Dos males a menor

Olá amigos e leitores.
Meu nome é marcos sou do interior de Santa Catarina.
Sou louco por novinhas das bem novinhas se me entendem.
Essa história que vou contar aconteceu comigo a algum tempo.
Sou caminhoneiro e vivo pelas estradas do meus estado, sempre de olho nessas novinhas deliciosas que brotam em todas as cidades do Sul do país, passo os dias de olho nelas, sempre que tenho oportunidade tiro uma lasquinha de alguma.
Pra quem sabe elas andam por aí sem sutiã mostrando seus belos pequenos seios.
Bom, em um belo dia estava eu fazendo uma coleta em uma cidade vizinha da minha quando meu caminhão quebrou perto do interior, arranjei uma carona até a cidade e pedi socorro pra meu chefe, ele me falou que iria demorar um pouco pra chegar até lá, então eu sem ter o que fazer fui até a rodoviária local esperar por ele, já que era o combinado, estava eu lá deitado no banco quando me aparece uma menina de uns nove anos, filha de indígena local que sempre ficam acampados na rodoviária vendendo balaios e outras coisas feitas de bambu, ela veio até mim e pediu se eu tinha dinheiro falei que não é comecei a perguntar o que ela iria fazer com o dinheiro, me respondeu que era pra dar pra seus pais comprar comida.
Em cima do banco estava meu celular e documentos, ela olhou e pediu:
– Me dá seu celular para mim?
Fiquei pensando, o que ela quer com celular se não tem nem o que comer.
Lhe disse:
-Para que você quer um celular menina?
-Para mim brincar e jogar joguemos nele, a minha irmã quebrou o que nos tínhamos.
Nesse minuto pensei comigo, esta aí minha oportunidade de tirar proveito dessa menina.
Mas como estava a pé e longe de meu caminhão como faria!
Pedi a ela se sempre estava ali, ela me respondeu que sim, já tinha planejado tudo na minha cabeça.
No dia seguinte peguei meu carro e rumei pra aquela cidade sentei no banco e fiquei cuidando se via ela por lá, avistei minha vítima, mas tinha muita gente por ali, taxistas, pessoas pegando ônibus, entregado e recebendo mercadorias, esperei paciente com tesao do caralho já imaginando o que faria com ela, onde a levaria. Plano montado , lugar já previamente verificado era do carregar minha menina.
Passados algumas horas a rodoviária esvaziou e minha bugrinha estava lá de bobeira, fiz um sinal para ela e veio correndo em minha direção.
Disse a ela se ela queria comer um salgadinho ou queria um chocolate?
Ela respondeu chocolate, veio até meu lado eu de olho se alguém nos via, convidei ela a entrar no carro, não fez objeção, sentou no banco e já nesse momento senti meu pau pular na cueca imaginando já eu comendo ela.
Mas antes teria que dar uma lavada nas suas partes íntimas por seu aroma cheirava fumaça e mijo.
Pedi a ela se se importava de ir junto comigo pegar mais doces pra ela e sua irma. Respondeu que não.
Essa era a hora.
No caminho dei um celular pra ela brincar com jogos que eu tinha baixado, para ela não ver que estávamos indo a um lugar deserto.
Chegando no local eu tinha já separado um litro de água e um pano para limpa-la, peguei o pano já umedecido e levei até sua perna, ela me olhou e disse o que está fazendo, falei que era só um carinho que eu não ia fazer mal pra ela, continuou no jogo e e eu passando a mão por ela toda, fui tirando sua blusinha e ela sem questionar deixou limpei ela na barriga nos peitinhos que um dia teria e fui descendo até sua xoxotinha, nesse momento ela me olhou e disse, quer tirar tio?
Eu claro que sim.
Estava tão entretida com o celular que nem viu que eu já estava com meu pau na outra mão tocando uma bela punheta.
Limpei sua bucetinha e seu cuzinho, pensei que se foda, quero chupar ela agora, cai de boca naquela coisa deliciosa, nesse momento ela largou o celular e se tocou que eu estava nu e ela também.
Peguei o celular da mão dela, sobe reclamações, e fiz a seguinte proposta.
Você quer este celular?
Ela disse sim quero.
Então o negocio e o seguinte, você deixa eu fazer o que eu quero em você daí te dou ele, tudo bem?
Respondeu que sim.
Quando fui meter a boca nela de novo ela se negou dizendo que isso não podia por sua mãe não deixava.
Falei para ela tudo bem, eu já pedi pra sua e seu pai eles deixaram você vir comigo e fazer o que eu quero.
Santa ingenuidade.
Ela topou.
Cai de boca na sua xotinha chupá ela bem gostoso, bucetinha pequena virgem, mas não poderia comer ela, ou podeira, sabe naqueles desenhos onde fica um anjo bom e outro ruim no seu ombro, era está a situação.
Anjo bom me desculpe, mas terei que ficar com isso na minha consciência. Peguei um frasco de KY e esfreguei na sua bucetinha, esfreguei meu pau mas não iria entrar sem rasgar ela toda, então decidi deixar ela chupar meu pau para dar uma gozada na sua quem sabe assim meu tesao passaria e e eu desistiria de praticamente estuprar ela.
Fiz ela chupar ensinei como era fui para o banco de trás coloquei sua bucetinha na minha cara enquanto ela engolia meu pau.
Estávamos nesse 69 gostoso eu sentado com ela no meio das minhas pernas me chupando ou melhor tentando chupar, não aguentei e gozei na sua boquinha, que sensação maravilhosa gozar em uma boca de 9 anos.
Deitei ela do meu lado tirei fotos suas com a boca cheia de leite, achei que meu tesao tinha acabado mas olhando ela naquela posição de pernas abertas com a boca cheia de porra meu pau logo subiu de novo, agora era a hora de estourar seu cuzinho, virei ela de quatro para mim, passei bastante KY no meu pau e em seu cuzinho que piscava pra mim, fui colocando não entrava, ela reclamava de dor, tentei de novo, e de novo, e meu tesao aumentando, ela reclamando e chorando dizendo que iria contar pra sua mãe e pai.
Apertei o botão FODA-SE.
Sem dó meti com tudo meu pau no seu cuzinho, sou ouvi um berro e seu choro em prantos enquanto eu socava sem dó nem uma seu rabinho de 9 anos, misturado em gel e sangue meu pau entrava e saia de seu cuzinho quente, pensei comigo a merda já está feita então vou aproveitar, virei ela pra mim olhando sua carinha de choro, as lágrimas desciam de seus rosto em meio a soluços e pedidos para eu parar.
Parar?
Parar nada mais KY no cacete e em sua bucetinha, fiz entrar nela a força enquanto chorava e pedia não. Pelo fim de algumas horas de dor e sofrimento para ela meu pau já estava dolorido, então imagina ela.
Gozei novamente em sua bucetinha desta vez, tinha matado meu tesao, então veio o remorso, que eu fiz? Me perguntei?
Não tem retorno, já eras, ficamos transando até a noite cair já era umas 22:00 quando decidi levar ela de volta pra rodoviária, toda fodida.
Bom e esse meu relato.
Sei que tem gente que não vai gostar outros vão, mas quer saber se faria de novo?

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 3,65 de 23 votos)
Loading...