Bons tempos que não voltam mais

Autor

Hj estou com 43 anos, tudo começou em 1985 na época eu estava com 10 anos, morava com meus pais em nosso sitio no interior, meu pai agricultor, também tínhamos uma granja, além dos bois que ele criava, as ruas eram de terra, num lado da rua era o sitio do meu pai cercado de chácaras, e do outro lado da rua tinha casas, la eu tinha vários amigos, vivíamos na rua jogando bola, andando a cavalo de bicicleta, nossa diversão eram essas coisas além de jogar bola, nadar no riacho pegar frutas nas chácaras, no sitio do meu pai não dava pois era todo murado, com grades e lanças em cima, não tinha perigo nenhuma nas ruas nos trilhos do mato, o único perigo era cobra, mas as vezes encontravamso alguma matávamos e levava a cobra pro meu pai, na escola íamos as vezes de jarrete, outra de bicicleta outras vezes de caminhão com meu pai, na escola as meninas eram separadas dos meninos pois era uma escola de católicos, mas fora da aula ficávamos na cachoeira nadando batendo um punheta, vendo revista pornô, as vezes ficávamos até a noite na rua brincando com as meninas e rolava umas passadas mão, uns beijinhos, as vezes uns esfrega na bunda delas, os anos passando a tudo na mesma, com 12 anos na sexta série, vivíamos tentando ver a calcinhas das professoras, mas só usavam vestidos cumpridos, e babávamos na mãe de Paulinho um amigo nosso, dona Telma, uma coroa loira alta corpuda gostosa, linda cozinheira no hospital da cidade, casada com seu Nelson guarda do hospital, vivíamos tentando ver a calcinha dela, mas não dava, certo dia ela foi la em casa comprou alguns frangos do meu pai, e meu pai me pediu pra ajuda-la a levar até a casa dela, eu fui ajudar, chegando la Paulinho não estava, só estava dona Telma, eu entrei na casa dela com os frangos, com algumas espigas de milho que meu pai deu a ela, couve, alface, frutas, ai pedi pra ir ao banheiro antes de ir embora, entrei no banheiro dei aquela mijada, e comecei a vasculhar no cesto de roupa suja, e achei uma calcinha dela ainda húmida no fundo meio quente, coloquei no bolso peguei também outra que ainda estava cheirando a buceta, em casa cheirei e me masturbei muito, depois levei pra alguns amigos, acabamos por jogar fora depois de gozarmos tanto na calcinha dela, minha mãe era costureira e dona Telma sempre comprava roupas que minha mãe fazia, mas ia ter um casamento na vila e dona Telma e seu Nelson seriam os padrinhos, ai dona Telma vai em minha casa pra encomendar um vestido com minha mãe, quando o vestido ficou pronto minha mãe chamou dona Telma pra experimentar, eu me escondi no ateliê de minha mãe e com uma filmadora que meu pai havia me dado filme ela tirando a roupa, e experimentendo o vestido, ela tirou e colocou por varias vezes, até minha mãe acertar os detalhes, minha mãe também fazia calcinhas e sutiãs, além de outra peças intimas, e falou pra dona Telma experimenta com essa calcinha, e olhe no espelho, vai ficar bem melhor, ela tirou a calcinha eu focalizei bem na buceta dela, que coisa carnuda delicia, cabeluda, ela colocou a calcinha que minha mãe deu e deixou a calcinha dela dentro de um sacolinha, ela saiu com o vestido e esqueceu a calcinha dela la, eu só esperei ela saírem pelo portao, pois minha mãe foi ajuda-la até na casa dela, pois ela levou muitas roupas que minha mãe tinha consertado, eu sai peguei a calcinha lambi, cheirei me masturbei e gozei na calcinha dela, ejaculei e limpei com a calcinha dela, ai peguei minha filmadora e fui pro meu quarto, tirei a fita e escondi bem, mas sempre ficava assistindo e batendo aquela punheta, mas não saia daquilo, no inicio dos anos 90 eu com 15 anos já estava trabalhando a 1 anos numa empresa de ônibus que abriu la perto, já era mecânico, estava no 1º ano do segundo grau, estava fazendo curso pelo SENAI dentro da empresa, Paulinho e muitos outros muleque da vila continuavam só na vagabundagem, dona Telma só tinha descepçao com Paulinho, que muitas vezes até a mandava ir tomar no cú, seu Nelson também bebia muito quando estava de folga, era nitdo a decepção de dona Telma com o marido e o filho, ela se matava cozinhando, e seu Nelson só ficava la de guardo no hospital, ela fim de semana pegava na inchada e limpava o quintal, as vezes pedia ajuda ao meu pai pra consertar alguma coisa, e o pior era que Paulinho nem ia mais a escola, vivia só na maresia, eu trabalhava durante o dia e a noite ia pra escola, fim de semana eu fazia horas extras na empresa, os anos passaram e em 93 eu completei a maioridade, tirei a habilitação comprei um carro, na empresa fui efetivado, tentei colocar Paulinho la, mas no primeiro dia ele faltou e já foi dispensado, eu fui promovido a líder da mecânica, comecei a namorar com uma garota, mas meu sonho de consumo ainda era dona Telma que era só briga com seu Nelson que estava desempregado, vivia bêbado dormindo na rua, Paulinho tentou roubar uma casa e foi preso, dona Telma só vivia la em casa lamentando a sorte na vida, o pior é que na casa que Paulinho tentou roubar tinha uma idosa e ele deu um soco nela, ela veio a falecer e ele foi preso por assassinato e tentativa de furto, ia ser julgado em júri popular, sabe-se la quando, dona Telma nem ia la vê-lo se lamentava, mas resolveu esquecer que tinha filho, e visto que seu Nelson vivia bêbado ela o expulsou de casa, ele foi pra casa da mãe dele, se afundou de vez na cachaça, dona Telma la sozinha, ela ia trabalhar e quando voltava ia la pra casa, conversar com minha mãe, certo dia dona Telma tinha que ir pra outra cidade fazer um exame de indoscopia, e chamou minha mãe, mas minha mãe não podia leva-la e me pediu pra fazer isso, eu a levei, ela fez o exame e voltou bem grogue, sonolenta, eu a ajudei a colocar no carro, e notei que ela era muito gostosa mesmo, a sentei no banco do carona pois meu carro era uma camionete, coloquei o cinto nela e ela apagou, ela estava de saia cumprida, eu fui levemente levantando até que deixei as coxas dela de fora, mostrando o fundo da calcinha, fazia isso quando parava nos faróis, quando chegamos na casa dela, já estava escuro, e chovendo, eu a levei pra dentro, ela cambaleando a segurei firme, e levei-a até o quarto, levantei a saia dela cheguei com o nariz bem na buceta e dei aquela cheirava sem encostar, ai ela resmungou algo, eu desci a saia dela, e fui la em casa dizer a minha mãe que já a trouxe, minha mãe foi la, e a ajeitou na cama, ficou la com ela, no dia seguinte eu sai com a namorada que se chamava Elaine, e acabei a chamando de dona Telma, ela se vestiu e me mandou tomar no cú, mais tarde em casa dona Telma estava la, e me agradeceu muito, ai minha mãe falou. Filho vou tomar banho faz companhia a Telma. Dona Telma falou. Acho que vou pra casa vc me leva até la em casa querido, esta escuro. Minha mão me mandou leva-la, eu a levei embora ali pertinho, mas as luzes da rua apagaram, ai eu fui com ela, ela me chama pra entrar, eu entro com ela, ela passa a mão no meu rosto e fala. Vc vale ouro sabia? Queria que meu filho fosse assim, mas se tornou a porcaria que é hoje. Ai me abraçou, e chorou com a cabeça em meu ombro, mas depois secou as lagrimas e falou. Chega de chorar, vou procurar viver e ser feliz, esquecer que tive família, eu a deixei la, e fui pra casa, ai peguei a filmagem dela tirando a roupa e experimentando o vestido, me masturbei muito, ela vendeu a casa dela, e comprou outra numa cidade colada a que morávamos, a 30 minutos de carro, eu peguei o caminhão do meu pai e fiz a mudança dela, e a ajudei a arrumar tudo, ela me agradeceu foi ficando tarde, e ela falou, vou ligar pra tua mãe, já estava tudo ajeitado, mas eu estava cançado pra dirigir, e ela falou com minha mãe, eu estava me preparando pra voltar, e minha mãe pediu pra falar comigo, e disse. Filho, fica ai com Telma, ta chovendo muito, amanha vc vem, esta tudo cheio de agua, teu pai acha mais seguro vc voltar amanha. Eu aceitei, afinal estava pregado, ai tomei um banho dona Telma fez janta, e depois de jantarmos ficamos conversando, ela ficava me olhando me admirando, me elogiando, ai chegou mais perto e me deu um beijo no rosto, e disse. A meu tempo de novinha, que pena já sou velha. Eu disse que isso dona Telma, a senhora é linda, muito mais linda do que muitas novinhas, e a senhora não ta velha não, ela falou. Mas vc tem idade de ser meu filho, tão novinho. Eu disse. Mas não sou, e a senhora não é minha mãe, é a mulher mais gata daquela cidade e dessa também. Ela riu, e disse. Eu kkkk ta brincando comigo né? Eu disse. Claro que não, ficávamos só falando na senhora desde que tínhamos 10 anos, muitos homens também falavam uma mulher tao linda com um cara tão feio, Ela falou. Safadinho então vcs ficavam falando de mim, e meu filho não fazia nada? Eu disse. Bom só falávamos da senhora quando ele não estava, mas a senhora era nossa musa, e ainda é. Ela falou. Ainda sou? Me desejam ainda? Eu disse. Os outros eu não sei, mas eu se tivesse chance. jamais desperdiçaria. Ela falou. Mas e se tua mãe fica sabendo. ela me mata. Eu disse. Que nada. já sou maior e além do mais quem precisa saber? o importante e a senhora saber que é linda, gostosa, e que pode ser feliz. Ela falou. A quero sim, mas me casar e ter filhos, nunca mais, só se for como se diz curtir. Ai ela falou. Mas ninguém pode saber. Eu disse. Só nós sabendo e nos deliciando já é o suficiente. Ela já veio e me beijou, eu também já a abracei, mal podia acreditar no que estava acontecendo, a levei pra cama, e comecei a tirar a roupa dela, já fui chupando os seios, tirei a calcinha dela, já beijei a buceta, as coxas, e fui em cima dela já sem roupa também e fui penetrando bem devagar, ela respirando fundo, meu pau já dentro dela, eu bombando ela ria gemia, e dizia que loucura, e gozamos juntos, muito bom eu estava parecendo que estava num sonho, alias já tive vários sonhos transando com dona Telma, ela falava que não acreditava no que estava fazendo, mas estava gostando muito, chupei muito os seios dela a coloquei de 4 e meti gostoso, dormimos juntinhos, colados pelados, transamos muito a noite toda, no dia seguinte ela voltou comigo, e ficou na casa de minha mãe, depois no final da tarde eu a levei de volta pra casa dela e transamos muito, dessa vez ela me chupou gostoso, eu também a chupei, resolvemos sempre nos encontrar na casa dela, resolvemos guardar segredo, eu me casei mas mesmo assim continuava comendo dona Telma, mostrei a ela a filmagem que eu tinha feito dela experimentando o vestido, ela adorou que eu naquela idade a desejava, falei das calcinhas que roubei dela, ela amava tudo, meu filho nasceu e contiavamos a nos encotrar e transar feito doidos, eu dava desculpas e minha mulher de que ia fazer uma viagem a trabalho e ficava la com dona Telma, e pra melhorar a empresa que trabalhava se mudou pra perto da casa de dona Telma, eu ia la todos os dias, exceto quando minha mãe estava la, ou por outro motivo, mas fora isso eu a comia direto, ate que com 65 anos ela teve que retirar o útero, a tereoide, se recuperou, mas não quis mais, também já estava um pouco fora de forma, hj ela esta com 75 anos, mora em uma cidade bem mais longe, ainda é amiga de minha mãe que sempre a visita, as vezes ela vai a casa de minha mãe também, mas já nem fala mais no assunto, ninguém ficou sabendo, só eu e ela, meus filhos estão crescidos, me dou muito bem com minha mulher, e ainda quarto o vídeo com filmagem de dona Telma trocando de roupa, as filmagem que fizemos de nossas transas, hj tudo nos meus e-mail guardado com senha, hj ta bom, mas os bons tempo da juventude, esses forma inesquecíveis, e inigualáveis. é isso

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,83 de 6 votos)
Loading...