# #

Caminhos do coração #7

2502 palavras | 6 |4.43
Por

TODA UMA BOA AÇÃO GERA UMA REAÇÃO —Estou impressionada, meus parabéns filho – disse a minha mãe assim que falei a minha nota que tirei na prova pra ela. —é assim que se...

TODA UMA BOA AÇÃO GERA UMA REAÇÃO

—Estou impressionada, meus parabéns filho – disse a minha mãe assim que falei a minha nota que tirei na prova pra ela.
—é assim que se faz meu filho – disse o meu pai – estamos orgulhosos de você.
—obrigado – respondi feliz – eu estudei muito com o Junior, queríamos nos dar bem nesta prova.
—não só neste filho, queremos vê-lo se sair bem em todas as outras também- meu pai disse sorrindo pra mim.
—e você Clarinha? …qual foi sua nota? – perguntou a minha mãe e ela não disse nada e só olhava pra baixo.
—responde filha? – disse o meu pai.
—eu tirei 79 – ela disse bem triste sem levantar o rosto.
—Não fique triste filha, você sempre tira notas altas, não é dessa vez que vamos ficar chateados com você – disse meu pai.
—seu pai falou tudo filha, você sempre é bem esforçada, e uma nota dessa também não é ruim, pode não ser a melhor mas é uma ótima nota.
—Mas é que eu queria ser melhor que todo mundo – ela respondeu.
—só seja melhor pra você filha – disse minha mãe – se supere a cada dia e vença a si mesma, quebre seus próprios limites, o que os outros são ou fazem não importa e isso vale pra você também filho.

—bom. Meus filhos estamos muito orgulhosos de vocês dois como sempre, agora eu e sua mãe precisamos voltar ao trabalho.
Meu pai disse e nos deu um beijo na testa de cada um e minha mãe também, eles saíram de mãos dadas como sempre parecendo um casalzinho de adolescentes, incrível como o amor deles não envelhece nunca.
Hoje era dia da Clarinha fazer a faxina e aguar as plantas, tínhamos que molha-la três vezes ao dia por causa do calor excessivo que fazia nesse verão, eu estava louco pra ir na casa do Junior, más fiquei me sentindo tão mal pela Clarinha, era a primeira vês que ela perdia pra mim, quero dizer, que ela tirou uma nota menor que eu …eu sei que ela é chata e é mesmo, mas ela é minha irmã gêmea e eu gosto dela.
—deixa que eu faço esse serviço Clarinha.
—Mas hoje é o meu dia, é minha obrigação fazer as tarefas de casa, pode ir na casa do seu amigo Junior.
—Eu insisto, deixa eu fazer por favor.
—não vai me cobrar depois?
—aff ….claro que não Clarinha, até quando estou te fazendo um favor de coração você tem que ser chata!
—obrigada irmão – ela disse e me deu um abraço sutil como forma de agradecimento me surpreendendo outra vez – já que é assim vou encontrar com minhas amigas lá na sorveteria, elas disseram que iam pra lá.
—é bom mesmo, você quase não sai .
—Mas eu queria te pedir mais uma coisa.

—Então pede! …se eu puder ajudar.
—é se você não tiver alguns trocados para me emprestar, o que a minha mãe me deu eu já gastei, depois eu te pago.
—acho que eu tenho uns dez reais ali guardado que o meu pai me deu, vou te emprestar, mas depois você me paga viu – eu disse e dei o dinheiro a ela, mas sabia que ela não me pagaria, tudo bem, eu dei de coração.
—obrigado irmão – ela disse pegando o dinheiro da minha mão e me deu um beijo no rosto.
—Eca que nojo.

Eu disse limpando a cara com a mão e ela deu risada e saiu apressada para se encontrar com as amigas dela na sorveteria.
Há. Só eu mesmo para me meter nessa furada, hoje a casa estava mais bagunçada que ontem, mas palavra dada tem que ser cumprida, comecei a arrumar, me iniciei pela louça, limpei o fogão, varri o chão, mas precisava passar um pano.
—O ZEZINHO OOOOO……..
—Já VOU….Junior! – eu disse ao atendê-lo – eu estou fazendo as tarefas domésticas aqui, eu ia lá assim que terminasse.
—mais fui eu que quis vim, a minha mãe chegou mais cedo e não está passando bem, a amiga dela está lá também.
—o que sua mãe tem?

—Nada de grave, ela está meio enjoada e com dor de cabeça, ela me disse que não há nada para eu me preocupar.
—Menos mau né.
—Sim. Ela saiu mais cedo do serviço a pedido do meu pai.

O pai do júnior junto com a mãe dele são donos de uma pequena fábrica de sapatos e botinas, eles trabalham juntos, não é um negócio que dá muito dinheiro neste fim de mundo, más com muito trabalho duro eles mantêm uma vida confortável e são pessoas muito simples, tanto que a casinha deles é mais humilde que a nossa.
O pai do Junior se chama Leonardo, alto magro de pele branca e cabelos pretos, muito gente boa assim como a mãe do Júnior, a idade dele eu não sei, mas aparenta ter uns trinta anos mais ou menos sei lá, talvez um pouquinho mais, já a mãe do Junior ele sim me falou a idade que ela tem, ela se chama Célia, tem vinte e nove anos, magra também e é um espetáculo de mulher com um belo par de seios bem firmes e uma bunda de deixar qualquer homem babando kkk com todo respeito ao Júnior e ao pai dele, ela é ruiva, agora já sabem a quem o Junior puxou.
—Se você quiser eu te ajudo – disse o Junior.
—já que você está insistindo tanto pode me ajudar.

Ele botou a mão na massa mesmo, eu também o ajudava quando chegava a sua casa e ele estava lá limpando ela, não era lá essa limpeza, só fazíamos o básico mesmo, o resto nossos pais faziam no final de semana.
—e o Pedro? …porque ele não veio com você?– perguntei enquanto trabalhávamos.
—Eu mandei mensagem pra ele, mas ele disse que não estava com vontade de sair e queria ficar em casa.
—pelo menos você e ele tem celular para se comunicarem.
—não fica assim Zezinho, tenho certeza que o seu pai vai te comprar quando puder.
—Eu torço que sim, mas é uma pena mesmo que o Pedro não veio, talvez possamos passar na casa dele mais tarde.
—esquece ele.
-Você está certo, com certeza ele deve querer ter ficado para bater uma punheta para a Sabrina – eu disse e ri.
—do jeito que eles se entenderam hoje é bem provável que ele deve estar descascando uma pra ela mesmo- ele disse e riu também.
—será que eles vão começar a namorar?
—Acho que é muito cedo ainda pra tirar conclusões, mas eu torço pra que sim, nunca os vi terem uma conversa tão boa e descontraída hoje na escola.

-Por falar em escola Júnior, você falou para os seus pais que tirou nota 100 na prova?
—ainda não. Quero falar a noite quando ele e minha mãe estiverem juntos, estou louco para ver as caras de felicidades deles.
—Eu contei para os meus na hora do almoço.
—E o que eles disseram?
—Estou com o meu pescoço doendo tanto que eles me abraçaram felizes, só fiquei triste pela minha irmã.
—Porque?
—é que ela tirou uma nota menor que eu.
—há mais 79 é uma ótima nota também.
—é porque você não conhece a minha irmã, ela detesta perder para mim, na cabeça dela tudo é um jogo.
—talvez ela queira só chamar sua atenção.
—Se for isso ela consegue todos os dias, aquela menina é muito chata demais.
—é isso que eu estou falando, talvez se você fosse mais amável e parasse de implicar com ela as coisas mudem entre vocês.

Se fosse outro garoto a dizer isto com certeza eu brigaria com ele, más é o Junior! …como ficar bravo com ele? …eu o amo.
—você acha isso? …acha que eu implico com minha irmã?

—Sim. Seja mais gentil com ela e vai ver que ela vai ser mais legal com você, vocês são irmãos e irmãos tem que se respeitar e gostar um do outro.
—Mas eu não disse em nenhum momento que eu não gosto dela, pelo contrário, eu a amo assim como amo meus pais.
—Então demonstre.
Será que o Junior estava certo? …será que se eu a tratasse melhor ela pararia de ser chata comigo, apesar de eu não saber quem implica mais um com o outro, se é eu ou ela.
—Claro que eu demonstro, hoje mesmo eu fiz isso me oferecendo para limpar a casa pra ela, já que hoje era o dia dela fazer isto.
—e o que ela disse?
—ela adorou e até me deu um abraço de agradecimento.
—viu só! …gentileza gera gentileza.
—bom. Acho que agora chega de falar da minha irmã e vamos aguar as plantas, vai dar tempo de assistirmos à sessão da tarde.
—Claro. Vamos lá.

As plantas da minha mãe eram fácil de aguar, eu até que gostava, é só ligar a mangueirinha e regar com o esguicho, más o Junior queria fazer isto então deixei, enquanto ele aguava eu o admirava, mas aí o infeliz foi e começou a me molhar com a mangueira e se rachava de rir.

—para Junior, você está me molhando todo.
—hahaha …bom que você não precisa tomar banho hahaha………….
—há é! …agora você vai ver.
Eu disse e fui pra cima dele e com muito custo e água voando pra todos os lados consegui tomar a mangueira dele e comecei a molha-lo também …era tudo uma brincadeira pra nós, a gente estava se divertindo.

—hahaha …agora você está molhado também – eu disse rindo.
—Mas isso não vai ficar assim.
—e o que você vai fazer?
—Vou te pegar.
—você não consegue, é mais fraco que eu.
-Dúvida?
—Duvido.
—Vou te fazer comer grama.
—Então vem, sou eu que vou fazer você comer grama.
—é o que vamos ver.

Ele disse e deu um impulso levantando seu corpo e me jogando ao chão de barriga pra cima, e com muita rapidez ele subiu em cima de mim, e me imobilizou de-novo segurando meus braços e também ficando cara a cara

Comigo meu pinto está duro, eu estou quase gozando porque ele está encostando sua bumda no meu pinto.
—viu só, eu ganho de você, sou mais forte.
—é …você ganhou de novo.
—vai pedir arrego desta vês?
—tá …eu desisto, pode me soltar.
Eu disse mas ele não me soltou e ficou ali por cima de mim com seu rosto quase colado ao meu, ele me olhava olhos nos olhos e sorrindo, senti sua boca se aproximando cada vês mais, meu coração começou a bater forte …ai meu deus! …ele vai me beijar …sua testa encostou na minha e seu nariz tocou o meu mas ai aquele filho da puta do Pedro chegou e nos flagrou atrapalhando tudo.
—Oi Pedro – eu disse me levantando sem graça e ajeitando rápido meu pinto duro no short, mas era impossível não se notar.
—eu achei que você estaria em casa já que te mandei mensagem e você disse que não queria sair – disse o Junior e eu o notei ajeitando seu pinto duro também no seu short.
—Eu estava com a Sabrina lá na sorveteria trocando umas ideias, mas aí chegou às meninas lá e atrapalhou tudo.
Parabéns pra você e Sabrina Pedro, torço que vocês deem certo, mas agora eu preciso ir, tenho que tirar essa roupa suja e tomar um banho, e espero que minha mãe não brigue comigo – o Junior disse sem graça e se despediu de nós e se foi.

Desculpa Pedro, mas eu preciso tomar um banho também, se você não se incomodar de esperar?
—Tá tranquilo, eu vou pra minha casa – ele disse e virou as costas para ir.
—espera Pedro.
—que foi?
—Sobre o que você viu aqui, não tire conclusões precipitadas, eu e o Junior estávamos só brincando de lutinha.
—não esquenta Zezinho, eu disse que não tocaria mais nesse assunto com você, mas saiba que você pode confiar em mim.
– Você está imaginando coisas Pedro, eu e o Junior somos só amigos, eu já te disse que não sou gay.
-tá tudo bem Zezinho, eu te entendo, falar sobre essas coisas não é fácil, quando você sentir que a nossa amizade é boa o suficiente e você sentir que pode confiar em mim eu estarei aqui pra ouvir,quero que você entenda uma coisa amigo eu sempre estarei do lado dos dois , agora você me dá licença, eu vou pra minha casa.
—tá …vai lá, mas você está errado
—será que estou? – ele disse e virou as costas e então se foi.

Há que raiva que o Pedro estava me fazendo sentir, eu e ele assim como o Junior somos amigos desde pequenos, mas

Ele não tem o direito de se intrometer na minha intimidade, se ele está desconfiado que guarde pra ele.
Eu estava todo sujo de grama e barro da minha lutinha com o Junior, só lavei os meus pés na mangueira e entrei pra dentro, fui até os fundos onde ficava a lavanderia e tirei minhas roupas ficando só de cueca e então fui ao banheiro.
Enquanto a água morna caia sobre meu corpo eu fui agraciado com uma senhora ereção batia uma punheta só parei de bater quando senti aquela goza quente entre meus dedos pensando no Junior, pra falar júnior me conquistou meu coração a muito tempo atrás na verdade eu não parei de pensar no momento em que quase nos beijamos, foi por pouco se o Pedro não tivesse chegado e atrapalhado e agora eu tinha certeza, o Júnior me disse uma vez que gostava de alguém …caralho! …é difícil para eu acreditar… A pessoa de quem o Junior gosta sou eu.
—se acalma Joana, o menino estava só se divertindo com o amiguinho dele.
—se acalma nada Jair! …você já viu as roupas dele que estão lá no tanque? …elas estão imundas, vou ter que deixar de molho pra poder limpar.
—me desculpa mãe, eu só estava brincando de lutinha com o Junior.
—eu não tenho nada a ver com isso – disse minha irmã que ouvia rindo me vendo levar bronca da minha mãe

Avalie esse conto:
PéssimoRuimMédioBomExcelente
(Média: 4,43 de 7 votos)

Por # #
Comente e avalie para incentivar o autor

6 Comentários

Talvez precise aguardar o comentario ser aprovado
Proibido numeros de celular, ofensas e textos repetitivos
  • Responder Angelman ID:1dxldgev13j6

    Continua Cara tá tão bom

    • Green box ID:1d6eoz9odho5

      Valeu Angelman

  • Responder paulo cesar fã boy ID:g62bi29v3

    muito bom meu amigo green box. estou inpressionado pelo seu belo trabalho.

    • Green box ID:1d6eoz9odho5

      Valeu maninho

  • Responder Quick ID:1d4tbi0aa40t

    Ansioso pelo desenrolar entre o Zezinho e o Júnior

    • Green box ID:1d6eoz9odho5

      Obrigado Quick