Vi meu irmão com minha prima de 12 anos

Autor

E ai pessoal, eu sou o John e essa história é baseada em alguns fatos verdadeiros, os nomes serão trocados mas os acontecimentos serão mantidos.

Eu tenho 17 anos e moro sozinho com minha mãe que se separou do meu pai um pouco antes de eu nascer e tenho um irmão mais velho que tem 20 anos e não mora mais conosco. Minha mãe tem uma irmã mais nova que casou cedo, com 15 anos ela já estava grávida de minha prima Pietra. Meu irmão adorou a "irmãzinha" pois ele e minha tia sempre foram bem próximos já que eu, por ser o caçula, era mais mimado pela minha mãe e ele ficava mais excluído e foi "adotado" por ela. Pelo que minha mãe conta, meu irmão sempre ajudou tia Marcela a criar Pietra e desde sempre passava quase todos o finais de semana na casa dela.
Minha tia Marcela, por ser novinha e gostosinha (pelo que vi nas fotos), casou-se com um cara bem de vida e tinham uma casa grande, um quintal com piscina e uma bela e espaçosa varanda. Conforme minha prima foi crescendo meu irmão continuou indo pra casa da minha tia ajudar ela no dia-a-dia já que meu tio, marido de minha tia, não era muito presente em casa.
Eu também ia lá, mas minha tia era meio desagradável comigo, basicamente ela me ignorava, como se quisesse que eu fosse embora, da mesma forma que minha mãe tratava meu irmão.
Por minha mãe ser sempre rude e exigente com Victor (meu irmão), ele saiu de casa com 15 anos, começou a trabalhar e foi morar com uns amigos e logo que fez 18 comprou a própria casa, carro, mobília e etc. Minha tia, obviamente, o chamou para morar com ela, mas ele sempre foi independente e recusou mas mesmo assim continuou indo à casa dela.

Depois dessa introdução vamos ao conto.

Esses fatos se deram no ano passado, em novembro, na festa de aniversário do meu tio Luiz, marido da tia Marcela. Não foi de fato uma festa, foi só um almoço com alguns amigos e parentes. Lá pelas 3hrs da tarde eram poucos os que ainda estavam lá. Minha mãe conversando e bebendo em um canto com tia Marcela, meu tio enfiado no escritório (como de costume) e Victor, Pietra e eu na piscina. Eles estavam a todo momento se abraçando e se agarrando e, como de costume, me ignoravam completamente. Meu irmão sempre me tratou bem mas na presença de minha tia e prima ele praticamente me esquecia. Por meu irmão ter
praticamento criado Pietra, ninguém via maldade nas brincadeiras deles pois como dizia minha tia "se fossem irmãos não seriam tão próximos".
Sempre que eu ia pra casa da minha tia eu percebia que meu irmão sumia com Pietra, às vezes eles saiam de carro, outras eles simplesmente sumiam e depois voltavam. Eu nunca tinha percebido um padrão nisso e nunca me importei pois eles sempre que estavam juntos cagavam pra mim. Mas nessa época eu tinha recém conhecido esse site e notei que quando eles saíram estavam demorando pra voltar e comecei a pensar no que que eles poderiam estar fazendo dentro de casa mas estava me negando a acreditar.
– Isso não acontece de verdade, só nos contos! – Eu disse pra mim mesmo.
Depois de alguns minutos eu resolvi ir ver o que estavam fazendo. Logo que eu sai da piscina minha tia pergunta se eu precisava de alguma coisa e pude perceber uma certa preocupação no tom dela. Ela provavelmente sabia de alguma coisa.
– Só vou ao banheiro, tia.
Fui em direção ao banheiro e quando percebi que ninguém estava olhando fui procurar os dois. No primeiro andar ficava a sala de estar, a cozinha, sala de jantar, um quarto de hóspedes, banheiro e um quarto que era utilizado como despensa. No segundo andar tinham os quartos dos meus tios, da minha prima, o escritório do meu tio e uma pequena sacada (os quartos principais tem banheiros internos). Corri em direção ao quarto de minha prima esperando ver
alguma coisa e quando cheguei a porta estava aberta mas não vi nada. Espiei o banheiro. Nada. Olhei no quarto dos meus tios e nada. Quando estava descendo as escadas me veio a ideia de olhar no quarto de hóspedes.Quando eu cheguei perto ouvi vozes mas, por a porta estar fechada, não consegui decifrar o que era dito. Tentei olhar pela fechadura mas não consegui ver nada. Voltei pra fora, coloquei meu calção e disse que iria dar uma volta.
– Tudo bem! – Minha tia respondeu um tanto aliviada.
Sai pela porta da frente para disfarçar mas depois dei a volta na casa e fui espiar pela janela.
Quando eu dei a primeira olhada me surpreendi e mesmo sabendo o que esperar foi um choque ver eles dois daquele jeito.
Minha prima estava deitada de bruços, a parte de cima do biquíni rosa jogada aos pés da cama, a calcinha posta de lado mostrando um belo cuzinho rosado, os olhos fechados, a boca aberta como se estivesse sentindo uma leve dor, a mão direita por baixo do corpo mexendo no pequeno clitóris.
Meu irmão estava pelado, posicionado atrás dela abrindo a camisinha, o pau muito duro, olhava pra minha prima com um olhar de tesão mas também parecia ter muito afeto por ela. Terminou de por a camisinha, massageou a bela bundinha de Pietra e foi chegando perto dela. Devagar ele foi penetrando aquele corpinho de menina-moça.
Antes desse acontecimento eu nem sequer tinha reparado nela como mulher, mas devido aos contos que eu tinha lido recentemente eu passei o dia olhando diferente pra ela. Pietra tinha 12 anos recém completos, tinha acabado de dar aquela "espichada" e tinha começado a se tornar uma mulher, estava com uma bundinha cada dia maior e mais gostosa, seus peitos estavam bem grandinhos, maiores que outras meninas da sua idade, mas ainda iam crescer muito mais. Se puxasse à mãe ia ser muito gostosa.
Logo que meu irmão estava dentro dela, se deitou sobre seu corpo e deu um beijinho em seu rosto e começou a movimentação. Ela começou a gemer baixinho e logo aumentou a voz. Sempre que ela dava um gemidinho mais alto ele a beijava pra silenciá-la. Ficaram nessa por uns 5min ou mais, eu não resisti e comecei uma punheta e logo gozei. Antes deles terminarem eu sai pra rua pensar no que tinha acabado de ver.
Quando estava escurecendo eu voltei pra casa da minha tia e não vi ninguém dentro de casa. O carro da minha mãe não estava lá então deduzi que já tinha ido pra casa e, já que moramos perto, ela não se preocupou em me esperar. Ouvi conversas e risadas nos fundos da casa e fui ver o que era.
Meu irmão estava deitado na rede da varanda, sem camisa, só de calção. Minha prima estava sentada no seu colo de frente pra ele como se cavalgasse, estava só de biquíni e pude perceber que não era o mesmo que estava usando durante o dia, esse era azul claro enquanto o outro era rosa. Minha tia estava no fundo do quintal recolhendo algumas latas de bebida deixadas pelos convidados da festa e não estava olhando para eles, estava abaixada de costas pra onde eu estava, mostrando aquela maravilha de bunda.
Pude notar um olhar de cumplicidade entre meu irmão e Pietra, como se estivessem escondendo algo do mundo que só eles soubessem, e de certo modo, estavam. Logo Victor tira o pau duro pra fora do calção e Pietra se levanta, coloca a calcinha pro lado e senta até entrar tudo dentro dela. Não era possível acreditar que uma menininha de 12 anos aguentasse um pau daquele tamanho. Meu pau tem 17cm com uma grossura normal em relação ao comprimento mas o do meu irmão era maior em comprimento e espessura.
Pietra começou a se movimentar no colo de Victor e logo meu irmão expressou um sorriso de satisfação que nunca tinha visto igual. Quando vi ela subindo e descendo me peguei imaginando a quanto tempo isso estava acontecendo, quem mais sabia e se ele fazia com minha tia também. Minha mãe com certeza não sabia, caso contrário iria fazer o maior escândalo e certamente colocaria Victor na cadeia.
De repente vejo minha tia chegando perto deles e pergunta:
– Que pouca vergonha é essa? – Mas não tinha nenhum tom de surpresa ou raiva nessa pergunta, eu diria que poderia ser até uma piada interna entre eles, aquela pergunta. – Filha, aqui fora? – Falou com preocupação. – Vai tomar banho agora, e se fosse seu pai que chegasse aqui? Ele ia matar vocês dois e eu junto.
Pietra sai de cima do primo e arruma seu biquíni, estava um pouco envergonhada por ter sido surpreendida pela mãe e foi dar um pulinho na piscina. Meu irmão por sua vez nem sequer mudou a expressão de seu rosto, pegou a mão de tia Marcela e pôs em seu membro. Ela começou uma punhetinha rápida e ele começou a esfregar sua mão por cima do shortinho da tia.
– É claro! – Pensei comigo mesmo. – Se ele come a prima é óbvio que come a tia também.
– Deita aqui comigo um pouco – Disse Victor pra tia.
– Não. O Luiz pode descer a qualquer momento. Quarta-feira ele vai viajar e vai passar a noite fora. Vem aqui depois do trabalho que eu vou mandar a Pietra pra casa da sua mãe pra nós ficarmos sozinhos.
Depois que ela disse isso resolvi ir embora e, enquanto caminhava pra casa, ia maquinando uma forma de tentar ver o que iria acontecer com eles. Tentaria pegar minha prima também, já que ela dava pra um irmão por que não dar pro outro também. Nessa hora lembrei que tia Marcela mandava Pietra frequentemente dormir lá em casa, mas eu nunca percebi o por que. Agora estava explicado e eu iria tirar proveito daquela situação…

P.S.: Esse é meu primeiro conto, deixem sujestões do que eu posso melhorar.
Esse fato aconteceu a algum tempo atrás mas só resolvi contar agora. Levei alguns dias pra escrever e a continuação está quase pronta, apenas estou aguardando os comentários pra melhorar o que já tenho.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,74 de 19 votos)
Loading...