Bêbado, deixei a minha pequena ser abusada na minha frente 7

Autor

Olá pessoal, estou de volta com a Saga: Bêbado, deixei a minha pequena ser abusada na minha frente

• Desculpem-me pela demora na continuação da Saga do Henry, Sam e Afonso. Prometi que da proxima vez seria um menino como protagonista, entretanto os leitores do site viraram fãs da saga e resolvi deixar como está. Espero que apreciem esse spin-off que preparei para a série.

Tags: Novinha, Incesto, Virgem, Fantasia/Ficção

Aos 7 aninhos Carla ja explorava seu corpinho. Inclusive ja havia descoberto que sua xoxotinha não servia apenas pra fazer xixi…servia tb pra lhe da prazer.
A familia recentemente havia chegado de férias de um parque temático no exterior. Sua mãe havia se casado novamente, e para comemorar o casamento a familia fez essa viagem. E foi la, em uma loja de conveniencia de um hotel temático de luxo, que um homem, – fantasiado de um personagem infantil e aproveitando a distração dos pais -, colocou a mão na genitália da criança e ficou passando o dedo em sua bucetinha. E nos dias seguintes o homem a encontrará novamente e voltara a repetir a mesma coisa.
Sempre educado, sempre oferecendo doces, sempre a tocando, ele arranjava sempre um jeito de falar com ela…de dá beijinhos na sua boca… pescocinho… e na sua bucetinha. Essa ultima, ele passava um bom tempo chupando e enfiando a lingua. Mas a criança mal sabia que ele só tava marcando territorio, e que mais cedo ou mais tarde ela seria dele…ou melhor… ele taria dentro dela.
No ultimo dia da familia no parque, o homem a levou para um quarto secreto e trocou de roupa na frente da crianca, sem tirar a mascara. E a menina viu pela primeira vez um homem nu. Quando o cara pediu que ela tirasse tb a sua roupinha, sua mãe a chamou e a garota saiu do quarto, que ficava atras do guarda roupa…uma compartimento secreto…que somente existiam em suites para casais com crianças…um lugar que só os funcionarios do parque tinham acesso… um lugar construido excepcionalmente para deleite de pessoas que pagavam uma fortuna so pra estarem ali….

Essa foi a ultima vez que ela viu o seu amigo do hotel.

Dias atuais…

Todo dia quando a menina acordava ela passava o dedinho em sua bucetinha gordinha e lisinha e lembrava do seu amigo, seu unico grande amigo, que era carinhoso e atencioso com ela. E foi numa dessas vezes que sua mãe entrou no quarto e a flagrou brincando. Naquele dia a criança levou uma boa surra da sua mãe que a fez prometer que nunca mais faria isso.
Os dias foram passando e Carla não voltara mais a pegar na sua bucetinha. Mas teve um dia quando a sua mãe foi trabalhar, a menina ficou a sós com seu padrasto e ele lhe disse: — Princesa voce pode se tocar se quiser, mas nao deixa a sua mãe ver e nem saber que eu é que te falei isso, esta bem? É o nosso segredinho (Nem precisa dizer que a menina ficou radiante nesse dia).

Dois dias depois sua mãe voltou a sair de casa e a menina se sentindo mais livre foi pro quarto pra se tocar e sentir o mesmo prazer que seu amigo do hotel lhe causará.
Algum tempo depois a menina ouve uma batida na porta do seu quarto…era seu padrasto pedindo pra entrar. Carla ficou morrendo de vergonha pq depois de bater, seu padrasto entrou e a viu só de calcinha.
Entao ele chegou perto dela e disse:
— É gostoso né minha princesa? Mas eu vou te ensinar como fazer direitinho hj, ok? (Mal ele sabia que o cara do hotel, que ele e sua esposa estavam hospedados, ja tinha ensinado a ela).
Ele se sentou na cama e começou a mexer na bucetinha da sua entiada. E ela constatou que ele passava o dedinho nela mais gostoso que ela, quando o passava sozinha. E ate mais gostoso do que o seu amigo do hotel. Teve uma hora que o seu padrasto, passou o dedo bem rápido a fazendo soltar um gemidinho. Seu padrasto lhe deu um sorriso e disse: —– Quer mais?
E ela —- Sim, por favor papai!
Nisso ele se levantou da cama, e começou a tirar a roupa. Quando seu padrasto tira a calça e sua cueca a garota pode ver finalmente ele nu. Ele era diferente do seu amigo… ele tinha a pele bem mais morena, era muito mais forte e tinha pouco pelo. Ja seu amigo do hotel era magro, branco e peludo.
Seu padrasto estava com o penis durrissimo e tinha um liquido brilhoso saindo dele. Então ele se deita na cama e abri as perninhas de sua entiada e começa a dar beijinhos em sua pepekinha como seu amigo do hotel fazia. Um tempo depois seu padrasto começou a passar a lingua e a chupar a bucetinha da menina com mais força e mais tesão.
Carla não queria que ele parasse. Quando de repente a menina urina na boca dele. Seu padrasto começa a ri, limpa a boca com um pano e diz a ela —- Esse será o nosso segredinho certo princesa? Entao ele sai do quarto, deixando a criança nua e ainda de pernas abertas pra ele.

No dia seguinte, quando sua mãe foi trabalhar, seu padrasto entra no quarto e encontra sua entiada brincando com suas bonecas. Entao diz —- Princesa eu também estou com vontade de ser chupado… quer aprender fazer em mim igual fiz a você?
E ela —- Posso? Sorrindo e animada. Mal deixando a menina acabar de responder, seu padrasto abaixou o short e a cueca, fazendo pular de lá um penis grosso, negro, de uns 19 cm e de cabeça bem vermelha e bem veiudo. Vendo o fascinio da crianca, ele a pedi que beijasse lá em baixo e lambesse seu pau como se fosse um sorvete (nem precisa dizer que a menina caiu de boca no seu padrasto). A menina fez direitinho conforme ele ia lhe instruindo, quando de repente seu padrasto dá um urro e encaixa a cabeça da rola bem na sua boquinha e goza fartamente dentro dela. O tesão era demais. A criança engoliu tudo e continuou chupando até seu pau amolecer em sua boquinha. Depois de tirar o pau da boca da criança, o padrasto deu um banho na sua entiada e a deixou pra dormir no conforto do seu quarto, ja que sua mãe tava quase pra chegar.

Depois deste dia sempre que estavam em casa sozinhos, eles se chupavam e gozavam em total cumplicidade. A menina sempre arranjava um jeito de sentar no colo do seu padrasto para sentir seu cacete duro roçando em sua bundinha. As vezes, sentava até de pernas abertas para esfregar sua bucetinha naquele cacete preto. E essas brincadeiras duraram por 2 longos anos.

Carla já estava prestes a completar 9 aninhos e louca pra sentar no cacete negro do seu padrasto, quando no seu aniversario de 9 seu padrasto lhe avisou —– Agora esta na hora de voce começar aprender a ser mulher. Ouvindo isso, Carla completamente animada, pensa — hoje finalmente serei a mulher do tio Afonso. Nisso, Afonso leva a menina para o seu quarto e se tranca com ela lá pra dentro.

Continua…

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,36 de 11 votos)
Loading...