# # # #

O Policial- conto 2 “cuzinho infantil deflorado na lancha” / parte 2

5346 palavras | 14 |4.66
Por

Arregaçando as preguinhas do garotinho na lancha com espectador.

Continuando…

— Deixa comigo, pode confiar já fiz isso antes e modéstia à parte sou mto bom hehehe
— Seja um menino obediente e pegue o frasco pra mim — o menino assim o fez — agora segure no painel.
Melequei meu dedo indicador com bastante óleo e pressionei contra seu botãozinho, Biel sentiu a dor incomoda da primeira vez que algo invadindo seu cu, afastou a bunda do meu dedo, eu o acalmei e falei manso no seu ouvido:
— caaalma neném, no início é assim mesmo mas já já vai ficar gostoso, aguenta firme… Você é forte ou não é?
O garoto disse que sim e empinou a bunda de novo, eu passei mais óleo dessa vez direto no seu cuzinho, empurrei meu dedo devagar até a metade, o cu do menino mastigava meu dedo freneticamente, Biel respirava fundo e tenso, eu parei, com o dedo dentro, esperei um pouco e depois continuei até atolar o dedo todo. Tirei lentamente, depois dedilhava seu cuzinho e acariciava seu culhão e seu pauzinho, passei a meter o dedo de novo sempre devagar e com calma, fiz isso várias vezes até perceber o ânus dele mais acostumado, então lambuzei dois dedos e introduzi o dedo indicador e o médio, novamente o menino sentiu desconforto de primeira mas fui com jeito e paciência, parando um pouco e avançando até que os dois dedos estavam quase introduzidos por completos, deixe por um tempo assim depois comecei pequenos movimentos de vai e vem, o menino respirava fundo e gemia. Fiz isso algumas vezes, depois abri os dedos lá dentro alargando seu anelzinho, ele deu grunhidos e gemidos de desconforto, mas dessa vez não afastou a bunda, continuei desbravando aquele cuzinho virgem com os dedos por um tempo.
— É Bielzinho, acho que precisa de mais óleo de bronzear.
— Como assim mais? O Sro já colocou bastante…
— É que tem uma região lá no fundo que meus dedos não alcançam, e é importante passar o óleo por todas as partes do seu bumbum por dentro.
— Mas como cê vai fazer então?
— Não se preocupe, eu tenho a ferramenta certa pra isso — falei segurando minha pica e batendo ela contra minha mão com uma cara de travesso kkk
— Mas isso aí é seu pinto — ele com cara de assusto e medo.
— Eu sei meu garoto, ele tem o tamanho ideal, vai conseguir espalhar óleo por tooodo seu bumbum por dentro, até lá no fundo.
O menino disse que era mto grande e que não ia caber, eu disse que com paciência e bastante óleo entrava sim, argumentei que já tinha feito isso em outras crianças e deu certo, ele então retrucou falando que mesmo que entrasse ia dor.
— Calma neném, todo esse óleo vai fazer deslizar fácil pra dentro e só vai doer um pouco no início depois fica bom… Além do mais eu sei que vc é um garoto forte, resistente e que não vai fugir de uma dorzinha boba — O menino ainda mantinha a cara de medo e receio.
— Olha só, vamo começar com calma e devagar, se doer eu paro ok?
O menino mesmo inseguro concordou, sua parte racional sabia que era uma má ideia, mas algo dentro dele queria. Pedi que derramasse bastante óleo no meu pau todo, depois disse pra ele espalhar bem com as mãos, então me sentei de novo na beira da cadeira do piloto e o posicionei novamente entre mim e o volante, abri sua bundinha com uma mão e encostei a cabeça da minha pica na porta do cuzinho, fiz pressão pra entrar mas o menino curvou sua cintura pra frente, falei pra ele tentar aguentar um pouco, pressionei de novo e segurei com uma mão sua cintura pra que não fugisse de novo, a ponta da cabeça entrou e o menino deu um gritinho fino de dor, deixei ele respirar um pouco tirei e fiz de novo. Mais uma vez segurei sua cinturinha e empurrei a pica, dessa vez entrou quase a cabeça toda, o muleque deu um grito forte pedindo pra tirar, eu deixei lá dentro um pouco e depois tirei. Biel levou as mãos ao bumbum massageando e falando que tinha doído.
— Calma Bielzinho, é assim mesmo, vai passar vc só tem quer ser forte no início… Olha só eu prometo que se vc aguentar mais um pouco eu compro todos os bonecos da patrulha canina pra vc, que acha?
O menino mesmo com expressão de dor ainda, esboçou um sorriso.
— Mas é que não sei se eu aguento seu pinto tio, é mto grande e grosso, eu até gritei…
— Aguenta sim, vc é forte e corajoso igual seu personagem preferido, o Chase… Além do mais vc pode gritar à vontade isso ajuda e é normal; estamos só nós dois aqui, é o lugar ideal pra vc gritar rs
— E o seu bumbum tio, não vai passar óleo por dentro?
— Não bebê… É sua primeira vez numa lancha, hj vou me dedicar só pra vc.
Eu disse que aquilo precisava ser o nosso segredo que ele não podia contar pra ngem, nem pro pai dele, Biel disse que sim (claro que depois eu ia trabalhar mais a mente dele seduzindo e teleguiando o menino pra ficar de boca calada, por hr eu só queria curtir).
Fiquei de pernas bem abertas e na ponta da cadeira, posicionei ele de costas e em pé na minha frente e movi o quadril do Biel pra que ficasse com a bundinha empinada e encaixada na cabeça do meu pau, enfiei a cabeça quase toda, já fui falando pra aguentar firme igual homem, o menino fez cara de dor, espremeu os lábios e deixou os olhos semicerrados, ele tava disposto a tentar receber aquela rola, e eu a comer aquele cu kkkk, antes dele pensar em desistir eu liguei o motor, movi o acelerador pra frente e fiz a lancha começar a se mover. Forcei mais um pouco a rola até que a chapeleta da minha pica sumir toda dentro dele. O menino ainda se mantinha firme na posição, eu sabia que pela grossura e tamanho do meu pau Biel não ia colaborar por mto tempo se eu continuasse metendo, e eu não ia parar até deflorar aquele cuzinho virgem na pombada, então acelerei a lancha e virei a bombordo fazendo com que a lancha navegasse colidindo contra as ondas do mar.
A cada batida nas ondas a lancha chacoalhava subindo e descendo e minha pica ia entrando cada vez mais com aquele movimento, o menino percebeu e tentou se sair, mas eu acelerei mais a lancha deixando ele sem equilíbrio suficiente pra sair dali. Ele se segurou no volante enquanto eu com uma mão pilotava e com a outra segurava em sua cintura pra pica se manter sempre dentro, e juntando o fato da minha rola tá bem lisa do óleo mais o sobe-e-desce da lancha colidindo contra as ondas fazia com que o menino fosse entrando na pica sem eu nem precisar fazer força.
— Ahhhh TÁ DOENDOOO…
— isso neném, grita que ajuda a aguentar a dor, vai…
Eu ainda mantinha Biel na minha frente com minha pica entrando na horizontal, foi então que o agarrei com meu braço livre, como se eu tivesse dando uma chave de braço em seu tronco levantando e trazendo-o pra mim, me arrastei pra trás encostando minhas costas na cadeira mantendo a pica dentro, só que agora em vez de ser na horizontal Biel tava entrando na vara de cima pra baixo, e dessa vez sem tocar os pés no chão, o que mantinha ele no lugar era meu braço segurando-o.
A velocidade, o movimento de sobe-e-desce a cada vez que as ondas batiam contra a lancha e faziam a água do mar voar respingando na gente, eu nem precisava mais fazer força pra segurar o muleque com minha chave de braço, toda aquela adrenalina do momento fazia com que o menino mal conseguisse se mover, eu só precisava segurar seu corpinho mantendo sobre minha pica e deixar o movimento da lancha fazer o resto. O menino sem equilíbrio trancava o cuzinho como sua única forma de tentar lutar contra minha pica tentando invadir seu buraquinho, tentativa em vão pq o óleo fazia o atrito entre nossas peles sumir deixando tudo muito liso. Na verdade, as tentativas dele de trancar o cuzinho só deixavam tudo muito melhor por que criava uma resistência fazendo com que meu pau fosse mastigado enquanto ia entrando naquele cuzinho que piscava desesperado lutando pra não ser arrombado.
Não demorou muito e Bielzinho já tava até o tronco, seu bumbum guloso tava sentadinho no meu colo enquanto meu pau tava todo dentro, o menino arquejava de dor, segurava em meu braço sentado igual uma mocinha com as pernas juntas e levemente flexionadas, ele gemia e tentava gritar mas lhe faltava ar com uma pica de adulto lhe empalando por dentro. Virei a lancha a estibordo e voltei a ficar a favor do movimento das ondas evitando o choque com elas cessando o movimento de sobe-e-desce. Biel conseguiu se equilibrar um pouco e colocou os pés na cadeira num espaço entre minhas pernas afastadas ficando de barriga pra cima, a cabeça e costas apoiadas em mim e os joelhos flexionados, ele fez menção de se levantar.
— Não tira minha pica dentro, entendeu?! — O menino choramingando balançou a cabeça que sim.
Eu o ajeitei e continuamos navegando, agora sentado no meu colo, com minha pica dentro e as perninhas abertas sem tocar o chão ele segurava o volante como se tivesse pilotando, eu pilotava com meus braços envoltos. De uma certa proximidade qualquer um que visse diria que era um pai, ou tio, padrasto passeando inocentemente com seu filhinho/sobrinho, mas se chegasse mais perto viria que se tratava de um pedófilo desfrutando de um bumbum infantil, um garotinho sentado na pica tendo seu cu dilacerado por um pervão […] Biel choramingava e sempre que se mexia dava pequenos gemidos, eu só dizia pra ele não tirar, o menino me obedecia, mas se queijava que tava doendo. Depois de um tempo eu parei a lancha e acariciei seu corpinho, dava beijinhos no seu pescoço e orelha, falei de forma envolvente que tava amando aquela aventura com ele e passava os dedos na base do meu pau enfiado até o tronco, eu pressionava meu dedos em suas preguinhas esticadas na vara.
— Sente só Bielzinho, esse aqui é seu cuzinho todo larguinho na minha pica, é assim que eu ajudo criancinhas como você a passar bronzeador por dentro do bumbum kkkk
— tá gostando meu neném? — falei dando uma pulsada dentro dele.
O menino gemeu e disse que tava sentindo sua barriguinha enjoada por dentro.
— É pq meu pau é grande e grosso e preencheu vc todo por dentro… Vamo olhar como ficou a situação do seu cuzinho;
Mandei segurar no volante, inclinei seu corpo um pouco pra frente, apalpei firme as polpas da bunda e fui levantando, vi sair cada centímetro do meu pau bem devagar, a cabeça saltou pra fora e minha pica latejava toda melada. Seu cuzinho tava lacerado e suas pregas rompidas, ainda piscava, mas suas beiras não conseguiam se fechar e o oco que ficou revelava a parte interna vermelha ao mesmo tempo que vazava pra fora óleo de bronzear misturado com secreção.
— ISSO CARALHO!!! — falei empolgado com água na boca.
— É bielzinho, o tio Augusto aqui tirou a virgindade do seu cuzinho, um trabalho de mestre — falei juntado as pontas dos dedos e balançando a mão próximo a boca como os italianos fazem quando comem uma bela massa. kkk
Eu ainda não tinha gozado e claro que não ia voltar pra terra sem rechear o garoto com minha gala. Um pouco mais mar adentro dava pra ver uma ilhota, se tratava de umas rochas com uma vegetação e um pedacinho de terra formando uma pequena praia, mantive Biel sentado no meu colo em cima dos meus pentelhos com minha pica na sua frente batendo em sua barriga. A meta era terminar de foder Biel na lancha parada próximo a ilhota talvez até descer e comer ele na minúscula faixa de areia dali. Me aproximei do local, e dei a volta pra ter certeza que não tinha ninguem, ao circundar a ilhota no outro lado tinha um homem com uma prancha de “stand up paddle” e um remo sentado na pequenina faixa de areia, parecia jovem, uns 25 a 28 anos, preto, cabelo na régua e risco na sobrancelhas, corpo magro mas definido, jeito de quebrada, tatuagens pelo corpo, tava usando só uma bermuda tactel já surrada. Logo de cara achei que tinha dado errado minha ideia de comer Biel ali, mas meu lado pervertido e exibicionista viu uma possível oportunidade hehehe.
Falei no ouvido do Biel pra ele não me chamar pelo nome, só de tio e eu só ia chamar ele de neném, também deixei a mochila perto de mim já que dentro tava minha arma caso o cara tentasse a sorte. Me aproximei com a lancha, de onde ele tava não dava pra ver que eu e biel estávamos nus, só dava pra ver de nossas barrigas pra cima.
— Eai irmão, blz? — Falei puxando papo.
— De boa mano! — o cara tinha uma voz de mavambo de favela.
— Pow maneiro esse lugar, tá aqui há mtas horas?
— Já tô faz um tempo parceiro.
De perto vi que os olhos tavam um pouco vermelhos, ctza fumou um baseado ali.
— Daora essa tua prancha, na amoral, mó missão chegar aqui remando.
— Foi de boa, tô acostumado já me sair pra cá curtir o sol e o mar na minha, tá ligado?!
Enquanto o homem falava eu ficava alisando Biel, beliscava seus mamilos e dava fungadas na nuca. O cara olhava normal, não mostrava espanto. Discretamente levantei uma das bandas da bunda do menino e coloquei meu pau no cuzinho dele, depois fiz ele sentar lentamente e continuei o papo. O cara disse que era de uma comunidade ali próximo e que curtia esportes com prancha. Enquanto ele falava eu continuava alisando Biel, os movimentos ficavam cada vez mais sensuais, Biel fazia umas caras de desconforto mas tava aguentando firme, devia tá com vergonha do carinha olhando a gente rsrsr. Coloquei as mãos sobre as perninhas dele e pressionei pra baixo fazendo meu pau entrar fundo, Biel não se aguentou e fez uma careta de dor e deu um gemido.
— Tá tudo bem com o menor aí?
— Tá sim, ele só tá meio enjoado da maresia.
— É teu filho?
— Não, não… o pai dele ficou cuidando de algumas coisas, eu aproveitei pra sair com meu amiguinho aqui pra ensinar umas coisas novas pra ele.
— Tá ensinando o pivete a pilotar esse motor ai né, tá certo.
— É isso ai rsrs — dou um sorriso safado e beijo o pescoço de Biel passando as mãos em seus peitinhos. O cara olha achando estranho aquele jeito lascivo que acaricio o menino. Movo meu quadril fazendo meu pau cutucar fundo, Biel dessa vez além de gritar solta um urro de dor e sai algumas lagrimas. O cara se assusta vendo aquilo.
— Coé mano, acho que o pivete aí tá passando mal.
O cara já tava ficando tenso vendo o Biel com expressão de dor, eu falei que não era nada.
— Fala bebê pro nosso amigo, tá tudo bem com vc? — Biel disse que sim com a voz tremula e ofegante.
— Relaxa mano, é só que meu amiguinho tá dando um “duro” pra aprender a pilotar, e eu sou um professor exigente, gosto de explorar bem a fundo meu aluno — olho pro cara na areia e dou um sorriso debochado e uma piscada de olho. O cara me olha desconfiado só que sem entender direito o que tava rolando, mas era visível que não tava tudo bem com o Bielzinho.
Tava na hora de mostrar pro nosso novo amigo o que tava rolando de verdade, aproximei mais um pouco da ilhota, segurei Biel e tirei minha pica por completo, o cara na areia não viu, mas ouviu meu pau bater em minha barriga.
— aaahhh! — o menino expressou aliviado sem aquela tora atolada no seu cu.
— Então neném, tá hr de passar mais óleo.
O menino fez uma cara “de novo?” pq já sabia o que aquilo significava. Mandei ele ir pra proa que é mais alta e dá uma visão completa de quem tá na lancha. Biel subiu na proa e agora o cara podia ver seu corpo nuzinho e todo untado de óleo; a expressão do homem na areia foi de total espanto. Ele olhou pra mim com uma cara de “que porra é essa?”, eu só retribui com um sorriso sacana.
— Pô o garoto tá trabalhado no óleo né, bundinha de fora na vibe naturista kkk
— Psé mano, como eu disse, ele tá aprendendo umas paradas novas kkkk
Biel tava inquieto, ficava se movendo e o cara notou algo vazando de dentro do bumbum dele;
— Tem alguma coisa escorrendo da bunda dele — O cara falou me alertando, eu falei que aquilo era óleo de bronzear.
— Dentro da bunda?
— Sabe comé né, solzão desse, marzão, a gente aproveitou pra pegar um bronze e aí aproveitei pra passar óleo de bronzear no bumbum do meu amiguinho, por fora e por dentro — dei aquela piscada safada e um sorriso sarcástico heheh.
— Falando nisso tá na hora de passar mais óleo bronzeador no bumbum por dentro neném.
— Mas ainda tá doendo tio — reclamou Bielzinho.
— Eu sei mas cê tem que ser forte, lembra.
Me levanto de uma vez com o pau duro feito pedra, na areia o cara se espanta e dá um pulo pra trás soltando um: “Caralho maluco!”. Ele olha pro meu pau durão e diz: — Qual foi aí do fuzil armado?
Eu dei um sorriso e disse: — Isso aqui?! É a ferramenta que uso pra passar óleo de bronzear bem lá no fundo do bumbum do meu amiguinho — Falo pegando a pica com uma mão e batendo com ela na outra mão.
— Mas tu vai passar bronzeador dentro do cu do muleque?
— Parceiro, imagina que algo grande, grosso e maciço vai invadir um buraquinho pequeno e apertado, é melhor que tenha um óleo pra lubrificar né — dei uma piscada.
Fui até a proa com a mochila, tirei o frasco de óleo e dei pro menino, fiquei em pé na sua frente, projetei minha cintura pra frente e mandei lambuzar meu pau com óleo. O muleque ficou sem jeito de fazer aquilo com alguém olhado, dei um olhar impositivo e ele obedeceu, passou bastante óleo e alisou deixando meu pau pingando, virei ele e fiz ficar de quatro em cima do sofá da proa. Fiquei passando pau na portinha do cuzinho, era nítida a discrepância da pica de um adulto pra um garotinho.
— caralho maluco, teu pau é mto grande, vai rasgar o muleque.
— Essa é a intensão kkkk
Segurei na cintura do Biel puxei seu cabelo fazendo seu rosto levantar e meti de uma vez, ele deu um grito e se contorceu quando sentiu a tora invadir seu cuzinho. Eu segurei um pouco lá dentro e comecei um vai-e-vem lento, tirando quase toda minha rola e metendo de novo. As preguinhas do menino estavam completamente esticadas, além do limite, quando eu fazia o movimento de tirar a pica, as bordas do cuzinho se projetavam pra fora como se quisessem segurar meu pau pra não sair. Comecei a aumentar a velocidade das investidas e os gemidos e urros do Bielzinho aumentaram na mesma proporção, dei uma bombada com vigor e alojei meu pau o mais fundo que consegui, Biel encurvou as costas tipo cachorro quando tá cagando, ele tentou sair mas eu o segurei pela cinturinha. Tirei o pau por completo e o menino se jogou no sofá ofegante e passando a mão no cu.
— VTF viado, tu tá passando a vara no meleque mermo. — O cara falou admirado, mas já com um sorriso no rosto.
Sentei no sofá da proa com meu pau pra cima, de frente pro cara na areia e puxei Biel pelo braço, coloquei ele virado pra frente e com os pés de cada lado da minha cintura, apoiei a mão em seu quadril e fui descendo-o devagar, senti o cuzinho do menino quentinho por dentro, quando chegou na metade ele parou, devia tá bem sensível já, e doendo claro, pq seu cuzinho piscava freneticamente mastigando meu pau, esperei um pouco mas vi que ele não ia descer por vontade própria, eu movi minha pélvis pra cima fazendo o pau entrar e bater no fundo, Biel se tremeu de dor, pensou em gritar mas olhou pro homem na praia, que assistia tudo abismado e massageando o pau por cima da bermuda tactel, desistiu de gritar e engoliu a seco.
— Que foi neném, tá com vergonha de gritar na frente do carinha vendo a gente? Fica à vontade ele não se importa…
— Eai parceiro, tu se importa se meu amiguinho aqui gritar?
— Qual foi irmão, claro que não fique à vontade rsrsrs
— Tá vendo só bebê, pode gritar a vontade.
Biel respondeu dizendo que não queria, então puxei sua cinturinha pra baixo cravando meu pau todo dentro dele, o menino deu um grito seco e depois ficou empalado com meu pau dentro respirando lentamente. Eu segurei por seus punhos e comecei a mover meu quadril pra cima e pra baixo fazendo Bielzinho cavalgar na minha vara, fui aumentando a velocidade e o menino soltava gemidos e chiados no ritmo das quicadas, seu rostinho era de cansaço, já o meu era de pura luxuria.
Depois de um tempo fazendo o menino trepidar na minha vara, eu o seguro e o levanto lentamente revelando cada centímetro da minha pica saindo devagar, deixando nosso amigo espectador ver o quão fundo minha rola tava dentro do menino. Biel solta um urro de alívio quando sente que sai por completo e respira cansado.
— Ain tio já tá bom, meu bumbum tá ardendo e minha barriguinha tá doendo por dentro — Biel reclamou com voz de choro e se tremendo.
— Caralho mané, quando vocês chegaram achei que era só um pai e filhinho, nunca ia imaginar que era um tarado fudendo uma criança — O cara agora fala com maldade e excitação na voz enquanto alisava o pau.
— Meu filho? Nãão, se fosse meu filho desse tamanho já tava acostumado a levar pica, não taria reclamando assim.
Virei Bielzinho de costas e o posicionei de quatro novamente — Ah não! — reclamou o menino sem sair da posição.
— Cala boca PORRA!
— Coé viado, pivete tá sofrendo na pica, será se ele aguenta dá ainda, não é melhor parar?
— Tu já espocou algum cuzinho infantil mano?
— Não pow, nunca.
— Tá gostando de ver ao vivo?
— Tá maluco mano, tô com tesão da porra aqui, na moral kkk
— Então aprende uma coisa: essas putinhas aguentam pombada, tu tá olhando pra um pedofilo profissional, já estourei o cuzinho de mta criança por aí, e o segredo é botar pra arregaçar tá ligado, arrombar com vontade que é assim que elas gamam ou ficam aterrorizadas kkkk A maioria das vzs elas gostam 😉
— Mas não tem perigo dele contar?
— Relaxa mano, já te disse que sou profissional, sei entrar na mente deles.
Aprumei a pica na direção do cuzinho do menino e meti de uma vez sem dó;
— AAaaIiih PAAARA – PARA – PARA…
— Isso putinha, implora pro teu macho parar, é isso quero ouvir — falei com uma voz pervetida enquanto socava sem parar a bundinha do Biel, que ficou parado de quatro só recebendo minhas invertidas, submisso, choramingando e gemendo.
Olhei pro cara na areia, enquanto metia;
— delicia né mano?! — O mavambo só balançou a cabeça que sim enquanto babava olhando kkk
— Aproveita e bota esse teu pau duro pra fora e bate uma — O cara questiona se não tem perigo de ninguém ver a gente ali, explico que não, se alguém chegar dá pra ouvir o motor da embarcação de longe.
O malandro olha pros lados e abre o velcro da bermuda de surfista e bota pra fora uma mega rola preta “É meu amigo, tá no inferno abraça o capeta” diz o cara kkk.
Eu volto a dá sequências de rolada no Bielzinho e vejo nosso amigo batendo punheta na praia, eu viro um touro e meto cada vez mais rápido e com mais força, se eu não tivesse segurando o menino pela cintura ele já teria voado longe.
Eu tiro o pauzão de dentro do menino e o cuzinho já tá folózinho, o cara na areia tá massageando o pau num movimento de punheta:
— Qual foi mané, vai deixar eu comer tbm?!
— Não meu caro, esse filezinho aqui é meu, tirei a virgindade desse cu e deixei o formato da minha pica gravado nele kkkkk acha uma criancinha pra tu estuprar por ai.
— Pow viado, tá ligado que nunca fiz essa parada…
— Então faça meu caro, tô te dando só uma amostra de como é bom arregaçar um cuzinho infantil na pombada, agora cê vai caçar uma pra fazer tbm e vai provar um dos melhores prazeres dessa vida kkkk.
Vamo lá bebê, empina a bundinha ai que preciso terminar o serviço, a essa hora seu papai já fez uma comida gostosa pra gente.
Olhei pro cara: — O pai dele faz a comida lá enquanto eu como o filhinho dele aqui kkkk
Mandei Biel empinar bem a bundinha, o muleque mesmo exausto obedece, mando ele abrir as polpas da bunda com as mãos, me posiciono atrás e só encosto a cabeça da pica no cuzinho dele, abro meus braços pros lados e digo pro Biel começar a se movimentar pra trás pra ele próprio cravar meu pau no cuzinho dele. O menino começa a afastar a bundinha pra trás contra meu pau e seu cu começa a engolir; depois que a cabeça entra ele para, eu mando ele continuar mas ele se recusa e se mexe fazendo meu pau escapulir pra cima, eu dou um tapão na bochecha da bunda “plaft!”.
— Pega meu pau com a mão e bota no teu cuzinho.
— Mas tá doendo…
— Bota agora caralho, tô mandando porra — O menino se contorce um pouco pra alcançar minha rola sem sair da posição, com dificuldade ele pega com os dedos e direcionada pro cu.
— Isso, agora rebola e vai enfiando — Bielzinho vai mexendo o quadril e pressionando o bumbum contra meu pau — Continua vai, não é pra parar…
— Mas tá doendo… — Foda-se, quando teu macho te mandar enfiar o cu na pica tu obedece entendeu.
Biel vai forçando sua bundinha pra trás até encostar nos meus pentelhos, eu seguro ele e dou bombadas demoradas e com força, cada vez que meto deixo uns segundos a pica lá no fundo depois repito a metida. O corpo do menino já tava se tremendo todo e exausto, sua pele era uma mistura de óleo e suor, mas ainda não acabou.
Curvei meu corpo sobre o dele por cima, empurrei sua cabeça contra o sofá e segurei em seus cabelos, comecei a meter com violência enquanto fungava em seu ouvido, acelerei as socadas como uma britadeira perfura o concreto, até que senti meu pau soltar a primeira rajada de gala, segurei firme lá dentro, eu dava espasmos enquanto o menino tava estático quietinho só recebendo meu gozo nas sua entranhas.
Sem tirar de dentro, passei os braços por trás e entre as pernas do Bielzinho, se fosse um adulto eu não conseguiria fazer aquilo, mas crianças são mais elásticas, o levantei com as costas dele apoiadas no meu peito, o deixei todo aberto e com minha pica cravada dentro dele, virado na direção do cara na ilhota, meu pau ainda pulsava depositando os últimos jatos de gala. Biel tava acabado com o corpo já mole e a respiração ofegante, olhinhos fechados e mordendo o lábio inferior.
— Que isso neném, cadê aquele garotinho forte?
— SENTIDO SOLDADO!
Falei num grito e Biel obediente levantou a mão até a testa, agora ele tava todo aberto suspenso por meus braços, com uma pica adulta cravada em seu cu e prestando continência.
— Isso aí neném, obediência sempre hehehe.
Deixei um tempo ele assim pro meu amigo desconhecido na areia admirar enquanto batia punheta. Depois movi lentamente meu pau saltar pra fora latejando ainda. O cu do menino tava abertão, seu buraquinho agora era um oco dilacerado, suas preguinhas tavam arrebentadas e o que era possível ver dentro tava todo lastimado. Assim que eu tirei jorrou de dentro um líquido mto viscoso e amarronzado, era uma mistura de óleo de bronzear, mta gala e cocô e uns fios de sangue, afinal era um adulto arrombando um garotinho.
— Porra mané, tu engravidou mesmo o pivete kkkkk — Disse o cara na areia.
Abri mais ainda a bunda do Bielzinho deixando bem exposto seu cuzinho arromabado;
— Olha só neném, cê tava com vergonha do nosso amigo mas agora tá aqui todo exposto pra ele com o cuzão arregaçado, isso é pra vc aprender que vergonha é algo banal kkk — Biel começa a baixar a mão e eu mando ele manter a posição de continência.
Depois olhei pro cara na areia:
— Isso meu amigo é um cu de uma criancinha estuprado e isso aqui é a pica de um pervão depois de espocar um cuzinho infantil — falo movendo meu quadril e balançando minha rola pingando e meia bomba ainda.
O cara acelerou a punheta e apertava o pau como se fosse estrangular, olhava pro cuzinho do Biel totalmente arregaçado e saindo gala, até que começou a se tremer e a gemer grosso, gozou muito, o pau do cara pulsava e não parava de sair gala. Ele respirava fundo e gemia feito bicho… Pronto, mais um pro mundo da pedofilia kkkk.
Sentei Biel ainda se vazando no banco do copiloto, liguei a lancha e antes de sair o cara me perguntou como ele fazia pra trocar ideia cmgo, eu disse que eu ia voltar outras vzs ali e numa dessas a gente se esbarrava, até lá disse pra ele ir praticando, ele riu e acenou com a cabeça. Cheguei com Biel em meus braços na casa falando pro Ramiro que o menino brincou e aproveitou tanto que tava exausto, pedi que ele fosse até a lancha no píer pq tinha esquecido a mochila (de proposito), ele foi e eu cuide de dá banho no Bielzinho, fazer uma chuca rápida pra sair logo toda a gala, quando o pai voltou o menino já tava banhado, enrolado em minha toalha no sofá vendo desenho. Fiquei mais três dias lá, sempre passando pomada no cuzinho do Biel e fazendo a cabeça dele pra guardar segredo, enchi o menino de presentes e dei ate um pro pai, eu já era quase da família kkkk Os dias que fiquei não comi o muleque mas botei pra mamar a qualquer vacilo do pai.

Até o próximo conto seus putos!

Tele: @Mauk12jlol

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,66 de 44 votos)

Por # # # #
Comente e avalie para incentivar o autor

14 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Primomaisvelho ID:1cr5b3eaccsx

    Delicia. Chama no tele @Jr9914

  • Responder Anon safado ID:81rnbu1hrb

    Queria ver o moreno da prancha fodendo biel tbm..

  • Responder . ID:1ef4o9uzlcae

    tesão demais cara, chama no TL: @ncf135

  • Responder Lnho ID:g3irtbdv2

    Malvadinho me bloqueou:(

  • Responder Lnho ID:g3irtbdv2

    Pq vc me bloqueou no tele eu queria seu carinho até enviei um nudinho pra vc 🙁

  • Responder Alava ID:h5ien5xia

    mto bom só falta comer na frente do pai tonto

    • Junior ID:81rse318ra

      Adorei vey

  • Responder Xxxxx.mn ID:7xbyqz4v99

    Perfeito de mais , só falta voltar pra descobrir como tá o moreno da prancha fode do vários ?

  • Responder @Guerra999 ID:3yny8uemoik

    Nota cem mil Kkkkkk,,, só tem que voltar e colocar o papai pra cumer também hehehe

    • Lnho ID:g3irtbdv2

      Malvado me bloqueou

  • Responder Anonimous001 ID:1ea1sin2a34y

    Que delícia, t3l3 jotas90

  • Responder admirador ID:40vom29km9i

    delicia de conto mano! chama lá no tele, tô de spam @dthgng

  • Responder A ID:g3iqrikd2

    Cara, to ansioso pela continuação 😋

  • Responder Ph21 ID:dlns64mqj

    DLC de contooo