Um Vagabundo Me Fez Corromper Minha Filha

Fui ao posto de saúde da minha cidade levar minha filha de 7 anos para uma consulta porque ela reclamava diariamente de dor no ouvido. Tive que sair muito cedo para pegar senha, no posto e marcar a consulta e tal… Aquela humilhação de sempre quando filho de pobre precisa ir ao medico. Acordei 2:30 da manha, coloquei minha filha nos braços, e fui para porta do postinho que só abria as oito horas. Chegando lá, por incrível que pareça, ja tinha umas 12 pessoas acomodadas na porta esperando. Na lateral da entrada do postinho, tem uns bancos de concreto encostados na parde… Cheguei cedo, tinha pouca gente, fizemos uma lista de chamada para sabermos quem tinha chegado por ultimo para manter organizado na hora que distribuísse as senhas, depois que isso foi feito, me acomodei em uma desses bancos com minha filha, estava frio, e uma senhora trocou de lugar comigo, e eu fiquei na quina protegida do vento.

Sendo assim, eu tinha uma parede na minhas costas e uma pilastra ao meu lado que dava acesso a porta do postinho. Agradeci a senhora, e me acomodei com Karine (minha filha) no meu colo e adormeci. Tinha levado uma coberta para nos agasalhar, um travesseiro, para tornar a experiencia o menos ruim possível. Por volta das 4:00/4:30 horas da manha, chega um rapaz de uns 25/30 anos com uma carrocinha que ele vendia doces, bolachas, água, refrigerantes, chicletes, enfim… Lanches rápidos para vender para as pessoas que ficam ali na porta. Ele chegou e posicionou o carrinho dele na minha frente, impedindo minha visão da porta do posto de saúde e das pessoas que estavam do outro lado no meu campo de visão. Fiquei como se estivesse atrás de um balcão. Eu me assustei, estava meia sonolenta, mas ele foi cordial, simpático, me pediu desculpas por ter me acordado e me deu um chocolate prestijo. Karine ainda dormia profundamente no meu colo, o rapaz cumprimentou todo mundo que estava ali perto, inclusive a senhora que me cedeu o lugar… Ela me disse discretamente que onde eu estava era o lugar que ele ficava vendendo as coisas dele. Eu fiquei meia sem graça, disse que iria pra outro lugar, comecei a me ajeitar, arrumar meus trapos para sair dali para não atrapalhar o trabalho do homem. Mas a senhora disse que não precisava, que ele podeira sentar ali do meu lado. Eu estava acomodada, cansada, com sono, com minha filha no colo, cheia de coisa, decidi ficar por ali mesmo. O rapaz voltou, e eu me justifiquei com ele, disse que estava atrapalhando o trabalho dele, pedi desculpas, e tal… Ele mais uma vez foi super compreensivo, me respondeu que estava tudo bem, que eu poderia ficar ali que não atrapalharia de maneira nenhuma, que ele sentaria no cantinho do banco se eu deixasse ate a hora que o movimento começasse, e depois ele ia começar a pegar no pesado. Eu claro, disse que tudo bem, que ele poderia ficar ali, que o banco era grande e dava todo mundo.

Com tudo resolvido, ele instalou uma extensão para ligar a luz na carrocinha e sentou no canto direito do banco encostado em outra pilastra, conversamos um pouco, falei sobre minha filha, compartilhamos problemas, dilemas, ele disse que também tinha 2 filhos, que intendia minha situação, enfim… Apos uns 10/15 min de papo, o assunto acabou, ele dormiu e, eu também peguei no sono. Eu encostada na pilastra esquerda, com a metade do corpo da Karine no meu colo e suas pernas em cima do banco com os pés encostando no rapaz, embrulhada com o cobertor que eu levei de casa, a carrocinha do rapaz na minha frente, e ele no outro canto do banco, e assim adormecemos.

Estava dormindo quando senti Karine se mexendo de um jeito estranho, nem sei explicar direito, mas estranhei os movimento. Meia sonolenta, abri meus olhos lentamente para ver o que estava acontecendo, e me deparei com o FDP do cara se masturbando nos pés da minha filha. Ele teve a ousadia de descobrir suas pernas, tirar suas meias, e estava tocando punheta se esfregando nos pés da Karine. Quando vi, fechei os olhos novamente, bem rápido, achei que eu estava sonhando, tento um pesadelo, sei lá… Fechei os olhos, ele não percebeu que eu vi… Eu respirei fundo, e mais uma vez abri os olhos discretamente para ver se realmente era verdade. E infelizmente eu não estava sonhando, e FDP continuava. Eu fechei novamente os olhos e fiquei pensando no que fazer, que medida eu deveria tomar. Fiquei morrendo de medo, tinha poucas pessoas ali, estava escuro. Se eu gritasse ou saísse correndo, eu ira pra onde!? Sem ônibus naquela hora da madrugada, sem dinheiro pra táxi! Eu iria ficar ali no escuro, sozinha, com a Karine no colo, ele poderia me machucar, ou pior, machucar minha filha. Fui o mais racional possível, mesmo querendo matar aquele merda e fazer maior escândalo. Eu me mexi, e ele se assustou, abaixou o pinto e fingiu que estava dormindo. Depois voltou a fazer! Eu respirei fundo, olhei para minha filha que dormia feito um anjo, e eu decidi deixar ele acabar… Sei la o que me deu. Acho que pensei: “minha filha esta dormindo, não vai saber de nada mesmo, o cara foi gentil, não esta machucando ela. É só nos pés, então foda-se!” Eu fiquei tremula, nervosa, e de olhos fechados, fingindo que dormia para ele não saber que eu tinha acordado. E ele não parava, ficava suspirando, passava a mão na batata da perna da Karine, alisava e massageava seus pés, e se masturbava. Eu olhava discretamente e comecei a me excitar com aquilo, ver ele com o pau duro daquele jeito. Um pau lindo, não era muito grande, porem, grosso pra caralho. Eu comecei a esfregar minhas coxas excitada, minha buceta começava a babar… Eu não sabia o que sentir ou como me sentir. Em um momento eu estava morrendo de raiva porque ele estava abusando da minha filha, mas em outro momento, o medo que eu sentia me excitava loucamente… Minha buceta pelava, estava inchada, meus suspiros escapavam fora do meu controle, minha respiração começou a ficar ofegante… Meu corpo não aguentou mais fingir! Abri o olho de uma vez, ele levou um susto, empurrou a perna da Karine do seu colo, a menina ate acordou… Começou a gaguejar, mas acho que ele percebeu que eu não ia fazer nada, e foi e acalmando. Nesse meio tempo a Karine sonolenta, se espreguiçando me perguntou se o medico estava chegando. Eu respondi que sim, que ele ja tinha chegado e que ja estava chamando. Dei o chocolate que o cara me deu pra ela, ela comeu, e voltou a dormir.

Josimar (Esse é o nome do FDP) não me dizia uma palavra ou direcionava o olhar pra mim. Ficava de cabeça baixa, meio sem graça, só me olhou quando Karine começou a comer o chocolate, fora isso, não me olhou em momento nenhum. Karine dormiu de novo, simplesmente capotou… Josimar me olhou, sorriu e começou a passar as mãos nos pés da Karine de novo, de um jeito bem safado… Ele fixou o olhar no meu, se certificou que ninguém estava olhando, e começou a tirar o pinto pra fora… Nossa, que madeira gostosa! Ele começou a se masturbar nos pézinhos da Karine de novo, sorria excitado e me olhava. Eu disse pra ele:

-Mas voce é vagabundo, hein cara!? Num tem vergonha não!!?

Josimar: Sou vagabundo com carinho, e voce gosta de ver meu pauzão acariciando sua menina, né? Não vou machuca-la, só quero gozar pra voces. Goza junto comigo!!

Confesso que estava cheia de tesão, sorri pra ele com cara de safada, abri minha bolsa, peguei uma escova de cabelo com um cabo meio grosso, me ajeitei colocando a Karine apoiada no banco e só com a cabeça na minha perna, molhei com saliva o cabo da escova, e comecei a me masturbar gostoso. Sou mae solteira, aquela escova estava sendo meu consolo por muito tempo, mas dessa vez, seria especial… Estava com tanto tesão que nem me lembrava mais da minha filha. Aquele vagabundo me deixou maluca… Ele continuava se masturbando, e me dizia:

_ Ta gostoso, safada? Sera que a filha é putinha igual a mãe!? Fica se fodendo com escova… Daqui a pouco vai sentar no meu pau! Isso… se fode gostoso.

Nesse momento ele se aproximou de mim, colocou a Karine em cima do colo dele e começou a me beijar, a apertar meus peitos, e começou a enfiar a escova na minha buceta em quando eu tocava meu grilo. Estava tensa olhando se tinha alguém olhando, toda hora eu olhava, e ele me dizia:

_Relaxa gostosa, ninguém vai vir aqui não… Voces são só minhas! Pode gozar gostoso… Goza do lado dela (Karine), quero ver isso, safada!

Nesse momento ele já tinha abaixado a calça do pijaminha da minha filha ate o joelho e ficava metendo o pau dele entre as perninhas dela. Eu via a cabeça do pau dele atravessando minha menina. Ele metia por trás e o pinto dele saia na frente roçando sem parar na xaninha da Karine. Ela deitada com as costas na minha coxa, com o travesseiro apoiando sua cabeça na minha barriga e a bundinha no pau do Josimar, e ele roçando com força na minha menina. Aquela confusão toda, aquele tumulto, o lugar apertado, e proibido, me excitava de um jeito como nunca antes… Eu estava pra gozar quando ele me pôs pra chupa-lo. Puxou minha cabeça para seu pau que ainda roçava a xaninha da Karine e me fez chupa-lo, com minha saliva ele lambuzava mais ainda a racha da menina. O pau grosso não cabia na minha boca, mas o filho da puta empurrava minha cabeça pra baixo, me fazia engasgar… Depois, ele tirou a Karine de cima dele e me fez quicar na pau. Nossa, pulei feito uma louca! Ja fazia uns 4 meses que não fodia, e esperei a minha vida inteira por uma foda igual aquela. Ele me comeu gostoso!

Dizia que ia fazer um filho em mim, que ia gozar dentro, que ia fazer com minha filha a mesma coisa que fez comigo, me perguntava se eu ia oferecer o nosso filho para outros caras, mandou eu ensinar minha filha chupar a rola dele, afirmava que ia foder eu e minha filha juntas, fez eu prometer que o cabaço da minha filha era dele, me perguntava onde eu queria que ele gozasse na minha filha, me chamava de magrela piranha, que minha bucetinha era apertada igual a da Karine, me perguntava que gosto tem a bucetinha da Karine, me perguntou se quando eu fiz a Karine eu dei de quatro, se eu sabia quem era o pai da minha filha porque eu era puta, me mandava dizer que minha buceta era dele, que minha filha era dele, enfim… Nunca escutei tanta imoralidade em uma só trepada, mas eu adorei. Quando dei cu pra ele quase morri, aos meus 23 anos, só dei 3 vezes, e para nenhum foi com uma rola daquela grossura, mas ele colocou a mão na minha boca, e me fez gritar pra dentro, e me dizia pra calar a boca, que eu tinha que aguentar, que aquele cuzinho era o mais gostoso que ele ja tinha fodido… Enquanto fodia o meu cu ele metia os dedos na minha boceta e passava meu melzinho na bocetinha da Karine que estava arreganhadinha do nosso lado totalmente desacordada. Ate que gozamos… Quando ele sentiu que eu gozei, ele gozou dentro de mim, com força, eu senti profundo, parecia que meu cu estava sendo lavado por dentro. Não satisfeito, com meu cu pingado porra, escorrendo pela perna, ele me fez ajoelhar no chão, e arrematar chupando o pau dele que ele passava nas solas dos pés da Karine. Ele puxava meu cabelo e me fazia chupar o pau dele e lamber as solas dos pés da minha própria filha. Ele me mandava tirar a porra que escorria do meu cu com a mão e lambuzar os pés da Karine e lamber tudinho… Eu ia fazendo excitada, com um pouco de nojo, mas adorava ele me dando ordem. Eu estava preocupada da menina acordar! Eu o alertava, e ele me mandava calar a boca, relaxar e fazer as putarias que ele mandasse eu fazer…. Continuei fazendo mais um pouco, o pau dele não amolecia, perdeu um pouco a rigidez, mas ainda estava firme, eu chupava o pau dele e lambia os pés da Karine como se fosse uma coisa só, deixei tudo babado, Depois ele pegou a menina no colo, a deixou de costas pra ele, encostada no seu peito, e de frente pra mim, e me mandou chupar seu pau, e a xota da minha filha. Eu fiquei exitante, chupava só o pau dele, e passava a língua discretamente na Karine, mas ele ordenou dizendo que era pra eu chupar, e lamber tudo que nossa filhinha sapeca dorminhoca queria sentir a língua da mamãe piranha… Eu fui perdendo o pudor e lambia tudo em unidade, como se fosse um só. Ele ficava me perguntando se eu estava gostando, perguntava se era gostosa a boceta da minha filha, que gosto tinha o cabacinho dela, dizia para eu não esquecer o cuzinho, me perguntava porque eu parei de meter a escova na minha buceta, afirmava que o pau dele tinha me machucado e minha xota estava em recesso, dizia que meu cu era guloso que eu tinha que meter alguma coisa nele, e eu respondia a altura: Dizia que eu adorava porque tudo com o pau dele ficava bom, dizia que a bocetinha dela só não era melhor que a minha, que tinha gosto de cabacinho virgem, dizia que meu banho de língua era completo e que não esqueceria do cuzinho, e peguei a escova de volta e fiquei metendo na minha xota, dizendo que o pau dele tinha me arrebentado toda… E enfim o pau dele murchou.

Nos beijamos, nos recompomos, limpamos a Karine, e o dia começou a amanhecer, e depois que todo o tesão, a luxuria, a imoralidade acabou, eu fiquei super preocupada, porque a Karine não acordava, eu fiquei indignada. Meia hora se passou depois de tudo, e ela continuava dormindo. Josimar colocava a mão nela dizia que ela estava com os batimentos normais, e isso, e aquilo, mas não tinha cabimento um negocio daquele. Ai eu me desesperei, me senti culpada, arrasada, achei que minha filha tinha tido uma convulsão, podia estar em coma, sei lá… Passou tanta coisa pela minha cabeça, eu comecei a chorar, e o pessoal chamou o SAMU e eles foram nos buscar. Fui sozinha para o hospital… Na ambulância, eles constataram que ela tinha sinais vitais, porem estava desacordada, contei o que tinha acontecido, eles me perguntaram um monte de coisa, eu morrendo de medo deles fazerem um exame qualquer, e constatar algum resíduo de esperma ou algo parecido, mas foi tudo bem… Quer dizer, nem tão bem assim!

O medico me perguntou se ela tomava algum remédio especifico, se tem reação alérgica a alguma coisa, se tinha comido algo na rua e tal… A resposta para as perguntas era “não”, ate que me lembrei do chocolate que ela comeu. Os médicos fizeram um exame que constatou que ela tinha sido dopada por uma substancia que agora eu não me lembro o nome. Pra resumir a historia: O chocolate que o Josimar deu para mim era batizado! Os médicos me fizeram mais perguntas, queriam se certificar que ela não tinha saído de perto de mim, eu contei a mesma história, reafirmei tudo que havia dito antes, eles me perguntaram se eu queria fazer um exame de corpo de delito na Karine, fui sagaz e me fiz de sonsa, disse que se eles achassem melhor poderiam encaminhar que eu faria com certeza, e tal… Mas eles acabaram não encaminhando, graças a Deus! Eles me falaram que ela acordaria dentro de algumas horas, e eu voltei la no postinho possessa da vida, estava disposta a chamar a policia, e foder com o Josimar inteiro. Ja cheguei lá soltando os cachorros, dando bicudas naquela barraquinha de merda dele, xingando ele de tudo quanto é nome, ele disfarçou bem, e bem tranquilo me acalmou, me levou para um canto, me implorou desculpas, e me contou a historia toda!

A velha que me deu o lugar pra sentar, faz parte do esquema dele. Ela fica ali na madrugada, quando vê uma mãe com uma filha com o perfil que eles querem, oferece o lugar para ela sentar. O filho da puta do Josimar chega com aquele papinho, oferece o chocolate, a mãe come, dorme, e ele abusa da criança naquele canto escondido que ninguém vê, enquanto a velha desgraçada fica acobertando. Porem, dessa vez, não deu certo, e a dose que eles batizam o chocolate é para adulto, então foi por isso que a Karine dormiu muito, mas que não faz mal a saúde. Ele se justificou um milhão de vezes, pediu perdão, desculpas e o caralho. Disse que ele não machuca as crianças, que nunca penetrou ou estuprou ninguém, que ele tem essa tara e usa esse plano pra se satisfazer. Pra se mostrar totalmente redimido, me confessou que eles filmam, que na carrocinha tem três câmeras que registram tudo, e eles vendem os videos para um site Russo (eu acho). Ele apagou nosso vídeo na minha frente, e implorou para nos vermos de novo, eu disse que quando minha raiva passasse, eu ia pensar no caso. Ja voltamos a nos falar, mas não trepamos de novo, e nem sei se vamos. Confesso que as vezes tenho vontade, porque ele é bom no negocio, mas… Vontade dá, e passa! Minha filha ficou ótima, melhorou a dor de ouvido, e se recuperou no mesmo dia do acontecido, e não se lembra de nada. As vezes pego ela “coçando” um pouco mais do que deveria a xota dela. Acho que pode ser a memoria muscular, ou um rastro da sensação, não sei… Mas deixo ela, não falo nada!

Ele me contou como tudo começou, como e quando, ele fez pela primeira vez, de acordo com a repercussão dessa história, se o pessoal gostar, e quiser, eu conto.
Para as mães e pais de plantão: Fiquem espertas nessas filas de postinho. Abra o olho, principalmente se você é do estado de SP.

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 5,00 de 4 votos)
Loading...