus carinhos e caricias, ela veio e sentou no meu colo… Eu a deitei na cama com bastante carinho, e repeti a maratona de língua. Chupei minha Hannah inteira, cada pedacinho. Ela gemia baixinho, se mexia de um jeito tão imoral, erótico e sedutor que me fazia esquecer de tudo em volta. Tirei seu sapato, beijei e mordi seus pezinhos e fui voltando para sua bocetinha com beijos em toda a extensão de sua perna. Lambi seu cuzinho com gosto. E como sempre ela se arreganha inteira para receber as chupadas. Com suas mãos segurava atrás do seu joelho, ficando bem arreganhada pra mim… Eu continuei meu trajeto prazeroso, chupando seu umbigo, subi ate os seus peitinhos e terminei na sua boca. Enquanto a beijava apontei meu pau na bucetinha dela e disse em seu ouvido: “agora vou meter em você, bem devagar”… Ela me olhou, passou a mão no meu rosto e respondeu ofegante: “Ok, mas bem devagar”… Eu olhei nos olhos dela e fui enfiando, ela tentava olhar, fazia uma expressão de dor, abria a boquinha bem lentamente como se fosse me dizer alguma coisa, e eu enfiando… Sentindo cada vez mais dentro, profundo, quente… Sua bocetinha fazia umas contrações, como se tentasse expulsar meu pau e ao mesmo tempo o sugava, puxando pra dentro… E eu fazia carinho nela enquanto entrava, ela sorria com um olhar bem sacana… E enfim estava tudo dentro! Eu disse: “pronto, entrou tudo”. Ela ofegante, ate mais do que eu, deu uma risadinha, olhou, eu me afaste para ela ver melhor, porem, não tirei de dentro um centímetro. Ela começou a se mexer bem gostoso e devagar e eu comecei a me movimentar, lentamente, porem preciso. Ela gemia baixinho, abria a boquinha, fazia: “ohh, ohh…ainnn… Oh my god” E eu ia aumentando a frequência, cada vez mais rápido, e ela ia entrando no ritmo. Meu pau saía de dentro, eu aproveitava e brincava com o grilinho dela e empurrava pra dentro de novo, ela apertava os peitinhos, me arranhava as costas. Depois de fazer o “papai e mãe” levantei meu tronco e ela continuou deitada, ela colocou os pezinhos no meu peito, continuei metendo e mordendo a solinha dos seus pés. Fiquei nessa uns cinco minutos e gozei, acho que ela também gozou. Caí em cima dela, dizendo como ela era gostosa, depois paramos um pouco, ela se levantou e ligou pra mãe. Disse que estava na oficina da literatura e que depois ia me encontrar para comer pizza com minha ex. Não demorou muito e eu já estava excitado de novo a vendo falar com a mãe sentada no sofá usando minha blusa. Quinze minutos depois, segunda rodada: Chegue bem perto dela no sofá, ela ainda falava com a mãe no telefone. Coloquei meu pau bem perto do rosto dela. Ela sorriu e pediu pra parar. Mas vi que ela estava gostando, peguei a mãozinha dela e coloquei no meu pau. Ela começou a punhetar, meia sem jeito, e ainda falava com a mãe… Aquilo me excitava! Coloquei minha perna em cima do braço do sofá e meu pau pertinho da boca dela. E ela ainda falava com a mãe! Sorrindo e pedindo para eu parar, dava pequenas lambidinhas enquanto a mãe falava, e me punhetando devagar. Eu dizia pra ela cochichando: “Me chupa, vai…” Em um determinado momento, a mãe falava sobre a consulta do Rayn. Hannah deixa no viva voz, põem o celular em cima da janela e cai de boca no meu pau e se masturba com uma das mãos. A mãe se despede e ela responde, dizendo que já vai pra casa. Assim que a mãe dela desliga, ela me diz: “Você é muito pior que o Bazz”. Fica de pé no sofá, pula no meu colo e me beija. Ela já estava molhadinha de novo, senti porque ela encostou a sua bocetinha na minha barriga quando se arreganhou e pulou no meu colo. Meu pau duro feito pedra já estava na posição: desci ela só um pouquinho e ela foi se encaixando no meu cacete bem certinho. Que delicia!
Dessa vez sentei no sofá e a coloquei pra cavalgar. Ela não pulava na minha rola para entrar e sair. Ficava rebolando bem rápido, Ia pra frente e pra traz com minha rola dentro. Que bocetinha gostosa, apertadinha… Ela se mexia rápido e com força, as vezes subia e descia, mas sua preferencia é rebolar. Eu beijava seu pescoço, chupava seu peitinho, puxava seu cabelo… Ali senti que ela estava gozando… Arranha suas costas bem devagar, segurava na cintura dela fazendo força pra baixo pra botar mais pressão na foda. Ela gemia muito gostoso, murmurava coisas desconexas, não entendia… Meu pau, minha virilha ficou encharcada com o melzinho dela. Que delicia… Ate que ela deu uma gozadinha… Percebi porque ela diminuiu a frequência e desfaleceu no meu colo, escorando sua cabeça no meu ombro. Mas não parou, rebolava bem devagarinho, e ai sim, começou a subir e a descer. Eu não tinha gozado ainda, então a coloquei de quatro no sofá e marretei a bocetinha dela com gosto… Ela dizia: “ohh ohh… uhhh ain” e eu não parei ate gozar gostoso. Desfalecemos no sofá de dois lugares, tirei a camisinha e voltei com o pau pra dentro (foda-se) ela abriu a perninha para eu colocar. E ficamos ali uns dez minutinhos, juntos agarrados… Antes de levantarmos e tomarmos um banho para ela ir embora eu disse: Quando disse que te amava, não foi só pra te comer. Ela sorriu e disse que sabia! Levantou e foi tomar banho.
Quando descemos no hotel, senti que a galera na recepção ficou olhando meio estranho, mas tinha 23 anos, mas parecia ter bem menos, Não tenho o biótipo de machão, grandão. Sou mais franzino, magrinho, então da pra disfarçar bem. Fiquei cismado de me complicar, mas correu tudo bem. Levei-a pra casa, voltei para o Hotel e no dia seguinte, no final da tarde, voltei para o Brasil com o Bazz. Claro que me despedi deles, agradeci e fiz tudo com forme o figurino.
Hoje nos namoramos serio, estamos noivos. Hanna esta com 17 anos, ja veio para o Brasil, conhecemos o Rio de Janeiro, amo muito minha Gringa. Pretendo me mudar para EUA no ano que vem, até lá, ela vai vir para o Brasil em setembro e vai ficar aqui ate nossa mudança definitiva. E é claro, que Bazz vai também. Ele esta aqui firme, forte e atentado como sempre.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 3 votos)

, ,

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Roberta

    Melhor conto que já li e o que mais me excitou e o conto que tbm me encorajou a fazer meus dois contos eróticos um sobre zoo e outro de incesto os contos do cnn são os melhores pq a maioria são contos verídicos reais e eu me apaixonei por esse site não troco por nenhum outro vlw e tamo junto

  2. Leo

    Olá, adoro ler contos de zoofilia , gostaria de conversar a respeito, sem nenhum tipo de preconceito meu whats; 21 99158-3327 / Skype [email protected]
    Pretendo formar um grupo de zoofilia.

    • Bia

      oi Leo; tbem adoro ver filmes de zoofilia. Adoraria viver essa experiencia. Deve ser muito gostoso ter um cão chupando a minha xota lisinha… Vamos falar mais sobre o assulto e se alguem do Rio de Janeiro tiver um cão safadinho é só me chanar. [email protected] Bia

    • Anônimo

      oi Leo; tbem adoro ver filmes de zoofilia. Adoraria viver essa experiencia. Deve ser muito gostoso ter um cão chupando a minha xota lisinha… Vamos falar mais sobre o assulto e se alguem do Rio de Janeiro tiver um cão safadinho é só me chamar. [email protected] Bia

    • Anônimo

      oi Leo; tbem adoro ver filmes de zoofilia. Adoraria viver essa experiencia. Queria muito falar sobre esse assulto e que sabe não encontro alguem que tenha um cãozinho pra chupar a minha xota lisinha. sou do Rio de janeiro. [email protected],com Bia

  3. Indio Tarado

    Conto muito extenso mas muito excitante.