Zoofilia com casal – Meu cão comeu esposa do corno

Olá, meu nome é Leonardo, moreno claro, alto, um aventureiro sexual, moro em sitio, tenho cinco cães e um poney, parece que nasci pra aventuras no mundo da zoofilia, através desde site tenho conseguido alguns contatos para realização das sacanagens com nossos amigos caninos, tudo em troca de poder relatar o conto verídico, já tive o prazer de iniciar 6 pessoas no mundo da zoofilia, vou relatar essa sexta eperiência.
Bom vamos lá, em um belo dia, abri meu e-mal e lá estava uma nova mensagem de um casal, procurando sua primeira experiência zoo, trocamos alguns e-mails, recebi foto do casal, percebi que estavam a fim, num determinado fim de semana, peguei meu carro e fui até o casal, ambos aparentando entre 32 a 40 anos, ela um morena mui atraente, de coxas grossas, atendia pelo nome de Lia, ele sr. Jorge, levei comigo o Bandid (mestiço Labrador) o casal estava um pouco envergonado, para descontrair iniciaram oferecendo um vinho, começamos a degustar sentado em uma mesa, ela estava de mini saia e mini blusa, ele de shorts e sem camisa, enquanto bebiamos, meu cão já estava bem a vontade, ele é mansinho, porém tem um faro impressionante, enquanto conversavamos, Bandit entrou embaixo da mesa, foi entre as pernas de Lia que sentiu seu bafo quente entre suas pernas, que deu um suspiro, com cara de quem não sabia o que fazer, o marido soltou um sorriso, e disse a ela que relaxasse, ela abriu um pouco as pernas, Bandit começou a esfregar sua enorme lingua por cima da calcinha, quando ela suspirou rapidamente o marido arrastou a mesa, ela sentada na cadeira, ele puxou sua calcinha de lado o cão se deliciou, consegui perceber o quanto sua lingua parecendo uma vassoura lambia aquele grelo duro, passando de baixo para cima com muita vontade, a lingua de Bandit lambusou todo dedo do marido juntamente com o liquido de Lia, ela abriu as pernas deixando ela toda a mostra, o marido foi buscar sua camera, enquanto ela abria para que o cachorro chupasse no fundo, lambesse todo liquido, ela estava em extase, o marido começou a filmar, ele também estava realizado em ver sua esposa tendo um dia de cadelinha.
BAndit começou a subir em suas pernas, ele queria penetrar de qualquer jeito, Lia ficou de pé, com um certo medo ou receio, ao mesmo tempo morrendo de tesão, disse pra ela ficar calma, pois o Dog era calmo, nã mordia… ela ficou de 4, arrebitou o bumbum, o marido vibrou, BAndit subiu em cima dela, pegou com força em sua cintura…
Ela pediu para que eu ajudasse, BAndit força sua enorme piroca em Lia, porém não acertava, eu estava tentando guiar quando toquei na xana da garota senti que já tinha tido varios orgamos quando estava sendo chupada, pois estava muito molhada, ela gemia querendo ser comida pelo cão, colaborava de todas as formas, indo para trás, empinando, até que BAndit acertou em cheio, deu várias entocadas, cerca de umas 10 com força, ela gemia alto, o marido filmava tudo de perto, eu vi de pertinho aquela enorme piroca entrando e saindo, Bandit tem de fato uma pau muito grosso, ele nao sossegou até que seu enorme nó entrasse todo em Lia, ele ficou por minutos em cima da Lia, com a lingua de fora, saboreando aquela buceta molhada e quente, ela de quatro se tocava gozando como louca no pau do animal, ela parecia estar no cio, insaciavel, não queria que o cão saisse de cima, ela dizia que Bandit já havia gozado um litro dentro dela, ao ponto de escorrer pelas coxas grossas, o marido para retribuir todo prazer que estavamos proporcionando a sua esposa, pediu para que ela fizesse chupasse meu pau, sem pensar tirei ele pra fora, ela passava a lingua por toda cabeça, tentava engoli-lo, eu batia com o pau em sua cara, ela passava a lingua nas bolas, guspia em sua cabeça chupava, em fim, estavamos diante de uma mulher insaciavel, enquanto meu cachorro estava engatado gozando dentro dela, depois de um tempo, seu nó diminiu de tamanho desengatando daquela buceta inchada cheia de porra canina, uma cachoeira de porra saiu de dentro dela… escorria pelas coxas… pingava no chão… eu estava sentado na cadeira, o marido pediu para que ela encerrasse comigo a cena, Lia veio ao meu lado, chupou ele novamente bem gostoso, colocou a camisinha com a lingua, sentou levemente no meu colo, pediu pra mim comer seu rabinho… meu coração disparou, peguei meu pau e fiquei esfregando levemente no seu cuzinho, ela com carinha de puta me olhando, forcei ele, ela gemeu, fui empurrando devagarinho com carinho, ele foi entrando, ganhando espaço, até qu entrou tudo, ela gemia alto, pedindo pra mim comer gostoso, socar com força, peguei pelo cabelo, coloquei de quatro, soquei com força, tava tapa no bumbum, apertava ela com força contra o meu corpo, segurando pelo cabelo e falando no ouvido dela “geme puta, geme!”, soquei com força, o marido tinha acabo de gozar se masturbando… pedindo pra mim comer ela bem gostoso…Lia parecia insaciavel, até que sentei novamente, e ela sentada de costas pra mim, cavalgava no meu pau, quando BAndit veio ate ela, e começou a chupar sua buceta com meu pau enterrado no seu cu, confesso nunca ter visto uma cena daquela, Lia teve varios orgasmos em pouco tempo, eu acaricia seu clitóris com a ponta dos dedos, sentindo a lingua do cão no grelo… ela estava exausta, eu já não aguentando mais, gozei gostoso dentro daquele cuzinho apertado, ela rebolava enquanto eu gozava, pensei que teria um treco, quando tirei meu cacete estava inchado de tanto meter, ela deixou na grama, e ficou no chão respirando fundo… olhando pra cima… emfim foi uma tarde como poucas, algo pra não se esquecer, depois disso me ligaram mais umas três vezes querendo repetir a experiência, mais o serviços e outros contratempos nao permitiram, Lia e Sr Jorge obrigado pela experiência sem igual, desculpe por colocar no título “corno” é só pra apimentar, como prometi está ai o conto, pena que ele não é 5% do que sentimos pessoalmente, se alguém quiser iniciar, ou trocar experiência me escreva: leo_do_ig@hotmail.com ou leodoig2015@gmail.com. Escreva pra mim, vem gozar gostoso! Quero escrever meu proximo conto relatando a experiência com você.