,

Esse é nosso segredo – Real

21-06-18 Por 11 ★ 4.80

Olá pessoal, meu nome é André 27 anos, moro no interior do RS, atualmente casado e sem filhos. O que vou relatar vem acontecendo já faz algum tempo entre eu e minha sobrinha Julia, a qual eu chamo de July.
A alguns anos atrás, morei ao lado da casa da minha cunhada e minha sobrinha, ainda novinha, por volta dos 4 a 6 anos brincava muito comigo. Eu a tinha como uma filha e ela, por não ter pai presente, me chamava muitas vezes de pai.
Os anos se passaram, eu comprei uma casa mais longe de onde ela morava e passamos a nos ver somente nos encontros em família. July tem agora 10 anos e se tornou imperativa, e digamos, até mal educada. Acredito que quando ela convivia comigo, (quando eu morava próximo) eu passava para ela princípios de boa educação, agora, consegui ver a diferença e a falta que eu fiz na vida dessa criança. Mas em fim.
Aconteceu que, certo dia, minha sogra havia se queimado com óleo, e chamou eu e a minha esposa, a minha cunhada e o marido dela (que não é pai da July).
Quando chegamos, minha sogra já estava no carro do meu cunhado, com a minha cunhada (mãe da July) e eu disse para minha esposa ir junto, enquanto eu aguardava na casa da minha sogra, tomando conta da July. (Totalmente sem maldades)
Ela prontamente entrou no carro e forma em direção ao hospital.
Eu estou entrando na casa e comento com a July:
– Você viu o que houve com a vovó?
Ela: – A vovó se queimou…
Eu: – Pois é, por isso que não se deve brincar com fogo…

Eu fui arrumar a cozinha, imaginei que tivesse óleo virado no chão, mas não, estava tudo OK. Então fui me sentar na sala para ligar a TV e aguardar alguma ligação.
July senta do meu lado e me abraça, como fazia antes, (havia tempos que eu não sentia ela, porém, dessa vez foi diferente, seu corpo estava maior, não sei porque, mas aquilo parecia pecaminoso, meu coração na hora bateu mais forte). E eu coloquei a mão por cima dela, abraçando-a.
Ela estava de camisa e saia, eu estava de bermuda e camisa, ela estava com os pés para cima do sofá e para o lado, apoiada (deitada) sobre meu peito, (a minha esquerda) a mão direita dela estava para baixo ao longo da minha perna e a mão esquerda dela sobre a minha barriga. Eu estava com o pé esquerdo no chão e o direito em baixo da perna esquerda, quase que formando um 4. Enquanto minha mão esquerda passeava pelo corpo dela fazendo carinhos das pernas aos ombros.
Eu então comentei:
– Lembra quando morávamos praticamente juntos…
Ela: – Sim, penso nisso todos os dias… como eu gostava de você ( Ela se posiciona, fica de joelhos no sofá de frente para mim. Bem mais desperta e alegre)
Eu: – Nós fazíamos muitas brincadeiras… (Nessa hora eu notei que estavam saindo os seios dela, eram bolinhas como uma folha de papel amassada, dando um leve volume em sua blusinha de princesa Disney.)
Ela respondeu e eu só admirava o quanto ela estava ficando linda, sua boquinha, seu cabelo, seus olhos. Ela falando e eu pouco prestando a atenção…
Quando ela pede para fazermos uma brincadeira que ela mais adorava…
Então pede para eu posicionar as mão (como quem bate palmas) e começa:
– Com quem… thã thã thã, Com quem Thã Thã Thã (thã é palmas)… Com quem será que a (e segue a musica enquanto batíamos as mãos…)
Porém, estávamos em diagonal, o que impedia muitos dos movimentos… Eu lembro que quando brincávamos ela estava sempre no meu colo (isso antes). E nossas mãos não batiam direito, visto que ela estava à esquerda e eu todo torto no sofá… De algum modo, perdeu a graça pois não conseguíamos ir até o final.
Foi quando ela sugeriu:
– Senta aqui no meio… ( e desceu do sofá)
Eu me posicionei no meio, mal acabara de me posicionar e ela já veio subindo no meu colo… eu estava estirado no sofá, (sentado quase deitado) ela nem deixou eu me posicionar direito e já veio sentando, o que fez com que ela sentasse bem em cima do meu pau com a sua bucetinha.
Aquilo me deixou tão excitado na hora que meu pau subiu na hora, eu não quis disfarçar nem me reposicionar, quis deixar para ver até onde ia…
Ela não percebeu e logo já começou a bater palmas:
– Vamos lá… Com quem será que a … vai casar…. e seguiu cantando….
E eu batendo palmas e pensando: – Será que ela não percebeu…
Mas a July é esperta, certamente sentiu sim… mas não demonstrava nenhuma reação, ao menos não nesse primeiro momento…
Quando começou a contagem dos dedos (parte final da brincadeira) ela começou:
– Loiro, moreno, careca, cabeludo….
E chegou num tipo lá que a mãe dela ia casar-se futuramente kkkkkkkk
Antes de começar novamente a brincadeira a surpresa… Ela levanta a saia dela, mostrando a calcinha, (rosinha com rendinha branca) e a bucetinha dela, estava totalmente em cima do meu pau, que, mostrava volume bem exuberante na bermuda que eu usava…
– O que é isso? Pergunta ela…
Meu coração parou e foi a 300 por hora, eu fiquei gelado e vermelho e azul e não sabia o que fazer… Admito que não esperava essa reação dela…
E mais… Ela ainda toca no meu pau com o dedo e aperta e pergunta novamente: – O que é isso?
Eu, totalmente sem jeito, respondo que não é nada e tento tirar ela do meu colo… Ela empurra as minhas mãos, (tirando da cintura dela) e segura no meu pau… e fala: – Deixa eu ver?
Eu: – Não, você é menina, não pode ver essas coisas…
Ela: – Por que?
Eu: – Porque não pois é feio?
Ela: – É feio por que?
Eu: – Porque é feio…
Ela: – Mas eu sei o que é isso!
Eu: – Sabe ???
Ela: – Sei… é teu pinto…
Eu: – Como você sabe?
Ela: – O meu maninho tem… (o pai dela tem um filho com outra mulher…)
Eu: – É, mas de homem é diferente… (nisso ela já estava de pé na minha frente e eu tentando tapar com a camisa…)
Ela: – A… (com carinha de inocente) Deixa eu ver… (pega a minha camisa e levanta rápido)
Eu: – Não, é feio, e mais, daí você conta pra tua mãe ou pra (minha esposa) e ai dá problema…
Ela: – Eu não conto (implorando) por favor… por favor… por favor…
Eu penso em relutar e…
Eu: – Tá bom, olha só… (e mostro o volume na minha bermuda…)
Ela encantada com tudo o que estava acontecendo, eu conseguia ver o brilho no olhar dela ao ver o meu pau…
Eu pergunto:
– Você já viu um pau assim de algum homem?
Ela responde negativamente com a cabeça… ela fala: – Deixa eu ver ele??? (novamente implorando por favor… por favor… por favor..) A felicidade era tanta que ela chegava a dar pulinhos pedindo por favor…
Eu pego a mão dela e coloco em cima do meu pau… olho bem no olho dela e falo: – Lembrando que é um segredo que tem que ficar só entre nós…
Ela: – Tá (concorda com o nosso trato)
Eu passo a mão dela por toda a extensão do meu pau, que não é tão grande, mas ficou grande perto da mãozinha pequena dela, meu tesão foi a mil com aquilo… ela perplexa com o que acontecia, dava até leves apertãozinhos para sentir o quão rígido estava.
– É duro… Ela diz, enquanto fazia a sua descoberta…
Eu digo: – Quer ver?
Ela balança a cabeça positivamente muitas e muitas vezes com um grande sorriso de felicidade estampado no rosto…
Eu posiciono minhas mãos no calção para tirar junto com a cueca… aquele clima de suspense no ar… ela atônita com tudo o que estava acontecendo e tiro meu pau pra fora…
Abaixo a bermuda até a metade da coxa…
Ela abre a boca… como quem ganhasse um milhão na loteria… ela olha meu pau, duro, inclinado para o lado, bem depilado, com as bolas grandes, cheio de tesão…
Eu digo: – Eai, gostou??? É assim que é um pau de homem…
Ela, ainda de boca aberta… se aproxima mas com receio de pegar… eu seguro da mão dela e puxo e ela escapa, como se fosse tocar em um bicho…
Eu: – Pode tocar … ele não morde…
Ela: Mas como ele é grande..
E foi indo com a mão lentamente, bem como se fosse tocar em um bicho mesmo… e toca com um dedo bem no corpo do meu pau e empurra…
Eu acho engraçado… então eu pego o meu pau, puxo a pele para baixo, revelando a cabeça rosada e brilhante e começo a descrever a anatomia dele:
– Então, aqui é a cabeça, por aqui sai o xixi, aqui é o corpo, tem as veias, e aqui é as bolas… então, toca nele pra você ver…
Ela, agora com mais familiaridade com o meu membro, toca levemente na cabeça, eu coloco a minha mão por sobre a dela e pressiono mais, fazendo com que ela pegue todo ele com a mãozinha dela…
Eu coloco a mão dela do lado, no corpo do pênis e digo: – Tá vendo essa pelesinha, ela sobe e desce olha só… E mostro para ela como é que se bate uma punheta…
E digo: Pode fazer… E tiro a minha mão deixando agora ela, com as duas mãos tocando e explorando meu pau…
Ela segura, olha ele com tamanha curiosidade… meu pau parecia que ia explodir de tão duro… então eu coloco a minha mão em sua bundinha… ela parecia não se importar, mas sabia que estávamos fazendo a mesma coisa um no outro…
Foi quando eu toquei na bucetinha dela, pus minha mão inteira no meio das pernas dela e senti o calor da sua inocência que continha em sua calcinha…
Eu falo: – O tipo pode te tocar também?
Ela responde positivamente com a cabeça… então eu com o indicador entro pelo lado da calcinha e consigo acesso a sua rachinha, ainda sem pelos, inchadinha… eu pressiono no meio dos lábios e sinto a sua fenda molhadinha…
Enquanto isso ela está apalpando meu pau… estávamos nos masturbando…
Uma coisa que eu não podia deixar passar era que eu queria muito ver seus lindos e pequeninos seios.. então, aproveitando o calor do momento, com a mão direita em sua bucetinha, com a esquerda fui tocando em sua barriguinha, sentindo sua pele macia, branquinha e gelada… fui subindo e cheguei no seu peitinho…
A sensação era mais excitante ainda, pois pude sentir as suas auréolas saltadinhas, levemente inchadinhas, como arrecem surgindo os seios…
Então eu levanto sua blusinha… enquanto isso ela brincando com meu pau.. eu pergunto:
– Está gostando??? Ela concorda positivamente com a cabeça.,…
Então continuo, levantando sua blusinha e agora sim, consigo ver os seus lindos peitinhos… puxo ela mais para perto de mim, e começo a beijar os seus mamilos.. Tive que me segurar para não gozar nessa hora…
Eu então peço para ela dar um beijinho no meu pau… Ela prontamente obedece… eu digo então para ela dar um beijinho e uma linguadinha…
Ela prontamente obedece… agora a cabeça estava levemente molhada com a baba daquela ninfetinha… eu digo:
– Passa a língua nele… (e eu com a mão na bucetinha dela)
Ela abre a boca e tira a língua para fora… eu seguro a cabeça dela, seguro meu pau e paço na boca dela… ela somente fica parada de boca aberta e eu paço meu pau todo na sua língua e dou estocadas para dentro da boca dela… agora ele estava completamente molhado com a baba daquela putinha…
Eu me posiciono, pego ela e deito no sofá… ela ainda com a blusinha levantada mostrando seus peitinhos, deitada no sofá com as perninhas abertas…
Eu me ajoelho na sua frente e dou um beijo em sua bucetinha por cima da calcinha…
O cheiro era de bucetinha virgem, novinha… ela parecia não entender muito, então eu puxo para o lado e revelei sua bucetinha… era uma bucetinha linda, rosinha, com o clitóris bem inchadinho… ela brilhava de molhadinha…
Então dou um beijinho bem na rachinha dela… vejo que ela não reage, então dou outro agora passando a língua… e pergunto: – O tio pode te beijar aqui?
Ela balança a cabeça, com um leve e safado sorriso, fecha os olhos e coloca um dedinho na boca…
Então eu lentamente começo a chupar aquela ninfeta…
Que chupada deliciosa, lentamente eu ia sentindo o gosto da minha sobrinha…
Eu beijo suas pernas e chupo até o cuzinho… enquanto massageio seus seios…
Eu já ia gozar… não estava agüentando… porém eu estava com medo de qual fosse a reação dela ao ver a minha porra…
Eu digo a ela: – Quer ver algo legal?
Ela: Sim…
Eu em pé, ela sentada no sofá… então eu pego a mão dela, coloco no meu pau e começo a fazer movimentos para lá e para cá, fiz ela bater uma punheta bem gostosa para mim… meu pau direcionava em seu rosto, certo que se saísse jatos de porra iria sujar todo o rosto dela… era o que eu queria… sem medo de ser feliz….
Eu disse: – Vai sair um leitinho branco… daí você não se assusta tá, isso é normal… acontece quando a gente faz isso… esse leitinho pode soltar em você???
Ela: – Pode tio…
Eu: – Então tá, mas quando começar a sair você não para de fazer isso (pra lá e para cá com a mão)…
Ela concorda… cansa a mão e ela troca… inclusive eu pego a mão dela, segurando do braço para ajudar ela a bater punheta para mim…
Eu já ia gozar e sabia que ia sair litros de porra… nem pensei 2 vezes em qual seria a reação dela ao ver aquilo pela primeira vez…
Então eu falo: – Já vai sair o leitinho (E começo a gozar…)
O primeiro jato passa batido por cima dela, vai parar lá no sofá… o restante solta um bem na bochecha ao lado do rosto, ela vira o rosto, assustada, mas não parou de bater, o outro jato soltou bem no seu ombro e nas costas, pegando um pouco no cabelo, o restante soltou em sua roupinha, pernas e na própria mão que ela batia a punheta… ou seja… deixei ela tapada de porra…
Ela me olha, com um sorriso, (notei que ela havia gostado da brincadeira) o que soltou na bochecha, escorreu que passou por cima do lábio bem no canto da boca… (a ninfetinha estava totalmente tapada de porra, no cabelo, na roupa, nas mãos.. por tudo)
Quando noto que ela passa a língua no canto da boca e faz cara de nojo: – Eca @#$… Ela provou minha porra e achou nojento….
Eu prontamente puxo minha bermuda e pego na cozinha papel toalha… e torcendo para que não ficasse sujeira de porra na sua roupa…
Eu prontamente limpo ela, os cabelos, a roupa, o sofá… peço para ela me ajudar com a limpeza… e ficou só uma mancha de molhado… meu medo é que secasse e ficasse branco… enquanto limpávamos eu perguntei: – Eai, gostou da nossa brincadeira???? Ela: – Eu adorei…
Eu disse assim: – Então me dá um beijo aqui… (fiz biquinho…) Ela me beijou na boca e eu disse: – Então agora somos namorados…
Ela com cara de safada somente sorriu…
Meu medo era as manchas em sua roupa… que ficaram marca de molhado… então eu peguei um secador de cabelo e comecei a secar marca por marca de porra da roupa dela e do sofá… Nisso eu ligo para minha esposa e pergunto… eles informam que estão arrecem fazendo um curativo e que em breve retornariam… eu informei que por aqui tava tudo bem e que a July estava vento TV…
Para minha surpresa, assim como água, as manchas de porra sumiram… não ficando brancas nem nada… UFA!! pensei…
Tudo no lugar, brincadeira acabada, estávamos novamente sentados… eu abri a casa para sair caso ficasse algum cheiro de sexo… olho para a July e falo:
– Eai, gostou da brincadeira?
Ela: – Sim… muito bom… depois eu quero mais…
Eu: – Claro, sempre que você quiser… só não conta pra ninguém ta… esse é o nosso segredo…
Ela: – Tá bom… você também, sempre que quiser fazer, não precisa nem pedir… é só começar…
Meu pau fica duro novamente… eu não podia perder a oportunidade de aproveitar cada momento que ainda me restava com aquela ninfetinha…
Então eu sugiro: – Pera i, chega mais para lá… o tio vai te ensinar uma coisa… então eu novamente me posiciono no meio do sofá… tiro o meu pau para fora.. pego ela no colo e sento ela de frente para mim… puxo a calcinha dela para o lado, e coloco a bucetinha dela direto em cima do meu pau…
E explico: – Sabe que ali é bom para mim… e ali também é bom pra você, então se eles se tocarem… fica bom pra nós 2…
Ela adorou a idéia…
Eu então explico: – Olha só, daí você movimenta para lá e para cá… (a bucetinha dela havia abraçado meu pau, ela roçava com os lábios bem abertos, fazendo uma punhetinha com a bucetinha dela…
Ela foi movimentando…. como uma mulher cavalgando… ela como estava cheia de tesão foi instintivo aqueles movimentos…
Ela não parava e fazia cada vez com mais força…
Eu pergunto: – Está gostando…
Ela: -Sim… assim é bem melhor…
Noto que ela estava se masturbando em mim… se masturbando no meu pau… meu tesão novamente foi a mil… eu levanto sua blusinha e começo a chupar seus peitinhos e ela já cheia de tesão, prestes a ter seu primeiro orgasmo começa a pular no meu pau… pula e grita e pula e grita e começa a se movimentar… eu não podia acreditar no que estava acontecendo… minha sobrinha July estava tendo um orgasmo frenético no meu pau… quando ela pra amolecida e cai para o lado… ainda pasma… e como tinha aguçado meu tesão ao extremo novamente… começo a bater uma punheta e gozo, vendo aquela ninfetinha suada, com a bucetinha vermelha, com os seios durinhos… gozei novamente… (dessa vez em menos quantidade e na minha barriga)…
Como era noite… eu dei uma almofada para ela e disse para ela dormir… arrumei a roupa dela… me arrumei… me sentei em outro sofá… e nisso chegam a minha sogra e companhia:
– Olá, – Olá… Como foi… A não foi nada, mais é susto…
Eu: Pois é a Julinha dormiu agora…
Se comportou? – Sim… nem incomodou…
Etc…
E assim que começou a minha historia com a July… Querem mais???

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,80 de 54 votos)

Por ,

11 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos

  1. Ronaldo

    Poxa que conto bom me deixou com uma puta tesão.

  2. Anônimo

    Poxa que conto bom me deixou com uma puta tesão.

  3. Mamãezinha tarada

    Que delícia! Parabéns

  4. Mapp

    Seu f.d.p. o que faço com este pau duro sem uma July do lado, lembrei de um passado que não tive a coragem que você teve.

  5. Ronaldinho

    Muito bom, Continue, você escreve muito bem

  6. A.R

    Continua, conto legal

  7. Tiozao

    Tesao de July.

  8. ANONIMO-ES

    delicioso, espero a continuacao

  9. Caio wagner

    Sim continua tá muito bom

  10. viofla

    Massa seu conto

  11. Max

    Muito bom delicioso conta mais.