Meu desejos de menino!

Conheço Gisa desde os meus 10 anos quando a vi indo em sua sogra que era minha vizinha e quando ela tinha uns 18 anos na época.
Gisa na época estava a recem começando a cursar odontologia e via ela eventualmente nos finais de semana.
Chegado as férias de verão, ia na piscina de um clube vizinho onde por condidência, encontrei ela por lá durante a semana.
Gisa era uma gata, pele clara, cabelos pretos, peitos cheinhos ( algo torno doa 46 – 48 de busto) e magra.
Na piscina ela costumava a tomar seu banho de sol, com biquini um pouco ousado para decada 80.
Neste dia, minha mãe queria voltar mais cedo, e eu queria ficar mais tempo. Nisto, Gisa ae prontifica a ficar comigo mais uma e meia, no qual fiquei.
Lembro de Gisa ficar e conversar bastante comigo.
Eu não era dos meninos mais safados, mas lembro de não tirar os olhos da area da buceta, bunda e principalmente dos peitos.
Ela, vendo que olhava ela se modo diferente, me pergunta: já tem namorada Renato?
– Não… sou muito jovem para isto! respondi na minha santa inocência.
– voce me olha diferente, voce me acha bonita?!
Devo ter ficado vermelho de vergonha e respondi que sim.
Ela me percebe envaretado com.a situação e com tico duro e ela, não demorou muito, disfarça e “arruma seu biquini de cima, deixando seus peitos com os mamilos escuros expostos. Foi a primeira vez que associei meu pau melado com tesão.
Gisa ficou durante muitos anos, mais de década, em meus pensamentos e rendendo inumeras punhetas de minha adolescência.
Depois de certo tempo perdi o contato com ela sendo esporádicos que dava concidência de vela.
Passados os anos uns 30 anos e agora eu com meus 40 anos comecei a reencontrar Gisa pois ela agora mora algumas quadras de minha casa.
Tava com seus 50 anos já feitos e, mesmo com todo este tempo passado, continua uma coroa bonita, enxuta e transparecendo ainda ter seus quarenta e poucos.
E claro, continuava a ter pelo visto aqueles peitões e a mesma fisionomia quando nova.
Em um dos nossos encontros que noa esbarramos pela rua, paramos para conversar. Nisto toco no assunto puxando na memória da época da piscina…. perguntei se ela lembrava das vezes que nos ciamos por lá e de quando ficou comigo sozinha?!
Ela lembrou de cara e disse:
– tá, lembro claro deste dia… você, menino, não parava de me olhar e percebi na época tua excitação.
Contei a ela meio sem jeito que o quanto admirava e que tinha mesmo ficado exitado, e “animado” quando tinha visto o peito dela quando ela arrumou.
Ela, neste ponto interessadisima ao relembrar a história, com um sorriso no rosto, vai, me conta mais do que lembra.
Falei que na epoca tinha ficado exitado, que meu sonho de menino era ver ela pelada e com vontade de mamar em seus peitos. E que quando adolecente tinha vontade de fazer aquilo rendendo meus pensamentos e certos “sonhos” pensando nela.
Agora vejo que, depois de décadas, quem ficou vermelha de vergonha foi ela, mas não desfazendo seu sorrizo no rosto.
Poxa, disse ela, me memória! Vamos marcar um dia, ou melhor, me repassa teu telefone. Vou te ligar nesta semana. Será que voce consegue escapar no inicio da tarde do trabalho lá por quinta ou sexta, claro…. Qual teu plano?!
Quero te ver lá em casa, e se não der, te pego em algum ponto.
Passado dois dias e achando que Gisa não ia me ligar, toca meu telefone final da tarde.
– Oi! Vamos combinar nosso encontro?!
– Claro, onde te encontro?
– Me espera na esquina daquela farmácia na avenida, perto da mina casa.
Dez minutos antes do combinado estava no ponto de espera, onde ela pontualmente me pega.
Entro no carro e ela me da um beijo na bochecha, e me diz:
– Mal sabe o que nos aguarda!!! Espera uns dez minutos e vera.
Foi quando ela imbica o carro em um dos melhores moteis da cidade
Ela para na chancela e pede uma suite (não lembro o nome). Entramos e eu já em êxtase e pergunto:
– Gisa, o que te deu. E teu marido?
– No que botarmos os pés no quarto, quero esquecer dele. É raro ele me procurar na cama e agora quero ir a forra.
Abro a porta do quarto não era uma simples suite, mas a suite que dentre as características, tinha nada mais nada menos uma pequena piscina privativa dentro dela.
Fui a loucura!!!! Se fosse cardíaco teria infartado ali.
Gisa me pega a mão e me puxa para um beijo com paixão.
– Vamos matar saudade daquele dia no passado com grande estilo. Mas aqui estaremos pelados e não vai precisar me espiar arrumando o biquini ou ficar me imaginando. Até posso comecar a tocar uma punheta pra ti na beira sa piscina e deixar voce tocar, beijar, chupar meus peitos como quando era menino.

Ela pede para virar de costas e ir tirando a roupa. Ela iria também tirar e queria fazer uma surpresa.

Prontos, eu me viro e dou de cara com ela em minha frente.
Mais uma vez ela me segura, me tasca um beijo e segura meu cacete já duro com sua mão.
Vem cá… quando vejo ela me puxa para piscina e continuamos agora abraçados nos dando uns amassos e aquele beijo de língua.
Gisa me olha e pergunta, do porque perdemos tanto tempo… mais de duas décadas que poderíamos onde eu, de minha parte, ter sido menos tímido e mais sacaninha e, ela, deixa-se de ser a mulher recatada e soltado logo sua loba dentro de si.
– Não vamos perder tempo vamos pra cama que quero tirar os atrasos, mas antes quero me deitar de pernas abertas e quero que você bata um pouco a punheta como fazia quando garoto pensando em mim.
Começo a bater uma punhetinha olhando pra ela durante uns 2 minutos e não aguento.
– Porra Gisa, não me mata de tesão, vem aqui!!! Vem cair de boca….
De pronto, Gisa vem com olhar de safada e abocanha meu pau chupando gostoso e tambem me abocanhando as bolas. Caralho!!!! Que chupada dos deuses…
Nao demora muito ela volta novamente e me pede:
Vem me chupar a buceta e mete logo na minha buceta…
Comeco a chupar aquela buceta de pentelhos pretos e com pelos ralinhos com vontade…. meto minha lingua na sua racha e ela aperta os lençóis com una mão e a outra segurando minha cabeça dizendo… chupaaaa!!!! soltou um gemido alto que parecia uma leoa no cio e um aiiii…. se entregando agora a um orgasmo se contorcendo na cama…. ela levanta a cabeça ao mesmo tempo atira pra trás virando os olhos…
Ela volta ao normal e me fala:
– vem meu menino! Vem me amar!!!
Meti naquela buceta linda e comecei a transar com ela como se fosse a última.
Me envolvi num tesão e me lembrava dela como era naquele dia na beira da piscina… agora minha musa de garotinho estava ali, sendo fudida por mim…
Resumo: gozei como louco e descarreguei litros de porra dentro dela..

Naquelas pouco mais de três horas no motel conversamos bastante e também mamei bastante naqueles peitos… gozei na boca dela e, por fim, botei ela de quatro na cama, segurando ela firme nos quadris, metendo forte na buceta dela….

Cheguei outras vezes ir pra cama com ela, desta vez, indo dar umas trepadas rápidas na casa dela ou tirando uns amassos no caŕro.

—————-
Gostaria de receber fotos, videos de coroas e novinhas!

Contos são bem vindos (apenas de mulheres)

[email protected]

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 2,00 de 1 votos)
Loading...